SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.8 número1Comparação do conhecimento tático processual em jogadores de futebol de diferentes categorias e posiçõesA estrutura e a tendência evolutiva da carga externa em paralelas assimétricas. Análise das rotações em exercícios de competição índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Ciências do Desporto

versão impressa ISSN 1645-0523

Rev. Port. Cien. Desp. v.8 n.1 Porto abr. 2008

 

Estudo de variáveis especificadoras da tomada de decisão, na organização do ataque, em voleibol feminino

 

José Afonso

Isabel Mesquita

Rui Marcelino

 

Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Portugal

 

 

RESUMO

As variáveis contextuais, especificadoras dos cenários de jogo, interferem na tomada de decisão das atletas aquando da realização do ataque e do bloco. Pretendeu-se efectuar a análise exploratória das variáveis: a) disponibilidade da central para o ataque rápido; b) movimentações do bloco antes do passe; c) oposição do bloco, assim como, estudar as relações existentes entre elas, no jogo de Voleibol feminino. Após validação do instrumento de observação (construção e conteúdo) foram analisadas 472 sequências de ataque e de bloco resultantes de 18 sets, duma Poule de Apuramento para o Campeonato da Europa de 2005. A fiabilidade da observação foi comprovada através do índice de fiabilidade Kappa e os procedimentos estatísticos utilizados foram as frequências, percentagens e teste do Qui-Quadrado. Os principais resultados indicam que: i) em mais de metade das sequências observadas não há uma real disponibilidade da central para atacar; ii) a situação de espera das blocadoras perante o passe de ataque é a mais comum; iii) o bloco duplo é o mais utilizado, sendo seguido pelo bloco individual; iv) todas as relações estudadas (disponibilidade da central para o ataque rápido e movimentações do bloco antes do passe; disponibilidade da central para o ataque rápido e oposição do bloco; movimentações do bloco antes do passe e oposição do bloco) apresentam um grau de associação moderado. Com este estudo demonstrou-se que a disponibilidade da central para o ataque rápido influiu decisivamente nas acções do bloco adversário, antes e após o passe de ataque.

Palavras-chave: análise do jogo, tomada de decisão, bloco, ataque rápido, voleibol feminino

 

 

ABSTRACT

Study on contextual specifier variables of decision making in attack organization in female volleyball

The contextual specifier variables of the match scenarios, interfere with the athletes’ tactical decision making, when attacking and blocking. This paper intended to explore the following variables: a) availability of the middle attacker for the quick attack; b) block movements previous to the set; c) block opposition, and also, study the relationships between the three variables, within the women’s Volleyball game. After validating the observation instrument (construct and content validation), we analyzed 472 sequences of attack and block, from 18 sets relative to a Classification Pool relating to the 2005 European Championships. The observation reliability was asserted through Kappa’s Reliability Index. The statistical procedures used were frequencies, percentages and Chi-Square. The main results show that: i) in more than half of the sequences, the middle attacker isn’t available for the quick attack; ii) before the set, the block tends to wait, instead of moving; iii) the double block is the most common, followed by individual block; iv) every relationship studied revealed a moderate degree of association. With this study it has been demonstrated that the availability of the middle attacker for the quick attack influences the actions of the opposite block in a decisive way, before and after the set.

Key-words: match analysis, decision making, block, quick attack, female volleyball

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1.  Afonso J, Mesquita I, Palao JM (2005a). Relationship Between the Use of Commit-Block and the Number of Blockers and Block Effectiveness. International Journal of Performance Analysis in Sport, 5(2): 36-45.        [ Links ]

2.  Afonso J, Mesquita, I, Palao JM (2005b). Relationship between the tempo and zone of spike and the number of blockers against the hitters. International Journal of Volleyball Research, 8(1): 19-23.

3.  Araújo D (2005). A Acção Táctica no Desporto: uma Perspectiva Geral. In O Contexto da Decisão. A Acção Táctica no Desporto. (Duarte Araújo, Ed.), 21-33. Lisboa: Visão e Contextos.

4.  Araújo D (2006). Tomada de Decisão no Desporto. Lisboa: FMH Edições.

5.  Bayer C (1994). O Ensino dos Desportos Colectivos. Lisboa: Dinalivro.

6.  Beal D (2002). Sistemas y tacticas basicas de equipo. Curso Internacional de Entrenadores de Voleibol – Nível I: Manual del Entrenador. http://www.rfevb.com/formación (online, 27 de Julho de 2004).

7.  Beal D, Crabb T (1996). Bloquear. In Guía de Voleibol de la A.E.A.V. (2ª Ed.), 113-122. Barcelona (Espanha): Editorial Paidotrino.

8.  Bellendier J (2002). Ataque de rotación en el voleibol, un enfoque actualizado. Efdeportes – Revista Digital, ano 8, 51. http://www.efdeportes.com/efd51 (online, 4 de Janeiro de 2003).

9.  Bellendier J (2003). Una visión analítico-descriptiva del Mundial de Voleibol ‘Argentina 2002’. Efdeportes – Revista Digital, ano 9, 60. http://www.efdeportes.com/efd60 (online, 26 de Julho de 2004).

10. Bizzocchi C (2000). O Voleibol de Alto Nível – da iniciação à competição. Fazendo Arte Editorial. São Paulo (Brasil).

11. Castro J (2006). Análise Zonal das Variáveis Caracterizadoras do Ataque, na Fase de Side Out, em Voleibol – Estudo Realizado em Selecções Nacionais de Elite. Tese de Monografia. Porto: FADEUP. Não publicado.

12. César B, Mesquita I (2006) Caracterização do ataque do jogador oposto em função do complexo de jogo, do tempo e do efeito do ataque: estudo aplicado no Voleibol feminino de elite. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 20(1): 59-69.

13. Coleman J (1996). Defensa en la red: opción de bloqueo. In Guía de Voleibol de la A.E.A.V. (2ª Edição), 263-279. Editorial Paidotribo. Barcelona (Espanha).

14. Cunha P, Marques A (2003). A Eficácia Ofensiva em Voleibol. Estudo da Relação entre a Qualidade do 1º Toque e a Eficácia do Ataque em Voleibolistas Portuguesas da 1ª Divisão. In Investigação em Voleibol. Estudos ibéricos (Isabel Mesquita, Carlos Moutinho & Rui Faria, Eds.), 180-189. Porto: FCDEF-UP.

15. Davids K, Kingsbury D, Bennett S, Handford C (2001). Information-Movement Coupling: Implications for the Organization of Research and Practice During Acquisition of Self-Paced Extrinsic Timing Skills. Journal of Sports Sciences, 19: 117-127.

16. Dias C (2004). A distribuição no voleibol: aplicar uma estratégia eficaz. Treino Desportivo, ano VI, 3ª série, 24: 51-59.

17. Esteves M (2006). Caracterização das Acções do Distribuidor e Zonas de Distribuição no Voleibol Masculino de Elite – Comparação entre Dois Modelos de Observação. Tese de Monografia. Porto: FADEUP. Não publicado.

18. Fleiss JL (1981). Statistical Methods for Rates and Proportions (2ª Ed.). Wiley-Interscience.

19. Garganta J (1997). Modelação táctica do jogo de Futebol. Estudo da organização da fase ofensiva em equipas de alto rendimento. Dissertação de Doutoramento. Porto: FCDEF-UP. Não publicado.

20. Garganta J (2005). Dos constrangimentos da Acção à Liberdade de (Inter)acção, para um Futebol com Pés…e Cabeça. In O Contexto da Decisão. A Acção Táctica no Desporto. (Duarte Araújo, Ed.), 179-190. Lisboa: Visão e Contextos.

21. Gibson J (1979). The Ecological Approach to Visual Perception. Boston (EUA): Houghton Miffin.

22. Guerra I, Mesquita I (2003). As regularidades na aplicação do remate por zona 4 em voleibol em função das zonas alvo de ataque. Estudo aplicado no Campeonato do Mundo de cadetes femininos. In Investigação em Voleibol. Estudos Ibéricos. I.Mesquita, C.Moutinho & R.Faria (Eds.), 169-179. FCDEF-UP. Porto.

23. Handford C, Davids K, Bennett S, Button C (1997). Skill Acquisition in Sport: Some Applications of an Evolving Practice Ecology. Journal of Sports Sciences, 15: 621-640.

24. Hervás F (2003). Analítico o global? VoleyTotal, 1. http://www.rfevb.com (online, 27 de Julho de 2004).

25. Izquierdo C, Anguera Argilaga MT (2001). The Rol of the Morphokinetic Notational System in the Observation of Movement. ORAGE 2000. Aix-en-Provence (França).

26. Marcelino R (2007). Análise da performance táctica no Voleibol de elevado rendimento desportivo. Estudo em equipas participantes na Liga Mundial 2005. Dissertação de Mestrado. Porto: FADEUP.

27. Martinez N, Abreu P (2003). Influencias del rally point en la preparación de los voleibolistas. Efdeportes – Revista Digital, ano 9, 62. http://www.efdeportes.com/efd62 (online, 26 de Julho de 2004).

28. Mcreavy M (1996). Tácticas y Estrategia en Voleibol. In Guía de Voleibol de la A.E.A.V. (2ª Ed.), 169-179. Barcelona (Espanha): Editorial Paidotrino.

29. Mesquita I (2005). A Contextualização do Treino no Voleibol: a Contribuição do Construtivismo. In O Contexto da Decisão. A Acção Táctica no Desporto. (Duarte Araújo, Ed.), 355-378. Lisboa: Visão e Contextos.

30. Mesquita I, Guerra I, Araújo V (2002). Processo de Formação do Jovem Jogador de Voleibol. Centro de Estudos e Formação Desportiva. Lisboa.

31. Mosher M (1993). Blocking in the women’s game. In Coaches Manual Level 4, 3/1-3/22. Volleyball Canada. Gloucester, Ontario (Canadá).

32. Moutinho C, Marques A, Maia J (2003). Estudo da estrutura interna das acções da distribuição em equipas de voleibol de alto nível de rendimento. In Investigação em Voleibol. Estudos Ibéricos. I.Mesquita, C.Moutinho & R.Faria (Eds.), 107-129. FCDEF-UP. Porto.

33. Paolini M (2000). Volleyball – from young players to champions. Ancona (Itália): Humana Editrice.

34. Paulo A (2004). Efeito das condições do ataque na sua eficácia na fase de Side Out em voleibol. Estudo aplicado na selecção portuguesa sénior masculina no Campeonato do Mundo de 2002. Dissertação monográfica. FCDEF-UP. Porto.

35. Paulo A (2007). Tomada de Decisão no Ataque em Voleibol. Estudo realizado com atacantes de zona 4 seniores femininos. Dissertação de Mestrado. Porto: FADEUP.

36. Paulo A, Mesquita I (2005). Caracterização do jogo ofensivo em função da zona de distribuição, da zona de ataque e da posição do bloco no side-out. Estudo aplicado no campeonato do mundo de voleibol de 2002. In Estudos 5, J.Pinto (Ed.), 121-133. Porto: FCDEF-UP.

37. Renshaw I, Davids K (2004). Nested Task Constraints Shape Continuous Perception-Action Coupling Control During Human Locomotor Pointing. Neuroscience Letters, 369, 93-98.

38. Ribeiro J (2004). Conhecendo o Voleibol. Rio de Janeiro (Brasil): Editora Sprint.

39. Santandreu C, Torrento N, Alcazar X (2004). Análisis comparativo de las acciones defensivas de primera línea en voleibol masculino. VoleyTotal, 12. http://www.rfevb.com (online, 27 de Julho de 2004).

40. Santos, P , Mesquita I. (2003). Análise das Sequências Ofensivas a Partir da Recepção do Serviço, em Função da Qualidade das Acções de Jogo: Estudo Aplicado no Voleibol no Escalão de Juvenis Masculinos. In Investigação em Voleibol. Estudos ibéricos (Isabel Mesquita, Carlos Moutinho & Rui Faria, Eds.), 160-168. Porto: FCDEF-UP.

41. Selinger A, Ackermann-Blount J (1986). Arie Selinger’s Power Volleyball. New York (E.U.A.): St.Martin’s Press.

42. Suwara R (2005). Bloqueio. In A Bíblia do Treinador de Voleibol (Don Shondell & Cecile Reynaud et col., Eds.), 241-257. Porto Alegre (Brasil): Artmed Editora.

43. Tabachnick B, Fidell L (1989). Using Multivariate Statistics. New York: Harper & Row Publishers.

44. Williams AM, Ward P (2003). Perceptual Expertise: Development in Sport. In Expert Performance in Sports. Advances in Research on Sport Expertise (Janet L.Starkes & K.Anders Ericsson, Eds.), 219-250. Champaign, Illionois (EUA): Human Kinetics.

 

 

CORRESPONDÊNCIA

José Afonso

Rua Marta Sampaio, 30, 2º Andar, Habitação 3

4250-282 Porto, Portugal

e-mail: jafonsovolei@hotmail.com