SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 número1Desenvolvimento e validação de uma equação de predição da carga de trabalho para o treinamento com pesos no exercício de supino reto, para homens de nível intermediárioResposta ventilatória durante a prova de 400 metros livres: associações com a prestação índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Motricidade

versão impressa ISSN 1646-107X

Motri. v.4 n.1 Santa Maria da Feira mar. 2008

 

Características genotípicas e fenotípicas em atletas velocistas.

 

Leonardo Chrysostomo dos Santos 1;

Paulo Moreira Silva Dantas 1,2;

José Fernandes Filho 1

 

1 - PROCIMH – UCB/RJ - Programa de Mestrado em Ciência da Motricidade Humana;

2 - UNIGRANRIO/RJ

 

 

RESUMO

O objetivo deste estudo foi comparar as características genotípicas e fenotípicas em um grupo de atletas de velocidade no atletismo. Fizeram parte do estudo 19 atletas de ambos os sexos, descritos pela idade de 22,42 ± 3,53, massa corporal de 66,61 ± 7,66kg e, estatura de 173,18 ± 7,23cm. O perfil genético e o somatotipo foram estimados com base no protocolo de Cummins e Midlo (1961), e Heath e Carter (1990), respectivamente, e a avaliação isocinética referenciada em Adams (1998). Os resultados demonstram que, no grupo: (a) D10 = 13 e SQTL = 120, (b) para os tipos de desenhos, A = 2,1%; L = 64,7% e W = 33,2%, (c) o perfil foi classificado por mesomorfo-balanceado sendo os valores 2,33 – 4,11 – 2,81, (d) os valores sugeridos para o torque isocinético nos diferentes intervalos entre as repetições 1-3 e 48-50 foram, respectivamente, 348,67 ± 24,4% e, 150 ± 24,7%, (e) não existe diferença significativa para um valor de p < 0,0001 entre a classificação das variáveis genotípicas e fenotípicas. Em conclusão, este estudo acumula a possibilidade de inserção da dermatoglifia, neste âmbito esportivo, como método prognóstico que pode auxiliar, no barateamento e, na avaliação diagnóstica do sujeito.

Palavras-Chave: Dermatoglifia, Somatotipo, Isocinético, Corredores de Velocidade.

 

 

Characteristics genotipics and fenotipics in athletics sprinters.

ABSTRACT

The purpose this study was to comparate the genotipics and the phenotipics characteristics in a group of the runners sprint. They were part 19 athletes of both sexes and describe for 22,42 ± 3,53 age, 66,61 ± 7,66kg body mass and 173,18 ± 7,23cm weight. The genetic profile and the somatotype were based in Cummins & Midlo (1961) and Heath & Carter (1990) respectively, and the evaluation isokinetic were based in Adams (1998). The found results that, in group: (a) D10 = 12,00 and SQTL = 123, (b) for the types of drawings, A = 2,1%; L = 64,7% and W = 33,2%, (c) the profile somatotypic of the group was classificated by meso-balance, the values was 2,33 – 4,11 – 2,81, (d) the values suggested for the torque isokinetic in the different intervals among the repetitions 1-3 and 48-50, were respectively, 348,67 ± 24,4% and, 150 ± 24,7%, (e) doesn't exist significant difference for a value of p <0,0001 between the classification of the variables genotipics and fenotipics. In conclusion, it study accumulates the possibility dermatoglyphics insert in this sporting, as method prognostic that can aid, in the lower cost and, in the subject's evaluation diagnostic.

Key-Words: Dermatoglyphic, Somatotype, Isokinetic, Runners Sprinters.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS

1 Abramova TF, Chafranova EI, Nikitina TM (1995). Impressões dermatoglíficas – marcas genéticas na seleção nos tipos de esporte / atualidades na preparação de atletas nos esportes cíclicos. Coletânea de artigos científicos. Volvograd, 86-91.        [ Links ]

2 Abramova TF, Nikitina TM, Ozolin NN (1996). Impressões dermatoglíficas – marcas genéticas no potencial energético do homem. Anais Científicos de Moscou. Moscou, 3-13.

3 Adams GM (1998). Exercise Physiology Laboratory Manual. California: WCB Mc Grawl-Hill.

4 Almeida MN, Dantas PMS, Fernandes Filho J (2005). Relações dos índices dermatoglíficos com avaliação isocinética e ergoespirometria. F&PJ 4 :101-106.

5 Amatuzzi MM, Greve JMD, Terreri ASAP (2001). Avaliação isocinética no joelho de atleta. Rev Bras Med Esp 7 :170-174.

6 Andrade MS, Fleury AM, Silva AC (2005). Força muscular isocinética de jogadores de futebol da seleção paraolímpica brasileira de portadores de paralisia cerebral. Rev Bras Med Esp 11 :281-285.

7 Ascensão A, Carvalho J, Magalhães J, Mota J, Oliveira J, Soares JMC (2003). Efeito de um programa de treino em idosos: comparação da avaliação isocinética e isotônica. Rev Paul Ed Fís 17 :74-84.

8 Assis M, Dantas PMS, Fazolo E, Fernandes Filho J, Tuche W (2005). Perfil dermatoglífico e somatotípico de ciclistas de alto rendimento do Brasil. Revista de Educação Física 132 :14-19.

9 Bogdanov OA, Komisova VY, Kuranev VS (2006). Comparative of Physical Development and Physical Preparedness of Female Students, who Entered Gertsen’s RSPU in 1983 and 2005. Teoria I Praktika Fiziceskoi Kul’tury 9 :55-56.

10 Borin JP. (2002) Utilização da discriminação gráfica de Fisher para indicação dos dermatóglifos como referencial de potencialidade de atletas de basquetebol. Tese (Doutorado em Educação Física). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

11 Borms, J, Carter, JE, Hebbelinck, Ross WD (1980). Anthropometric characteristics of female Olympic rowers. Can J Appl Sport Sci 5 :255-262.

12 Butova OA, Butov VS (2003). Individual variations of the immune status in relation to the types of body-build in 15-year-old boys living in the cities of the southern part of Russia. Papers on Anthropology 12 :42-50.

13 Butova OA, Lisova IM (2001). Correlations of various parameters of the human constitution. Morfologiia v. 119, n. 2, p. 63-66.

14 Cardoso PG, Costa G, Dantas PMS, Fazolo E, Fernandes Filho J, Menezes IC, Nunes RMA, Portal MND, Teixeira MES, Tuche W (2005). A dermatoglifia e a somatotipologia no alto rendimento do beach soccer – seleção brasileira. Revista de Educação Física 130 :45-51.

15 Carter JE (1970). The somatotypes of athletes - a review. Hum Biol 42 :535-569.

16 Carvalho E, Fernandes Filho J, Novaes JS (2005). Perfis dermatoglífico, somatotípico e fisiológico de atletas de alto rendimento, participantes de corrida de resistência, no Rio de Janeiro. F&PJ 4 :168-174.

17 Casagrande G, Viviani F (1993). Somatotype of Italian rugby players. J Sports Med Phys Fitness 33: 65-69.

18 Costa Neto PLO (2002). Estatística. São Paulo: Edgard Blücher.

19 Costa PIAM, Gentil P, Junior VAR, Lobato SRU, Nassau FF (2006). Correlação entre perfil datiloscópico e performance nos testes de 12 minutos e de impulsão horizontal em jovens do sexo masculino. Revista Digital de Buenos Aires ano 11:100, setembro.

20 Cummins H, Midlo CH (1961). Finger prints, palmes and soles: an introduction to dermatoglyphics. New York: Dover Publications.

21 Cunha Junior AT, Dantas PMS, Fernandes Filho J, Nogueira T (2005). Perfil somatotípico, dermatoglífico e das qualidades físicas da seleção brasileira de handebol feminino adulto por posição de jogo. F&PJ 4 :236-241.

22 Cunha ACPT, Cunha Junior AT, Dantas PMS, Schneider AT (2006). Características dermatoglíficas, somatotípicas, psicológicas e fisiológicas da seleção brasileira feminina adulta de handebol. F&PJ 5 :81-86.

23 Díaz FR, López FGB (2007). Bioestatística. São Paulo: Thomson Pioneira.

24 Fernandes Filho J, Medina MF (2002). Identificação dos Perfis Genético e Somatotípico que Caracterizam Atletas de Voleibol Masculino Adulto de Alto Rendimento no Brasil. F&PJ 1 :12-20.

25 Fernandes Filho J, João A (2002). Identificação do perfil genético, somatotípico e psicológico das atletas brasileiras de ginástica olímpica feminina de alta qualificação esportiva. F&PJ 1 :12-20.

26 Fernandes Filho J, Pável DAC (2004). Identificação dos perfis dermatoglífico, somatotípico e das qualidades físicas básicas de atletas de alto rendimento na modalidade de natação em provas de meio-fundo e fundo. F&PJ 3 :18-28.

27 Ferreira AAM. (2004) Perfil dermatoglífico, somatotípico e das qualidades físicas de atletas brasileiros de corrida de orientação de alto rendimento. Dissertação (Mestrado em Ciência da Motricidade Humana). Rio de Janeiro: Universidade Castelo Branco.

28 Fukunaga T, Ichinose Y, Ito M, Kanehisa H, Kawakami Y (2000). In vivo estimation of contraction velocity of human vastus lateralis muscle during “isokinetic” action. J Appl Physiol 88 :851-856.

29 Heath BH, Carter JE (1966). A comparison of somatotype methods. Am J Physiol Anthop 24 :87-99.

30 Heath BH e Carter JE (1990). Somatotyping development and applications. New York: Cambridge University Press.

31 Silva Dantas PM, Fernandes Filho J (2002). Identificação dos perfis, genético, de aptidão física e somatotipico que caracterizam atletas masculinos, de alto rendimento, participantes do futsal adulto, no Brasil. F&PJ 1:28-36.

32 Silva Dantas P. (2004) Relação entre estado e predisposição genética no futsal brasileiro. Tese (Doutorado em Educação Física). Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

33 Thomas JR, Nelson JK (2002). Métodos de Pesquisa em Atividade Física. Porto Alegre: Artmed.

34 Wilmore JH, Costill DL (2001). Fisiologia do e do Exercício. São Paulo: Manole.

 

 

Data de submissão: Julho 2007

Data de Aceite: Novembro 2007

 

Leonardo Chrysostomo dos Santos

leochrysostomo@terra.com.br (endereço eletrônico para correspondência)

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons