SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 número16A dimensão do desenho nas esculturas de Evandro Soares índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista :Estúdio

versão impressa ISSN 1647-6158

Estúdio vol.7 no.16 Lisboa dez. 2016

 

EDITORIAL

EDITORIAL

O Estúdio nas tuas mãos

A Estúdio in your hands

 

João Paulo Queiroz*

*Portugal, par académico interno e editor da Revista Estúdio.

AFILIAÇÃO: Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas-Artes, Centro de Investigação e Estudos em Belas-Artes (CIEBA). Largo da Academia Nacional de Belas-Artes, 1249-058, Lisboa, Portugal.

 

Endereço para correspondência

 

RESUMO:

Os 17 artigos selecionados pera este número 16 da Revista Estúdio estabelecem relações com o espaço urbano, recordando as aproximações críticas da etno-metodologia, de Georges Perec e da proposta da 'deriva' como pré-ocupação revolucionária do espaço modernista, de Guy Debord. Entre as pessoas e os objetos estão possibilidades, estilos de vida. Entre uns e outros há um consenso para fracturar, para questionar. Para interrogar os caminhos, é preciso conhecê-los, e para os conhecer é preciso desconhecê-los: depois vem a proposta, a inovação, a invenção. As matérias fazem-se de pensamento, sabem os artistas. É com estas matérias que ocupamos os nossos Estúdios.

Palavras-chave: Estúdio, etno-metodologia, deriva

 

ABSTRACT:

The 17 articles selected for this issue 16 of Revista Estúdio establish relations with the urban space, recalling the critical approach of ethno-methodology, by Georges Perec and also the proposal of 'drift' as a revolutionary pre-occupation of modernist space, by Guy Debord. Between the people and the objects there are possibilities of different lifestyles. Between one and the other, there is a consensus to be fractured, to be questioned. In order to examine paths one needs to know them; and in order to know them one needs to be ignorant of them. Then innovation and invention can occur. The artists know: materials are made of thought. With these materials we occupy our studios.

Keywords: Estúdio, ethno-methodology, drift.

 

A cidade marca-nos ou nós marcamos a cidade? Qual o enunciado, quem o enuncia? Os 17 artigos selecionados pera este número 16 da Revista Estúdio estabelecem relações com o espaço urbano, recordando as aproximações críticas da etno-metodologia (Perec, 1999) e da proposta da deriva como pré-ocupação revolucionária do espaço modernista (Debord, 1955; 1958; Jacques, 2003). As pessoas ligam-se no entrecruzar das ruas, caminhos, percursos, mudanças, deslocações. Entre as pessoas e os objetos estão possibilidades que, quando repetidas, se transformam em estilos de vida. Entre uns e outros o consenso, para fraturar, questionar. Para interrogar os caminhos, é preciso conhecê-los, e para os conhecer é preciso desconhecê-los: só depois vem a proposta, a inovação, a invenção. Inventa-se um Homem pelo seu caminho.

Os dédalos que se acompanham e parecem transgredir a materialidade são o tema do trabalho que sugeriu a nossa capa: os desenhos / escultura de Evandro Soares, trazidos ao Estúdio pelo artigo de Glayson de Sampaio (Goiás, Brasil). Em "A dimensão do desenho nas esculturas de Evandro Soares," entre o desenho e a sua tridimensionalidade, joga-se a cumplicidade do espectador e a dificuldade de este localizar o seu lugar, entre o pensamento e a coisa.

O artigo "As paisagens submersas de Emanuel Monteiro," de Marilice Corona (Rio Grande do Sul, Brasil), apresenta o desdobramento das páginas de diários, que se re-articulam e formam novas paisagens, exteriores e interiores.Maristela Salvatori (Rio Grande do Sul, Brasil), no texto "O múltiplo em publicações de artistas: Röhnelt, Cattani e Mutran," aborda as propostas na área do livro de artista destes três autores e obras respectivas: Galerias, de 2014, Sete dias, de 2000, e Raster, de 2013, cada um acrescentando uma abordagem e uma dimensionalidade novas ao género.

Em "Fioravante e o vazio: o desenho como estratégia de ausência," Eduardo Vieira da Cunha (Rio Grande do Sul, Brasil) apresenta os trabalhos a pastel negro de Fioravante, que tecem uma poética da ruína, do transiente, do gasto, espécies de caveiras contemporâneas que nos interrogam.

Simón Arrebola (Sevilha, Espanha), no artigo "Entre aquelarres y reordenaciones pictóricas: un acercamiento a la obra de José Carlos Naranjo," permite uma perspetiva sobre este autor espanhol que já foi capa da revista Estúdio 13: os seus flagrantes pelo flash eletrónico imobilizam seres que parece submersos, incómodos, em fuga, ao mesmo tempo que se desdobram referências da pintura e da fotografia adivinhando-se uma componente de sombra, que se reflete, como em alguns autorretratos de Lee Friedlander.

O artigo "Claudia Coca: el autorretrato de una sociedad," de Mihaela Radulescu de Barrio & Rosa Gonzales (Lima, Perú), debruça-se sobre Claudia Coca, que interroga a representação pop a partir de um ponto de vista mestiço: afinal as vanguardas conceptuais exigem um espectador sem misturas: é essa pressuposição histórica que transporta a hegemonia.

