SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número8EditorialÉtica ambiental e educação nos novos contextos da ecologia humana índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Lusófona de Educação

versão impressa ISSN 1645-7250

Rev. Lusófona de Educação  n.8 Lisboa jul. 2006

 

Globalização e identidades educativas. Rupturas e incertezas

José Augusto Pacheco* & Nancy Pereira**

 

Com este artigo pretende-se debater escolar e curricularmente a globalização e a identidade como dois espaços posicionais que configuram as políticas educacionais, concretamente ao nível da organização escolar. Defendemos que a globalização contribui de modo efectivo, contrariamente ao que a construção das identidades escolares pressupõe, não só para o reforço da homogeneização escolar, incluindo as práticas curriculares, como também para o reforço da noção de currículo como facto.Os resultados que se apresentam dizem respeito às práticas de elaboração de projectos educativos (político-pedagógicos) configurando a existência de projectos que são trabalhados escolarmente pelos professores numa lógica normativa e num ritual de cumprimento de macrodecisões, mesmo que a sua justificação seja feita na base da autonomia das escolas e de identidades curriculares locais.

Palavras-chave: Globalização, currículo, identidade

 

 

Globalization and Educational Identities. Ruptures and Incertitudes

With this article it is intended to discuss, at a school and curriculum point of view, the globalization and the identity as two position spaces that configure the education politics, concretely at the level of the school organization. We defend that the globalization contributes in an effective way, contrarily to that the construction of the school identities presupposes, not only for the reinforcement of the school homogenization, including the curriculum practices, as also for the reinforcement of the curriculum notion as a fact. The results that are presented concern to the practices of elaboration of educational projects (political- pedagogic) configuring the existence of projects that are worked in the school by the teachers in a normative logic and in a ritual of macrodecisions execution, even if they justification is made in the base of the autonomy of the schools and of local curriculum identities.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Referências bibliográficas

Ball, Stephen (1997). The micro-polics of the school. London: Methuen.        [ Links ]

Bourdieu, P. (1998). Questions de sociologie. Paris : Les Editions de Minuit.

Bourdieu, P. (2001). Contrafogos 2. Para um movimento social europeu. Oeiras : Celta Editora.

Burbules, N.(2003). Uma gramática da diferença: algumas formas de repensar a diferença e a diversidade como tópicos educacionais. In R.L.Garcia; A.F.Moreira (org.), Currículo na contemporaneidade. Incertezas e desafios. São Paulo: Cortez, pp. 159-188.

Castells, M. (2000c). O poder e a identidade. A era da informação,economia, sociedade e cultura, vol III. S. Paulo: Paz e Terra.

Castells, M. (2000a). Fim de milénio. A era da informação, economia, sociedade e cultura, vol III. S. Paulo: Paz e Terra.

Castells, M.(2000b). A sociedade em rede. A era da informação, economia, sociedade e cultura, vol I. S. Paulo: Paz e Terra.

Cortezão, L.; Stoer, S. (2003). A interface de educação intercultural e a gestão de diversidade na sala de aula. In R. L. Garcia; A. F. Moreira (org.), Currículo na contemporaneidade. Incertezas e desafios. São Paulo: Cortez, pp. 189-208.

Costa, J.A.; Dias, C,; Ventura, A.(2005). Reorganização curricular do ensino básico. Projecto, decreto e práticas nas escolas. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Costa, S. (2002). Teoria social, cosmopolitismo e as sociedades pós-nacionais. In I. Scherer-Warren; F. Ferreira (org), Transformações sociais e dilemas da globalização. Um diálogo Brasil/Portugal. São Paulo: Cortez Editora, pp. 23-46.

Day, C.(2006). A paixão pelo ensino. Porto: Porto Editora.

Doll, W. (2004). Currículo e controlo. Revista de Estudos Curriculares, 2(1), 7-41.

Garcia, R. e Moreia, A. (2003). Currículo na contemporaneidade. Incertezas e desafios? São Paulo: Cortez Editora.

Giddens, A. (2000). O mundo na era da globalização. Lisboa: Editorial Presença.

Gimeno, J., 2003. O signicado e a função da educação na sociedade e na cultura globalizadas. In R. Garcia e A. Moreira (org.). Curículo na contemporaneidade: incertezas e desafios. São Paulo: Cortez Editora, pp. 41-80.

Goodson, I. (2001). O currículo em mudança. Porto: Porto Editora.

Gough, N. (2003). Globalization and school curriculum change. In S. David (ed.). Curriculum studies. London : Routledge , IV Vol., pp. 148-162.

Gugliano A. (2000). Nas costas da globalização: as perspectivas dos países periféricos frente às transformações da economia internacional. In M.Ferreira; A.Gugliano (org.). Fragmentos da globalização na educação. PortoAlegre: ArtMed., 2000, pp .63-76.

