SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número63A técnica no poder: A ascensão dos tecnocratas ao governo na EuropaCem anos que se esperavam sem confrontos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Relações Internacionais (R:I)

versão impressa ISSN 1645-9199

Relações Internacionais  no.63 Lisboa set. 2019

http://dx.doi.org/10.23906/ri2019.63r02 

RECENSÃO

A aliança entre os níveis internacional e local como solução para a eliminação sustentável da pirataria nas costas da Somália

 

João Almeida Silveira

IPRI-NOVA | Rua de D. Estefânia, 195, 5.º Dt.º, 1000-155 Lisboa | joaosilveira@campus.fcsh.unl.pt

 

GILBERTO CARVALHO OLIVEIRA, «Guerra contra a Pirataria»: Uma Reconstrução Crítica da Intervenção das Nações Unidas contra a Pirataria nas Costas da Somália, Lisboa, ICS – Imprensa de Ciências Sociais, 2018, 333 páginas, ISBN 978-972-671-492-7

 

Em «Guerra contra A Pirataria»: Uma Reconstrução Crítica da Intervenção das Nações Unidas contra a Pirataria nas Costas da Somália, uma publicação da Imprensa de Ciências Sociais, Gilberto Carvalho Oliveira reflete sobre várias intervenções internacionais de combate ao recrudescimento da pirataria somali a partir de 2008.

O livro inclui-se num conjunto alargado de obras que procuram melhorar o entendimento sobre as formas de combate à pirataria. Este combate é apontado como um dever dos estados, por exemplo, pela Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar1.

A execução do dever de ação contra a pirataria não produz uma resposta unívoca. Efetivamente, apesar da antiguidade da prática, os modi operandi, causas, consequências e formas de combate à pirataria evoluíram com as eras. Junta-se a esta evolução, a circunstância de a pirataria assumir características regionais idiossincráticas2.

A resposta à pirataria ao largo das costas da Somália desencadeou uma impressionante mobilização da sociedade internacional, matizada por múltiplas respostas provenientes de estados (individualmente ou em coligação), organizações internacionais (OI), e atores não estatais.

Dada a multiplicidade de respostas e motivos para a mobilização internacional, a obra de Gilberto Oliveira reveste-se de grande interesse e pertinência. É, ainda, uma obra de grande atualidade, visto que, volvida mais de uma década de empenho internacional na região, persistem episódios de ataques ou tentativas de ataques piratas3.

Afora a centralidade do tema da pirataria somali, o livro oferece uma importante reflexão sobre o pensamento subjacente a intervenções internacionais lato sensu. Esta característica torna a obra mais abrangente e de interesse para quem se debruça sobre questões de intervenção e gestão de crises internacionais.

Antes de avançar nesta recensão, é importante clarificar que no âmbito do livro a expressão «intervenção das Nações Unidas (nu)» inclui o conjunto de iniciativas internacionais de combate à pirataria, adotadas na região do Corno de África, nas esferas militar, jurídica e privada (e.g., indústria marítima). Na análise são consideradas iniciativas de agências da Organização das Nações Unidas (ONU), de organizações fora do complexo da ONU – tais como a União Europeia (UE) ou a Organização do Tratado do Atlântico Norte (nato) –, de estados individuais, e de atores privados.

Imbuído de uma visão crítica de cunho construtivista social, o livro faz uma boa articulação entre enquadramento teórico e explicitação empírica. Estruturalmente, está organizado em torno de dois grandes momentos interligados e sequenciais: reconstrução diagnóstica e reconstrução crítica. Esta organização serve bem a obra por ajudar o leitor a compreender os elementos que compõem e justificam os argumentos e conclusões avançados.

 

DICOTOMIA INTERNACIONAL-LOCAL NO ENTENDIMENTO SOBRE O FENÓMENO

O livro defende que as características e efeitos objetivos da pirataria somali eram, em 2008, insuficientes para justificarem uma resposta internacional de caráter coercivo e militar de grande envergadura.

De acordo com o argumento, a pirataria somali foi, durante décadas, submetida a um processo de securitização4 a nível do sistema internacional. É esse processo que justifica uma intervenção da ONU voltada, pelo menos inicialmente, para componentes coercivas nas esferas militar, privada e jurídica.

Recorrendo à teoria da securitização da Escola de Copenhaga, e através de uma análise discursiva exaustiva de atos de comunicação da ONU, indústria marítima, organizações humanitárias e estados, o livro sustenta que a indústria marítima foi o principal agente a desencadear a securitização do dossiê da pirataria.

A indústria investiu na securitização devido aos efeitos negativos da pirataria, nomeadamente, no que respeita a perigos acrescidos para trabalhadores, embarcações e mercadorias, assim como ao aumento dos custos de operação.

Todavia, acrescenta o livro, o processo de securitização foi apenas bem-sucedido quando agências humanitárias o apoiaram (e.g., o Programa Alimentar Mundial). O apoio de agências humanitárias derivou dos efeitos negativos da pirataria para a assistência humanitária às populações da Somália. O elemento humanitário, pelo menos a nível discursivo, foi o principal para atrair o apoio de estados e OI para a intervenção na Somália.

O processo de securitização definiu os piratas como criminosos incomuns (i.e., entre o combatente e o criminoso civil comum). Ademais, enquadrou a pirataria enquanto atividade puramente criminosa, cujos efeitos ameaçam a paz e segurança internacional.

O caráter criminoso da pirataria, bem como os seus efeitos adversos para a paz mundial, justificaram a autorização para o seu combate com recurso a iniciativas de emergência ao abrigo do capítulo VII da Carta da ONU (i.e., uso da força).

A obra contesta a visão inicial sobre o problema. Advoga que a pirataria somali é uma questão eminentemente económica com consequências securitárias, e não o oposto. Utilizando o conceito de «economia política das novas guerras» procede à análise do fenómeno por um prisma local. Encontra na prática pirata elementos de economia paralela (shadow economy), economia de combate (combat economy) e economia de enfrentamento (coping economy). Percebe, assim, que a pirataria está enraizada em vetores socioeconómicos tradicionais do país.

Localmente, a pirataria produz efeitos contraditórios. Se, por um lado, potencia a atividade económica e gera alternativas de subsistência, por outro, impede o desenvolvimento de atividades económicas legais e contribui para a continuidade do conflito interno. A ambiguidade de efeitos origina sentimentos conflituantes na população local. Esta ora apoia a pirataria, ora promove iniciativas eficazes para a conter e eliminar.

Considerando esta forte ligação entre a pirataria e a organização socioeconómica local, o livro defende que a eliminação sustentável da pirataria implica a resolução das suas causas estruturantes (root causes). Ou seja, das condições socioeconómicas que abrigam e potenciam a pirataria. Esta análise encontra grande respaldo na literatura5.

O livro inova na aplicação dos conceitos de economia paralela, de combate e de enfrentamento na caracterização da pirataria somali. O emprego destes conceitos ajuda a melhor entender o fenómeno, por evidenciar com mais clareza a sua complexidade, bem como a sua inextrincável ligação ao contexto social, político e económico do país.

A justaposição entre o entendimento do fenómeno a partir das preocupações internacionais e o entendimento a partir das preocupações locais configura um elemento central na reconstrução diagnóstica. Esta evidencia uma importante dicotomia entre os níveis internacional e local que, para a obra, tem consequências nos resultados da intervenção da ONU.

 

REPENSAR A INTERVENÇÃO DA ONU

Decorrente da reconstrução diagnóstica, o livro procede à reconstrução crítica cuja referência teórico-normativa central é a de paz sustentável.

A reconstrução crítica utiliza a dicotomia internacional-local para expor as características consideradas distorcidas e disformes da intervenção das Nações Unidas. Após a exposição procura esboçar linhas de pensamento alternativas que potenciem intervenções internacionais mais sustentáveis e emancipatórias a nível das vivências políticas, económicas e sociais locais. O objetivo deverá ser, de acordo com a obra, a consolidação de práticas capazes de dirimir conflitos sem recurso à violência.

O livro identifica, a partir de 2010, uma alteração conceptual significativa por parte da ONU, conducente à aplicação de uma abordagem compreensiva6 (comprehensive approach). A nova abordagem denota um novo entendimento sobre a pirataria, visando endereçar as suas causas profundas, e não apenas os seus sintomas. Nesse âmbito, as respostas da ONU passaram a ser articuladas de acordo com o nexo segurança-desenvolvimento, assente em três eixos de ação: dissuasão, segurança e desenvolvimento.

Apesar de promissora, argumenta o livro, a alteração conceptual da abordagem não se traduziu em alterações significativas na intervenção da ONU. Esta manteve-se focada primariamente nos eixos «dissuasão-segurança», e apenas parcialmente no eixo «desenvolvimento».

Acresce que a matriz de intervenção se demonstrou incapaz ou tímida na incorporação de quadros de resposta endógenos à pirataria. A intervenção da ONU optou por seguir modelos e quadros de intervenção próprios.

De acordo com a obra, a população local não se revê nas opções e posturas da intervenção da ONU porque o modelo de intervenção é distante dos modelos tradicionais de organização social, política e económica do país. O parco investimento no eixo «desenvolvimento», associado à utilização de matrizes de intervenção exógenas marcadamente de cunho coercivo, resultou, assim, na desarticulação entre os níveis internacional e local o que, segundo o argumento, impediu a eliminação sustentável das causas estruturantes da pirataria. Para fundamentar o argumento, o livro compara os modelos de intervenção das Nações Unidas com modelos de intervenção sociopolíticos locais.

Salvo algumas exceções, a obra considera a intervenção das Nações Unidas dependente de investimentos técnicos e monetários avultados, desenhada para o curto prazo, e sem capacidade de autorrenovação. Em oposição, considera que as respostas locais exibem um maior grau de eficiência e sustentabilidade por serem oriundas da própria população e integradas nos modelos tradicionais de organização do país. Todavia, falta às respostas locais capacidade de investimento e maiores conhecimentos técnicos para garantir a possibilidade de autorrenovação das suas iniciativas.

Face ao exposto, a obra propõe uma forma híbrida de conceptualizar a resposta à pirataria. Num modelo de resposta híbrida, os recursos e conhecimentos técnicos internacionais devem ser aplicados para potenciar e promover respostas locais. Deste modo, os recursos internacionais auxiliam na emancipação das populações e estabelecem as bases para um combate sustentável à pirataria.

A proposta da obra tem o grande mérito de alertar para a necessidade de adaptação e de diálogo entre modelos e quadros de intervenção internacionais e locais. No entanto, a forma como a obra baliza o termo «intervenção das NU» impede uma análise verdadeiramente holística das intervenções internacionais.

Efetivamente, a abordagem compreensiva, bem como a articulação do nexo «segurança-desenvolvimento», extravasam as esferas militar, jurídica e privada. Ao cingir-se a estas três esferas a obra descorou iniciativas de apoio técnico-diplomático, de desenvolvimento económico, de ajuda ao desenvolvimento, entre outros.

Por exemplo, no âmbito da sua abordagem compreensiva a UE desenvolve ou apoia iniciativas de promoção da economia local, entre as quais se destacam o apoio à regulação do setor das pescas, o combate à pesca ilegal e iniciativas de desenvolvimento de pesca tradicional (e.g., instalação de fishing aggregating devices). Contribui, ainda, para a construção de infraestruturas sociais (e.g., infraestruturas sanitárias). A própria operação militar naval da UE presta assistência médica a locais. Acresce a estas práticas o apoio diplomático e técnico-científico, fulcral, por exemplo, para a definição da zona económica exclusiva da Somália em 20147. Estas tipologias de iniciativas são, grosso modo, ignoradas no livro.

Por não equacionar um leque mais alargado de iniciativas o livro apresenta uma perspetiva parcial da intervenção internacional, o que enfraquece o argumento. Tal não retira valor e mérito científico ao trabalho. Ao contrário, deve acicatar a realização de investigações futuras que o possam complementar.

Com efeito, um dos pontos de grande relevo da obra é o de estimular novas formas de analisar a pirataria, tendo em consideração a forma como as populações locais a percebem, e a necessidade de a sociedade internacional equacionar as realidades e formas de organização tradicionais das zonas recetáculos de intervenções internacionais.

 

BIBLIOGRAFIA

BLANC, Jean-Baptiste; KRUSE, Aurélien; DANG LE, Trung; LEVCHENKO, Andrei A.; MA, Lin; MESKO, Farley; RUIZ, Claudia; SHORTLAND, Anja – The Pirates of Somalia: Ending the Threat, Rebuilding a Nation. Washington: The World Bank, 2013.

