SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número4Efeitos na saúde do uso de cigarros eletrónicos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar

versão impressa ISSN 2182-5173

Rev Port Med Geral Fam vol.30 no.4 Lisboa ago. 2014

 

CLUBE DE LEITURA

Cálcio a mais? Riscos da suplementação com cálcio e vitamina D na pós-menopausa

Too much calcium? Risks of post-menopausal calcium and vitamin D supplementation

Helena Martins

Interna de Formação Específica em Medicina Geral e Familiar, USF Lagoa, Unidade Local de Saúde de Matosinhos


 

Gallagher JC, Smith LM, Yalamanchili V. Incidence of hypercalciuria and hypercalcemia during vitamin D and calcium supplementation in older women. Menopause. 2014 Jun 16. [Epub ahead of print]

Introdução

A suplementação com cálcio e vitamina D é amplamente utilizada para prevenção da osteoporose em mulheres pós-menopáusicas. Embora a dose exata de vitamina D e cálcio associada a sintomas tóxicos seja desconhecida, a dose diária máxima recomendada é de 4000 UI e 2000 mg, respetivamente, estando, contudo, descritos casos de toxicidade com doses inferiores. O estudo da Women’s Health Initiative (WHI, NEJM 2006), com 36.282 mulheres, foi, até à data, o único grande estudo prospetivo controlado e de longa duração acerca da suplementação com cálcio e vitamina D, tendo reportado, após sete anos de seguimento, um aumento do risco de nefrolitíase em 17% face ao grupo placebo.

O objetivo deste estudo é avaliar prospetivamente a incidência de hipercalcémia e hipercalciúria com a suplementação de diferentes doses de vitamina D, mantendo um consumo diário de cálcio aproximado de 1200 mg em mulheres pós-menopáusicas.

Métodos

Ensaio clínico aleatorizado e controlado, duplamente cego, que envolveu 163 mulheres caucasianas com idades entre os 57 e os 90 anos, agrupadas de modo a receberem diferentes doses de vitamina D3 (400 a 4800 UI/dia) ou placebo. Todas as mulheres incluídas tinham, à partida, uma deficiência prévia de vitamina D (≤ 20 ng/mL). Foram excluídas aquelas com antecedentes de nefrolitíase, insuficiência renal crónica, hipercalcémia, hipercalciúria, bem como aquelas medicadas com corticóides, bifosfonatos ou qualquer outra medicação com potencial para interferir com as medições. A dieta foi analisada e suplementada com cálcio, de modo a totalizar uma ingestão total diária de aproximadamente 1200 mg (inclusive no grupo placebo). Durante um ano, foram avaliados, trimestralmente, os níveis séricos e urinários de cálcio bem como os níveis séricos de vitamina D. Qualquer resultado acima do valor máximo de referência representou um episódio de hipercalcémia (> 10,2 mg/dL) ou de hipercalciúria (> 300 mg/dia).

Resultados

A adesão média à suplementação com vitamina D3 e cálcio durante os 12 meses foi de 94% e 91%, respetivamente, tendo a taxa de abandono do estudo sido de 9,8%.

Ao longo de um ano foi detetada hipercalcémia em 8,8% e hipercalciúria em 30,6% das participantes pertencentes a ambos os grupos controlo e placebo. Ao contrário da hipercalcémia, que foi transitória, os episódios de hipercalciúria foram recorrentes. Não foi detetada nenhuma associação significativa entre os episódios de hipercalcémia e hipercalciúria com a dosagem dos suplementos de vitamina D ou com os seus níveis séricos.

O modelo de regressão logística multinominal demonstrou que a idade e os níveis basais de cálcio urinário na urina de 24 horas (pré-suplementação) são preditores significativos de hipercalciúria, sendo que o aumento da idade parece ser um fator protetor, enquanto níveis de cálcio urinário basais mais elevados promovem o desenvolvimento de hipercalciúria. O aumento de um ano na idade resultou numa diminuição de 10% do risco de desenvolver hipercalciúria (RR, 0,90; IC 95%, 0,84-0,97; p = 0,0044). Uma mulher com uma calciúria basal superior a 132 mg/dia apresentou um risco 15 vezes superior de vir a desenvolver hipercalciúria durante o estudo (RR, 15,3; IC 95%, 5,44-43,01; p = 0,0001) relativamente àqueles com níveis basais inferiores.

Durante o estudo não foram observados episódios sintomáticos de nefrolitíase.

Discussão/Conclusão:

Este foi o primeiro estudo prospetivo controlado para descrever detalhadamente os efeitos da suplementação com cálcio e vitamina D nos níveis séricos e urinários de cálcio em mulheres na pós-menopausa.

Os episódios de hipercalcémia e hipercalciúria observados não parecem estar dependentes da dose de vitamina D ou dos seus níveis séricos, embora não se saiba se foram causados somente pela suplementação com cálcio ou também pela combinação de cálcio e vitamina D. Mesmo uma suplementação modesta de cálcio de 600 mg/dia (no grupo placebo) foi suficiente para causar, em algumas mulheres, hipercalcémia e/ou hipercalciúria.

Alguns estudos prévios já haviam reportado a ocorrência de hipercalciúria e/ou hipercalcémia após suplementação de cálcio e de vitamina D. No estudo da WHI, o desenvolvimento de nefrolitíase no grupo suplementado com vitamina D (400 UI/dia) e 1000 mg de cálcio poderá ser parcialmente explicado por uma ingestão total de cálcio excessiva (2200 mg/dia) e pelo facto de terem sido incluídas mulheres com antecedentes de nefrolitíase. Apesar de ser comummente aceite que a vitamina D aumenta a absorção de cálcio, outros estudos, conduzidos pelos mesmos autores deste ensaio clínico, demonstraram que a suplementação diária com 400 UI de vitamina D não influenciou a absorção de cálcio neste grupo de mulheres mais velhas, nem doses de até 2400 UI/dia em mulheres mais jovens. Consequentemente, é pouco provável que a suplementação de 400 UI/dia de vitamina D possa ter causado a hipercalciúria e a nefrolitíase no estudo da WHI.

Alguns estudos epidemiológicos publicados sugerem que níveis mais elevados de cálcio na dieta diminuem o risco de nefrolitíase, enquanto a sua suplementação parece ter o efeito contrário.

Em suma, o risco de hipercalcémia e hipercalciúria decorrente da suplementação com cálcio e vitamina D é muitas vezes ignorado pelos profissionais de saúde. Estes eventos não parecem estar relacionados com as doses de vitamina D administradas ou com os seus níveis séricos, mas antes com a suplementação isolada de cálcio ou se associada à vitamina D. Dado que um nível basal elevado de cálcio na urina de 24 horas pode ser um fator de risco para o desenvolvimento de hipercalciúria, é aconselhável avaliar os níveis séricos e urinários de cálcio previamente e 3 meses após o início da suplementação.

COMENTÁRIO

Este artigo refere-se a um ensaio clínico de curta duração e que, por isso, se consigna apenas a medir endpoints analíticos. Não obstante, esta medição é feita de um modo rigoroso, com exclusão de potenciais fatores de confundimento. A hipercalciúria, apesar de ser um dado meramente laboratorial, poder-se-á tornar clinicamente relevante se outros fatores de risco para nefrolitíase, difíceis de rastrear, se conjugarem no mesmo doente. O facto de terem sido excluídas mulheres com hipercalciúria basal, algo que não reflete a prática clínica comum, pode ter subestimado o efeito da suplementação.

Este estudo apresenta algumas limitações, apontadas pelos autores: suplementação variável de cálcio consoante os níveis na dieta (embora 70% das mulheres tenham recebido 600 a 800 mg/dia); ausência de um grupo placebo sem suplementação de cálcio, pelo que não se pode afirmar que a hipercalciúria se deva exclusivamente à suplementação; os resultados obtidos podem não se aplicar a outros grupos etários ou étnicos nos quais o metabolismo do cálcio e da vitamina D pode ser diferente.

Em abril de 2014 foi publicada uma revisão sistemática da Cochrane1 cujo objetivo era determinar o efeito da suplementação de vitamina D, com ou sem cálcio, na prevenção de fraturas em mulheres pós-menopáusicas e homens com idade média superior a 65 anos. Existe evidência de elevada qualidade que a suplementação de vitamina D e cálcio, comparativamente à ausência de tratamento ou ao placebo, resulta numa pequena redução do risco de fratura da anca (16%), mais expressiva nos indivíduos institucionalizados, e numa redução significativa na incidência de novas fraturas não vertebrais (o efeito na redução do risco de fraturas vertebrais não é significativo). Os efeitos laterais descritos são a hipercalcémia ligeira, mais frequente com o análogo calcitriol, sintomas gastrointestinais e nefrolitíase ou insuficiência renal.

Em síntese, um dos principais méritos deste estudo é o de alertar o clínico para uma terapêutica que, apesar de deter um benefício cada vez mais sólido, poderá ter, a longo prazo, efeitos laterais não menosprezáveis. Tendo em vista a identificação dos indivíduos em maior risco de nefrolitíase, os autores do estudo sugerem a medição dos níveis séricos e urinários de cálcio previamente e 3 meses após o início da suplementação de cálcio e vitamina D. Contudo, são necessários estudos que avaliem o custo-efetividade desta recomendação. Ainda que um indivíduo com alto risco de fratura osteoporótica desenvolva hipercalciúria durante a suplementação com vitamina D e cálcio, a decisão de suspensão da suplementação não será de todo clara face à evidência atualmente disponível.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Avenell A, Mak JC, O’Connell D. Vitamin D and vitamin D analogues for preventing fractures in post-menopausal women and older men. Cochrane Database Syst Rev. 2014 Apr 14;4:CD000227.         [ Links ]

 

Conflitos de interesse

A autora declara não ter conflito de interesses.

Artigo escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons