SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 número30Women war reporters' resistance and silence in the face of sexism and sexual violence índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Media & Jornalismo

versão impressa ISSN 1645-5681versão On-line ISSN 2183-5462

Media & Jornalismo vol.17 no.30 Lisboa jun. 2017

 

APRESENTAÇÃO

 

Mulheres e media: quanto mais sabemos, mais complexo o problema nos parece

 

Women and media: the more we know, the more complex seems to be the problem

 

 

Maria João SilveirinhaI

I Universidade de Coimbra, Faculdade de Letras, CIC.Digital - PÓLO FCSH/NOVA, 3004-530 Coimbra, Portugal. E-mail: mjs@fl.uc.pt

 

 

A revista Media & Jornalismo tem dedicado alguns dos seus números à relação entre género e media, nas suas diversas formas, apresentando alguma da importante investigação que se tem feito neste campo nas últimas décadas. Porquê, então, voltar à mesma questão? Respondemos que, à medida que vamos acumulando mais investigação, essa necessidade se mantém tão urgente quanto ela se nos apresentou pela primeira vez, há cerca de 15 anos, no Centro de Investigação Media e Jornalismo.

A prová-lo, está a crescente investigação que se tem feito neste domínio, destacando-se, aqui, pelo seu caráter transnacional, algumas investigações em particular: os diversos relatórios produzidos pelo Global Media Monitoring Project em 1995, 2000, 2005, 2010 e 2015 (WACC, 2015), os estudos da International Women’s Media Foundation (Byerly, 2011) e os estudos do European Institute for Gender Equality (EIGE, 2013; Ross e Padovani, 2017).

Ao longo dos seus vinte anos de monitorização de um dia das notícias em todo o mundo, o GMMP tem mostrado que a representação das mulheres nas notícias melhorou apenas ligeiramente. No último estudo (WACC, 2015), verificou-se que apenas 24% das pessoas ouvidas, lidas ou vistas nas notícias são do sexo feminino, o que representa um aumento de 7% desde 1995. Mas esta “melhoria” na visibilidade das mulheres nas notícias constitui apenas meio ponto percentual por ano, desde 2000, o que significa que serão necessários pelo menos mais 40 anos para alcançar a paridade de género nas notícias.

Os resultados do Global Report on the Status of Women in the News Media levado a cabo pela Fundação Internacional de Mulheres nos Media (Byerly, 2011) também não deixaram margem para dúvidas: ainda que haja cada vez mais mulheres no jornalismo, atingindo elas um número superior ao dos homens em alguns países europeus (particularmente na Finlândia, Suécia e Rússia), 73% dos cargos de responsabilidade nos media de todo o mundo são ocupados por homens.

Mais recentemente, o relatório do Instituto Europeu para a Igualdade de Género sobre a tomada de decisão nas organizações mediáticas (EIGE, 2013; Ross e Padovani, 2017) revela que as barreiras institucionais ao avanço das carreiras das mulheres e as disparidades salariais entre homens e mulheres permanecem firmes no sector dos meios de comunicação social. Diferentes tipos de media, dentro e entre diferentes contextos nacionais, apresentam uma versão partilhada da “realidade”, que reflete as relações de género dominantes e mantém um status quo desigual, contribuindo para a perpetuação das desigualdades de género na vida quotidiana.

O livro apresentado pelo Conselho da Europa em 2015 sobre esta matéria (CoE, 2015) cruza os dados de resposta com um estudo sobre a desigualdade nos media, nos Estados Membros, onde se reforça a desigualdade que é já conhecida por uma série de novos desafios, incluindo: a crise do setor mediático, devido à concorrência dos meios digitais; a crescente concentração da propriedade dos media na Europa e o seu impacto negativo na diversidade de conteúdos; e a influência da crise financeira sobre o compromisso dos meios de comunicação públicos para com o pluralismo. Ora, a leitura que fazem autoras que sistematicamente têm trabalhado sobre esta questão, como Carolyn M. Byerly e Claudia Padovani, é aquela de que partilhamos inteiramente:

“Realçar [estes] elementos críticos exige uma melhor apreciação do nexo entre a igualdade de género e as políticas de comunicação, por um lado e, por outro, as intervenções reguladoras noutros domínios, das agendas digitais às políticas de concorrência. Tal revela a complexidade das questões em jogo e as suas implicações multidimensionais e, ao mesmo tempo, reforça a necessidade de incluir aspetos políticos na análise da igualdade de género e dos media” (Byerly e Padovani, 2017: 21).

É nesse sentido que a Revista Media & Jornalismo tem procurado trabalhar, produzindo investigação e reflexão sobre realidades, situações, temas e questões locais, cruzando-a com aspetos políticos que consideramos fundamental ter em conta.

Assim, neste número, começamos por apresentar os problemas de sexismo e as estratégias de resistência que as repórteres de guerra desenvolvem. Esse e é o tema da investigação de Linda Steiner que, a nosso convite, escreveu este original especialmente para a Revista Media & Jornalismo. A autora centra-se sobretudo nas mulheres repórteres de guerra contemporâneas – com especial destaque para Lara Logan -, e mostra como elas estão particularmente sujeitas a perversidades particulares de género como o sexismo, a condescendência, o pseudo-protecionismo, e comportamentos obscenos e hostilidade por parte de militares, público e dos seus próprios patrões. São também sujeitas a violência sexual, mas muitas sofrem todos estes problemas silenciosamente, ignorando-o ou acabando por desistir da profissão. Mas o que ela considera importante notar é que a resposta destas jornalistas às diferentes formas de sexismo tem sido dada quase sempre ao nível individual e praticamente nunca coletivamente. Para as jornalistas, incluindo as repórteres de guerra, afirma Steiner, a solidariedade feminina não é um recurso claro. A acrescer ao problema da violência sobre as jornalistas de guerra, a resposta institucional é também quase inexistente, o que é agravado pelo número de mulheres free-lancers que desenvolvem este trabalho.

No texto seguinte, João Miranda dá conta das dimensões de género dos resultados de um inquérito recente ao universo de jornalistas portugueses. O autor analisa o contexto recente e contemporâneo da recomposição de género das redações portuguesas em duas linhas: por um lado, o processo num constante processo de feminização do corpo profissional, alicerçado num rejuvenescimento dos quadros e num contínuo aumento da formação para a profissão; por outro, o conjunto de contradições inerentes ao processo de feminização, que revela um fraco acesso das mulheres jornalistas a cargos e funções de responsabilidade editorial e uma assimetria no campo das condições de trabalho. Apesar de uma tendência geral para uma relativa harmonia entre as respostas de homens e mulheres, registam-se algumas discrepâncias relativas à situação laboral e ao campo das conceções sobre o exercício da profissão.

De seguida, a problemática da igualdade nos media é explorada por Filipa Subtil e Maria João Silveirinha que analisam diversos documentos produzidos em torno dos Planos Nacionais de Igualdade na sua dimensão de género nos media. As autoras descrevem e analisam vários momentos desta produção, a partir dos processos de Europeização e de transferência de políticas e concluem da necessidade de levar mais a sério esta questão, dotando os Planos de instrumentos concretos e com boas possibilidades de eficácia.

A fechar o foco específico sobre as questões de género nos media e no jornalismo, o texto de Karen Ross coloca o problema da igualdade de género no jornalismo no contexto europeu e explora o grau de entrada das mulheres nos níveis mais elevados de gestão num leque alargado de grandes organizações mediáticas, públicas e privadas, da UE e da Croácia. O trabalho resume os dados centrais de um projeto financiado pelo Instituto Europeu para a Igualdade de Género e apresenta três Indicadores que o Conselho Europeu acabou por adotar na sua estratégia para o Mainstreaming de Género na União Europeia.

Os três últimos textos recobrem outros aspetos da problemática de género na comunicação e nos media. Diana Silver leva-nos por uma viagem discursiva e comunicacional à Grã-Bretanha, analisando dois manifestos feministas de Greenham em 1981 e de diversas ações em 2016. Ela encontra nestes textos, que traduzem as chamadas “women-only direct action”, um claro afastamento do tradicional retrato das mulheres como maternais, vulneráveis e pacifistas.

No texto de Juliana de Sousa encontramos uma reflexão sobre a construção mediática do backlash, do consumo e dos pós-feminismos. A autora procura refletir sobre o modo como os media têm lidado com a significativa intervenção dos feminismos na identificação e na desconstrução das práticas sociais ainda dominantes e passa em revista a forma como as construções neoliberais dos feminismos, sobretudo apropriados pelos veículos de comunicação social, podem ser observados e interpretados como um fenómeno social que envolve tanto as estruturas de controlo/poder como as lógicas identitárias de uma sociedade marcadamente patriarcal.

A fechar o número da revista, Cláudia Alvares abre, na verdade, mais uma janela para o panorama da problemática de género nos media - desta vez digitais -, situando-se ainda no tema do pós-feminismo, mas problematizando os seus pressupostos no cruzamento entre as promessas de crescentes oportunidades de participação promovidas pelas novas tecnologias e a defesa de valores democráticos. A sua reflexão gira em torno do modo como a arquitetura das redes, proporcionando um determinado grau de anonimato, facilitando a desinibição, a ausência de civilidade e a publicitação da intimidade, legitima uma cultura de misoginia que, na verdade, reencena estruturas sociais normativas, por vezes sob a capa de promoção de uma aparente emancipação.

Cremos que o que estas investigações voltam a mostrar é, tão “simplesmente”, que o questionamento sobre as mulheres na comunicação não pode parar e tem de abranger múltiplas dimensões. Só acumulando e detalhando conhecimento podemos, por um lado, reforçar o que já sabemos, consolidando bases para a necessária ação de mudança, e, por outro, acompanhar as novas formas de desigualdade que se estabelecem à medida que a realidade mediática se vai transformando nos seus contornos tecnológicos e nas suas novas peles de mediação.

 

 

Referências

Byerly, C.M. (2011) Global Report on the Status of Women in News Media, technical report. Washington, DC: International Women’s Media Foundation.

EIGE - European Institute for Gender Equality (2013) Review of the Implementation of the Beijing Platform for Action in the EU Member States: women and the media: advancing gender equality in decision-making in media organisations, Luxembourg: Publications Office of the European Union.         [ Links ]

Ross, Karen e Claudia Padovani, ed. (2017), Gender Equality and the Media. A Challenge for Europe. Nova Iorque, Routledge        [ Links ]

Byerly, Carolyn M. e Claudia Padovani (2017), “Research and Policy Review” in Gender Equality and the Media, ed. Ross, Karen e Claudia Padovani, Nova Iorque, Routledge.         [ Links ]

WACC (2015) Who Makes the News?, Toronto: World Association for Christian Communication.         [ Links ]

 

 

Maria João Silveirinha – é doutorada pela Universidade Nova de Lisboa e é Professora Associada na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Tem participado e liderado diversos projetos sobre a temática género e media e integra o CIC. Digital, onde investiga esta área científica.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons