SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número5Profissionais da educação e sua formação para atuação na educação infantil e séries iniciais do ensino fundamentalEmancipação, ruptura e inovação: o “focus group” como instrumento de investigação índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Lusófona de Educação

versão impressa ISSN 1645-7250

Rev. Lusófona de Educação  n.5 Lisboa  2005

 

Entre a continuidade e a inovação. O ensino superior de Enfermagem e as práticas pedagógicas dos professores de Enfermagem

Maria de Fátima Mendes Marques*

 

Este artigo tem como objectivo identificar e caracterizar que mudanças a integração do ensino de enfermagem no ensino superior politécnico desencadeou nas práticas pedagógicas dos docentes de enfermagem. As finalidades do ensino superior de estimular o desenvolvimento do espírito científico, do pensamento reflexivo e da criação cultural, consequentemente relacionado com uma aprendizagem emancipatória, emergiu como um dos objectivo a alcançar na reforma curricular de enfermagem. Nesse âmbito, preconizou-se o estudante como um dos actores na formação e que esta atendesse às suas necessidades de aprendizagem. E o professor, como elemento coadjuvante da formação, tendo sempre em conta a globalidade da pessoa do estudante e a sua relação com o mundo.

Para poder compreender o efeito que a integração do ensino de enfermagem no sistema educativo nacional, ao nível do ensino superior politécnico, provocou nas práticas pedagógicas dos professores de enfermagem, analisou-se a forma como estes vivenciaram a reforma educativa e a interligação entre as suas concepções do perfil do enfermeiro bacharel e as estratégias desenvolvidas na formação dos mesmos.

Os resultados do estudo evidenciaram um discurso dicotómico polarizado à volta de duas ideias essenciais: o papel do estudante e a concepção de enfermagem subjacente à formação. Uma das posições defendia a inovação, com o estudante como actor da sua formação e com uma concepção de enfermagem centrada na pessoa; enquanto outra, defendia a continuidade no papel passivo do estudante e na concepção de enfermagem centrada na doença. Esta bipolaridade de pareceres sugere algumas situações dilemáticas que emergem na prática pedagógica dos docentes como uma escolha difícil entre o que querem e o que fazem.

 

 

From Continuity to Innovation. The Nursing Course and the Pedagogical Practices

This paper aims at identifying and characterising the changes in the pedagogical practices brought about by the nursing teaching staff as a result of the integration of the nursing course in the Polytechnic Higher Education. Since the goal of the higher education (college education) is to stimulate the development of a scientific spirit, reflective thought and cultural creativity, consequently related to emancipating learning, this has become the goal to achieve as the nursing curriculum reform was done. The major goal would be to promote the student as the major actor of the teaching process, considering his learning needs central to the educational reform. In the teaching process the teacher would be a cooperator with a global view of the student and his relationship with the outside world. The results of this research study showed a dual discourse around two essential ideas: the student’s role in the learning process, and the nursing concept underlying it. While some teachers understood the need for innovation, allowing the student to be the main intervenient of the learning process, and understanding nursing as a profession in which the client is central to the process of nursing care, other teachers took to maintaining the student as having a passive role and the disease central to the nursing concept. This bipolarity suggests some difficult situations among the nursing educators and their practices as they choose between what they want to do and what they do.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Referências Bibliográficas

Bireaud, A. (1995). Os métodos pedagógicos no ensino superior. Porto: Porto Editora.         [ Links ]

Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora.

Campos, B. P. (1995). Formação de professores em Portugal. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Canário, R. (1997). Formação e mudança no campo da saúde. In R. Canário (org.), Formação e situações de trabalho. Porto: Porto Editora.

Delors J. & et al. (1996). Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Porto: Edições Asa.

Dubar, C. (1997). Formação, trabalho e identidades profissionais. In R. Canário (org.), Formação e situações de trabalho. Porto: Porto Editora.

Fernandes, M. F. (2000). Mudança e inovação na pós-modernidade. Porto: Porto Editora.

Freire, P. (1972). Pedagogia do oprimido. Porto: Edições Afrontamento.

Hargreaves, A. (1998). Os professores em tempos de mudança. Lisboa: Editora McGraw-Hill de Portugal.

Kérouac, S. et al. (1994). La pensée infirmière. Québec: Éditions Études Vivantes.

Lesne, M. (1984). Trabalho pedagógico e formação de adultos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Ludke, M. & André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária.

Lunardi, V. L. (1995). A sanção normalizadora e o exame: fios visíveis e invisíveis na docilização dos corpos das enfermeiras. In V. R. Waldow, M. J. Lopes & D. E. Meyer (org.), Maneiras de cuidar. Maneiras de ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Merriam, S. B. (1990). Case study research in education. (3rd ed.).

San Francisco: Jossey-Bass.

Morin, E. (1999a). La tête bien faite. Paris: Éditions du Seuil.

Morrow, R. A. & Torres, C. A. (1997). Teoria social e educação. Porto: Edições Afrontamento.

Nóvoa, A. (1995). Formação de professores e profissão docente. In A. Nóvoa (org.), Os professores e a sua formação. (2ª ed.). Lisboa: Publicações Dom Quixote/Instituto de Inovação Educacional.

Pacheco, J. A. (1996). Currículo: teoria e prática. Porto: Porto Editora.

Paskulin, L. M. (1998). O saber e o fazer como processo educativo para a enfermeira. In D. E. Meyer, V. R. Waldow & M. J. Lopes (org.), Marcas da diversidade: saberes e fazeres da enfermagem contemporânea. Porto Alegre: Artes Médicas.

Perrenoud, P. (1995). Ofício de aluno e sentido do trabalho escolar. Porto: Porto Editora.

Perrenoud, P. (1999). Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas.

Petrella, R. (1990). Reflexões sobre o futuro de Portugal (e da Europa). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Portugal. Assembleia da República. Lei n.º 46/86. Diário da Republica, I série (237) (1986.10.14), p. 3067-3081.

Portugal. Ministério da Saúde. Decreto-Lei n.º 480/88. Diário da Republica, I série (295) (1988.12.23), p. 5070-5072.

Schon, D. A. (1995). Formar professores como profissionais reflexivos. In A. Nóvoa (org.), Os professores e a sua formação. (2ª ed.). Lisboa: Publicações Dom Quixote/Instituto de Inovação Educacional.

Tedesco, J. C. (1999). O novo pacto educativo. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão. Teodoro, A. (1994). A carreira docente. Lisboa: Texto Editora.

Teodoro, A. (1999). A construção social das políticas educativas. Estado, educação e mudança social no Portugal contemporâneo. Dissertação de doutoramento, Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Lisboa.

Zabalza, M. A. (1994). Diários de aula. Porto: Porto Editora.

Zeichener, K. M. (1993). A formação reflexiva dos professores. Lisboa: Educa.

 

 

* Professora da Escola Superior de Enfermagem de Artur Ravara, em Lisboa. Membro da UID Observatório de Políticas de Educação e de Contextos Educativos e mestre em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa.

Correspondência

Escola Superior de Enfermagem de Artur Ravara, Lisboa - Portugal

fatima.marques@mail.pt