SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 número3Modificações Agudas dos Níveis Séricos de Creatina Quinase em Adultos Jovens Submetidos ao Trabalho de Flexionamento Estático e de Força Máxima.O treino da flexibilidade muscular e o aumento da amplitude de movimento: uma revisão crítica da literatura índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Motricidade

versão impressa ISSN 1646-107X

Motri. v.4 n.3 Santa Maria da Feira set. 2008

 

Influência do Alongamento no Estresse pré-competitivo em jogadores de futebol da categoria juvenil

 

José Alexandre Curiacos de Almeida Leme1,

Ricardo Augusto Barberi 2

Karina Junqueira Curiacos 3,

Priscila Valim Rogatto 4

 

 1 Mestrando - Departamento de Educação Física, UNESP - Rio Claro, Brasil.

2 Graduando - Departamento de Educação Física, UNESP - Rio Claro, Brasil.

3 Graduada -  Faculdade de Psicologia, Unimep - Piracicaba, São Paulo, Brasil.

4 Docente - Departamento de Educação Física, UFMG - Cuiabá- Mato Grosso, Brasil.

 

 

RESUMO

O futebol apresenta uma séria de situações geradoras de estresse. O momento pré-competitivo é altamente gerador de estresse. O alongamento pode contribuir para diminuir estes efeitos negativos do estresse. O objetivo deste estudo foi verificar os efeitos do alongamento no estresse pré-competitivo de jogadores de futebol. Participaram deste estudo 17 atletas juvenis, distribuídos em dois grupos: Grupo Controle (GC) e Grupo Alongamento (GA). Todos responderam ao TEF e, em seguida, o GA praticou 30 minutos de alongamento enquanto o GC vivenciou as situações habituais sem realização de atividade física. Logo após, os dois grupos responderam novamente ao TEF, sendo invertidos os grupos na partida seguinte. As situações “Dormir mal a noite anterior ao jogo” e “Ser prejudicado pelos juizes” foram avaliadas com respostas mais negativas enquanto “Cobrança de si mesmo  para ganhar” e “O time adversário é o favorito” foram avaliadas como respostas mais positivas. O GA obteve aumento no número de avaliações positivas comparado ao GC, diminuição no nulo e diminuição na resposta –1 e –3, enquanto o GC obteve diminuição no valor –2. Conclui-se que a situação pré-competitiva modifica negativamente a avaliação dos atletas enquanto o alongamento interfere positivamente frente à avaliação das situações estressoras em jogadores juvenis.

Palavras chave: Alongamento, estresse e futebol

 

 

Stretch influence on pre-competitive stress on juvenile soccer players

ABSTRACT

Soccer show a series of stress-generated situations. The streatching may contribut to decrease this stress negative effects. The pre-competitive moment is stress generator. Yhe objetive of this study was to verify  the effects of strectch on pre-competitive stress in soccer players. To this, 17 juvenile soccer players were allocated into two groups: control group (CG) and strecth group (SG). All participants responsed to TEF (Stress soccer test) and GA stretching during 30 minutes while GC not realized any physical activity. After this, both groups  responded to TEF and was inverted in the next game. The situations “sleep badly on previous night” and “Be  damaged for arbitrator” was avaliated with more negative reponses while “ Himself charged to win” and “ The adversary is the favourite”  was was avaliated with more positive reponses. SG showed positive avaliations increased copared to CG, decreased on nule response and decreased on –1 and –3 responses. GC showed decrease in –2 responses. Concluded that pre-competitive situation modify negatively the athletes avaliation while the strecth interfere positively in front the avaliation of stressor situations in juvenile players.

Keywords: Stretching, stress and soccer

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS

 

1- Brandão R (2000). Fatores de estresse em jogadores de futebol profissional. Tese (Doutorado) Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.        [ Links ]

2- Samulski D,  Chagas MH (1996). Análise do estresse psíquico na competição em jogadores de futebol de campo das categorias juvenil e junior. Rev Assoc Prof Educ Fís  Lond 11: 3-11.

3-Bidutte, LC, Azzi, RG, Raposo, JV, Almeida, L. (2006). Agressividade em equipas de futebol.Motricidade 2 (1): 13-22.

4- Valim PC, Bergamaschi EC, Volp CM, Deutsch S (2003). Redução de Estresse pelo Alongamento: a Preferência Musical Pode Influenciar? Motriz v. 8, n. 2, p. 51-56.

5- Phillips AC, Burns VE, Lord JM (2007). Stress and exercise: Getting the balance right for aging immunity. Exerc Sport Sci Rev. 35(1):35-9.

6- Hassemen P, Koivula N, Uutela A (2000). Physical exercise and psychological well-being: A population study in Finland. Preventative Medicine 30:17–25.

7- DeRose DJ (1998) Lista de sintomas de “stress” pré-competitivo infanto-juvenil: elaboração e validação de um instrumento. Rev Paul Educ Fís, , 12(2): 126-33.

8- Villar,R, Zühl, CA (2006). Efeitos da idadecronológica e da maturação biológica sobre a aptidão física em praticantes de futebol de 13 a 17 anos. Motricidade 2 (2): 69-79.

9- Corrêa DKA; Alchieri JC; Duarte LRS; Neves M (2002). Excelência na produtividade: a performance dos jogadores de futebol profissional Psicol. Reflex. Crit. 15(2)  447-460.

10- Sanches MAB, Casal HMV, Brandão MRF (2004). Fatores de estresse no futebol Lecturas educacion fisica y deportes 10 (73) 1-18.

11- Chagas MH. Análise do estresse psíquico na competição em jogadores de futebol de campo das categorias juvenil e júnior. Belo Horizonte: Escola de Educação Física da UFMG, Dissertação de mestrado em Ciências do Esporte, 1995.

12- Samulski D, Noce F (2002). Perfil psicológico de atletas paraolímpicos brasileiros Rev Bras Med Esporte 8(4): 157-166.

13- Girardello RJR (2004) A relação entre o cortisol sanguíneo e o estresse pré- competitivo em lutadores de caratê de alto rendimento. Dissertação de Mestrado em Educação Física. Universidade Federal do Paraná.

14- Nunomura M, Teixeira LAC, Caruso MRF (2004). Nível de estresse em adultos após 12 meses de prática regular de atividade física. Rev Mack Educ Fís Esp 3(3):125-134.

 

 

Correspondência:

José Alexandre Curiacos de Almeida Leme,

Av. Armando Salles de Oliveira, 1574, ap.72, Piracicaba, São Paulo, Brasil, Cep 13400-000.

E-mail: zecuriacos@terra.com.br

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons