SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 número1Semelhança fraterna nos níveis de aptidão físicaA influência da participação de alunos em práticas esportivas escolares na percepção do clima ambiental da escola índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Ciências do Desporto

versão impressa ISSN 1645-0523

Rev. Port. Cien. Desp. v.7 n.1 Porto jan. 2007

 

Avaliação do padrão de sono, atividade física e funções cognitivas em adolescentes escolares

Rita A. Boscolo1

Isabel C. Sacco2

Hanna K. Antunes1

Marco Túlio de Mello1,3

Sérgio Tufik3,4

 

1Centro de Estudos em Psicobiologia e Exercício (CEPE). Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP

2Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, USP

3Professor-Pesquisador CNPq

4Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP

 

RESUMO

O objetivo do presente estudo foi investigar os parâmetros relacionados a qualidade de sono, nível de atividade física habitual (NAFH) e função cognitiva de adolescentes. A amostra foi constituída por 45 escolares Brasileiros de uma escola pública (A) e duas escolas privadas (B e C). Foram aplicados questionários para avaliar o padrão de sono, NAFH, conhecimento geral e tipos de memória. Os resultados revelaram diferenças significativas entre as escolas “A” e “B” quanto ao índice de atividade física no lazer (NAFH). Em relação à qualidade de sono, 73,3% dos alunos da escola “A” relataram desejo de mudanças no hábito de sono e 40% relataram episódios de acordar em pânico. Na avaliação cognitiva, observou-se diferenças no teste de recordação de palavras nas posições posteriores ao relacionamento semântico. Os dados sugerem que os alunos com menos queixas de sono demonstraram melhor desempenho nas recordações de palavras, enquanto que os estudantes submetidos ao turno matutino apresentaram uma redução na duração de sono e aumento na sonolência diurna. Esses achados demonstram que possivelmente o período de estudo e os hábitos de sono estão interligados e podem influenciar no desempenho escolar de adolescentes escolares.

Palavras-chave: adolescentes, atividade física, sono, memória.

 

ABSTRACT

Assessment of sleep patterns, physical activity and cognitive functions in scholar adolescents

The purpose of this study was to investigate the parameters related with quality of sleep, level of habitual physical activity (LHPA) and cognitive functions of adolescents. The sample comprised 45 Brazilian students from one public school (A) and two private schools (B and C). Questionnaires concerning sleep patterns, level of habitual physical activity, logical memory, general knowledge, and short-term memory and long-term memory. The results showed differences between school “A” and “B” in the LHPA index of leisure time. Regarding their quality of sleep, 73.3% of the students in school “A” reported a wish for changes, and 40% referred episodes of awakening in panic and crying. In the cognitive evaluation we observed significant differences between the three schools in the Free Word Recall. The data suggest that students with fewer sleep complaints had a better performance in the recall of words, while the students in the morning period presented a reduction in the duration of sleep and an increase of daytime sleepiness. These findings suggest that probably the school period and the sleeping habits are correlated and might possibly influence teenage students’ performance at school.

Key-words: adolescents, physical activity, sleep, memory

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS

1. American College Sports Medicine - ACSM (1994). Prova de esforço e prescrição de exercício. Rio de Janeiro, BR: Revinter.         [ Links ]

2. Aleen R (1992). Social factors associated with the amount of school week sleep lag for seniors in an early starting suburban high school. Sleep Research 21: 114.

3. Anders TF, Carskadon MA, Dement WC (1978). Sleep habits of children na the identification of pathologically sleepy children. Child Psychiatry & Human Development  9: 56-63.

4. Baecke JA, Burema J, Frijters JE (1982). A short questionnaire for the measurement of habitual physical activity in epidemiological. American Journal of Clinical Nutrition 36 (5): 936-942.

5. Bidlle SJH, Fox KR (1989). Exercise and health psychology: emerging relationship. British Journal of Medical Psychology 62: 205-216.

6. Brandäo MRF, Matsudo VKR (1990). Stress, emoção e exercício. Revista Brasileira de Ciência e Movimento 4 (4): 95-99.

7.  Braz S, Neumann BRG, Tufik S (1987). Avaliação dos distúrbios do sono: elaboração e validação de um questionário. Revista ABP-APAL 9 (1): 9-14.

8. Bueno OFA (2001). Incremento de recordação livre por relacionamento semântico entre palavras: processamento automático ou que demanda atenção? Tese de Livre Docência, Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP-EPM.

9. Capitani E, Della Sala S, Logie RH, Spinnler H (1992). Recency, primacy and memory: reappraising and standardizing the serial position curve. Cortex 28: 315-342.

10. Carskadon MA, Davis SS (1989). Sleep -wake patterns in the high-school-to-college trasition: preliminary data. Sleep Research 18: 113.

11. Dahl RE, Carskadon MA (1995). Sleep and its disorders in adolescence. In: Ferber R, Kryger MH (eds.). Principles and practice of sleep medicine in the child. Saunders Company: USA.

12. Del Giglio SB (1988). Estudo da ocorrência das queixas de insônia, de sonolência excessiva diurna e das relativas as parassonias na população adulta da cidade de São Paulo. Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP-EPM.

13. Ghorayeb N, Barros Neto T (1999). O exercício: preparação fisiológica, avaliação médica, aspectos especiais e preventivos. São Paulo: Atheneu.

14. Guyton AC, Hall JE (1997). Tratado de fisiologia médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

15. Idzikouski C. (1984). Sleep and memory. British Journal of Psychology 4: 439-449.

16. Kowalski NA, Allen RP (1995). School sleep lag is less but persists with a very late starting high school. Sleep Research 24: 124.

17. Lezak MD (1995). Neuropsychological assessment (3rd ed.). New York: Oxford University Press.

18. Louzada FM (2000). Um estudo sobre a expressão da ritmicidade biológica em diferentes contextos sócio-culturais: o ciclo vigília/sono de adolescentes. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, USP.

19. Louzada F, Menna-Barreto L (2003). Sleep-wake cycle expression in adolescence: influences of social context. Biol Rhythm Res 34 (2): 129-136.

20. Martinez D (2005). Sono. Disponível em: http://www.sono.com.br. Acesso em: 20 de Julho de 2005.

21. Mello L (1998). Efeitos dos horários escolares sobre os padrões de sono em adolescentes: um estudo longitudinal. Anais do VII Congresso Latinoamericano de Sono, Buenos Aires.

22. Mello L (1999). A influência dos horários escolares sobre a ritmicidade biológica de adolescentes. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, USP.

23. Pinaud R, Deurveiller S, Semba K (2001). Tempo de relembrar: processamento de memória durante o sono. Ciência Hoje 28 (168): 32-8.

24. Rosa DA (2001). Respostas endócrinas após um teste de esforço máximo em sedentário e praticantes de exercício físico com alta e baixa dependência de exercício. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP-EPM.

25. Rotta NT, Guardiola A (1996). Distúrbios de aprendizagem. In: Diament, A., & Cypel, S. (eds.). Neurologia infantil. 3 ed. São Paulo: Atheneu, 1062-1072.

26. Roth T, Roehs T, Zwyghuizen-Doornbos A, Stepanski E, Wittig R (1988). Sleep and memory. Psychopharmacology Series 6: 140-145.

27. Santos RF (1999). Alterações cognitivas e de fluxo sangüíneo cerebral decorrentes do envelhecimento normal: estudo dos efeitos seco de Ginkgo biloba. Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP-EPM.

28. Sharkey BJ (1998). Condicionamento físico e saúde (4th ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

29. Spreen O, Strauss E (1991). A compendium of neuropsychological tests. New York: Oxford University Press.

30. Strauch I, Meier B (1988). Sleep need in adolescents: a longitudinal approach. Sleep 11: 378-386.

31. Thorpy MJ, Korman E, Spielman AJ (1988). Delayed sleep phase syndrome in adolescents. Journal of Adolescent Health Care 9: 22-27.

32. Valdez P, Ramirez C, Garcia A (1996). Delaying and extending sleep during weekend: sleep recovery or circadian effect? Chronobiology International 13 (3):191-198.

33. Van Boxtel MP, Paas FG, Houx PJ, Adam J, Teeken JC, Jolles J (1997). Aerobic capacity and cognitive performance in a cross-sectional aging study. Medicine Science Sports and Exercise 29 (10): 1357-1365.

34. Wechsler DA (1955). Manual for Wechesler adult intelligence scala. London: National Foundation for Educational Research.

35. Wilmore, J. H., & Costill, D. L. (2001). Fisiologia do esporte e do exercício. 2 ed. São Paulo: Manole.

 

CORRESPONDÊNCIA

Rita Aurélio Boscolo

Centro de Estudos em Psicologia e Exercício (CEPE)

Rua Marselhesa, 535 - Vila Clementino

São Paulo - SP - CEP: 04020-060

e-mail: ritaboscolo@psicobio.epm.br