BUEGER, Christian; STOCKBRUEGGER, Jan – «Pirates, drugs and navies: why the Western Indian ocean needs a new security architecture». In The RUSI Journal. Vol. 161, N.º 5, 2016, pp. 46-52. doi: 10.1080/03071847.2016.1253375.

BUZAN, Barry; WAEVER, Ole – Regions and Powers. The Structure of International Security. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

CAMPANELLI, Otello – «The global governance of maritime piracy». In Journal of Global Policyand Governance. Vol. 1, N.º 1, 2012, pp. 73-84. DOI: 10.1007/s40320-012-0006-z.

DE SPIEGELEIRE, Stephan; SWEIJS, Tim; WIJNINGA, Peter – Designing Future Stabilization Efforts. A Haia: HCSS – The Hague Centre for Strategic Studies, 2014.

INTERNATIONAL MARITIME BUREAU – Piracy and Armed Robbery Against Ships – 2013 Annual Report. Londres: International Chamber of Commerce, 2014.

INTERNATIONAL MARITIME BUREAU – Piracy and Armed Robbery Against Ships – 2018 Annual Report. Londres: International Chamber of Commerce, 2019.

KRASKA, James – Contemporary Maritime Piracy International Law, Strategy, and Diplomacy at Sea. Santa Bárbara, CA: Praeger, 2011.

SILVEIRA, João Almeida – EUNAVFOR Atalanta: O Compromisso da União Europeia com a Segurança Global. Braga: Universidade do Minho, 2015.

SILVEIRA, João Almeida – «European Union security: the threat of piracy». In VIII Congresso daAssociação Portuguesa de Ciência Política. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, 2016.

UNITED NATIONS – United Nations Convention on the Law of the Sea, 1998.

 

NOTAS

1 UNITED NATIONS – United Nations Convention on the Law of the Sea, 1998.

2 KRASKA, James – Contemporary Maritime Piracy International Law, Strategy, and Diplomacy atSea. Santa Bárbara, ca: Praeger, 2011.

3 INTERNATIONAL MARITIME BUREAU – Piracy and Armed Robbery Against Ships – 2013 Annual Report. Londres: International Chamber of Commerce, 2014; INTERNATIONAL MARITIME BUREAU – Piracy and Armed Robbery Against Ships – 2018 Annual Report. Londres: International Chamber of Commerce, 2019.

4 Como explicado por Barry Buzan e Ole Waever (promotores da teoria da securitização), securitização refere-se ao processo através do qual um determinado tema ascende na agenda securitária. Ver, por exemplo, BUZAN, Barry; WAEVER, Ole – Regions and Powers. The Structureof International Security. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

5 Ver, por exemplo, CAMPANELLI, Otello – «The global governance of maritime piracy». In Journal of Global Policy and Governance. Vol. 1, N.º 1, 2012, pp. 73-84. DOI: 10.1007/s40320-012-0006-z; BLANC, Jean-Baptiste; KRUSE, Aurélien; DANG LE, Trung; LEVCHENKO, Andrei A.; MA, Lin; MESKO, Farley; RUIZ, Claudia; SHORTLAND, Anja – The Pirates of Somalia: Ending theThreat, Rebuilding a Nation. Washington: The World Bank, 2013; DE SPIEGELEIRE, Stephan; SWEIJS, Tim; WIJNINGA, Peter – Designing Future Stabilization Efforts. A Haia: HCSS – The Hague Centre for Strategic Studies, 2014; SILVEIRA, João Almeida – EUNAVFOR Atalanta: OCompromisso da União Europeia com a Segurança Global. Braga: Universidade do Minho, 2015; BUEGER, Christian; STOCKBRUEGGER, Jan – «Pirates, drugs and navies: why the Western Indian ocean needs a new security architecture». In The RUSI Journal. Vol. 161, N.º 5, 2016, pp. 46-52. DOI: 10.1080/03071847.2016.1253375.

6 No livro, a terminologia utilizada é «abordagem abrangente».

7 SILVEIRA, João Almeida – «European Union security: the threat of piracy». In VIII Congresso daAssociação Portuguesa de Ciência Política. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, 2016.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons