SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número1Efeitos do intervalo pós-conhecimento de resultados na aquisição do arremesso da BochaO valor do atleta com deficiência: Estudo centrado na análise de um periódico português índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Ciências do Desporto

versão impressa ISSN 1645-0523

Rev. Port. Cien. Desp. v.6 n.1 Porto jan. 2006

 

Análise da carreira desportiva de atletas das regiões sul e sudeste do Brasil. Estudo dos resultados desportivos nas etapas de formação.

 

Cristina Cafruni1

António Marques2

Adroaldo Gaya3

 

1 Faculdades Integradas Facvest, Curso de Educação Física, Lages, SC, Brasil.

2 Universidade do Porto, Faculdade de Desporto, Portugal.

3 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola Superior de Educação Física, Porto Alegre, Brasil.

 

RESUMO

A exigência de resultados elevados em desportistas em processo de formação tem sido amplamente questionada na literatura. De acordo com os especialistas, os resultados só devem ser valorizados na última das três etapas do período de formação. Com efeito, a utilização de estratégias tendo em vista a obtenção de resultados nas fases iniciais prejudicaria a obtenção de resultados elevados na etapa de alto rendimento. Neste sentido, o objetivo principal deste estudo foi verificar se atletas que atingiram resultados elevados no desporto de alto nível já apresentavam resultados relevantes durante os períodos de formação. A amostra foi constituída por 165 atletas de alto nível, das regiões sul e sudeste do Brasil, que faziam desporto em seis modalidades - ginástica olímpica, ginástica rítmica, natação, tênis, voleibol e futsal. A informação sobre os resultados obtidos durante as três etapas da formação desportiva propostas por Platonov, foi recolhida através de consultas às federações e da aplicação de um questionário aos atletas. O estudo permitiu concluir que: a) os atletas demonstraram um baixo percentual (27,5%) de altos resultados na primeira etapa, um percentual acima do esperado (67,3%) na segunda etapa, e um elevado percentual (87,3%) na terceira etapa; b) a comparação entre as modalidades revelou diferenças significativas (p<0,05) na primeira e na segunda etapas, todavia, na terceira etapa, os resultados indicaram grande relevância em todos os desportos.

Palavras-chave: treino, competição, crianças e jovens, resultados desportivos, treinamento a longo prazo.

 

ABSTRACT

The Importance of Sport Results During the Long-Term’s Athlete Development. A Study with High Level Brazilian Athletes.

The demand for high performances in young athletes is broadly questioned in literature. According to training experts, results should be understood as relevant only during the last stage of the long-term’s athlete development. The use of strategies focused on results during the initial stages of the long-term’s athlete development may reduce the possibilities of achieving good results during the advanced stages of high level sport. Therefore, the main purpose of this study was to verify, retrospectively, if high level athletes did present relevant results during the initial phases of training and competition. Sample size consisted of 165 high-level Brazilian athletes of Olympic gymnastics, rhythmic gymnastics, swimming, tennis, volleyball, and indoor soccer. Information concerning the results during the three phases of the long-term’s athlete development was obtained by consulting sport federations documents and through a questionnaire. We concluded that a) athletes showed a low percentage (27,5%) of relevant results during the first stage of their training process, higher than hypothesized percentage (67,3%) during the second stage, and an highest percentage (87,3%) during the third stage; b) comparison between sports revealed significant differences (p<0,05) during the first and the second stages; c) during the third stage, competitive results presented high relevance for all sports.

Key Words: training, competition, children and youth, sports results, long-term’s athlete development.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Anderson D, Magill R (1996). Critical Periods as Optimal Readiness for Learning Sports Skills. In Smoll F, Smith R. Children and youth in sport. A biopsychosocial perspective. McGraw-Hill, 57-71.        [ Links ]

2. Araújo C (1998). O treino dos jovens ginastas. Horizonte XV(85): 1-12.

3. Barbanti V (1997). Teoria e prática do treinamento esportivo. São Paulo: Edgard Blücher.

4. Barynina I, Vaitsekhovskii SM (1992). The afthermath of early sports specialization for highly qualified swimmers. Fitness and Sports Review International 27(4):132-134.

5. Bompa T (1999). Periodization. Theory and Methodology of Training. 4.ed. Champaign, IL: Human Kinetics.

6. Bompa T (2000). Total Training for Young Champions. Champaign, I L: Human Kinetics.

7. Brito N, Fonseca A, Rolim R (2004). Os melhores atletas nos escalões de formação serão igualmente os melhores atletas no escalão sénior? Análise centrada nos rankings femininos das diferentes disciplinas do Atletismo ao longo das últimas duas décadas em Portugal. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto 4(1):17-28.

8. Cafruni C (2003). Análise da Carreira Desportiva de Atletas Brasileiros. Estudo da relação entre o processo de formação e o rendimento desportivo. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física. Universidade do Porto, Portugal.

9. Cardinal C (2001). Treinamento técnico-tático. In Filho C, Aquino EJV (2001). Voleibol: curso de treinadores nível II. Porto Alegre: Confederação Brasileira de Voleibol.

10. Cayer L, Lamarche P (1989). Modelo de desarrollo especifico para el tenis. VI Simposium para entrenadores de la Federación Internacional de Tenis. Madrid: Escuela Nacional de Maestria de Tenis, 44-105.

11. Coelho O (2000). Pode a passada ser maior que a perna? In Garganta J (ed.) Horizontes e órbitas no treino dos jogos desportivos. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física. Universidade do Porto, Portugal , 145-154.

12. Costa PMNC (1998). Formação das seleções básicas no voleibol brasileiro. Brasília: Instituto Nacional do Desenvolvimento do Desporto.

13. Durand M (1987). L´enfant et le sport. Paris: Presses Universitaires de France.

14. Federação Gaúcha de Voleibol (2002). Regulamento de 2002. Porto Alegre.

15. Filin VP (1996). Desporto Juvenil: Teoria e Metodologia. Londrina: CID.

16. Harre D (1982). Principles of Sports Training. Introduction to the theory and Methods of Training. Berlin: Sportverlag.

17. Júnior NB (1998). A ciência do esporte aplicada ao futsal. Rio de Janeiro: Sprint.

18. Kobjakov JUP (1994). Sur la possibilité de prognostiquer les résultats sportifs et certain des indices morphologiques des jeunes gymnastes. In Ganzin M. Gymnastique artistique et G.R.S. Comunications scientifiques et techniques d´experts étrangers. Paris: INSEP, 69-76.

19. Lima T (1988). A formação desportiva dos jovens. Horizonte 25:21-26.

20. Lüdorf SMA (1999). Tênis para crianças: uma abordagem científico-pedagógica. Kinesis 21: 207-222.

21. Maglischo EW (1990). Nadar más rapido. Tratado completo de natación. 2.ed. Barcelona: Hispano Europea.

22. Maia J (2000). Exigências precoces de alto rendimento desportivo nos jogos desportivos. In Garganta J (ed.) Horizontes e órbitas no treino dos jogos desportivos. Universidade do Porto, Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física, 133-143.

23. Makarenko LP (2001). Natação: seleção de talentos e iniciação desportiva. Porto Alegre: Artmed.

24. Malina RM (1986). Readiness for Competitive Sport. In Weiss M, Gould D Sport for Children and Youths. The 1984 Olympic Scientific Congress Proceedings. Champaign, Illinois: Human Kinetics Publishers X: 45-50.

25. Marques A (1991). A Especialização Precoce na Preparação Desportiva. Treino Desportivo 19: 9-15.

26. Marques A (1993). A periodização do treino em crianças e jovens. Resultados de um estudo nos centros experimentais de treino da Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto. In Marques A, Bento J (eds.) As Ciências do Desporto e a Prática Desportiva Universidade do Porto, Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física, 243-257.

27. Marques A (1999). Crianças e Adolescentes Atletas: entre a Escola e os Centros de Treino ... entre os Centros de Treino e a Escola! In CEFD (Ed.) Treino de Jovens. Lisboa: IND, 17-30.

28. Marques A (2000). Sobre as Questões da Qualidade no Treino dos Mais Jovens. In Silva FM (Org.) Produção do Conhecimento no Treinamento Desportivo. Pluralidade e Diversidade. João Pessoa: UFPB, 51-59.

29. Martin D, Klaus C, Klaus L (2001). Manual de Metodología del Entrenamiento Deportivo. Barcelona: Paidotribo.

30. Martin D, Krug J, Reib M, Rost K (1997). L´Evoluzione del Sistema di Allenamento e di Gara nello Sport di Vertice e Conseguenze per il Ciclo Olimpico 1996-2000. SdS/Rivista di Cultura Sportiva 37:16-25.

31. Martin D (1999). Capacidade de Performance e Desenvolvimento no Desporto de Jovens. In CEFD (Ed.). Treino de Jovens. Lisboa: IND, 37-59.

32. Matvéiev L (1991). Fundamentos do Treino Desportivo. Lisboa: Livros Horizonte.

33. Mesquita, I (1997). Pedagogia do treino. A formação em jogos desportivos coletivos. Lisboa: Livros Horizonte.

34. Nadori L (1990). Especialización y talento. Problemas pedagógicos de la especialización y de la promoción del talento en el deporte. Stadium 141:41-46.

35. Pereira JG (1999). Treinar jovens: benefícios ou risco? In CEFD (Ed.). Treino de Jovens, Lisboa: IND, 65-69.

36. Paes RR (1997). Aprendizagem e Competição Precoce. O Caso do Basquetebol. 3.ed. Campinas: UNICAMP.

37. Platonov V (1994). I Principi della Preparazione a Lungo Termine. SdS/Rivista di Cultura Sportiva 30: 2-10.

38. Platonov V (2004). Das langfristige trainingssystem endet nicht mit dem Erreichen des Leistungshöhepunkts! Leistungssport 34: 18-22.

39. Rolim R. (2004). O treino de resistência com crianças e jovens. In Gaya A, Marques A, Tani, G Desporto para crianças e jovens. Razões e Finalidades. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 429-457.

40. Smoleuskiy V, Gaverdouskiy V (1997). Tratado general de gimnasia artística deportiva. Barcelona: Paidotribo.

41. Sobral F (1994). Desporto Infanto-Juvenil: Prontidão e Talento. Lisboa: Livros Horizonte.

42. Souza PRC (1999). Proposta de avaliação e metodologia para o desenvolvimento do conhecimento tático em esportes coletivos: o exemplo do futsal. In I Premio Indesp de Literatura Esportiva. Brasília: Indesp, 1: 289-340.

43. Vieira LF, Vieira JLL, Krebs RJ (1999). A trajetória de desenvolvimento de um talento esportivo: estudo de caso. Kinesis 21: 47-55.

44. Weineck J (1999). Treinamento Ideal. 9ª ed. São Paulo: Manole.

45. Wiersma L (2000). Risks and Benefits of Youth Sport Specialization: Perspectives and Recommendations. Ped Exerc Sci 12:13-22.

46. Wilke K, Madsen O (1990). El entrenamiento del nadador juvenil. Buenos Aires: Stadium.

47. Zakharov A (1992). Ciência do Treinamento Desportivo. Rio de Janeiro: Grupo Palestra Sport.

 

CORRESPONDÊNCIA

Cristina Cafruni

Rua Marquês do Pombal, 917 ap. 201

90540-001 Porto Alegre - RS

BRASIL

ccafruni@hotmail.com