Habermas , J. (2002). Inclusão do outro. Estudos de teoria política. São Paulo: Edições Loyola.

Hall, S. (2003). Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Hallak, J. (2001). Politiques éducatives et contenus d’enseignement dans les pays en développement. In C. Carpentier (coord.). Contenus d’enseignement dans un monde en mutation. Paris : L’Harmattan, pp. 31-52.

Hargreaves, A. (2004). O ensino na era do conhecimento. Porto: Porto Editora.

Kincheloe, J.(2004). Critical constructivism. New York: Peter Lang Primer.

Kress, G. (2003). O ensino na era da informação: entre a instabilidade e a integração. In R. L. Garcia; A. F. Moreira (org.), Currículo na contemporaneidade. Incertezas e desafios. São Paulo: Cortez, pp. 114-138.

Lacey, C. (1977). The socialization of teachers. London: Methuen and Co.

Ladwig, J. (2003). Primeiras aproximações a uma pedagogia mundial. In R.L.Garcia;A.F.Moreira (org.), Currículo na contemporaneidade. Incertezas e desafios. São Paulo: Cortez, pp. 265-292.

Martinand, J. L. (2001). Matrices disciplinaires et matrices curriculaires : le cas de l´education technologique en France. In C. Carpentier (coord.). Contenus d’enseignement dans un monde en mutation. Paris : L’Harmattan, pp. 249-269.

Moreira, A.F.(2005). Porquê ter medo dos conteúdos? In M.Z.Pereira;A.P.Mour .(org.). Políticas e práticas curriculares. Impasses, tendências e perspectivas. João Pessoa: Ideia, pp.11-42.

Muller, J. (2003). Revisitando o porgressivismo: ethos, política, pathos. In R. L. Garcia; A. F. Moreira (org.), Currículo na contemporaneidade. Incertezas e desafios. São Paulo: Cortez, pp. 293-318.

Nogueira, M (2001).Em defesa da política. São Paulo: Senac.

Pacheco, J. (1995). O pensamento e acção do professor. Porto: Porto Editora.

Pacheco, J. (2002). Notas para uma síntese de uma década de consolidação dos estudos curriculares. Investigar em Educação, 1(1), 227-273.

Pacheco, J. (2005). Estudos Curriculares. Para uma compreensão crítica da educação. Porto: Porto Editora.

Pacheco, J. e Vieira, A. P. (2006). Europeização do currículo. Para uma análise das políticas educativas e curriculares. In A. F. Moreira; J..A. Pacheco (org.). Globalização e educação. Desafios para as políticas e práticas. Porto: Porto Editora, pp. 87-126.

Pacheco, J. et al (1996). O impacto da reforma curricular no pensamento e na acção dos professores. Braga: Universidade do Minho.

Pereira, N. (2006). Projecto educativo de escola: Um desafio à organização escolar. Dissertação de mestrado. Porto: Universidade Portucalense (documento policopiado).

Pereira, N.; Pacheco, J. (2005). Projecto Educativo. Um estudo sobre as representações de professores do 1º ciclo do Ensino Básico. In B. Silva e L.Almeida (orgs.), Actas do VIII Congresso Galaico-Português de Psico-pedagogia. Braga: CIEd, pp, 3323-3333.

Pinar,W.(2004). What is curriculum theory? New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers.

Popkewitz, T. (2001). Lutando em defesa da alma. A politica do ensino e a construção do professor. Porto Alegre: ArtMed.

Roldão, M.C. (coord.) (2005). Formação e práticas de gestão curricular. Crenças e equívocos. Porto: Edições Asa.

Sachs, J. (2003). The activist teaching profession. Buckingham: Open University Press.

Sampaio, M. (1998). Um gosto amargo de escola. São Paulo: Educ.

Santos, B.. Processos de globalização. In B. S. Santos (org), A sociedade portuguesa perante os desafios da globalização: modernização económica, social e cultural. Porto: Edições Afrontamento, pp. 31-106.

Teodoro,A. (1994). Política educativa em Portugal: Educação, desenvolvimento e participação política dos professores. Lisboa: Bertrand Editora.

Teodoro,A. (2003). Globalização e educação.Porto:Edições Afrontamento.

Touraine,A. (1984). Le retour de l’acteur. Essai sur sociologie. Paris: Fayard.

Willinsky, J. (2003). O Estado-Nação após o globalismo. In R. L. Garcia; A. F. Moreira (org.), Currículo na contemporaneidade. Incertezas e desafios. São Paulo: Cortez Editora, pp. 81-114.

 

*Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho. Presidente da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação

jpacheco@iep.uminho.pt

**Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho

nancypereira79@portugalmail.pt