Marcos Rizolli (São Paulo, Brasil), em "A geometria de Rui Effe: um sensível conceito," aborda os mapas escavados de Effe (Portugal), em folhas, formas negativas que traçam ocupações e possibilidades, ou registos e recordações, num tecido antigo que se estuda.

O texto "Signos indiciales del cuerpo: huellas de vida en la producción de Alberto Greco," de Alejandra Maddonni (La Plata, Argentina), introduz a obra implicada e significativa do argentino Alberto Greco: uma silueta é uma abertura para fora, a fronteira da liberdade. Desde as suas silhuetas dos anos 60 até ao movimento siluetazo, onde os recortesdos desaparecidos ganham novo significado para a intervenção: a arte pode ser política, mesmo sem o querer.

Carlos Rojas & Paco Lara-Barranco (Sevilha, Espanha), no artigo "José Miguel Pereñíguez: la representación del ánima a través del dibujo," interroga a possibilidade de os referentes incluírem a reflexão, dependendo da sua mesma representação: a sua profundidade vem do referente, ou da sua representação?

O artigo "El universo fantasmagórico en la obra de Pekka Jylhä (1955- )," por Visitación Ortega (Granada, Espanha), interroga a representação da morte intermediada pelos seus animais veículo: o bode expiatório, ou o coelho que, pelo contrário, se reproduz à mesma cadência que a série de Fibonacci e parece-nos olhar do lado de lá do ciclo da vida, na obra do finlandês Jilhä.

Joaquín Escuder (Saragoça, Espanha), em "La germinación nocturna: sobre la pintura de Santi Queralt," estuda as formulações de tinta deste pintor de Barcelona, que se articulam em vistas, mapas, territórios: algo nos mostram, algo nos ocultam, na materialidade da tinta.

Em "Estruturas de luz: a fotografia artística de António Quaresma" Cícero de Brito Nogueira & Núbia de Andrade Viana, (Piauí, Brasil), apontam as diferentes tipologias de fotografias do brasileiro António Quaresma, autor que expande na cor uma plástica fotográfica festiva.

Neide Marcondes & Nara Martins (São Paulo, Brasil) no artigo "Sob o céu de Veneza: o português João Louro e o brasileiro André Komatsu," procuram estabelecer um diálogo entre estes artistas, descobrindo, na presença do corpo, ou na sua reclamação e vestígio, um campo de possibilidades para interrogar os poderes que podem fazer surgir ou fazer desaparecer.

O artigo "Arte contemporânea: proposições olfatórias e gustativas," de Lurdi Blauth & Fernanda de Christo (Rio Grande do Sul, Brasil), aborda a obra de Isabel Sommer e de Lucimar Bello, ambas presentes na X Bienal do Mercosul, de 2015 (Porto Alegre), e que exploram as dimensões das sensorialidades nas suas instalações.

Concepción Elorza Ibáñez & Zuhar Iruretagoiena (Bilbau, Espanha), em "Sobre El estado de la cuestión un ensayo performativo (2015) de Helena Cabello y Ana Carceller: una lectura procesual de sus elementos constitutivos," apresentam a instalação que a dupla de artistas apresentou na Bienal de Veneza de 2015, onde a obra dos surrealistas é revisitada, a par com a fragilidade da democracia no contexto contemporâneo.

Em "El vacío y la soledad del 'no lugar' en la obra de Ángeles Marco," Yolanda Ríos, (Vigo, Espanha), reflete sobre a obra da escultora desaparecida Ángeles Marco (1947-2008) cuja obra se debruça sobre os espaços de transição, os não lugares, as metáforas que nos mostram a realidade perdida.

Sandra Gonçalves (Rio Grande do Sul, Brasil), no artigo "Pele Preta: a poética da luz," debruça-se sobre a série de 23 imagens do ensaio fotográfico de Maureen Bisilliat, de 1960 (Inglaterra / Brasil): mulher, homem, criança. O tema da pele preta associada à transfiguração recorda-nos o anjo de Aleijadinho, ao mesmo tempo que opera a metamorfose dos corpos em madeira. A fotografia funde os corpos na matéria do pensamento e da vida.

As matérias fazem-se de pensamento, sabem os artistas. É com estas matérias que ocupamos os nossos Estúdios. Onde está este Estúdio? Nas tuas mãos.

 

Referências

Debord, Guy (1955) Introdução a uma crítica da geografia urbana [em linha, consult. 2016-02-18] Disponível em URL: http://www.oocities.org/autonomiabvr/urb.html        [ Links ]

Debord, Guy (1958) Teoria da deriva [em linha, consult. 2016-02-18] Disponível em URL: https://teoriadoespacourbano.files.wordpress.com/2013/03/guy-debord-teoria-da-deriva.pdf        [ Links ]

Jacques, Paola Berenstein (org.) (2003). Apologia da Deriva: Escritos Situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra. ISBN 9788587220608        [ Links ]

Perec, Georges (1999) Especies de espacios. Barcelona: Literatura y ciencia, S. L.         [ Links ]

 

Enviado a 20 de janeiro de 2016 e aprovado a 22 de janeiro de 2016

 

Endereço para correspondência

 

Correio eletrónico: joao.queiroz@fba.ul.pt(João Paulo Queiroz)

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons