SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 número3Validade da medida do consumo máximo de oxigênio predito pelo teste de cooper de 12 minutos em adultos jovens sedentáriosObesidade Infantil, Actividade Física e Sedentarismo em crianças do 1ºciclo do ensino básico da cidade de bragança (6 a 9 anos) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Motricidade

versão impressa ISSN 1646-107X

Motri. v.4 n.3 Santa Maria da Feira set. 2008

 

Motivos de adesão à prática de ginástica de academia

 

Kenia Ferreira Rocha 1

 

1Mestranda Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro

 

 

RESUMO

Este estudo teve por objectivo analisar os principais motivos de adesão à ginástica de academia, assim como verificar a existência de relação entre idade, sexo e motivos de aderência. A amostra foi composta por 250 indivíduos (181 feminino/69 masculino), praticantes de ginástica aeróbica ou uma das suas vertentes, numa frequência mínima de 3 vezes por semana, adeptos a pelo menos 3 meses ininterruptos, em 8 academias de ginástica da cidade de Montes Claros-MG. A colecta de dados foi feita através de um questionário criado e validado para este estudo, visando obter informações relativas ao sexo, idade e intenção de prática do entrevistado. A análise estatística foi composta por análise descritiva para caracterização da amostra e análise comparativa entre grupos através do teste X2, que demonstrou não significância estatística entre Motivo de adesão relacionado à idade e sexo da amostra. A análise do resultado permite concluir que, independente do sexo e idade dos pesquisados, o motivo para a busca de prática de ginástica de academia é a melhoria da componente estética, seguida do condicionamento para qualidade de vida.

Palavras-chave: Ginástica, estética, qualidade de vida, saúde, motivação

 

 

Motivations of adherence to the practise of academy gymnastic

RESUME

The purpose of this study was to analyse the main motivatians of adherence to Academy gymnastic and to verify the  relationship between age, sex and adherence motivations. The  Sample was compound by 250 individuals (181 feminine/69 masculine), practitioners of aerobic gymnastic or one of its variants, in a minimum of practise of three times per week, through the period of time of at least three non – stoppable months, in eight gyms situated in the city of  Montes Claros-MG. The data was researched by the use of a questionary, created and validated for this study, aiming to receive information related to sex, age and interviewee’s intention of practise. The statistic analysis was formed and based in a delineation and tracing of the sample, in other words, based in a descriptive analysis and comparative analysis between groups, using the x2 test. This statistical test demonstrated a non – significant statistic between Adherence motivations and sex or age of the study sample. The result’s analysis lead to the conclusion that, independently of sex and age of the interviewees, the motive behind the practise of academy gymnastic is the  image improvement followed by the necessity of having a life’s quality. 

Key-words : Gymnastic, sthetic, life’s quality, health, motivation

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS:

1. AHMED, C., HILTON, W. & PITUCH, K. (2002). Relations of strength training to body image among a sample of female university students. Journal of strength and conditioning research, 16(4), 645-648;        [ Links ]

2. AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (1998). Position stand. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardio respiratory and muscular fitness, and flexibility in healthy adults. Med Sci Sports Exerc ;30:6:1-34;

3. BRUM, P.C., FORJAZ, C.L.M., TINUCCI, T. & NEGRÃO, C.E. (2004). Adaptações agudas e crónicas do exercício físico no sistema cardiovascular. Revista Paulista de Educação Física, vol.18,pag 21-31, Agosto;

4. BURGUESS, G., GROGAN, S. & BURWITZ, L. (2005). Effects of a 6 weeks aerobic dance intervention on body image and physical self-perceptions in adolescent girls. Revista Body Image; Edição especial;

5. CARVALHO, T., NÓBREGA, A.C.L., LAZZOLI, J.K., MAGNI, J.R.T., REZENDE, L., DRUMMOND, F.A., OLIVEIRA, M.A.B., DE ROSE, E.H., ARAÚJO, C.G.S. & TEIXEIRA, J.A.C. (1996). Posição oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade Física e saúde. Rev Bras Med Esport  Vol. 2, Nº 4 – Out/Dez;

6. DANTAS, E.H.M. (1994). Pensando o corpo e o movimento. Editora Shape, Rio de Janeiro;

7. DANTAS, E. H. M. (1996). A prática da preparação física. Rio de Janeiro: Editora Sprint; 

8. DISHMAN, R.K. (1994).  Advances in Exercise Adherence. Champaigne: Human Kinetics;

9. EVANS, W.J. & CAMPBELL, D. (1997). Nutrition, exercise and healthy aging. J. AM. Diet Assoc; 97:6:632-7; [Medline];

10. FALLON, E.A. & HAUSENBLAS, H.A. (2004). Media images of the ideal female body: Can acute exercise moderate their psychological impact? Body Image, nº2, pp.62-73

11. FERNANDES, R.C. (2005). Significados da prática de ginástica para mulheres praticantes de academia. Revista Motriz, Rio Claro, v.11 nº2 pp.107-112, Mai/Ago;

12. FERNADEZ, C., MELLO, M.T., TUFIK, S., CASTRO, P.M. & FISBERG, M. (2004). Influencia do treinamento aeróbio e anaeróbio na massa de gordura corporal em adolescentes obesos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte vol.10 no.3  Niterói Mai/Jun;

13. GERALDES, A.A.R. (1993a). Ginástica Localizada. Teoria e prática. Ed. Sprint, Rio de Janeiro;

14. GINIS, K.A.M., ENG, J.J., ARBOUR, K.P., HARTMAN, J.W. & PHILLIPS, S.M. (2005). Sex differences in relationship between body image change and subjective and objective physical changes following a 12 weeks strength-training program. Revista Body Image 2 (2005) 363-372;

15. GODIM, F.J. & PITANGA, C.P.S. (2001). Epidemiologia da Atividade Física, saúde e qualidade de vida. Revista Baiana de Educação física, vol.2;

16. GOYAZ, M. (2003). - Vida ativa na melhor idade. Revista da UFG, Vol. 5, No. 2, dezembro;

17. GRUNDY, S.M.; BLACKBURN, B.; HIGGINS, M.; LAUER, R.; PERRI, M.G. & RYAN, D. (1999). Physical activity in the prevention and treatment of obesity and its co morbidities. Med. Sci. Sports exerc., 31 (Suppl 11): 502-8;

18. HONDA, S.S.  (2001). Tratamento e prevenção de complicações do Diabetes Mellitus: um estudo de revisão sobre a importância do exercício físico. Revista Baiana de Educação Física, vol.2;

19. LEE, M. & SKERRET, P. Physical activity and all cause mortality: What is the dose response relation? Medicine and Science in Sports and Exercise, 6, 459-471;

20. MAZO, G Z., MOTA, J., GONÇALVES, LHT & MATOS, MG (2005). Nível de atividade física, condições de saúde e características sócio-demográficas de mulheres idosas brasileiras. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto 2 (V) 202 – 212 ;

21. NOVAES, J.S. (2001). Estética. O corpo na academia. Ed. Shape, Rio de Janeiro;

22. NOVAES, J.S. & NETTO, E.S. (1996). Ginástica de academia. Teoria e pratica. Ed. Sprint, Rio de Janeiro;

23. PALMA, A. (2000). Atividade física, processo saúde-doença e condições socio-económicas: uma revisão de literatura. Revista Paulista de Educação Física, Janeiro;

24. RIQUE, A.B., SOARES, E.A. & MEIRELLES, C.M. (2002). Nutrição e exercício na prevenção e controle das doenças cardiovasculares. Revista Brasileira de Medicina do Esporte V.8 nº6 Niterói- Novembro; 

25. SABA, F. (2001). Aderência: a pratica do exercício físico em academias. São Paulo, Manole, 2001;

26. SKINNER, J.S. (1991). Prova de esforço e prescrição de exercícios. Rio de Janeiro: Revinter;

27. TAHARA, A.K., SCHWARTZ, G.M. & SILVA, K.ª (2003). Aderência e manutenção da prática de exercícios em academias. Revista brasileira Ciência e Movimento, Brasília v. 11 n. 4 p. 7-12 out./dez;

28. THOMAS, T.R.; LA FONTAINE, T. (1998). Exercise and lipoproteins. IN : ACMS resource manual for guidelines for exercise testing and prescription. 3ª ed USA: Williams & Wilkins, 294-301;

29. VALIM, P.C. & VOLP, C.M. (1998). Nível de condicionamento físico entre indivíduos que praticam a ginástica aeróbica por satisfação e aqueles que praticam por outros motivos. Revista Motriz, vol.4 nº1, Junho

 

 

Correspondência:

Kenialui@hotmail.com

Rua Augusto César, nº4, Vilalva

5000 Vila Real - Portugal

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons