SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 número1Que fatores psicossociais se associam à realização do teste ao VIH?Sexo casual: autoestima e busca de sensações sexuais em universitárias índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia, Saúde & Doenças

versão impressa ISSN 1645-0086

Psic., Saúde & Doenças vol.19 no.1 Lisboa abr. 2018

http://dx.doi.org/10.15309/18psd190103 

Habilidades sociais na promoção de saúde: preditoras da saúde mental e sexual

Social skills in health promotion: mental and sexual health predictors

Ana Carina Peixoto1,*, Carla Bernardett Santos1, & Rute F. Meneses2

 

1FCHS–Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal; anacarinapeixoto.psic@gmail.com ; carlabernardettsantos@gmail.com

2FCHS / CTEC / FP-B2S / HE – Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal; rmeneses@ufp.edu.pt

 

Endereço para Correspondência

 

RESUMO

A saúde, definida como um estado dinâmico que integra aspetos físicos, mentais e sociais, implica a relação entre estes, assumindo-se a sua promoção como uma estratégia relevante, com impacto significativo em estudantes do ensino superior. Os objectivos do presente estudo são: explorar a relação entre habilidades sociais, traços de personalidade e satisfação sexual e verificar se as habilidades sociais predizem as restantes variáveis, em estudantes do ensino superior. Neste estudo transversal, descritivo correlacional, o IHS - Inventário de Habilidades Sociais (Del Prette & Del Prette, 2001, adaptado para a população Portuguesa por Santos, Peixoto, & Meneses, 2017), o NEO-FFI (Lima & Simões, 2000) e a NSSS - Nova Escala de Satisfação Sexual (Santos Pechorro et al., 2015) foram administrados a 200 estudantes, com idade média de 23 anos, de três instituições do ensino superior do Norte de Portugal. As habilidades sociais correlacionaram-se e predisseram os traços de personalidade (explicando entre 5,7% e 33,7% da sua variância) e a satisfação sexual (explicando entre 4,6% e 7,9% da sua variância) da amostra. As habilidades sociais, ao revelarem potencial na promoção da saúde mental e sexual, sugerem a pertinência do seu treino junto de estudantes do ensino superior.

Palavras-chave: habilidades sociais, traços de personalidade, satisfação sexual, promoção da saúde, estudantes do ensino superior

 

ABSTRACT

Health, defined as a dynamic state that integrates physical, mental and social aspects, implies the relationship between them. It is assumed that its promotion is a relevant strategy, with a significant impact on higher education students. The aims of the present study are: to explore the relationship between social skills, personality traits and sexual satisfaction and to verify if social skills predict the remaining variables in higher education students. In this cross-sectional, correlational study, the IHS - Social Skills Inventory (Del Prette & Del Prette, 2001, adapted for the Portuguese population by Santos, Peixoto & Meneses, 2017), the NEO-FFI (Lima & Simões, 2000) and the NSSS - New Sexual Satisfaction Scale (Santos Pechorro et al., 2015) were administered to 200 students, with a mean, age of 23 years, from three higher education institutions of the North of Portugal. Social skills correlated with and predicted the sample's personality traits (explaining between 5.7% and 33.7% of their variance) and sexual satisfaction (explaining between 4.6% and 7.9% of the its variance). Social skills' potential in the promotion of mental and sexual health suggest the pertinence of their training among higher education students.

Keywords: social skills, personality traits, sexual satisfaction, health promotion, higher education students

 

A saúde é definida, segundo a Organização Mundial de Saúde, como um estado dinâmico que integra aspetos físicos, mentais e sociais (WHO, 1946). Ao assumir um caráter dinâmico, e não mais uma noção estática e formal, o conceito de saúde implica a existência de uma relação entre estes componentes (Silva, 2008).

Se inicialmente era atribuído ao equilíbrio físico-mental a essência para o perfeito bem-estar, recentemente essa ideia têm-se mostrado ultrapassada, ao assumir-se que não basta apenas o equilíbrio entre este binómio físico-mental, sendo necessário que o indivíduo esteja bem integrado no seu meio e ajustado às exigências deste (Neto, Dendasck, & Oliveira, 2016). Assim, reafirmando-se a importância da componente social, valorizando a interação/socialização para o bem-estar global do indivíduo, a saúde passa a apresentar-se como um constructo menos individualista e mais coletivo (Buss & Filho, 2007).

As habilidades sociais, ao referirem-se ao conjunto de comportamentos necessários na interação do indivíduo com os outros (Bartholomeu, Carvalho, Silva, Miguel, & Machado, 2011; Del Prette & Del Prette, 2001), auxiliam a uma melhor adaptação do indivíduo ao meio, contribuindo, não só, mas também, para a saúde social.

A interação entre os componentes social, mental e físico no constructo Saúde leva a considerar que a forma como o indivíduo interage com os outros, ou a sua melhor ou pior integração no meio social, poderá ter impacto em determinadas caraterísticas (físicas e mentais), tais como personalidade e sexualidade (Del Prette, Del Prette, Barreto, & Bandeira, 2004; Gomide, Salvo, Pinheiro, & Sabbag, 2015). Bueno, Oliveira, e Oliveira (2001) e Del Prette et al. (2004) apoiam esta afirmação ao encontrarem, nos seus estudos com universitários, correlações entre habilidades sociais e dimensões da personalidade, concluindo que determinadas habilidades sociais poderão facilitar o feedbak positivo que o indivíduo recebe dos pares.

Também a saúde sexual implica que o indivíduo vivencie um conjunto de experiências gratificantes. Desta forma, um reportório de habilidades sociais elaborado contribui para uma maior satisfação sexual (Pereira et al., 2015). Ou seja, as habilidades sociais, ao proporcionarem ao indivíduo ferramentas que lhe permitem estabelecer relações de maior qualidade, poderão permitir um melhor desempenho com os pares e a obtenção de maior satisfação sexual (Murta et al., 2012). Perspetivando-se a promoção das habilidades sociais como uma estratégia relevante para o bem-estar social e dado ootencial) impacto destas sobre os restantes componentes da saúde, então elas poderão ter um contributo relevante para o conceito de saúde em geral (Bircher, 2005).

Considerando-se, habitualmente, que a população universitária está integrada numa rica rede de relações interpessoais (Soares & Del Prette, 2015), o presente estudo, assente numa perspetiva interacionista entre os componentes que integram a Saúde, tem como objetivos explorar a relação entre habilidades sociais, traços de personalidade e satisfação sexual e verificar se as habilidades sociais predizem as restantes variáveis, em estudantes do ensino superior.

 

MÉTODO

Participantes

No presente estudo, transversal, a amostra foi constituída de acordo com os seguintes critérios de inclusão: ter idade igual ou superior a 18 anos, estudar numa de três instituições de ensino superior da zona norte de Portugal contatadas, ter nacionalidade portuguesa e aceitar participar no estudo. Participaram, assim, 200 estudantes, com idades compreendidas entre 18 e 66 anos (M = 23,64; DP = 7,57).

Quanto à (restante) caraterização sociodemográfica da amostra (Quadro 1), observa-se uma predominância de participantes do sexo feminino, solteiros, a frequentar os cursos de Criminologia e Psicologia, e que na sua maioria já tinham iniciado a atividade sexual.

 

 

Material

O protocolo de avaliaçãoum Questionário Sociodemográfico e Clínico, elaborado de forma a obter uma melhor caraterização da amostra; o Inventário de Habilidades Sociais (IHS; Del Prette & Del Prette, 2001, adaptado para população portuguesa por Santos, Peixoto, & Meneses, 2017); o Neo Five -Fator Inventory (NEO-FFI; Lima & Simões, 2000); e a Nova Escala de Satisfação Sexual (NSSS; Santos Pechorro et al., 2015).

O IHS permite avaliar dimensões situacionais e comportamentais do desempenho social em diferentes situações diárias através da estimativa da frequência com que o indivíduo reage da forma indicada em cada item (Del Prette & Del Prette, 2001). É constituído por 38 itens agrupados em cinco fatores: F1. Enfrentamento e autoafirmação com risco (11 itens); F2. Autoafirmação na expressão de afeto positivo (7 itens); F3. Conversação e desenvoltura social (7 itens); F4. Autoexposição a desconhecidos ou situações novas (4 itens); e F5. Autocontrole da agressividade em situações aversivas (3 itens). A resposta é dada numa escala tipo likert que varia entre 0 (nunca ou raramente) e 4 (sempre ou quase sempre), variando o score total de 0 a 152 (Del Prette & Del Prette, 2001). Um elevado score total indica um reportório de habilidades sociais bastante elaborado, ao passo que um score total baixo indica um fraco reportório de habilidades sociais e necessidade de intervenção (Del Prette & Del Prette, 2001). Os valores de Alfa de Cronbach obtidos no presente estudo foram: para o IHS total de 0,82, para o F1 de 0,73, para o F2 de 0,65, para o F3 de 0,61, para o F4 de 0,36 e para o F5 de 0,37. Uma vez que os valores de Alfa de Cronbach obtidos para o F4 e o F5 se apresentam inferiores ao recomendado, optou-se pela exclusão destes dois fatores do IHS das análises estatísticas.

O NEO-FFI de Lima e Simões (2000) é a versão portuguesa do NEO-Five Factor Inventory-NEO-FFI (Costa & McCrae, 1992), versão reduzida do NEO-PI-R. É um instrumento baseado numa taxonomia compreensiva dos traços de personalidade com cinco dimensões: Neuroticismo, Extroversão, Abertura à experiência, Amabilidade/Socialização e Conscienciosidade/Escrupolusidade (Lima & Simões, 2000). É constituído por 60 itens, sendo cada dimensão constituída por 12 itens e cada traço medido numa escala tipo likert que varia entre 0 (Discordo Fortemente) e 4 (Concordo Fortemente); a pontuação de cada dimensão pode variar entre 0 e 48 pontos, sendo que valores mais elevados em cada dimensão indicam maior presença do respetivo traço de personalidade (Costa & McCrae, 2000). Os valores de Alfa de Cronbach obtidos no presente estudo foram: para o NEO-FFI total de 0,82, para o Neuroticismo de 0,80, para a Extroversão de 0,68, para a Abertura à experiência de 0,58, para a Amabilidade de 0,61 e para a Conscienciosidade de 0,82. Uma vez mais, os valores obtidos requerem um especial cuidado na interpretação dos resultados relativos à Abertura à experiência, que já na versão original apresentou o valor de a mais baixo (a=0,71; Lima & Simões, 2000).

A NSSS é uma escala composta por 20 itens ordinais com resposta numa escala tipo likert que varia entre 1 (Nada Satisfeito) e 5 (Totalmente Satisfeito), cuja estrutura é bidimensional, constituída por duas subescalas: Centração no Eu (itens 1 a 10) e Centração no Parceiro e na Atividade Sexual (itens 11 a 20) (Santos Pechorro et al., 2015). Os resultados da cada dimensão são obtidos pela soma das respostas aos itens individuais dessa dimensão, que podem variar entre 10 e 50, e a pontuação total é obtida pela soma das pontuações de todos os itens, podendo variar entre 20 e 100. Sendo que uma pontuação mais elevada indica níveis mais elevados de satisfação sexual. Os valores de Alfa de Cronbach obtidos para a escala no presente estudo situaram-se entre 0,91 e 0,95.

Procedimento

No presente estudo foram tidos em consideração os princípios éticos constantes da Declaração de Helsínquia para investigações que envolvem seres humanos, bem como os que integram o Código Deontológico da Ordem dos Psicólogos Portugueses. Assim, após a aprovação por parte da Comissão de Ética da Universidade Fernando Pessoa, Direção das 3 instituições de ensino superior e docentes contatados para a recolha de dados, foi obtido o consentimento informado e realizada a autoadministração dos questionários em contexto de sala de aula na presença de uma ou duas das três investigadoras.

 

RESULTADOS

Relação entre Habilidades Sociais e Personalidade e Satisfação Sexual

No Quadro 2 são apresentadas as correlações (Pearson) entre os scores relativos às habilidades sociais e às dimensões da personalidade e à satisfação sexual.

 

 

Foram observadas correlações estatisticamente significativas entre todos os scores do IHS avaliados e do NEO-FFI, à exceção das relações entre o Enfrentamento e Autoafirmação com risco e a Amabilidade e entre a Autoafirmação na expressão de afeto positivo e o Neuroticismo. As correlações encontradas entre as habilidades sociais e os traços de personalidade podem caraterizar-se como positivas entre muito fracas a moderadas, com exceção das correlações entre as habilidades sociais e o Neuroticismo, que são negativas (Pestana & Gageiro, 2014).

No que se refere à relação entre as habilidades sociais e a satisfação sexual, foram encontradas correlações positivas, entre muito fracas a moderadas, sendo estas estatisticamente significativas entre o Enfrentamento e Autoafirmação com risco e a NSSS A - Centração no Eu e NSSS Total; a Autoafirmação na expressão de afeto positivo e a NSSS A - Centração no Eu; e o IHS Total e a NSSS A - Centração no Eu e NSSS Total.

Dada a existência de correlações estatisticamente significativas entre as variáveis estudadas, foi aplicada a regressão múltipla, de forma a verificar se as habilidades sociais apresentavam capacidade preditiva para os traços de personalidade e para a satisfação sexual da amostra.

Preditores dos traços de Personalidade

Em relação ao Neuroticismo, o F1 e o F3 evidenciaram, de forma negativa, uma predição significativa (β = -0,17, p < 0,01; β = -0,24, p < 0,001, respetivamente), sendo o F3 o que apresentou maior capacidade preditiva. Os fatores F1, F2 e F3 evidenciaram, de forma positiva, uma predição significativa da Extroversão (β = 0,26, p < 0,001; β = 0,32, p < 0,001; β = 0,22, p < 0,001, respetivamente), sendo o F2 a apresentar maior capacidade preditiva. No que concerne a Abertura à Experiência, o F2 foi o único fator que evidenciou, de forma positiva, uma predição significativa (β = 0,17, p = 0,02). Relativamente à Amabilidade, apenas o F2 evidenciou, de forma positiva, uma predição significativa (β = 0,48, p < 0,001). O F2 e o F3 evidenciaram, de forma positiva, uma predição significativa da Conscienciosidade, sendo o F2 o fator com maior capacidade preditiva (β = 0,34, p < 0,001; β = 0,17, p = 0,012, respetivamente). Finalmente, o F2 foi o único fator que evidenciou, de forma positiva, uma predição significativa da escala total (β = 0,46, p < 0,001). De acordo com os resultados apresentados, verifica-se que o F2 foi o fator que demonstrou maior capacidade preditiva dos traços de personalidade.

Preditores da Satisfação Sexual

O F1 foi o único fator das habilidades sociais que evidenciou, de forma positiva, uma predição significativa da NSSS A - Centração no Eu e NSSS Total (β = 0,26, p = 0,001; β = 0,22, p = 0,004, respetivamente).

 

DISCUSSÃO

Na amostra de estudantes do ensino superior estudada, as habilidades sociais correlacionaram-se e predisseram os traços de personalidade e a satisfação sexual. Os presentes resultados corroboram os achados dos estudos de Bartholomeu, Nunes, e Machado (2008) e de Bueno, Oliveira, e Oliveira (2001) que, nas suas investigações com estudantes universitários, encontraram relação entre as habilidades sociais aqui avaliadas e os traços de personalidade. Os resultados obtidos confirmam ainda os resultados encontrados por Pereira et al. (2015) que mostram que quanto maior for o reportório de habilidades sociais do indivíduo, mais elevada tenderá a ser a sua satisfação sexual.

Assim, integrando os resultados obtidos no presente estudo e articulando-os com a literatura revista, pode-se concluir que os indivíduos que apresentem maior/melhor reportório de habilidades sociais tenderão a apresentar determinados traços de personalidade, podendo as habilidades sociais funcionar como promotoras de gratificações positivas recebidas por parte dos outros (Bueno, Oliveira, & Oliveira, 2001; Costa & McCrae, 2000). Ao permitirem uma interação mais adequada com os que o rodeiam, as habilidades sociais acabam por ter impacto nas relações que o indivíduo estabelece e no modo como este se comporta na relação com os pares (Murta et al., 2012).

Deste modo, os presentes resultados reforçam a ideia de que a componente social, aqui representada pelas habilidades socais, poderá influenciar as componentes física e mental (i.e., neste caso, satisfação sexual e traços de personalidade) da Saúde. Assim, uma vez que as habilidades sociais da amostra estudada predisseram traços de personalidade e satisfação sexual, pode-se supor que a sua presença (ou ausência) poderá predizer diferentes caraterísticas de personalidade e ter implicações na maior ou menor satisfação sexual de (outros) estudantes do ensino superior.

Desta forma, as habilidades sociais, ao revelarem potencial na promoção da saúde mental e sexual, sugerem a pertinência do seu treino junto de estudantes do ensino superior, de modo a promover a sua Saúde. É, todavia, importante testar esta hipótese, bem como replicar o presente estudo noutra amostra, (mais) representativa dos estudantes do ensino superior Português, sendo de sublinhar que a (elevada) amplitude etária da amostra estudada, atualmente frequente no ensino superior Português, é uma limitação do estudo. É ainda de enfatizar que, em futuros estudos, nomeadamente na validação do IHS para a população portuguesa, é aconselhável a realização de análises complementares aos F4 e F5 do inventário.

 

REFERÊNCIAS

Bartholomeu, D., Nunes, C. H., & Machado, A. A. (2008). Traços de personalidade e habilidades sociais em universitários. Psico-USF, 13, 41-50. doi: 10.1590/s1413-82712008000100006.         [ Links ]

Bartholomeu, D., Carvalho, L. F., Silva, M. C., Miguel, F. K., & Machado, A. A. (2011). Aceitação e rejeição entre pares e habilidades sociais em universitários. Estudos de Psicologia, 16, 155-162. doi: 10.1590/s1413-294x20110002000066.         [ Links ]

Bircher J. (2005). Towards a dynamic definition of health and disease. Medicine Health Care Philos, 8, 335-341. doi: 10.1007/s11019-005-0538-y.         [ Links ]

Bueno, J., Oliveira, M., & Oliveira, J. (2001). Um estudo correlacional entre habilidades sociais e traços de personalidade com universitários. Psico – USF, 6, 31-38. doi: 10.1590/s1413-82712001000100005.         [ Links ]

Buss, P., & Filho, A. (2007). A Saúde e seus Determinantes Sociais. PHYSIS: Revista Saúde Coletiva, 17, 77-93. doi: 10.1590/s0103-733120070000100006.         [ Links ]

Costa, P., & McCrae, R. (2000). Manual Profissional - NEO PI-R, Inventário de Personalidade NEO Revisto (1ªed.). Lisboa: CEGOC-TEA Lda.         [ Links ]

Del Prette, A., & Del Prette, Z. A. (2001). Inventário de Habilidades Sociais :Manual de aplicação, apuração e interpretação. São Paulo: Casapsi Livraria e Editora Ltda.         [ Links ]

Del Prette, Z. A., Del Prette, A., Barreto, M. C., Bandeira, M., Rios-Saldaña, M. R., Ulian, A. L., & Villa, B. B. (2004). Habilidades Sociais de Estudantes de Psicologia: Um Estudo Multicêntrico. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17, 341-350. doi: 10.1590/s0102-79720040000300007.         [ Links ]

Gomide, P., Salvo, C., Pinheiro, D., & Sabbag, G. (2015). Correlação entre práticas educativas, depressão, estresse e habilidades sociais. Psico-USF, 10, 169-178. doi:10.1590/s1413-82712005000200008.         [ Links ]

Lima, M., & Simões, A. (2000). A teoria dos cinco fatores: Uma proposta inovadora ou apenas uma boa arrumação do caleidoscópio personológico? Análise Psicológica, 2, 171-179. doi: 10.14417/ap.412.         [ Links ]

Murta, S., Ribeiro, D., Rosa, I., Menezes, J., Ribeiro, M., Borges, O., …. Del Prette, Z. (2012). Programa de habilidades interpessoais e direitos sexuais e reprodutivos para adolescentes: um relato de experiência. Psico-USF, 17, 21-32. doi: 10.1590/s1413-82712012000100004.         [ Links ]

Neto, C., Dendasck, C., & Oliveira, E. (2016). A evolução histórica da Saúde Pública. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, 1, 52-67.         [ Links ]

Pereira, A., Fávero, M., Barbosa-Ducharne, M., Almeida, A, & Figueiredo, C. (2015). Comunicação com o/a parceiro/a sexual acerca de preocupações preventivas, autoeficácia contracetiva e (in)satisfação sexual. Análise Psicológica, 2, 195-206.         [ Links ] doi: 10.14417/ap.949.

Pestana, M., & Gageiro, J. (2014). Análise de dados para ciências sociais – A complementaridade do SPSS. Lisboa: Edições Sílabo.         [ Links ]

Santos, C. B., Peixoto, A. C., & Meneses, R. F. (2017). Adaptação do IHS para Portugal: Dados Preliminares. Atas dos Dias da Investigação na UFP, UFP Research Days Proceedings 2017. Gabinete de Relações Internacionais e Apoio ao Desenvolvimento Institucional. Universidade Fernando Pessoa – Porto.

Santos Pechorro, P., Almeida, A. I., Figueiredo, C. S., Pascoal, P. M., Vieira, R. X., & Jesus, N. S. (2015). Validação portuguesa da Nova Escala de Satisfação Sexual. Revista Internacional de Andrología, 13(2), 47-53. doi: 10.1016/j.androl.2014.10.003.

Silva, J. (2008). Conceio de Saúde: Um estudo entre profissionais e estudantes da área da Saúde. Revista Saúde, 4, 3-9. doi:10.22481/rsc.v4il.78.

Soares, A. B., & Del Prette, Z. A. (2015). Habilidades sociais e adaptação à universidade: Convergências e divergências dos construtos. Análise Psicológica, 2, 139-151. doi: 10.14417/ap.911.

World Health Organization. (1946). Official Records of the World Health Organization, 2, p.100. New York. Disponível em: apps.who.int/…0665/85573/1/Official_record2_en.pdf .

 

Endereço para Correspondência

Praça 9 de Abril, 349, 4249-004 Porto, Portugal. e-mail: anacarinapeixoto.psic@gmail.com

 

Recebido em 30 de Novembro de 2017/ Aceite em 31 de Dezembro de 2017

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons