SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número10A importância do tribunal de contas na sustentabilidade financeira do estadoFactores satisfacientes e insatisfacientes dos utilizadores de websites: Um estudo de caso índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Tékhne - Revista de Estudos Politécnicos

versão impressa ISSN 1645-9911

Tékhne  n.10 Barcelos dez. 2008

 

As Parcerias Público-Privadas em Portugal. Lições e Recomendações

Rui Cunha Marques[1]; Duarte Silva[2]

rcmar@civil.ist.utl.pt, dnsilva@rave.pt

 (recebido em 31 de Março de 2008; aceite em 19 de Setembro de 2008)

 

Resumo

A limitação dos recursos públicos e os requisitos de qualidade de serviço, cada vez mais exigentes, têm conduzido à procura crescente da modalidade de contratação pública de parceria público-privada (PPP). Os princípios subjacentes à instituição das PPP validam, inequivocamente, a opção por este regime. No entanto, nem sempre o seu desenvolvimento alcança os objectivos pretendidos, esquecendo-se que, no essencial, uma PPP envolve uma relação comercial entre público e privado, onde se partilham os riscos, os benefícios e as responsabilidades. Este documento procura realizar um balanço da implementação das PPP em Portugal, reflectindo-se sobre o seu desempenho em dois sectores distintos. 

Palavras-chave: parcerias público-privadas, auto-estradas, serviços de água, value for money

 

 

Abstract. The public resources scarcity and the more and more challenging quality of service requirements have led to the growing demand of the public-private partnerships (PPP). The principles underlying the PPP adoption endorse, undoubtedly, the option for this model. However, not always does their development reach the objectives defined. Sometimes it is forgotten that at its core a PPP entails a commercial relationship between public and private, where the risks, benefits and responsibilities are shared. This document aims at assessing the PPP implementation in Portugal and provides an insight into their performance in two distinct sectors. 

Keywords: Organizational public-private partnerships, highways, water services, value for money

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Bibliografia

CE (2004a). Livro verde sobre as parcerias público-privadas e o direito comunitário em matéria de contratos públicos e concessões. COM (2004) 327. Bruxelas: Comissão Europeia. Disponível em http://eur-lex.europa.eu/.

CE (2004b). Resource book on PPP case studies. Bruxelas: Comissão Europeia. Disponível em http://ec.europa.eu/regional_policy/.

CE (2005c). Public-private partnerships and community law on public procurement and concessions. COM(2005) 569. Bruxelas: Comissão Europeia. Disponível em http://ec.europa.eu/regional_policy/.

Guasch, J. (2003) Concessions: bust or boom? An empirical analysis of fifteen years of experience in concessions in Latin America and Caribbean. Washington D. C.: Banco Mundial.        [ Links ]

Marques, R. (2005). A regulação de serviços públicos. Lisboa: Ed. Sílabo

Marques, R. (2006). “A yardstick competition model for Portuguese water and sewerage services regulation”. Utilities Policy, V. 14, n.º 3, pp. 175-184.

Marques, R. & Witte, D. (2008). “Toward a benchmarking paradigm in drinking water sector”. Public Money & Management  (forthcoming).

Posner, R. (1972). “The appropriate scope of regulation in the cable television industry”. Bell Journal of Economics and Management Science, V. 3, n.º 1, pp. 98-129.

Quiggin, J. (2004). “Risk, PPPs and the public sector comparator”. Australian Accounting Review, V. 14, n.º 2, pp. 51-61.

TC (2003). Auditoria às concessões rodoviária em regime de portagem SCUT. Relatório n.º 14/03 – 2ª Secção, Lisboa: Tribunal de Contas. Disponível em https://www.tcontas.pt/.

TC (2005a). Encargos do Estado com as parcerias público privadas: Concessões rodoviárias e ferroviárias. Relatório de Auditoria n.º 33/05, Lisboa: Tribunal de Contas. Disponível em https://www.tcontas.pt/.

TC (2005b). Concessões rodoviárias em regime de portagem SCUT. Follow-up. Relatório n.º 34/05 – 2ª Secção, Lisboa: Tribunal de Contas. Disponível em https://www.tcontas.pt/.

TC (2006). O controlo externo das parcerias público-privadas. A experiência portuguesa. In IV Assembleia Geral da Organização das ISC da CPLP, Maputo, 19 a 21 de Julho.

Williamson, O. (1976). “Franchising bidding for natural monopolies – in general and with respect to CATV”. Bell Journal of Economics, V. 7, n.º 1, pp. 73-104.

Williamson, O. (1985). The economic institutions of capitalism: Firms, markets and relational contracting. Nova Iorque: Free Press.

 

 

1 Professor Auxiliar e Investigador, B.Sc., M.Sc., Ph.D., Centro de Sistema Urbanos e Regionais (CESUR), DECivil-IST, Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal

2 Rede Ferroviária de Alta Velocidade (RAVE), Assessor do Conselho de Administração. B.Sc.