SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número5Os missionários da educação e o Instituto Ponte Nova da BahiaProfissionais da educação e sua formação para atuação na educação infantil e séries iniciais do ensino fundamental índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Lusófona de Educação

versão impressa ISSN 1645-7250

Rev. Lusófona de Educação  n.5 Lisboa  2005

 

Compreender, Agir, Mudar, Incluir. Da investigação-acção è educação inclusiva

Isabel Sanches*

 

Este artigo pretende fazer uma pequena reflexão sobre um paradigma de investigação, considerado por alguns “menos nobre”, e a sua oportuna e necessária aplicação no processo de construção de uma educação inclusiva.

Parte-se de uma breve fundamentação teórica sobre a investigação-acção como estratégia de actuação que pode desencadear profissionais mais reflexivos, mais intervenientes nos contextos em que se inserem e desencadeadores de práticas pertinentes, oportunas e adaptadas às situações com as quais trabalham, para chegar à explicitação de um modelo de actuação que usa a investigação-acção em práticas de educação inclusiva.

 

 

Understanding, Acting, Changing, Including. From Investigation-action to Inclusive Education

This paper aims at proposing a brief reflection on an investigation paradigm, deemed “less noble” by some, and its timely and necessary application in the process of building an inclusive education. The starting point consists of a brief theoretical basis on investigation-action as an acting strategy that can generate more reflective professionals, more likely to participate in the contexts they belong to and able to become facilitators of appropriate, suitable practices adapted to the situations they work with, to arrive at the creation of an acting model using investigation-action in practices of inclusive education.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Referências bibliográficas

Ainscow, M. (1995). Education for all: making it happen. Comunicação apresentada no Congresso Internacional de Educação Especial, Birmingham, Inglaterra.

Ainscow, M. (1995). The next step for Special Education: supporting the development of inclusive practices. British Journal of Special Education, 27 (2), pp. 76-80.         [ Links ]

Arends, R. (1995). Aprender a ensinar. Lisboa: McGraw-Hill.

Barbier, R. (1977). La recherche-action dans l’instruction éducative. Paris : Gauthier-Villars.

Brasil, J. & Sanches, I. (2004). Práticas inclusivas no jardim de infância : da intervenção realizada em parceria junto de uma criança com neurofibromatose. Revista Lusófona de Educação, 03, 109-123.

Bronfenbrenner, U. (1981). L’écologie expérimentale de l’éducation. Em Alain Beaudot (ed.). Sociologie de l’école. Paris : Dunod, pp. 19-55.

César, M. (1998). Y se aprendo contigo ? Interacciones entre parejas en la aula de matemáticas. Uno, 16, 11-23.

César, M. (2000). Interacções sociais e apreensão de conhecimentos matemáticos: a investigação contextualizada. In J. P. Ponte e L. Serrazina (eds.), Educação Matemática em Portugal, Espanha e Itália – Actas da Escola de Verão em Educação Matemática – 1999 (pp. 5-46). Lisboa: SPCE – Secção de Educação Matemática.

César, M. (2003). A escola inclusiva enquanto espaço-tempo de diálogo de todos para todos. In David Rodrigues (org.), Perspectivas sobre a inclusão. Da educação à sociedade. Porto: Porto Editora.

Cortesão, L. & Stoer, S. (1997). Investigação-acção e produção de conhecimento no âmbito de uma formação de professores para a educação intermulticultural. Educação, Sociedade e Culturas, 7, 7-28.

Cortesão, L. (2003). Cruzando conceitos. In David Rodrigues (org.), Perspectivas sobre a inclusão. Da educação à sociedade. Porto: Porto Editora.

Costa, A. (2003). Uma escola para todos. Caminhos percorridos e a percorrer. http:www.malhatlantica.pt 15/09/2004 Dewey, J. (1933). How we think. Chicago:Henry Regnery.

Dewey, J. (1938). Logic, the Theory of Inquiry. Nova Iorque: Henry Holt and Company.

Dewey, J. (1968). Expérience et éducation. Paris : A. Colin.

Esteves, A., J. (1986). A investigação-acção. Em A Santos Silva e J. Madureira Pinto. Metodologia das Ciências Sociais. Porto: Afrontamento.

Estrela, A. (1986). Teoria e prática de observação de classes - uma estratégia de formação de professores (2ªedição). Lisboa: INIC.

Meijer, J. W. (cor.) (2003). Intégration scolaire et pratiques pédagogiques. Agence européenne pour le développement de l’éducation des personnes présentant des besoins particuliers.

Moreira, M.A. (2001). A investigação-acção na formação reflexiva do professor-estagiário de Inglês. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Roldão, M.C. (2003). Diferenciação curricular e inclusão. Em David Rodrigues (org.). Perspectivas sobre a inclusão. Da educação à sociedade. Porto: Porto Editora.

Simon, H. (1981). As ciências do artificial. Lisboa: Arménio Amado.

Teodoro, A. (2001). A construção política da educação. Estado, mudança social e políticas educativas no Portugal contemporâneo. Porto: Afrontamento.

Vigotsky, L.S. (1962). Thought and Language. Cambridge MA: MIT Press (texto original publicado em russo, 1934).

Vigotsky, L. S. (1978). Mind and society: the development of higher psychological processes. Cambridge MA: Harvard University Press (texto original publicado em russo, 1932).

Vigotsky, L.S. (1985). Le problème de l’enseignement et du développement à l’âge scolaire. In B. Schneuwly & J. P. Bronckart (eds.). Vigotsky aujourd’hui. Neuchâtel: Delachaux et Niestlé.

Zeichner, K. (1993). A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa

 

 

* Docente da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Membro da UID Obsercatório de Políticas de Educação e de Contextos Educativos. Co-coordenadora dos cursos de Pós-Graduação e Formação Especializada em Educação Especial.

Correspondência

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

UID Observatório de Políticas de Educação e de Contextos Educativos

Campo Grande, 376, 1749-024 Lisboa - Portugal

isabel.sanches@oninetspeed.pt