SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número especial 4Índices de Nuclearidad (Completo y Reducido), como aportación a la Teoría de Conceptos NuclearesA melhoria organizacional como alavanca para melhores condições de trabalho índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


RISTI - Revista Ibérica de Sistemas e Tecnologias de Informação

versão impressa ISSN 1646-9895

RISTI  no.spe4 Porto set. 2015

http://dx.doi.org/10.17013/risti.e4.35-49 

ARTIGOS

 

Plataforma FlexQuest®: Uma estratégia didática para a promoção de flexibilidade cognitiva e interdisciplinaridade com recursos Web 2.0

FlexQuest® platform: A teaching strategy to promote cognitive flexibility and intersciplinarity with Web 2.0 features

 

Iris Gabrielle de Sena Santos Silva 1, Marcelo Brito Carneiro Leão1, Francislê Neri de Souza2

1 Universidade Federal Rural de Pernambuco, R. Manuel de Medeiros, s/n - Dois Irmãos, Recife - PE, 52171-900, Brasil E-mail: irisgabrielle@gmail.com, marcelo@dq.ufrpe.br

2 Universidade de Aveiro, Campus Universitário de Santiago, 3810-193 Aveiro, Portugal E-mail:fns@ua.pt

 

RESUMO

Este artigo apresenta uma plataforma online (FlexQuest®) que está sendo desenvolvida para a criação de projetos educacionais que promovam a flexibilidade cognitiva, a interdisciplinaridade e a interação em ambiente Web. A FlexQuest® é uma ferramenta e também uma estratégia didática que objetiva a construção de conhecimento de nível avançado e flexível, a partir de contextos reais obtidos diretamente da Internet. As primeiras FlexQuest® foram desenvolvidas em formato Web 1.0 e resultaram em investigações no Brasil e em Portugal. A nova FlexQuest® , aqui descrita, apresenta um carácter Web social, priorizando uma abordagem interdisciplinar de conteúdos e centrada no questionamento e na flexibilidade cognitiva.

Palavras-chave: FlexQuest; interdisciplinaridade; Web 2.0; TIC; flexibilidade cognitiva

 

ABSTRACT

This paper presents an online platform (FlexQuest®) being developed for the creation of educational projects that promote cognitive flexibility, interdisciplinarity and interaction in the Web environment. The FlexQuest® is a tool and a teaching strategy, which aims to build advanced and flexible level of knowledge from real contexts, obtained directly from the Internet. The first FlexQuest® were developed in Web 1.0 format and resulted in investigations in Brazil and Portugal. The new FlexQuest® described herein presents a social Web character, emphasizing an interdisciplinary approach content and focused on questioning and cognitive flexibility.

Keywords: FlexQuest; interdisciplinarity; Web 2.0; ICT; cognitive flexibility

 

1. Introdução

A Internet tem se destacado, ao longo dos anos, em quanto ferramenta educativa capaz de atuar como fonte de informação e meio de interações que propiciam maior envolvimento dos estudantes (Carvalho, 2007). Entre algumas das vantagens relacionadas ao seu uso em sala de aula está a de auxiliar no cumprimento de algumas das funções atribuídas à escola, como: proporcionar estrutura e acesso a um mundo de diversidade, oportunizar os contextos e saberes para a construção da autonomia do educando.

É coerente pensar em suas contribuições no âmbito escolar uma vez que os alunos utilizam frequentemente recursos online para a busca de mais informações sobre os temas discutidos em sala de aula, retirando do professor o papel de única fonte de informação. Pode-se dizer que esta mudança deu-se, principalmente, com a chegada da Web 2.0, ou Web social, onde o utilizador além de receber informações também é responsável pela criação e inserção destas na rede. Assim, neste contexto, professor e aluno são responsáveis por selecionar, gerir e trocar informações, de forma a estabelecer dinâmicas de colaboração e cooperação (Coll & Monereo, 2010).

As ferramentas de caráter Web 2.0 impulsionam uma maior participação e interação entre os alunos e professores, auxiliando com as comunidades de construção da aprendizagem, dão suporte a melhores disposições de feedback, além de propiciar uma aprendizagem mais ativa (Abedin, 2011).

