SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número8Quais os contributos da Antropologia para a compreensão das situações de deficiência?O dever de casa como política educacional e objecto de pesquisa índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Lusófona de Educação

versão impressa ISSN 1645-7250

Rev. Lusófona de Educação  n.8 Lisboa jul. 2006

 

Da integração à inclusão escolar: cruzando perspectivas e conceitos

Isabel Sanches* & António Teodoro**

 

A partir dos anos 1960, novos conceitos e práticas começaram a ser introduzidos no âmbito das respostas educativas a dar às crianças e jovens em situação de deficiência. A grande mobilidade das pessoas, o alargamento da escolaridade obrigatória e a consequente diversificação dos seus públicos trouxeram para a discussão educativa o papel e as funções da escola. Da procura de respostas para as situações de deficiência à necessidade de promover o sucesso para todos os alunos da escola, um longo e difícil caminho está a ser percorrido, com perspectivas e tomadas de posição algo controversas. Para que as palavras/expressões não sejam usadas aleatoriamente ou despidas do significado que esteve na origem da sua utilização educativa, procedeu-se aqui à sua definição e contextualização, segundo as perspectivas divulgadas mais recentemente.

Palavras-chave: Educação especial, necessidades educativas especiais, inclusão escolar educação indusiva.

 

 

From integration to school inclusion: crossing perspective and concepts

From the Sixties (20th century), new concepts and practices had started to be introduced in the scope of the educative answers to give to the children and young in deficiency situation. The great mobility of the people, the widening of the obligatorily school and the consequent diversification of its public had brought for the educative quarrel the role and the school functions. Of the search of answers for the situations of deficiency to the necessity to promote the success for all the pupils of the school, a long and difficult way is to be covered, with perspectives and taking of position something discussible. So that the words/expressions don’t be used randomly or disproved of the meaning that were in the beginning of its educative use, proceeded to its definition and to insert in contexts, according perspectives divulged more recently.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Referências bibliográficas

Ainscow, M. (1990). Teacher education resource pack: student material. Paris: UNESCO.         [ Links ]

Ainscow, M. (1991). Effective schools for all: an alternative approach to special needs in education. In M. Ainscow (Ed.), Effective schools for all. London: David Fulton Publishers Ltd.

Ainscow, M.(1995). Education for all: making it happen. Communication présentée au Congrès Internationale d’Education spéciale, Birmingham, Angleterre.

Ainscow, M., Porter, G. & Wang, M. (1997). Caminhos para as escolas inclusivas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional (textos originais em inglês, apresentados em Salamanca, 1994).

Ainscow, M. (1999). Understanding the development of inclusive schools. London: Falmer Press.

Ainscow, M. (2000).The next step for special education: supporting the development of inclusive pratices. British Journal of Special Education, 27 (2), 76-80.

Ainscow, M.& Ferreira,W.(2003).Compreendendo a educação inclusiva.Algumas reflexões sobre experiências internacionais. In David Rodrigues (org.), Perspectivas sobre a inclusão. Da educação à sociedade. Porto: Porto Editora.

Armstrong, F. (2001). Intégration ou inclusion? L’évolution de l’éducation spéciale en Angleterre. Une étude de cas. Revue française de Pédagogie, 134, 87-96.

Armstrong, F. & Barton, L. (2003). Besoins éducatifs particuliers et «inclusive education». In Brigitte Belmont et Aliette Vérillon Diversité et handicap à l’école. Quelles pratiques éducatives pour tous? Paris: Institut national de recherche pédagogique (INRP).

Bank Mikkelsen, N.E.(1969). A metropolitan área in Denmark, Copenhagen. In R.Kugel e W.Wolfensberger (eds.), Changing patterns in residential services for the mentally retarded. Washington: President’s Committee on Mental Retardation.

Booth, T., Ainscow, M., Black-Hawkins, K.,Vaughan, M.& Shaw, L.(2000). Índex for inclusion: developing learning and participation in schools. Bristol: Centre for Studies on Inclusive Education.

Bronfenbrenner, U. (1979). The ecology of human development: experiments by nature and design. Cambridge: University Press.

Canário,R.(2006).A escola – da igualdade à hospitalidade.In D.Rodrigues (ed.), Educação Inclusiva. Estamos a fazer progressos? Lisboa: FMH Edições.

Capul, M. & Lemay, M. (sous la direction de) (2003). De l’éducation spécialisée. Ramonville Saint-Agne (France): Editions érès.

César, M.(2003). A escola inclusivaenquanto espaço-tempo dediálogo de todos paratodos. In David Rodrigues (org.), Perspectivas sobre a inclusão. Da educação à sociedade. Porto: Porto Editora.

Correia, L. (2001). Educação inclusiva ou educação apropriada? In D. Rodrigues (org.), Educação e diferença. Valores e práticas para uma educação inclusiva. Porto: Porto Editora.

Costa, A.B.(1998). Projecto “Escolas inclusivas”. Inovação, 11, 57-85.

Duarte, R., Sanches, I. & Brites, I. (2004). Projecto de Decreto-lei da educação especial e dos apoios sócio-educativos (Parecer). Revista lusófona de Educação, 03, 153-157.

Gardou, Ch.(2003a). A inclusão escolar das crianças e adolescentes em situação de handicap: uma revolução cultural necessária ou do homo sapiens ao homo socians. Revista lusófona de Educação, 02, 53-66.

Gardou, Ch. & Develay, M. (2005). O que as situações de deficiência e a educação inclusiva “dizem” às Ciências da Educação. Revista Lusófona de Educação, 06, 31-45.

Hegarty, S. (2006). Inclusão e educação para todos: parceiros necessários. In D. Rodrigues (ed.), Educação Inclusiva. Estamos a fazer progressos? Lisboa: FMH Edições.

Jiménez, R. B.(1997). Necessidades educativas especiais. Lisboa: Dinalivro (obra original em espanhol, 1993).

Meijer, J. M. (cor) (1998). Intégration en Europe: dispositions concernant les élèves à besoins éducatifs spécifiques. European agency for development in special needs education.

Mialaret, G. (2003). Propos impertinents sur l’éducation actuelle. Paris:PUF.

Mittler, P. (2000). Working towards inclusive schools: social contexts London: David Fulton Publishers Ltd.

Niza, S. (1996). Necessidades especiais de educação: da exclusão à inclusão na escola comum. Inovação, 9,139-149.

Niza, S. (2004). Escola Inclusiva Evolução e Perspectivas. 1ºSeminário sobre Cidadania e Direito à Inclusão. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, 21 de Maio.

Plaisance, E. (2003). Évolution historique des notions. In Brigitte Belmont et Aliette Vérillon . Diversité et handicap à l’école. Quelles pratiques éducatives pour tous? Paris: Institut national de recherche pédagogique (INRP).

Porter, G. L. (1997). Organização das escolas: conseguir o acesso e a qualidade através da inclusão. In M. Ainscow, G. Porter e M.Wang, Caminhos para as escolas inclusivas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional (Comunicação apresentada na Conferência Mundial sobre “Necessidades Educativas Especiais: Acesso e Qualidade”, Salamanca, 4 a 10 Junho, 1994).

Rodrigues, D. (2001) (org.). Educação e diferença. Valores e práticas para uma educação inclusiva. Porto: Porto Editora.

Rodrigues, D. (2003). Educação inclusiva. As boas e as más notícias. In David Rodrigues (org.), Perspectivas sobre a inclusão. Da educação à sociedade. Porto: Porto Editora.

Rodrigues, D. (2006). Dez ideias (mal) feitas sobre educação inclusiva. In D. Rodrigues (ed.), Educação Inclusiva. Estamos a fazer progressos? Lisboa: FMH Edições.

Sanchez,P.A.(2003). Perspectives de formation. In Brigitte Belmont et Aliette Vérillon . Diversité et handicap à l’école. Quelles pratiques éducatives pour tous? Paris: Institut national de recherche pédagogique (INRP).

Sanz del Rio (1985). Integración escolar de los deficientes. Panorama internacional. Madrid: Real Patronato de Educación y Atención a Deficientes.

Sebba,J. & Ainscow, M. (1996). International developments in inclusive education: mapping the issues. Cambridge Journal of education, 26 (1), 5-8.

Sebba,J.& Sachdev,D.(1996).What works in inclusive education? Ilford Essex:Barnards

Soder, M. (1981). Devolver o deficiente à comunidade de onde foi excluído. Correio da Unesco, 9, nº 8, 20-23.

Soriano,V.(1999). Le soutien aux enseignants -organisation du soutien aux enseignants travaillant avec les élèves à besoins spécifiques dans l’enseignement ordinaire -Tendances dans 17 pays européens. European Agency for Development in Special Needs Education.

Thomas,G.,Walker, D.& Webb, J. (1998). The making of the inclusive school. London: Routledge.

Vigotsky, L., S. (1985). Le problème de l’enseignement et du développement à l’âge scolaire. In B. Schneuwly & J. P. Bronckart (eds.). Vigotsky aujourd’hui. Neuchâtel: Delachaux et Niestlé.

Warwick, C. (2001). O apoio às escolas inclusivas. In D. Rodrigues (org.), Educação e diferença. Valores e práticas para uma educação inclusiva. Porto: Porto Editora.

Wilson, J. (2000). Doing justice to inclusion. European Journal of Special Needs Education, 15, 3, 297-304.

Wolfenberger,W.(1972). The principle of normalization in human services. Toronto National Institute of Mental Retardation (N.I.M.R.).

 

* Co-coordenadora dos cursos de Educação Especial da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias;

isabel.sanches@oninetspeed. pt

 

** Director da Unidade de Investigação e Desenvolvimento “Observatório de Políticas de Educação e de Contextos Educativos”.

a.teodoro@netvisao.pt