SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número4EditorialOsteossíntese do processo odontóide índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia

versão impressa ISSN 1646-2122

Rev. Port. Ortop. Traum. vol.22 no.4 Lisboa dez. 2014

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Tratamento das metástases vertebrais

 

Jorge CostaI; António AndradeI; João MartinsI; Naod BerhanuI; José RodriguesI

I. Unidade de Vértebro Medular do Hospital de São José. Centro Hospitalar Lisboa Central. Portugal.

 

Endereço para correspondência

 

RESUMO

A ocorrência de metástases vertebrais é frequente em doentes com neoplasia, sendo a sua ocorrência um desafio para o cirurgião de coluna. A abordagem destas lesões deve ser multidisciplinar, não existindo ainda directrizes universalmente aceites. No entanto verifica-se actualmente um aperfeiçoamento dos protocolos de tratamento para doentes com metastização vertebral o que tem conduzido a uma progressiva melhoria no prognóstico, diminuição das queixas álgicas e a um aumento da sobrevida média do doente. O tratamento pode ser conservador através da terapia com esteróides, radioterapia ou tratamento paliativo ou então cirúrgico e pode ser baseado em índices como os de Tokuhashi,Tomita ou Capuccio.

O objectivo deste artigo de revisão é o de optimizar a abordagem e planeamento do tratamento nas lesões metastáticas vertebrais.

Palavras chave: Coluna vertebral, metástases, orientações para tratamento, prognóstico pré operatório, cirurgia, abordagem multidisciplinar.

 

ABSTRACT

The occurrence of vertebral metastasis is common in patients with cancer, their occurrence is being a challenge to the spinal surgeon. The approach of these lesions should be multidisciplinary, it doesn´t exist yet universally accepted guidelines. However there is now a refinement of treatment protocols for patients with spinal metastasis which has led to a gradual improvement in prognosis, reduction of pain complaints and an increase in median survival of the patient. The treatment may be conservative through steroid therapy, palliative radiotherapy or surgical or otherwise and may be based on indices such as Tokuhashi, Tomita Capuccio or treatment.

The aim of this review article is to optimize the approach and treatment planning in metastatic vertebral lesions.

Key words: Spine, metastases, guidelines for treatment, prognosis preoperatively, surgery, multidisciplinary approach.

 

INTRODUÇÃO

O tratamento das metástases vertebrais pode ser definido como um “capítulo da Medicina” que ainda se apresenta em construção e à procura de validação inter-pares. A dificuldade provém do facto de esta ser uma doença multifacetada. Na realidade sob o título de metástases vertebrais encontramos um vasto espectro de patologias tão diferentes na sua etiologia ou idade de ocorrência quer como no seu grau de envolvimento sistémico, ósseo ou neurológico1. O aperfeiçoamento dos protocolos de tratamento para doentes com cancro tem no entanto conduzido a uma progressiva melhoria no prognóstico e sobrevida média destes doentes2.

 

DADOS CLÍNICOS

A ocorrência de metástases ósseas é uma condição frequente em pacientes com neoplasia3. A ocorrência de metástases vertebrais é mais frequente no segmento torácico, verificando-se em 60% a 80% dos casos de metastização vertebral, sendo seguida pelo segmento lombossagrado, com cerca de 15% a 30% dos casos3. A ocorrência de metástases em mais de que um segmento da coluna vertebral é registada em 50% dos casos. As metástases vertebrais mais comuns são, por ordem, as provenientes do adenocarcinoma da mama, cancro do pulmão, próstata, rim e dos tumo­res hematopoiéticos, nomeadamente linfoma ou mieloma múltiplo4-8.

A compressão medular ocorre em 20% dos pacientes com metástases na coluna vertebral9. Pode ser causada tanto pela compressão tumoral directa quanto pelo colapso de um corpo vertebral no caso das lesões líticas10. O não reconhecimento e tratamento deste tipo de lesões pode resultar num défice neurológico permanente11.

 

OPÇÕES DE TRATAMENTO NA METASTIZAÇÃO VERTEBRAL

Dependendo de factores como o estágio da doença e as condições clínicas e neurológicas de cada paciente instituí-se o tratamento para as metástases vertebrais12. A escolha do tratamento vai depender de factores como a existência de compromisso neurológico, do prognóstico da doença e de aspectos re­levantes para a qualidade de vida do doente como por exemplo a presença e nível de dor12. O diagnóstico histológico é imprescindível para a correcta eleição do tratamento que pode ser por sua vez ser conservador ou cirúrgico.

Terapia com esteróides

Usados para reduzir o edema e a resposta inflamatória, diminuindo os défices neurológicos e controlando a dor, principalmente nos pacientes com quadro de mielopatia13,14. Não devem ser usados rotineiramente em pacientes com boa função motora no início do quadro14.

Radioterapia

Este tratamento está indicado para doentes sem compromisso da estabilidade da coluna e da função neurológica e cujos tumores sejam sensíveis à radioterapia. A radioterapia está indicada também na presença de paraplegia por mais de 24 horas, quando existe um envolvimento de múltiplos níveis medulares, quando se verifica uma disseminação da doença e ainda nos casos em que o estado de saúde do paciente coíba a opção cirúrgica15. O paciente deverá ter uma expectativa de vida de pelo menos de 3 meses. A localização anatómica do tumor, o seu tamanho, o seu tipo histológico e o seu grau de diferenciação são alguns dos factores de­terminantes do sucesso da radioterapia16,17.

Tratamento da dor

As lesões metastáticas são múltiplas na maioria dos casos, manifestando-se com dor local de intensidade progressiva.

Três tipos de dor podem estar presentes: lo­calizada, referida ou radicular. A dor localizada está geralmente presente na linha média, acompanhada ou não de dor referida ou radicular15. É habitualmente cons­tante e aumenta de intensidade quando o doente se encontra deitado em repouso, podendo inclusivé acordá-lo durante o sono10. A dor radicular segue uma distribuição conforme o segmento do dermátomo afectado pela compressão nervosa15, aumentando de intensidade tal como nos outros tipos de dor com a compressão causada pelo aumento da massa tumoral ou lesão lítica, podendo piorar com a manobra de Valsalva, com a tosse e durante a pes­quisa dos sinais de Lasègue, Kernig e Brudzinski10,13. Por último temos a dor referida que regra geral ocorre nos casos de compres­são medular lombar como por exemplo os casos em que metástases a nível de L1 ou L2, causam dor na articulação sacro-íliaca, o que constitui num falso sinal de localização13.

As causas de dor por metástase óssea ainda não são totalmente conhecidas. Existe a participação de processo inflamatório envolvendo células e mediadores químicos, compressão neural, microfraturas, destruição de tecidos ósseos (com distensão do periósteo), hipóxia intramedular e outros fenômenos. O tratamento da dor relacionada com metástase segue a mesma orientação para a utilização da escada analgésica proposta pela Organização Mundial de Saúde (OMS), para controle da dor oncológica, baseado na adequação da terapia farmacológica de acordo com o nível de dor experimentado pelo doente32. Nos casos em que o doente tem um mau prognóstico, não responde à radioterapia ou não tem indicação cirúrgica a via passa por obter a máxima qualidade de vida possível através dos cuidados paliativos. 

Cirurgia

As principais indicações de cirurgia são a existência de dor sem resposta aos tratamentos conservadores, deficite neurológico progressivo ou deterioração neurológica durante ou após os tratamentos de radioterapia15. Consideram-se ainda factores para cirurgia a existência de mielopatia, obstrução intracanalar compressiva, instabilidade vertebral, fractura ou luxação vertebral, radiculopatia com sintomas progressivos incontroláveis e crescimento tumoral sem resposta à radioterapia18. Os objectivos da cirurgia são a remissão da dor, a melhoria das funções neurológicas e a estabilização da coluna. A remoção da massa tumoral é outro objectivo importante da cirurgia19. Se o tumor não é sensível à radioterapia deve ser correctamente avaliada a indicação20 para cirurgia.

Existem várias abordagens cirúrgicas para o tratamento das metástases:

A vertebroplastia, a descompressão e estabilização, a excisão intralesional ou "debulking" e a ressecção em bloco.

A vertebroplastia percutânea, é uma técnica minimamente invasiva constituindo opção válida no tratamento de fracturas causadas por invasão tumoral. O seu uso estende-se também a fracturas traumáticas ou osteoporóticas, com o objectivo de diminuir as queixas álgicas proveniente da perda de sustentação mecânica bem como para evitar acunhamentos vertebrais através da estabilização21.

A cifoplastia é uma variante da vertebroplastia. Ambas têm bons resultados no alívio imediato da dor levando a uma uma melhoria da capacidade funcional e de vida do doente com pouco número de complicações operatórias devido ao seu curto período de internamento. São procedimentos de baixa morbilidade, economicamente viáveis, bem tolerados e de rápida execução21. Existem no entanto contra-indicações a estas técnicas que são a possível embolia pulmonar neoplásica, deste modo recomenda-se o uso destas técnicas apenas em casos de baixa expectativa de vida22, défice neurológico causado por compressão intracanalar e o não envolvimento do muro posterior vertebral pela massa tumoral pelo risco de extravasamento do cimento ou da massa tumoral dentro do canal medular. Estas técnicas estão normalmente indicadas para pacientes com pior prognóstico.

A descompressão/estabilização é a técnica pela qual se pode optar nos casos de maior urgência, na presença de défice neurológico e de dor intratável. Esta cirurgia tem como objectivo a mobilização precoce e consequente melhor qualidade de vida do paciente16,23,24,25.

Também há indicação para descompressão/estabilização em casos de lesões neurológicas pós fractura patológica. Uma vez indicada a cirurgia a abordagem posterior por meio de laminectomia ampla, associada a costotransversectomia se a lesão for no segmento torácico permite uma descompressão adequada. A laminectomia isolada raramente permite a descompressão neste tipo de lesões, além de poder aumentar a instabilidade. Quando se verifica uma lesão neurológica grave é regra geral necessário optar-se por uma descompressão/estabilização abertas26, no entanto se houver a hipótese de se optar pela estabilização minimamente invasiva existem mais vantagens para o doente26.

O procedimento de excisão intralesional/"debulking" é mais indicado quando a remoção da massa tumoral facilita ou aumenta o efeito de outras terapias já efectuadas27. O tumor é abordado directamente e excisado o máximo que for possível, para se conseguir não só uma descompressão circunferencial da medula espinal, mas especialmente uma redução significativa da massa tumoral27.

No caso dos tumores primários a ressecção em bloco é o procedimento de escolha, procedimento este também indicado na presença de metástases solitárias, tumores resistentes aos tratamentos médicos e radiação desde que se encontrem também em órgãos vitais. Os doentes devem ter uma boa expectativa de vida a médio/longo prazo. Este procedimento está associado a um óptimo controlo local mas tem como contra indicação a sua alta morbilidade devido à sua longa duração (entre 8 a 16 horas) e à sua complexidade técnica28.

A remoção em "bloco" da vertebra está apenas indicada em tumores hipervasculares (especialmente metástases do carcinoma do rim) e em casos de menores dificuldade técnica, ou seja em casos muito especificos devido à sua alta taxa de morbilidade28.

Não existem ainda directrizes universalmente aceites em relação a este tipo de patologia, no entanto podemos verificar na literatura sistemas de índice que orientam os cirurgiões de coluna para o tratamento mais adequado.

Por conseguinte a definição do tratamento cirúrgico específico a ser empregue vai ser estabelecido pela experiência do cirurgião e por índices, como os propostos por Tokuhashi29 (Tabelas 1 e 2) e Tomita30 (Tabelas 3 e 4).

 

 

 

 

 

Tokuhashi facultou-nos o primeiro índice em 1990, sendo actualmente o mais usado pelos cirurgiões de coluna29.

Neste índice, os pacientes que tenham um score igual ou inferior a 8 tem indicação para tratamento conservador nomeadamente cuidados paliativos.

Scores entre 9 e 11 pontos tem indicação para tratamento paliativo ou cirúrgico. Uma pontuação superior a 12 pontos tem indicação cirúrgica conforme Tabela 3.

O score de Tomita preconiza tratamento conservador para pontuações iguais ou superiores a 6 e cirúrgico se igual ou menor que 5, conforme Tabela 4.

Hecht31 descreve estratégias cirúrgicas de acordo com as escalas de Tomita e Tokuhashi (Tabela 5).

 

 

Em 2008, Cappuccio et al35 publicaram o seu próprio algoritmo de tratamento para orientar o planeamento de decisão nos casos de metastização vertebral, com base num estudo retrospectivo de 43 pacientes (Figura 1). De acordo com estes autores o tratamento tem de ter uma abordagem multidisciplinar que só é possível através da participação activa do oncologista, do radioterapeuta, do cirurgião e do médico paliativista33,34.

 

Figura 1

 

Gasbarrini et al. conduziram um estudo clínico prospectivo em 2010, com 202 pacientes para avaliar a eficácia deste algoritmo35.

 

CONCLUSÃO

A ocorrência de metástases vertebrais é mais frequente na coluna torácica3. Estas tem regra geral origem no adenocarcinoma da mama, cancro do pulmão, próstata, rim, linfoma ou mieloma múltiplo4-8. A compressão medular ocorre em 20% dos casos e ocorre pela compressão causada directamente pela massa tumoral ou pelo colapso vertebral no caso das lesões líticas10. Dependendo de factores como o estágio da doen­ça e as condições clínicas e neurológicas de cada paciente instituí-se o tratamento12. O tratamento pode ser conservador através da terapia com esteróides, radioterapia ou tratamento paliativo ou então cirúrgico e é baseado em índices como os de Tokuhashi29 ,Tomita30 ou Capuccio35 sendo o primeiro o mais usado pelos cirurgiões de coluna29. Hecht31 descreveu estratégias cirúrgicas de acordo com as escalas de Tomita e Tokuhashi. O aperfeiçoamento dos protocolos de tratamento para doentes com metástases vertebrais tem conduzido a uma progressiva melhoria no prognóstico e sobrevida média destes doentes.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Barron KD, Hirano A, Araki S. Experiences with metastatic neoplasms involving the spinal cord. Neurology. 1959; 9: 91-106        [ Links ]

2. Schuster JM, Grady MS. Medical management and Adjuvant therapies in spinalmetastatic disease. Neurosurg Focus. 2001; 11: 3        [ Links ]

3. Filkelstein JA, Zaveri G, Wai E, Vidmar M, Kreder H, Chow E. A population-based study of surgery for spinal metastases. J Bone Joint Surg. 2003; 85: 1045-1050        [ Links ]

4. Abdu WA, Provencher M. Primary bone and metastatic tumors of the cervical spine. Spine. 1998; 23: 2767-2777        [ Links ]

5. Wilson DA, Fusco DJ, Uschold TD, Spetzler RF, Chang SW. Survival and Functional Outcome After Surgical Resection of Intramedullary Spinal Cord Metastases. World Neurosurg. 2011 Nov 7;

6. Onimus M, Papin P, Gangloff S. Results of surgical treatment of spinal thoracic and lumbar metastases. Eur Spine. 1996; 5: 407-411        [ Links ]

7. Sioutos PJ, Arbit E, Meshulam CF, Galicich JH. Spinal metastases from solid tumors. Analysis of factors affecting survival. Cancer. 1995; 76: 1453-1459        [ Links ]

8. Solberg A, Bremnes RM. Metastatic spinal cord compression: diag¬nostic delay, treatment, and outcome. Anticancer Res. 1995; 19: 677-684        [ Links ]

9. Weitao Y, Qiqing C, Songtao G, Jiaqiang W. Open vertebroplasty in the treatment of spinal metastatic disease. Clin Neurol Neurosurg. 2011 Nov 14;

10. Held JL, Peahota A. Nursing care of the patient with spinal cord compression. Oncol Nurs Forum. 1993; 20 (10): 1507-1516        [ Links ]

11. Husband DJ. Malignant spinal cord compression: prospective study of delays in referral and treatment. Brit Med J. 1998; 317 (7150): 18-21        [ Links ]

12. Aebi M. Spinal metastasis in the elderly. Eur spine J. 2003; 12: 202-213        [ Links ]

13. Quinn JA, DeAngelis LM. Neurological emergencies in the cancer patient. Sem Oncol. 2000; 27 (3): 311-321        [ Links ]

14. Maranzano E, Latini P, Beneventi S, Perrucci E, Panizza BM, Aristei C. Radiotherapy without steroids in selected metastatic spinal cord compression. Am J Clin Oncol. 1998; 19 (2): 179-183        [ Links ]

15. Ahmed KA, Stauder MC, Miller RC, Bauer HJ, Rose PS, Olivier KR. Stereotactic Body Radiation Therapy in Spinal Metastases. Int J Radiat Oncol Biol Phys. 2012 Fev 22;

16. Ratliff JK, Cooper PR. Metastatic spine tumors. South Med J. 2004; 97: 246-253        [ Links ]

17. Sundaresan N, Rothman A, Manhart K, Kelliher K. Surgery for solitary metastases of the spine: rationale and results of treatment. Spine. 2002; 27: 1802-1806        [ Links ]

18. Khan L, Mitera G, Probyn L, Ford M, Christakis M, Finkelstein J. Inter-rater reliability between musculoskeletal radiologists and orthopedic surgeons on computed tomography imaging features of spinal metastases. Curr Oncol. 2011 Dec; 18 (6): 282-287

19. Boehling NS, Grosshans DR, Allen PK, McAleer MF, Burton AW, Azeem S. Vertebral compression fracture risk after stereotactic body radiotherapy for spinal metastases. J Neurosurg Spine. 2012 Jun 6;

20. Boriani S, Cappuccio M, Bandiera S. Scelta del trattamento nelle metas-tasi del rachide toraco-lombare. GIOT. 2001; 70 (1): 1-3        [ Links ]

21. Bròdano G Barbanti, Cappuccio M, Gasbarrini A. Vertebroplasty in the treatment of vertebral metastases: clinical cases and review of the literature. Eur Rev Med Pharmacol Sci. 2007; 11: 91-100        [ Links ]

22. Axelsen M, Thomassen LD, Bünger C. Estimating risk of pulmonary neoplastic embolism during vertebroplasty. Spine (Phila Pa1976). 2012; 37: 551-556        [ Links ]

23. Patil CG, Lad SP, Santarelli J, Boakye M. National inpatient complications and outcomes after surgery for spinal metastasis from 1993-2002. Cancer. 2007 Aug 1; 110 (3): 625-630

24. Wai EK, Finkelstein JA, Tangente RP. Quality of life in surgical treatment of metastatic spine disease. Spine. 2003; 28: 508-512        [ Links ]

25. Bilsky MH, Lis E, Raizer J, Lee H, Boland P. The diagnosis and treatment of metastatic spinal tumor. The Oncologist. 1999; 4: 459-469        [ Links ]

26. Ibrahim A, Crockard A, Antonietti P, Boriani S, Bünger C, Gasbarrini A. Does spinal surgery improve the quality of life for those with extradural (spinal) osseous metastases? An international multicenter prospective observational study of 223 patients. Invited submission from the Joint Section Meeting on Disorders of the Spine and Peripheral Nerves, March 2007. J Neurosurg Spine. 2008 Mar; 8 (3): 271

27. Cappuccio M, Boriani S. Metastasi vertebrali nell'anziano. AITOG. 2011; 2: 187-200        [ Links ]

28. Boriani S, Bandiera S, Donthineni R. Morbidity of en bloc resections in the spine. Eur Spine J. 2010; 19: 231-241        [ Links ]

29. Tokuhashi Y, Matsuzaki H, Toriyama S, Kawano H, Ohsaka S. Scoring system for the preoperative evaluation of metastatic spine tumor prognosis. Spine. 1990; 15: 1110-1113        [ Links ]

30. Tomita K, Kawahara N, Kobayashi T, Yoshida A, Murakami H, Akamaru T. Surgical Strategy for Spinal Metastasis. Spine. 2001; 26 (3): 298-306        [ Links ]

31. Costachescu B, Popescu CE. Modern management in vertebral metastasis. Romanian Neurosurgery. 2010; 17 (4): 432-437        [ Links ]

32. Constans JP, DeDivitiis E, Donzelli R. Spinal metastases with neurological manifestations: review of 600 cases. J Neurosurg. 1983; 59: 111-118        [ Links ]

33. Wibmer C, Leithner A, Hofmann G, Clar H, Kapitan M, Berghold A. Survival analysis of 254 patients after manifestation of spinal metastases: evaluation of seven preoperative scoring systems. Spine (Phila Pa 1976). 2011 Nov 1; 36 (23): 1977-1986

34. Harrington KD. Orthopedic surgical management of skeletal complications of malignancy. Cancer. 1997; 80 (1): 1614-1627        [ Links ]

35. Cappuccio M, Gasbarrini A, Van Urk P. Spinal metastasis: a retrospective study validating the treatment algorithm. Eur Rev Med Pharmaco Sci. 2008; 12: 155-160        [ Links ]

 

Conflito de interesse:

Nada a declarar.

 

Endereço para correspondência

Jorge Costa
Hospital de S. José
Unidade de Vértebro Medular
Rua José António Serrano
1150-199 Lisboa
Portugal
jorgehomerocosta@hotmail.com

 

Data de Submissão: 2014-07-29

Data de Revisão: 2014-09-03

Data de Aceitação: 2014-11-10

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons