SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.5 número3O alpinismo: Uma experiência no (pelo) corpoAs classes sociais na sociedade do espetáculo: o olhar dos torcedores de futebol índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Compartilhar


Revista Portuguesa de Ciências do Desporto

versão impressa ISSN 1645-0523

Rev. Port. Cien. Desp. v.5 n.3 Porto set. 2005

 

A educação física e concepções higienistas sobre raça: uma reinterpretação histórica da educação física brasileira dos anos de 1930.

Edivaldo Góis Junior1

Hugo R. Lovisolo2

1Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo,

2Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, Brasil

 

RESUMO

Este estudo pretende averiguar se as correntes teóricas do “movimento higienista”, determinadas pelas ciências biológicas, influenciavam as discussões sobre Educação Física no Brasil dos anos de 1930. A partir da hipótese de reprodução das concepções higienistas por parte da área de Educação Física, foi necessário investigar os periódicos especializados da época, como a Revista Educação Physica (1932-1945) e a Revista de Educação Física do Exército (1932-2000), que compõem o conjunto de fontes primárias. Analisou-se os conteúdos das fontes primárias e, finalmente, verificou-se a sustentação da hipótese. Em conclusão, houve uma reprodução das concepções higienistas, como a corrente lamarkista e galtoniana, no campo da educação física brasileira nos anos de 1930.

Palavras-chave: educação física, história, higienistas.

 

ABSTRACT

Physical Education and hygienist conceptions about race: A history of Brazilian Physical Education in the 1930’s.

This study aims to verify if the hygienists’ theories were reproduced by the Brazilian Physical Education thought in the 1930’s. This view was accomplished through an historical research comparing major sources (specialized journals), as “Revista Educação Physica” (1932-1945) and “Revista de Educação Física do Exército” (1932-2000). The interpretations of the historical studies of the Physical Education in Brazil supported our first view of the problem. In conclusion, there was a reproduction of the hygienists’ theories, as the Lamarck’s and Galton’s ideas, in the Brazilian Physical Education in the 1930’s.

Key Words: physical education, history, hygienists.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Rabinbach A. (1992). The Human Motor. Los Angeles: University of California Press.        [ Links ]

2. Rosen G. (1980) Da polícia médica à medicina social. Rio de Janeiro: Graal.         [ Links ]

3. Rosen G. (1994). Uma história da saúde pública. São Paulo: Editora UNESP.         [ Links ]

4. Góis Junior E. (2000) Os higienistas e a Educação Física: a história dos seus ideais. Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho.        [ Links ]

5. Soares CL. (1990). O pensamento médico higienista e a Educação Física no Brasil: (1850-1930). São Paulo, Pontifícia Universidade Católica.        [ Links ]

6. Soares CL. (2001). Educação Física, Raízes Européias e Brasil. Campinas: Autores Associados, 2 ed.        [ Links ]

7. Góis Junior E, Lovisolo HR. (2003). Descontinuidades e continuidades do Movimento Higienista no Brasil do século XX. Revista Brasileira de Ciências do Esporte 25 (1): 41-54.         [ Links ]

8. Góis Junior E. (2003). O Século da Higiene: uma história de intelectuais da saúde. (Brasil, século XX). Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho.        [ Links ]

9. Lovisolo HR. (2000). História Oficial e História Crítica: pela autonomia do campo. Revista Motus Corporis 7 (2): 127-146.        [ Links ]

10. Revista Educação Physica (1932-1945). Rio de Janeiro, Companhia Editora Nacional.         [ Links ]

11. Revista de Educação Física do Exército (1932-2000). Rio de Janeiro, Escola de Educação Física do Exército.        [ Links ]

12. Fausto B. (2002). História concisa do Brasil. São Paulo: Editora da USP.         [ Links ]

13. Leite DM. (1976). Caráter Nacional Brasileiro. São Paulo: Pioneira, 3ed.         [ Links ]

14. Micelli S. (2001). Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.         [ Links ]

15. Nagle J. (1974). Educação e Sociedade na Primeira República. São Paulo: Editora Paulista Universitária.        [ Links ]

16. Skidmore T. (1989). O Preto no Branco: Raça e Nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.        [ Links ]

17. Skidmore T. (1994).O Brasil visto de fora. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.        [ Links ]

18. Skidmore T. (1998). Uma História do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2ed.        [ Links ]

19. Schwarcz L. (1993). O espetáculo das raças. São Paulo: Companhia das Letras.        [ Links ]

20. Marques V. (1997). Medicalização da raça. Campinas, Editora da Unicamp.         [ Links ]

21. Peixoto A. (1938). Clima e Saúde. São Paulo: Companhia Editora Nacional.        [ Links ]

22. Vianna O. (1959).Raça e Assimilação. Rio de Janeiro: José Olympio, 4 ed.        [ Links ]

23. Couto M.(1932). Medicina e Cultura. Rio de Janeiro: Oscar Mano Cia, vol. 1.        [ Links ]

24. Couto M. (1933).No Brasil só há um problema nacional: a educação do povo . Rio de Janeiro: Tipografia do Jornal do Comércio.         [ Links ]

25. Penna B. (1923). Saneamento do Brasil.Rio de Janeiro: Editora Ribeiro dos Santos, 2 ed..        [ Links ]

26. Hochman G. (1998). A era do saneamento: as bases da política de Saúde Pública no Brasil. São Paulo: Hucitec.         [ Links ]

27. Hochman G, Lima N. (1998). Condenado pela raça, absolvido pela medicina: o Brasil descoberto pelo Movimento Sanitarista da Primeira república. In: Mato MC, Santos RV. Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Oswaldo Cruz, 23-40.        [ Links ]

28. Azevedo F. (1933) O problema da regeneração. Rev. Educação Physica 5: 46.        [ Links ]

29. Azevedo F. (1933). Op. cit,14.

30. Pagni PA. (1994). Fernando de Azevedo: Educador do Corpo. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica.        [ Links ]

31. Pagni PA. (1994a). As representações sobre o moderno no projeto de educação do corpo desenvolvido por Fernando de Azevedo. In: Coletânea do II Encontro Nacional de História do Esporte, Lazer e Ed. Física. Ponta Grossa: Universidade Estadual de Ponta Grossa.        [ Links ]

32. Azevedo F. (1934). Novos caminhos e novos fins. São Paulo: Melhoramentos.        [ Links ]

33. Areno W. (1949). Higiene aplicada à Educação Física. Rio de Janeiro, s. c .p..        [ Links ]

34. Areno W. (1941). Higiene e Saúde.Revista Educação Física 53: 32-33.        [ Links ]

35. Busch R. (1943). Como evitar a prole doentia. Rev. Educação Física 71: 58.        [ Links ]

36. A Eugenia e a Constituinte. (1933) Revista de Educação Física 2 (4): s.p.         [ Links ]

 

CORRESPONDÊNCIA

Edivaldo Góis Junior

R. Aldino, 125. Vila Formosa.

03377-040 São Paulo/SP

Brasil

egoisjr@terra.com.br