SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número5Externato António Sérgio. Génese e desenvolvimento de uma instituição escolar no Alentejo (1960-1990)Os manuais escolares (CTV/Port. B) de 10.º ano, a construção de saberes e a autonomia do aluno. Auscultação aos sujeitos (alunos e professores) mediada por um estudo de caso instrumental índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Lusófona de Educação

versão impressa ISSN 1645-7250

Rev. Lusófona de Educação  n.5 Lisboa  2005

 

Aurilene Cerqueira Sotero (2004)

Espaço geográfico. Estratégias de aprendizagem dos conceitos geográficos e a construção deste saber pelo estudante

Orientação:

Prof. Doutor Robinson Moreira Tenório

 

Apesar das pesquisas demonstrarem a importância do papel das estratégias de aprendizagem para o bom rendimento escolar, no Brasil, os estudos sobre esse tema ainda são muito escassos. O objectivo desta pesquisa foi investigar como os estudantes das 6.a e 7.a séries do Ensino Fundamental do Centro Educacional São José aprendem em sala de aula os conceitos geográficos e os utilizam em sua vivência cotidiana.

A elaboração deste trabalho foi pautada nas opções metodológicas relacionadas ao paradigma interpretativo, numa abordagem qualitativa de pesquisa em educação e teve por base o método etnográfico. Os instrumentos utilizados para a colecta foram: entrevista semi-estruturada, questionário, atividade, observação participante e análise documental.

Os resultados indicaram que leitura, copiar e responder exercícios, dispensar atenção, auxílio comunitário, leitura e escrita interpretativa, leitura e escrita não interpretativa, associação, confecção e sublinhar são as estratégias que os estudantes utilizam em sala de aula para a aprendizagem dos conceitos geográficos. Essas estratégias são eficazes para o tipo de ensino que está sendo ministrado para esses estudantes. Porém, diante dos estudos, pode-se deduzir que os estudantes pesquisados lidam apenas mecanicamente, sem internalizar grande parte dos conceitos e processos de pensamento implicados no estudo das matérias e conseqüentemente, quando são solicitados a falar espontaneamente sobre conteúdos que estudam, não são capazes de expressar conceitos e relações obtidos do estudo sistematizado, mas tornam-se aptos a versar sobre o que está incorporado pela prática cotidiana à base do senso comum.

 

 

The geographic space. Learning strategies related to the geographical concepts and the construction of this knowledge by students

Although research shows the importance of the role of learning strategies for students’ improvement, in Brazil studies about this subject are still few. The aim of this research has been to investigate how the 6th- and 7th- grade students from “Ensino Fundamental” [Basic Education] at the São José Educational Center, acquire the geographic concepts and their uses in their daily lives in the classroom.

This work was developed based on the methodological options related to the interpretative paradigm, on a qualitative approach of research in education based on the ethnographic method. The tools used were: semi-structured interview, questionnaire, activity, participative observation and analysis of documents.

The results indicated that reading, copying and responding to exercises, being attentive, getting community help, interpretative reading and writing, non- interpretative reading and writing, association, confection and underlining are the learning strategies the students use in the classroom to learn the geographic concepts. These strategies are efficient for the kind of teaching that is being done. Nevertheless, considering theses studies, it can be assumed that the students observed in the research only deal with a large part of the concepts and thinking processes implied in the study of the subjects in a mechanical way, without being able to internalize them. Consequently, when requested to talk freely about the content they have been studying, they are unable to express concepts and relations acquired in their systematic study, but they can recite what has been apprehended through the daily practice based on the common sense.