SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número3Comparação entre as abordagens ecológica e cognitivista para o treino da tomada de decisão no Ténis e no RugbyPerfil fisiológico de canoístas do sexo feminino de alto nível competitivo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Ciências do Desporto

versão impressa ISSN 1645-0523

Rev. Port. Cien. Desp. v.6 n.3 Porto out. 2006

 

Análise comparativa entre o jogador libero e os recebedores prioritários na organização ofensiva, a partir da recepção ao serviço, em voleibol

 

Paulo Vicente João1

Isabel Mesquita2

Jaime Sampaio1

Carlos Moutinho2

1 Departamento de Desporto, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal

2 Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Portugal

 

RESUMO

Nos últimos anos as regras do jogo de Voleibol alteraram-se, emergindo a necessidade de serem desempenhadas novas funções no jogo por um jogador especialista, o libero. O objectivo do presente estudo consiste na caracterização da intervenção do jogador libero e dos jogadores recebedores prioritários, na recepção do serviço e na sua associação com o efeito do ataque.

Foram analisadas 2099 acções de recepção ao serviço num total de 79 Sets, pertencentes a 12 jogos, realizados por 4 equipas do grupo C da World League 2001 (Portugal, Jugoslávia, Cuba e Japão). O sistema de observação utilizado foi o SOS-vgs adaptado (Moutinho, 1993) referente ao efeito da recepção ao serviço e ao efeito do ataque. Para além da estatística descritiva habitual, recorreu-se ao teste do Qui-quadrado (c2), para determinar a associação entre as variáveis e a comparação entre os grupos. A fiabilidade da observação, mostrou valores mínimos, intra-observador e inter-observador, respectivamente, de 93,4% e 91,8% para o efeito da recepção e de 93,4% e 91,1% para o efeito do ataque.

Os resultados obtidos permitem-nos inferir que houve uma elevada qualidade na recepção ao serviço aquando das acções do jogador libero comparativamente aos recebedores prioritários. Na associação das acções do libero e dos jogadores recebedores prioritários com o efeito do ataque, os resultados foram dissemelhantes entre equipas. Portugal mostrou ser a equipa em que o libero mais se distinguiu pela positiva em relação aos jogadores recebedores prioritários, seguido de Cuba e Japão, sendo que a Jugoslávia não evidenciou diferenças significativas entre os dois grupos de jogadores. O presente estudo veio realçar a influência do efeito da recepção ao serviço no efeito do ataque e as vantagens da utilização de um especialista para esta função, isto é, o jogador libero no Voleibol masculino de elevado nível de rendimento competitivo.

Palavras-chave: voleibol, análise do jogo, jogador libero, recepção do serviço, efeito do ataque.

 

ABSTRACT

Comparative analysis between libero and priority receivers on the offensive organization, from the serve reception on the volleyball game.

In the last few years volleyball game rules has been changing, causing the emergence of new functions by specific players, as libero. The aim of the present study is to characterize the actions of the libero and priority receivers on the reception and the association with the attack effectiveness.

12 matches performed by 4 teams integrated in the C group of Volleyball Word League 2001 have been analyzed, corresponding to 79 sets, of which emerged 2099 reception actions. The evaluation instrument used was the SOS-vgs system adapted (Moutinho, 1993), which considers reception’ effectiveness and attack’ effectiveness. A descriptive and frequency analysis of the results has been performed. To determine the degree of the association between variables and the comparison between groups a Pearson chi-square ( c2) was used, with a significant value of 5%. Observer’s reliability has been held and revealed minimum intra and inter-observer’s values respectively of 93,4% and 91,8% for the reception quality, and 93,4% and 91,1% for attack’ effectiveness.

The results obtained, allowed us to infer that the reception quality was higher on the libero intervention, comparatively with priority receivers’ players. When the association between attack effectiveness and libero or priority receivers’ interventions was taken into account our results differ among the teams. The Portuguese team had the most positive libero player performance comparatively to priority receivers’ players, followed by Cuba and Japan teams, and no significant differences between those two players performance were found in the Yugoslavia team.

This study enhances the influence of the reception in the attack effectiveness, alerting for the advantages of using a specialist in these actions, like libero player, on the top level Volleyball male teams.

Key-words: volleyball, game analysis, libero player, priority receivers, reception, attack effectiveness

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

BIBLIOGRAFIA

1. Baacke H (1988). Coaches Manual I. Canadian Volleyball Association.         [ Links ]

2. Beal D (1991). Les systemes et tactiques de jeu de base.In Manual de L’ Entraîner (1): 333-356, Fédération Internationale de Volley-ball, Lausanne, Suisse.

3. Bellendier J (2003). Una visión analítico-descriptiva del Mundial de Voleibol ‘Argentina 2002’ , Buenos Aires, Año 9, 60 (Mayo): 1-13

4. Cunha P (1996). A Eficácia em Voleibol: Estudo da Relação entre a Qualidade do 1º toque e a eficácia de ataque em Voleibolistas Portuguesas da 1ª Divisão. Dissertação apresentada às provas de mestrado no ramo de Treino de Alto Rendimento . Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física, Universidade do Porto.

5. Czerwinski J (1993). El Balonm ano . Técnica, Táctica Y Entrenamiento. Barcelona: Paidotribo.

6. Fraser S (1988). Strategies for competitive volleyball. Leisure Press Champaign, Illinois.

7. Frohner B, Zimmermann B (1996). Tendencies in men’s volleyball. The Coach, 4/96: 12-13. Fédération Internationale de Volley-ball .

8. Frohner B (1997). Voleibol, Juegos para el treinamiento. Argentina: Editorial Stadium.

9. García D (1998). Quelcom més que un defensor. Voleibol. (1):17-18.

10. Garganta J (1997). Modelação táctica do jogo de futebol. Estudo da organização da fase ofensiva em equipas de alto rendimento. Dissertação de doutoramento. Faculdade de ciências do Desporto e de educação Física. Universidade do Porto.

11. Guerra I (2000). As regularidades na aplicação do remate por zona 4 em voleibol, função da oposição situacional. Estudo aplicado em cadetes femininos, Campeonato do Mundo 1999. Dissertação apresentada às provas de mestrado no ramo de Ciências do Desporto. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto.

12. Hebert M (1991). Insights and Strategies for Winning Volleyball . Leisure Press, Champaing, Illinois.

13. Hippolyte R (1997). Concepts behind the art of the dynamic modern offence. The Coach, 2/97: 4-7 Fédération Internationale de Volley-ball (FIVB).

14. João PV (2004) O Efeito da Recepção ao serviço na efectividade do ataque – Estudo comparativo da prestação do Jogador Liberoe Recebedores Prioritários em equipas de elevado rendimento competitivo no voleibol. Dissertação apresentada às provas de mestrado no ramo de Ciências do Desporto. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto.

15. Martins B (1996). Estudo da Eficiência do bloco e do ataque em side-out em função da qualidade do serviço e da recepção, em equipas de voleibol de alto nível. Estudo monográfico realizado no âmbito da disciplina de Seminário – opção de voleibol. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física. Universidade do Porto.

16. Moutinho C (1993). Construção de um sistema de observação e avaliação da distribuição em voleibol, para equipas de rendimento (SOS-vgs). Dissertação apresentada às Provas de Aptidão Pedagógica e de Capacidade Cientifica. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física. Universidade do Porto

17. Moutinho C (2000). Estudo da estrutura interna das acções da distribuição em equipas de voleibol de alto nível de rendimento – contributo para a caracterização e prospectiva do jogador distribuidor. Dissertação apresentada às provas de doutoramento no ramo de Ciências do Desporto. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto.

18. Murphy P (1999). Some impressions about the Liberoplayer. The coach . 1/99: 14-15.

19. Sampaio J (2000). O Poder discriminatório das estatísticas do jogo de Basquetebol em diferentes contextos. Novos caminhos metodológicos de análise. Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau de Doutor no ramo de ciências do Desporto. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

20. Santos P (2000). Análise da estrutura funcional da fase ofensiva do jogo de voleibol. Estudo realizado no escalão de juvenis masculinos. Dissertação apresentada às provas de Mestrado no ramo de ciências do Desporto. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto.

21. Sawula L, Meier M (1991). Some observations from the 1990 Women’s World Championships. International Volley Tech , 1:4-8. Fédération Internationale de Volley-ball (FIVB).

22. Simões M (2002). Regularidades da estrutura ofensiva em equipa masculina de voleibol de alto nível de rendimento – estudo de caso. Monografia - Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto.

23. Sousa D (2000). Modelação da regularidade de equipas de alto nível em função da sua eficácia ofensiva, nas acções a partir da recepção ao serviço . Dissertação apresentada às provas de mestrado no ramo de Treino de Alto Rendimento. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto.

24. Ureña A, Delgado J, Calvo R, Oña A (2000) Effectiveness of the new scoring system on male volleyball. The Coach, Revista Oficial de la FIVB. 1/2000, 12-18

25. Ureña A, Gallardo C, Delgado J, Hernández E, Calvo R (2000). Estudio de las variables que afectan al rendimiento de la recepción del saque en voleibol: Análisis del equipo nacional masculino de España. Revista Digital efdeporte, Buenos Aires Año 5, (20) [em linha], http://www.sportquest.com/revista/.

26. Van der Mars H (1989). Observer Reliability: Issues and Procedures. In Analysing Physical Education and Sport Instruction l (2nd ed): 53-79. P. Darts, D. Zakrajsek & V. Mancini (Eds). Champaing IL: Human Kinetics

27. Zimmermann B (1995). Trends and Future development of top level Men’s volleyball. International VolleyTech, (1 April): 4-11. Fédération de Volley-ball.

28. Zimmermann B (1999). Changes and potential possibilities with the introduction of Liberoin men’s world class volleyball. The coach 1/99: 4-12. Fédération Internationale de Volley-ball (FIVB).

 

CORRESPONDÊNCIA

Paulo Vicente João

Departamento de Desporto

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro<

Rua de Dr. Manuel Cardona, CIFOP

5000 Vila Real, Portugal

E-mail: pvicente@utad.pt