A internet é utilizada como um meio para a construção colaborativa do conhecimento, como, por exemplo, a enciclopédia digital Wikipedia “que se alimenta das definições e artigos dos seu usuários, contribuições estas que são depuradas e corrigidas por meio de diversos mecanismos, para evitar erros e vandalismo informático” (Coll & Monereo, 2010, p.36). Contudo, o uso da Internet como ferramenta para o ensino ainda é criticado por alguns autores devido a problemas de utilização. Como por exemplo, uma prática que é comum entre os alunos, a pesquisa em sites  de busca, onde “navegam” em rede como se estivessem à caça de algo inesperado, sem a preocupação de manter o foco nos objetivos da pesquisa, ocasionando dificuldades na escolha de informações úteis e com tendência a considerar todas as fontes obtidas através da internet como verdadeiras e fidedignas (Neri de Souza, Leão, & Moreira, 2006). E este é um problema considerável, uma vez que a qualidade do conteúdo inserido na rede é uma das limitações em relação à Web 2.0, pois é difícil manter o controle sobre o conteúdo, impactando na qualidade e fiabilidade do material produzido e publicado (Abedin, 2011).

Com vista a esta e outras problemáticas Bernie Dodge e Tom March propuseram a WebQuest, uma atividade de investigação orientada, na qual uma parte ou toda a informação com que os alunos irão interagir serão encontradas na Internet (Dodge, 2006). Entre suas potencialidades destaca-se o direcionamento para a utilização de recursos da Web para o ensino e a aprendizagem por pesquisa (Núñez, Reguera, & Okulik, 2011).

Entretanto, com a evolução tecnológica, surgiram propostas de modificações da estratégia WebQuest, centradas tanto nos aspectos técnicos quanto em sua execução enquanto atividade didático-pedagógica. Sobretudo por apresentar um caráter de consumo de informação em termos do suporte online, ou seja, um caráter Web 1.0.

Dentre algumas das propostas de modificações da WebQuest pode-se destacar os trabalhos de Murray, Yang, & Allen (2002) onde foram introduzidos blocos de notas eletrônicos ao modelo WebQuest, viabilizando anotações sobre os sites visitados pelos alunos, que poderão ser utilizadas para auxiliar a responder o problema proposto.  Em Young & Wilson (2002) foi proposto um modelo de WebQuest que utiliza quatro fases de reflexão. Estas fases têm como objetivo  aumentar o processo de reflexão dos alunos sobre o problema proposto de forma colaborativa. Outra alteração ao modelo WebQuest foi proposta por Chatel & Nodell (2002) que destacaram a necessidade da apresentação de uma pergunta central que servirá como guia na introdução da WebQuest com o intuito de estímular a participação ativa dos alunos.

Ressaltaremos neste trabalho a proposta FlexQuest®, que defende uma abordagem holístico-integrativa do conhecimento, incorporando, inicialmente a Teoria da Flexibilidade Cognitiva (TFC) nessa estratégia (Leão, Neri de Souza, Moreira, & Bartolome, 2006).

 

2. Pressupostos Teóricos

2.1. A FlexQuest® de primeira geração

Uma das críticas feitas às pesquisas envolvendo as Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) na educação está no enfoque adotado por muitas destas pesquisas, ou seja, colocar a tecnologia no centro do processo de ensino e de aprendizagem. As primeiras FlexQuest® foram concebidas, em 2006, para atuar como um meio que viabiliza intenções pedagógicas e não como um fim em si mesma. A proposta inicial, então, tinha como base a mesma estrutura da WebQuest, com pequenas alterações para promover a construção de conhecimento flexível e de nível avançado, seguindo as ideias da Teoria da Flexibilidade Cognitiva (TFC).

A TFC é uma teoria de cunho construtivista desenvolvida no contexto de uma pesquisa nos Estados Unidos visando identificar e solucionar as dificuldades em transferir conhecimento para novas situações, apresentadas por alunos dos cursos de Medicina (Feltovich, Spiro, & Coulson, 1989). Ela configura-se, concomitantemente, como uma teoria de aprendizagem, de representação mental e de instrução integrada (Spiro, Feltovich, Jacobson, & Coulson, 1992).

Vale salientar que a flexibilidade cognitiva refere-se à capacidade do indivíduo em reestruturar o conhecimento construído para resolver uma situação/problema nova (o) com a (o) qual ele se depara, em função da capacidade de constituir esquemas, tomando partida da rigidez até a flexibilidade. Desta forma, os autores da teoria defendem que o conhecimento a ser utilizado em diferentes situações necessita ser ensinado de diferentes maneiras (Spiro, Vispoel, Schmitz, Samarapungavan, & Boerger, 1987). Acreditando, assim, que este desenvolvimento não é decorrente exclusivamente do modo como o conhecimento é representado, mas também da análise de muitos casos (Spiro & Jehng, 1990). Ao trabalhar com casos (situações reais) o aluno tem a chance de conhecer um determinado conceito aplicado a um contexto, podendo explorar por níveis de aprofundamento e relacioná-los, construindo conhecimento de forma flexível.

A principal diferença entre um projeto de trabalho com a FlexQuest® em relação à WebQuest é o processo de desconstrução de casos em minicasos, seguindo os princípios da TFC, no qual os alunos retomam os minicasos em uma ordem sugerida pelo professor, na qual chama-se a atenção para a interrelação entre eles no âmbito da discussão conceitual. O professor é responsável pela seleção e comentários de todas as páginas da Internet indicadas como meio de informação, de apoio e contextualização temática, orientando os alunos durante todo processo. São indicadas, ainda, travessias temáticas fazendo links aos minicasos anteriores (Leão, Neri de Souza, & Moreira, 2011; Leão, 2008). Desta forma, evita-se que o desvio dos objetivos de uma pesquisa na rede e, com as orientações do professor, possibilita-se o desenvolvimento de senso crítico nos alunos. Assim como Colette & Silva (2014), acredita-se que para se enfentrar o processo de constante mudanças que vivemos é preciso a formação de consciência crítica durante o processo de ensino e de aprendizagem.

2.2. Limitações da FlexQuest de primeira geração

A proposição e o uso de FlexQuest® no ensino de Ciências têm sido objeto de estudos no Brasil e em Portugal (Aleixo, Leão, & Neri de Souza, 2008; Leão, Lins, Melo, & Queiroz, 2013; Leão, 2008; Ribeiro et al., 2009; Santos, 2012; Souza, 2013; Vasconcelos, 2011; Veras & Leão, 2007). Alguns resultados apontam as potencialidades do seu uso em contextos de aprendizagem. No entanto, necessita-se ainda de mais estudos para uma percepção mais profunda e longitudinal do seu real impacto.

Há de se considerar que seu processo de elaboração não é pedagogicamente simples, pelo contrário, planejar e executar uma FlexQuest® requer dedicação e preparo, uma vez que trabalhar com a complexidade de situações reais não é algo que faça parte do cotidiano de muitos professores e por esta razão, as dificuldades para a sua adequada elaboração podem se tornar um obstáculo desestimulante. Em especial, para aqueles que não sejam motivados a superar os tradicionais modelos de transmissão-recepção de conteúdos e a aceitar o desafio de trabalhar com as TIC. As pesquisas já realizadas sobre a FlexQuest® apontam para dificuldade em três níveis:

  1. Dificuldades Teórico-metodológicas
  • Busca e escolha de casos são apontadas como tarefas difíceis;
  • O real sentido de desconstrução dos casos em minicasos, como sendo para níveis avançado do conhecimento, não é compreendido pelos professores.
  • Proposições de atividades meramente reprodutivas e sem um grau de discussão e criticidade satisfatórios para a proposta.

b.  Dificuldades Técnico-informáticas

  • A construção de uma página na web, sem o auxílio de um especialista.
  • A falta de interação durante a utilização da FlexQuest®, pois apenas o professor tem o papel de apresentar as informações e levantar questões.
  • A seleção e a manipulação adequada das informações disponíveis na Internet, principalmente quando são utilizados vídeos.

c. Dificuldades Didático-pedagógicas

  • Planejamento de atividades que promovam a construção de conhecimento de nível avançado.
  • Trabalho integrado a outras áreas de conhecimento para explorar a complexidade dos casos apresentados.

Percebe-se que apesar de sua potencialidade, a estrutura teórico-metodológica original da FlexQuest® não é favorável à impetração de seus objetivos, fazendo-se necessária a sua atualização, visando adequação e coerência.

2.3. A proposição da FlexQuest® de Segunda Geração

Tendo em vista o contexto tecnológico no qual a primeira proposta foi concebida (Web 1.0) e o atual contexto, no qual já se discute a Web 3.0, ou Web semântica, é coerente a inserção ferramentas de interação, mais efetivas, que suscitem a participação mais ativa dos utilizadores no processo de ensino e aprendizagem envolvido em um projeto na FlexQuest®. Partindo do pressuposto que “a Web 2.0 abre perspectivas de sumo interesse para o desenvolvimento de propostas pedagógicas e didáticas baseadas em dinâmicas de colaboração e cooperação” (Coll & Monereo, 2010, p. 36), acredita-se que a inserção de ferramentas de caráter Web 2.0 seja essencial ao processo evolutivo da estratégia.

Ressalte-se, ainda, que um dos desafios do ensino de ciências é o de desenvolver competências sócio-cognitivas a fim de promover e fazer o uso da interdisciplinaridade e da contextualização (Cachapuz, Praia, & Jorge, 2004). A interdisciplinaridade tem estado fortemente presente na organização da estrutura curricular, desde a fundamentação pedagógica até as recomendações para as práticas de ensino voltadas ao ensino básico, principalmente, fazendo parte das orientações legais da educação brasileira.

Uma função instrumental da interdisciplinaridade é “[...] utilizar os conhecimentos de várias disciplinas para resolver um problema concreto ou compreender um determinado fenômeno sob diferentes pontos de vista” (Brasil, 2000, p. 23). Assim, pode-se perceber que uma estratégia didática como a FlexQuest® suporta estas características inerentes à uma abordagem interdisciplinar.

Acredita-se que, em relação à sala de aula, enquanto propostas interdisciplinares e grupos de trabalho são capazes de promover experiências intelectuais mais amplas para alunos e professores, o envolvimento efetivo em esforços de investigação verdadeiramente interdisciplinares podem impulsionar o pensamento holístico (Andrade et al., 2014). Desta forma, ao considerar que o foco da estratégia é a construção de conhecimento a nível complexo, não se pode ignorar que “o tema da complexidade leva-nos naturalmente ao da interdisciplinaridade, porquanto realidade tão emaranhada não poderia ser bem captada pelo olhar de disciplina isolada” (Demo, 2013, p. 70). Reafirmando, assim, que a abordagem interdisciplinar está diretamente relacionada com a proposta da FlexQuest®.

De acordo com esta discussão e de uma revisão bibliográfica no âmbito do trabalho de tese de doutoramento da primeira autora, tem sido desenvolvida uma nova proposta estrutural para a estratégia, na qual a interdisciplinaridade é um elemento essencial. A estratégia continua tendo como eixo principal o trabalho com estudos baseados em casos, situações reais disponíveis na Internet, tendo agora a abordagem interdisciplinar obrigatória como aliada para a construção de conhecimento de nível avançado. 

Esta sendo conservada a flexibilidade cognitiva como outro eixo, embora agora não esteja exclusivamente vinculada à TFC, mantem-se o trabalho com o estudo baseado em casos e minicasos. Constitui-se, ainda, como um eixo importante uma vez que inclui três dimensões consoantes à estratégia, segundo a definição proposta por Guerra, Candeias, & Prieto (2014), sendo elas:

“1. Flexibilidade de atenção – implica um processo de atenção e seleção, envolvendo a capacidade do indivíduo de estar atento, selecionar, filtrar, focalizar, (re) alocar e refinar a integração dos estímulos.

2. Flexibilidade de representação – integra a capacidade de análise, síntese, armazenamento e recuperação da informação, ou seja, a capacidade de desconstrução e reconstrução das informações captadas e ou armazenadas.

3. Flexibilidade de resposta – inclui a capacidade de gerar estratégias, planos, programas de elaboração, regulação, execução, controlo e monitorização; inclui igualmente a forma de decidir e executar.” (p.9)

Almeja-se que a inserção de ferramentas web 2.0 e a adoção da abordagem interdisciplinar venha propiciar mais efetivamente estas três dimensões de flexibilidade cognitiva, resultando em construção de conhecimento mais amplo e flexível, aumentando a interação, o pensamento crítico e ação do aluno ao longo do processo de aprendizagem.

O papel do professor é de extrema importância, ele assumirá a postura de orientador do processo de questionamento reconstrutivo do aluno, através do qual o aluno é estimulado a ir além do que lhe é apresentado, buscando novas fontes de informação e refletindo, o que requer um trabalho diferenciado e nesta diferenciação a estratégia em questão pode ser um grande trunfo.

O termo “questionamento” é apontado por Freiberger & Berbel (2010) como a capacidade de tomada de consciência crítica, formulando e executando projetos próprios de vida em um contexto. Segundo as autoras o trabalho com questionamento em sala de aula promove não só a formação de um indivíduo crítico como também que seja capaz de tomar a reflexão como ponto de partida para agir alternativamente.

Na FlexQuest® de primeira geração era o professor, sozinho (na maioria das vezes) quem a estruturava e determinava todos os passos. Nesta nova proposta o processo de desenvolvimento deverá ser feito por pelo menos dois professores de áreas distintas e o projeto não será inteiramente fechado, os alunos poderão comentar e opinar ao longo de todo o processo, através de questionamentos, ora levantados pelos professores, ora levantados pelos próprios alunos. Aumentando o caráter cooperativo e colaborativo da estratégia, sendo o último, uma das principais características ditas essenciais e presentes na maioria dos ambientes virtuais de aprendizagem (Sizo, Lino, & Favero, 2010).

Em síntese, a FlexQuest® de segunda geração deve, a princípio, apresentar elementos teóricos-metodológicos que viabilizem:

  • Abordagem Interdisciplinar;
  • Adoção de ferramentas de caráter Web 2.0 (promovendo interação dialógica que resultará no próximo elemento);
  • Suscitar Flexibilidade cognitiva;
  • Processos de questionamento.

Na próxima sessão apresentaremos a estrutura desta nova FlexQuest®. A plataforma, até o envio deste artigo, está em fase de finalizações e espera-se que em menos de um mês possamos disponibilizar para toda a comunidade educativa. A plataforma encontra-se, provisoriamente, no seguinte endereço: http://flexquest.pictonio.pt/.

 

3. Estrutura da Plataforma FlexQuest®

Cada projeto na nova plataforma FlexQuest® é composta por seis partes (Silva, Neri de Souza, & Leão, 2015): i) Informação Geral ii) Contexto iii) Casos iv) Questões, v) Processo e vi) Transferências. Na Figura 1 apresentamos uma visão da página inicial da plataforma FlexQuest®.

Nesta plataforma o professor poderá criar uma conta e a partir desta criar projetos, com a possibilidade de convidar outros professores para desenvolver o projeto em conjunto. Também é possível ter acesso a outros projetos criados por outros utilizadores. A intencionalidade é criar uma comunidade que partilhe projetos FlexQuest® já testados e utilizados em outros contextos.

Durante a elaboração do projeto os professores terão acesso a pequenos textos que servirão de guia e que apontaram as principais dúvidas que possam surgir. Ao iniciar um novo projeto, o professor poderá escolher a formatação para o seu projeto dentre os templates pré-estabelecidos ou criar um modelo personalizado. Em um primeiro momento deverão então ser explicitados o título do projeto, sua temática e seus objetivos, bem como quais utilizadores participarão do processo de elaboração/edição.

Para exemplificar a articulação dos elementos que compõem um projeto serão apresentados exemplos criados por professores de diferentes áreas do conhecimento na plataforma FlexQuest®, que foram desenvolvidos com o intuito de realizar testes de operacionalidade da ferramenta.

Na Informação Geral é apresentada uma ficha técnica com o nome do Autor, Temática, e Objetivos do projeto Flexquest®, como pode ser visto na Figura 2.

Esta organização auxilia os estudantes e professores durante a atividade de investigação, tornando possível, sempre que necessário, retomar os objetivos mantendo o foco da pesquisa. Minimizando a possibilidade de perda de foco durante o processo investigativo online.

No Contexto é apresentada uma situação-problema de onde partirão os questionamentos e a partir desta será ilustrado o contexto dos casos a serem analisados e desconstruídos. Pode-se usar texto, figura, áudio e/ou vídeo para ilustrá-la. Deve-se inserir, ainda, uma questão para que os alunos comentem baseados em seus conhecimentos prévios.

A principal preocupação ao optar por este formato foi possibilitar a articulação de conhecimentos complexos com temas geradores relacionados a situações baseadas na realidade. Semelhante ao que Wartha, Silva, & Bejarano (2013) apontam ao analisar alguns trabalhos com estas características. Ressaltando a importância de realizar-se de forma problematizada, para que os alunos exponham seus posicionamentos fomentando discussões sobre a temática. A partir deste ponto, serão apresentados os Casos e dentro destes serão discutidos conceitos.

 

 

Os Casos devem ser, preferencialmente, situações baseadas na realidade, disponíveis na Internet que estejam associados à situação-problema exposta no Contexto. Cada caso pode ser composto de um texto, um áudio ou um vídeo. O número mínimo de casos é quatro, para que se obtenha um nível de complexidade desejável para as discussões. A escolha do caso deve ser feita com cautela, sempre pensando nos objetivos do projeto e como eles serão trabalhados.

As situações reais, as quais aborda-se através de casos, apresentam uma complexidade multifacetada e, por isso, necessitam ser representadas de formas distintas, para que se possam analisar múltiplas facetas. A intenção é analisar cada caso individualmente e adquirir experiência através de um número considerável de casos (no mínimo quatro), estando atento à configuração das características, ao contexto de utilização e à diversidade das influências contextuais. Sugere-se que os casos estejam relacionados e parcialmente sobrepostos e que haja um equilíbrio entre eles de continuidade e descontinuidade (Spiro, Coulson, Feltovich, & Anderson, 1988).

Figura 4- Página de edição dos casos do projeto “O mundo como enxergamos”.

Os Minicasos são desconstruções dos casos (observe a Figura 5), ou seja, são partes dos casos a serem estudadas minuciosamente. Um caso pode ser descontruído em quantos minicasos for necessário para trabalhar um determinado conceito, tendo um número mínimo de quatro minicasos por caso.

Segundo Spiro & Jehng (1990), antes de percorrerem documentos estruturados, em outras palavras, antes de lidar com a complexidade de um caso, o aluno deve aprofundar seu conhecimento estudando os minicasos, onde serão abordados pelo professor os conceitos que estão imersos em cada um. Após este trabalho é que estarão aptos para iniciar a aprendizagem, navegando na desconstrução dos minicasos, inclusive relacionando minicasos de casos diferentes.

As Questões servirão de guia para os utilizadores explorarem e atingirem os objetivos do projeto, além de estimular o pensamento crítico. A inserção deste elemento na FlexQuest® de segunda geração foi pensada com vista a superar a mera transmissão de conhecimento por parte do professor. Seu papel agora é de orientador do processo de questionamento reconstrutivo do aluno, como em um processo de ensino por pesquisa (Freiberger & Berbel, 2010).

Durante o desenvolvimento do Processo devem-se sugerir sequências especiais, a partir das quais os utilizadores precisarão revisitar os minicasos com atenção especial voltada à temática a ser explorada no processo de construção de um conceito.

Através destas sequências são criadas representações mentais, permitindo que, ao se deparar com um caso novo, o aluno, mais rapidamente, seja capaz de construir a solução com base no conhecimento adquirido através das relações entre os minicasos dos casos precedentes (Spiro & Jehng, 1990).

Por fim, há a Transferência onde são sugeridas quais atividades serão produtos deste projeto. Deve-se estimular o indivíduo a explorar casos além dos apresentados no projeto e até a proposição de um novo caso a ser desconstruindo por ele ou por um grupo. Desta forma a atividade não se encerra, mas abre perspectivas para novos trabalhos.

O projeto desenvolvido será publicado na plataforma apenas quando todos os elementos estiverem devidamente preenchidos. Diferentemente da FlexQuest® de primeira geração, os alunos poderão interagir com os professores e colegas, diretamente, através da plataforma, ressaltando o caráter dinâmico desta nova proposta.

 

4. Considerações finais

Quando se leva em consideração toda a complexidade das informações que existem na internet, as vantagens e problemas que advém desta heterogeneidade de informações, fica claro que é necessário estimular um conjunto de competências e capacidades nos nossos alunos para lidar com esta situação. A literatura aponta para a literacia da informação, o pensamento critico e a flexibilidade cognitiva como alvos a ser alcançados. Mais especificamente espera-se que os alunos sejam capazes de selecionar a informação, argumentar, questionar, construir conhecimento e o aplicar em diversos outros contextos, inclusive os mais complexos. A FlexQuest® é uma plataforma Web 2.0 que oferece, pelo seu caráter social, a interação entre professores e alunos de forma cooperativa e colaborativa em projetos didáticos, auxiliando neste processo.

O estudo direcionado por casos (situações reais), como proposto pela estratégia FlexQuest®, possibilita a formação crítica dos alunos através da aplicação dos conceitos em contextos próximos à realidade. O direcionamento dado pelo professor conduz a um melhor aproveitamento das informações obtidas na internet, uma vez que estas informações foram previamente selecionadas e não só será necessário acessá-las online, como também será preciso analisar, refletir e questionar sobre estas.

Espera-se com o desenvolvimento da plataforma a popularização da estratégia, facilitando o trabalho de criação durante o desenvolvimento estrutural da FlexQuest®, por um maior grupo de profissionais, além de propiciar uma inserção significativa dos ideais interdisciplinares para a estratégia didática, reafirmando a importância da construção de conhecimento de nível avançado, caracterizado pela complexidade e pela não linearidade dos conceitos, valorizando a aproximação e questionamento do que é visto em sala de aula com o que é vivenciado fora dela.

 

5. Agradecimentos

À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) pelo financiamento do projeto. Ao núcleo SEMENTE (Sistema para Elaboração de estratégias e Materiais de Ensino suportados pelas Tecnologias) – Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Brasil. E ao Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores – CIDTFF, Departamento de Educação, Universidade de Aveiro, Portugal.

 

Referências

Abedin, B. (2011). Web 2.0 and Online Learning and Teaching: A Preliminary Benchmarking Study. Asian Social Science, 7(11), pp. 5–12. doi:10.5539/ass.v7n11p5

Aleixo, A. A., Leão, M. B. C., & Neri de Souza, F. (2008). FlexQuest: potencializando a WebQuest no Ensino de Química. Revista FACED, 14, pp. 119–133. Recuperado de http://www.portalseer.ufba.br/index.php/entreideias/article/viewFile/3271/2658

Andrade, K., Corbin, C., Diver, S., Eitzel, M. V., Williamson, J., Brashares, J., & Fortmann, L. (2014). Finding your way in the interdisciplinary forest: notes on educating future conservation practitioners. Biodiversity and Conservation, pp. 3405–3423. doi:10.1007/s10531-014-0818-z

Brasil. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília, Brasil: Ministério da Educação (MEC). Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf        [ Links ]

Cachapuz, A., Praia, J., & Jorge, M. (2004). Da Educação em Ciência às Orientações para o Ensino das Ciências: Um Repensar Epistemológico. Ciência & educação, 10(3), pp. 363–381. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v10n3/05

Carvalho, A. A. A. (2007). Rentabilizar a Internet no Ensino Básico e Secundário: dos recursos e ferramentas online aos LMS. Revista de Ciência da Educação, 3, pp. 25–40. Recuperado de http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/7142

Colette, M. M., & Silva, M. H. C. da. (2014). Novos cenários de aprendizagem, inovação e sustentabilidade: Uma pesquisa-ação na graduação em Ciências e Tecnologia. RISTI - Revista Ibérica de Sistemas e Tecnologias da Informação, (E2), pp. 55–69. doi:10.17013/risti.e2.55-69

Coll, C., & Monereo, C. (2010). Educação e aprendizagem no século XXI. In C. Coll & C. Monereo (Orgs.), Psicologia da Educação Virtual (pp. 15–46). Porto Alegre: Artmed.

Demo, P. (2013). Metodologia do conhecimento científico (1a ed). São Paulo: Editora Atlas S.A.         [ Links ]

Dodge, B. (2006). Past, Present and Future. In A. A. A. Carvalho (Org.), Actas do Encontro sobre WebQuest (pp. 3–7). Braga: CIEd.

Feltovich, P. J., Spiro, R. J., & Coulson, R. L. (1989). The nature of conceptual understanding in biomedicine: The deep structure of complex ideas and the development of misconceptions. In V. Evans, D.; Patel (Org.), The cognitive sciences in medicine (pp. 113–172). Cambridge: MITPress.

Freiberger, R. M., & Berbel, N. A. N. (2010). A importância da pesquisa como princípio educativo na atuação pedagógica de professores de educação infantil e ensino fundamental. Cadernos de Educação, 37, pp. 207–245.

Guerra, C. G., Candeias, A., & Prieto, G. (2014). Flexibilidade Cognitiva: Repensar o Cconceito e a Medida da Inteligência. In L. S. Almeida, A. M. Araújo, A. R. Franco, & D. L. Soares (Orgs.), Cognição, Aprendizagem e Rendimento - I Seminário Internacional (pp. 6–20). Minho: Universidade do Minho. Recuperado de http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/28534/1/E-BOOK%201%20-%20Cogni%C3%A7%C3%A3o%20aprendizagem%20e%20rendimento.pdf

Leão, M. B. C. (2008). FLEXQUEST: una incorporación de la Teoría de la Flexibilidad Cognitiva (TFC) en el modelo WebQuest. In IX Congresso Iberoamericano de Informática Educativa. Caracas: Universidad Metropolitana Caracas. Recuperado de http://www.ufrgs.br/niee/eventos/RIBIE/2008/pdf/flequest.pdf

Leão, M. B. C., Lins, W. C. B., Melo, A., & Queiroz, D. (2013). PLATAFORMA Flexquest para Conhecimentos de Ciências. In IX Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las Ciencias (pp. 672–677). Girona: Universitat de Girona. Recuperado de http://congres.manners.es/congres_ciencia/gestio/creacioCD/cd/articulos/art_1036.pdf

Leão, M. B. C., Neri de Souza, F., & Moreira, A. (2011). FlexQuest: literacia da informação e flexibilidade cognitiva. Indagatio Didactica, 3(3), pp. 108–125.

Leão, M. B. C., Neri de Souza, F., Moreira, A., & Bartolome, A. R. (2006). Flexquest: Una Webquest con Aportes de la Teoria de la Flexibildad Cognitiva (TFC). In M. d. Nacion (Org.), Ministerio de Educación de la Naci Libro del Proyecto de Articulacion Universidad Enseñanza Media (pp. 128–143). Salta: Ed. Universidade de Salta.

Murray, G. C., Yang, H., & Allen, R. (2002). WQ: An Environment for Teaching Information Access Skills. In P. Barker & S. Rebelsky (Orgs.), Proceedings of World Conference on Educational Multimedia, Hypermedia and Telecommunications 2002 (pp. 34–39). Chesapeake: VA: Association for the Advancement of Computing in Education (AACE). Recuperado de http://www.editlib.org/noaccess/9561/

Neri de Souza, F., Leão, M. B. C., & Moreira, A. (2006). Elementos estruturadores de uma WebQuest flexível (FlexQuest). In Encontro sobre Webquest (pp. 223–227). Braga: Universidade de Minho.

Núñez, M. B., Reguera, M., & Okulik, N. B. (2011). WebQuest : Una Alternativa para la Enseñanza de Química. Avances en Ciencias e Ingeniería, 2(3), pp. 111–122. Recuperado de http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3751758

Ribeiro, J., Neri de Souza, F., Nogueira, F., Moreira, A., Costa, A. P., Guerra, C., & Lucas, M. (2009). Didaktosonline® e FlexQuest©: Um Estudo de Usabilidade. In Challenges 2009: actas da Conferência Internacional de TIC na Educação (pp. 1913–1929). Braga: Universidade do Minho. Recuperado de http://scholar.google.com/scholar?hl=en&btnG=Search&q=intitle:Didaktosonline®+e+Flexquest©:+Um+Estudo+de+Usabilidade#0

Santos, I. G. de S. (2012). A FlexQuest como Estratégia Didática para o Ensino de Eletroquímica. Universidade Federal Rural de Pernambuco.         [ Links ]

Silva, I. G. de S. S., Neri de Souza, F., & Leão, M. B. C. (2015). Da WebQuest à FlexQuest: Uma plataforma web 2.0 para a promoção de flexibilidade cognitiva e interdisciplinaridade. In Metodologia Webquest na educação: teoria e práticas pedagógicas (pp. 111–131). Rio de Janeiro: Publit.

Sizo, A. M., Lino, A. D. P., & Favero, E. L. (2010). Uma proposta de arquitetura de software para construção e integração de ambientes virtuais de aprendizagem. RISTI - Revista Ibérica de Sistemas e Tecnologias da Informação, (6), pp. 17–30. Recuperado de http://www.aisti.eu/risti/risti6.pdf

Souza, R. V. de. (2013). O processo de construção da FlexQuest por professores de ciências: Análise de alguns saberes necessários. Universidade Federal Rural de Pernambuco.         [ Links ]

Spiro, R. J., Coulson, R. L., Feltovich, P. J., & Anderson, D. K. (1988). Cognitive Flexibility Theory: Advanced Knowledge Acquisition in Ill-Structured Domains. In Tenth Annual Conference of the Cognitive Science Society (pp. 375–383). Hillsdale: Erlbaum.

Spiro, R. J., Feltovich, P., Jacobson, M., & Coulson, R. (1992). Cognitive Flexibility, Constructivism, and Hypertext: random access instruction for advanced knowledge acquisition in ill-structured domains. Educational Technology, pp. 24–33.

Spiro, R. J., & Jehng, J.-C. (1990). Cognitive Flexibility and Hypertext: theory and technology for the nonlinear and multidimensional traversal of complex subject matter. In D. NIX & R. J. SPIRO (Orgs.), Cognition, Education, and Multimedia: Exploring Ideas in High Technology (pp. 163–205). Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates.

Spiro, R. J., Vispoel, W. P., Schmitz, J. G., Samarapungavan, A., & Boerger, A. E. (1987). Knowledge Acquisition for Application: Cognitive Flexibility and Transfer in Complex Content Domains. In B. C. Britton & S. M. Glynn (Orgs.), Executive Control in Processes in Reading (pp. 177–199). New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Vasconcelos, F. C. G. C. de. (2011). Utilização de recursos audiovisuais em uma estratégia flexquest sobre radioatividade. Universidade Federal Rural de Pernambuco.         [ Links ]

Veras, U. M., & Leão, M. B. C. (2007). O modelo Webquest modificado. Revista Iberoamericana de Educación, 43, pp. 1–15. Recuperado de http://www.conhecer.org.br/download/INFORMATICA EDUCATIVA/leitura anexa 5.pdf

Wartha, E. J., Silva, E. L. da, & Bejarano, N. R. R. (2013). Cotidiano e Contextualização no Ensino de Química. Química Nova na Escola, 35(2), pp. 84–91.

Young, D. L., & Wilson, B. G. (2002). Web Quests for Reflection and Conceptual Change : Variations on a Popular Model for Guided Inquiry. In Paper presented at the EDMEDIA 2002 World Conference on Educational Multimedia, Hypermedia & Telecommunication (pp. 24–29). Denver, Colorado. Recuperado de http://files.eric.ed.gov/fulltext/ED477112.pdf

 

Recebido / Recibido: 26/03/2015

Aceitação /Aceptación: 18/09/2015

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons