SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número5A narratividade educativa na 1ª fase da governação de Oliveira Salazar. A voz das mulheres na Assembleia Nacional portuguesa (1935-1945)Compreender, Agir, Mudar, Incluir. Da investigação-acção è educação inclusiva índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Lusófona de Educação

versão impressa ISSN 1645-7250

Rev. Lusófona de Educação  n.5 Lisboa  2005

 

Os missionários da educação e o Instituto Ponte Nova da Bahia

Ester Fraga Villas-Bôas Carvalho do Nascimento1

 

Durante cem anos – 1871 a 1971 – os missionários da Missão Central do Brasil, vinculados à Igreja Presbiteriana do Norte dos Estados Unidos (PCUSA), partindo da Bahia, organizaram igrejas, escolas e hospitais em sua área de jurisdição – Sergipe, Mato Grosso, Goiás e norte de Minas Gerais. Verificando a realidade do hinterland brasileiro, William Alfred Waddell propôs um novo tipo de instituição educacional, distinta do modelo do Mackenzie College, de São Paulo: uma escola secundária rural, que ofereceria os cursos normal, preparatório de pastores, auxiliar de enfermagem e técnico agrícola. O IPN, como ficou conhecido o Instituto Ponte Nova, foi fundado pela Missão em 1906, a qual organizou e subsidiou até 1971, além da escola, uma igreja e uma escola de auxiliar de enfermagem, a primeira escola do gênero na Bahia, ao lado do Grace Memorial Hospital.

O sucesso daquele complexo institucional, integrando religião, educação e saúde, levou a Missão a o rganizar um projeto denominado “Escolas Ponte Nova”.

Em 1926, a Missão já tinha aberto no território de sua jurisdição, sete escolas naquele modelo proposto e quatro hospitais.

 

 

Education Missionaries and the Instituto Ponte Nova in Bahia

Over one hundred years 1871 to 1971 – the missionaries of Brazil’s Central Mission, who belonged to the Presbyterian Church of the North of the United States (PCUSA), left Bahia and organised churches, schools and hospitals in their area of influence – Segipe, Mato Grosso, Goiás and north Minas Gerais. Having analysed the reality of the Brazilian hinterland, William Alfred Waddell proposed a new kind of educational institution, different from the São Paulo Mackenzie College: a rural secondary school offering courses for primary school teachers, for pastors, for assistant nurses and agrarian technicians. IPN, as the Instituto Ponte Nova came to be known, was established by the Mission in 1906, which organised and sponsored, apart from the school, a church and a school for assistant nurses, the first of its kind in Bahia, beside the Grace Memorial Hospital. The success of that institutional complex, integrating religion, education and health, led the Mission to organise a project named “Escolas Ponte Nova” [Ponte Nova Schools]. In 1926 the Mission had already opened seven schools following the proposed model and four hospitals in the area under their jurisdiction. In 1926, there existed agricultural schools in Buriti and Cáceres - Mato Grosso; Jataí and Planaltina - Goiás. In this city, a hospital was built. In Rio Verde, Goiás, a school of nursing and a hospital had been organized. In Araguaia, Mato Grosso, a hospital hospital was built and in Anápolis, Goiás, apart from the school, a hospital was built.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Referências Bibliográficas

Central Brazil Mission. Minutes of the Meetings of the Central Brazil Mission – 1897-1912; 1904-938. Arquivo particular de James Wright. Vitória: ES.

Ferreira, J. A. (1992). História da igreja presbiteriana do Brasil. 2 vols. (2.ª ed.). São Paulo: Casa Editora Presbiteriana.         [ Links ]

Galvão, S. (1993). Saudosas memórias – memórias da vida de uma professora evangélica no sertão. Rio de Janeiro: Editora e Livraria Swedenbog.

Ginzsburg, C. (1989). Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras.

Igreja Presbiteriana da Bahia. Atas da Igreja Presbiteriana da Bahia – 07 de agosto de 1872 a 1885. Arquivo da Igreja Presbiteriana da Mangueira. Salvador: Bahia.

Igreja Presbiteriana da Bahia. Livro Segundo das Actas da Igreja Presbiteriana da Bahia – 04/10/1885 a 09/01/1900. Arquivo da Igreja Presbiteriana da Mangueira. Salvador: Bahia.

Instituto Ponte Nova. Relação do material utilizado nos laboratórios de Física e de Química do IPN. Arquivo do IPN. Wagner: Bahia.

Instituto Ponte Nova. Livro de Registro de Pontos/Matrícula, 1911-1925. Arquivo do IPN. Wagner: Bahia.

Instituto Ponte Nova. Ginásio do IPN, Relatório de Verificação, 1957. Arquivo do IPN. Wagner: Bahia.

Instituto Ponte Nova. Documentação para o Registro de Certificado de Auxiliar de Enfermagem de Marluce Braulio de Souza, 26/07/1967. Arquivo do IPN. Wagner: Bahia.

Instituto Ponte Nova. Documento ‘Projeto Wagner’, Câmara Americana de Comércio-BA/Governo do Brasil, 1995. Arquivo do IPN. Wagner: Bahia.

Instituto Ponte Nova. Documento sobre Imposto de Renda de Imóveis Rurais, 31/03/1936, nº 810. Arquivo do IPN. Wagner: Bahia.

Instituto Ponte Nova. Boletim de Informação do Serviço de Estatística da Educação e Saúde da Bahia. Anos 1933, 1938, 1939. Arquivo do IPN. Wagner: Bahia.

Instituto Ponte Nova. Histórico de Wagner, “Cidade de Deus”, 20/08/01. Arquivo do IPN. Wagner: Bahia.

Instituto Ponte Nova. Homenagem do Instituto José Manuel da Conceição. Arquivo do IPN. Wagner: Bahia.

McIntire, R. L. (1959). Portrait of half a century fifty years of presbyterianism in Brazil: 1849-1910. Dissertation presented in partial fulfillment of the Requirements for the Degree of Doctor of Theology in the Princenton Theological Seminary: USA.

Matos, A. S. de (2003). Os pioneiros presbiterianos no Brasil (1859-1900): missionários, pastores e leigos do século 19. São Paulo: no prelo.

Nascimento, E. F. V-B. C. do. (2002). Considerações iniciais acerca da palavra impressa e as práticas religiosas e educacionais protestantes no século XIX. Revista do Mestrado em Educação/NPGED. São Cristóvão: UFS/NPGED. V. 4, jan/jun, 67-85.

Presbyterian Board of Foreign Missions in the United States of America (1936). Grace Memorial Hospital, 1926-1936. Edição bilíngüe comemorativa ao 20.º ano da chegada do Dr. Wood em Ponte Nova e 10.º ano da fundação do Grace Memorial Hospital. S/Ed.

Presbyterian Church, U.S. (1966). Brazilian Witness. Nº 1.

Silva, Elizete. (1999). Conflitos no campo religioso baiano: protestantes e católicos no século XIX. Revista Sitientibus. Feira de Santana, n.º 21, jul/dez, 51-67.

Tavares, L. H. D. (2001). Fontes para o estudo da educação no Brasil – Bahia. (2.ª ed.). Salvador: Universidade do Estado da Bahia.

Veríssimo, J. (1985). A educação nacional. Porto Alegre: Mercado Aberto.

Vieira, D. G. (1980). O protestantismo, a maçonaria e a questão religiosa no Brasil. (2.ª ed.). Brasília: Editora da UnB.

Vilas-Bôas, E. F. (2000). Origens da educação protestante em Sergipe (1884-1913). Aracaju: Universidade Federal de Sergipe. Dissertação de Mestrado.

Vilas-Bôas, E. F. (2001). A influência da pedagogia norte-americana em Sergipe e na Bahia: reflexões iniciais. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas: Editores Autores Associados. Jul/Dez, n.º 2, 9-38.

Warde, M. J. (2001). Cultura e educação: o americanismo e a fabricação do homem novo. Projeto de Pesquisa do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política e Sociedade. São Paulo: PUC.

 

ENTREVISTAS

Entrevista concedida por Neemias Alexandre da Silva. Wagner, 05/02/2002.

Entrevista concedida por Raymundo Passos dos Santos. Wagner, 07/02/02.

Entrevista concedida por Elias Lima Lessa. Aracaju, 02/01/02.

 

 

1Doutoranda da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo.

Correspondência

Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação, História, Política, Sociedade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

ester.fraga@uol.com.br