SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 número1Stress e trauma, continuidades e descontinuidades: Para uma reflexão sobre a PPSTExercício físico e satisfação com a vida: Um estudo com adolescentes índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia, Saúde & Doenças

versão impressa ISSN 1645-0086

Psic., Saúde & Doenças vol.13 no.1 Lisboa  2012

 

Adaptação portuguesa da escala de medida de manifestação de bem-estar psicológico com estudantes universitários– EMMBEP

Portuguese adaptation of the psychological well-being manifestation measure scale with a sample of college students – EMMBEP

 

Sara Monteiro, José Tavares, Anabela Pereira

Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal

Contato:smonteiro@ua.pt

 

RESUMO

O objectivo do presente estudo foi a tradução, adaptação transcultural e estudo psicométrico da “Échelle de Mesure des Manifestations du Bien-Être Psychologique (ÉMMBEP)” para o contexto Português. O processo de adaptação transcultural do instrumento utilizou o método de tradução-retrotradução, seguido de um estudo piloto (n = 16), em que se avaliaram aspectos como compreensão e pertinência das questões, facilidade e tempo de preenchimento. Posteriormente, realizou-se o estudo psicométrico (n = 487) em instituições de ensino superior portuguesas. A escala inclui 25 itens distribuídos por cinco sub-escalas: felicidade, sociabilidade, controlo de si e dos acontecimentos, envolvimento social, auto-estima e equilíbrio, para além de um resultado global ou bem-estar total. Os resultados do presente estudo demonstram boas propriedades psicométricas e uma estrutura e propriedades idênticas às da versão original.

Palavras-chave Bem-estar, Estudantes universitários, Estudo de adaptação

 

ABSTRACT

This study aimed the translation, cross-cultural adaptation and psychometric study of the psychological well-being manifestation measure scale for the Portuguese context. The cross-cultural adaptation process included the forward-backward translation method, followed by a pilot test (n = 16), through which aspects as pertinence and comprehension of the items, facility and time of fulfillment were evaluated. This step was followed by the psychometric study of the scale (n = 487) at Portuguese higher education institutions. The scale contains 25 items measuring five sub scales: happiness, sociability, control of self and events, social involvement, self-esteem and balance, more a total score. Results of the present study exhibit metric properties similar to the original version.

Keywords- Well-being, College students, Adaptation study

 

Após a II Guerra Mundial, a psicologia focou grande parte da sua atenção na patologia, com base num modelo de doença para a compreensão do comportamento humano, o que conduziu a uma negligência de conceitos positivos, de que são exemplo o optimismo, a esperança, a felicidade e o bem-estar (Seligman, 2002; Seligman & Csiksentmihalyi, 2000). Estes anos de existência de uma psicologia dedicada fundamentalmente à perturbação psicológica mostraram claramente a possibilidade de se intervir de forma a melhorar as vidas de indivíduos com perturbação, com intervenções remediativas, individuais e colectivas, eficazes e cientificamente validadas (Seligman, Steen, Park, & Peterson, 2005). No entanto e sabendo que a ausência de doença não constitui, por si só, felicidade ou bem-estar (Diener & Lucas, 2000), o foco na doença e na patologia esquece o estudo e avaliação de um número importante de indivíduos.

Assim, com base nos trabalhos pioneiros de Rogers (1951), Maslow (1954, 1962), Jahoda (1958), Erikson (1963, 1982), Vaillant (1977), Deci e Ryan (1985) e Ryff e Singer (1996), entre muitos outros, os psicólogos dedicados ao estudo da psicologia positiva têm reunido esforços para aumentar o conhecimento acerca de como, porquê e em que condições as experiências positivas (como emoções positivas, bem-estar, felicidade, esperança, alegria), as características positivas individuais (como carácter, forças e virtudes) e as instituições positivas (como organizações baseadas no sucesso e potencial humano) florescem (Seligman et al., 2005).

Neste contexto, reconhece-se que a saúde mental não deve ser unicamente avaliada a partir de reacções negativas como a depressão ou ansiedade. É consensual que a integração de medidas de emoções positivas e de satisfação com a vida e consigo mesmo é essencial no sentido de captar um retrato mais completo da saúde mental de determinado indivíduo (Diener, 1994).

O bem-estar é uma área de estudo extremamente ampla, cuja investigação realizada reflecte diferentes conceptualizações teóricas e operacionalizações do conceito (Novo, 2003). Apesar destas diferenças, é consensual que a origem do conceito reside na discussão filosófica e científica entre o hedonismo e a eudaimonia como objectivos de vida, discussão esta que conduziu respectivamente a duas correntes de pensamento que orientam os modelos actuais de bem-estar (Keyes, Shmotkin, & Ryff, 2002; Lent, 2004; Ryan & Deci, 2001; Ryff & Keyes, 1995; Waterman, 1993) – o bem-estar subjectivo (BES) (subjective well being) e o bem-estar psicológico (BEP) (psychological well being).

A perspectiva hedónica reside fundamentalmente no princípio da acumulação do prazer e evitamento da dor, pelo que a visão predominante é a de que o bem-estar consiste na avaliação subjectiva da felicidade e diz respeito às experiências de prazer e sofrimento (Kahneman, Diener, & Schwarz, 1999). O modelo actual de bem-estar que sustenta tais orientações teórico-empíricas denomina-se de BES. Apesar da multiplicidade de estudos realizados no âmbito desta perspectiva, esta tem sido alvo de várias criticas, essencialmente no que respeita ao seu carácter teórico-conceptual e empírico restrito (Compton, 2011; Ryff & Keyes, 1995; Waterman, 1993).

É neste contexto que a perspectiva eudaimónica surge como uma perspectiva mais abrangente, na medida em que se centra no funcionamento psicológico positivo e no desenvolvimento de valores como a auto-realização, o crescimento pessoal e o florescimento humano (Keyes, 2002, 2003, 2004, 2005; Ryan & Deci, 2001; Ryff, 1989a, 1989b, 1989c, 1995; Ryff & Keyes, 1995; Ryff & Singer, 1998a, 1998b; Waterman, 1993). O modelo actual de bem-estar que suporta as orientações teóricas decorrentes da perspectiva referida denomina-se de BEP e foi proposto por Carol Ryff (Ryff, 1989a, 1989b, 1989c, 1995). De acordo com a autora, o bem-estar pode ser identificado a partir dos recursos psicológicos que o indivíduo dispõe (processos cognitivos, afectivos e emocionais) que são globalmente descritos a partir de seis dimensões centrais ao funcionamento psicológico positivo: aceitação de si, relações positivas com os outros, domínio do meio, crescimento pessoal, objectivos de vida e autonomia. As seis dimensões deverão ser encaradas como componentes do próprio bem-estar e não como contribuindo para o bem-estar.

Ambas as tradições consideram valores humanistas que elevam a capacidade do indivíduo para avaliar o que lhe proporciona bem-estar na vida (Keys et al., 2002). Não obstante, no contexto de avaliação, o BES possibilita identificar o quão satisfeita ou feliz está a pessoa e em que áreas da sua vida tal se verifica, enquanto o BEP salienta o quão satisfeita e feliz a pessoa se sente em determinados domínios psicológicos e também os recursos psicológicos de que esta dispõe (Ryff, 1989b).

No que se refere à existência de instrumentos de avaliação do bem-estar psicológico em contexto nacional e que seja do nosso conhecimento, existem dois trabalhos de tradução e adaptação independentes (Ferreira & Simões, 1999; Novo, Duarte-Silva, & Peralta, 1997) da versão de 84 itens das Psychological Well-being Scales (PWBS; Ryff, 1989b; Ryff, 1995) e, mais recentemente, um trabalho de adaptação da versão de 18 itens das PWBS, realizado por Fernandes, Vasconcelos-Raposo e Teixeira (2010), sendo que nenhum destes trabalhos foi conduzido especificamente com estudantes universitários.

Sabe-se que os estudantes universitários são vulneráveis a um leque alargado de ameaças ao seu bem-estar. Por exemplo, problemas de saúde física decorrentes do consumo de álcool (Clements, 1999; Roche & Watt, 1999), tabaco e drogas ilícitas (Webb, Ashton, Kelly, & Kamali, 1996), assim como o envolvimento em comportamentos sexuais de risco (Brown & Vanable, 2005). Questões psicológicas como o stress e problemas de ansiedade (Eisenberg, Gollust, Golberstein, & Hefner, 2007; Pereira, 1997; Pereira & Williams, 2001), baixa auto-estima (Robins, Trzesniewski, Tracy, Gosling, & Potter, 2002), insatisfação corporal e perturbações de comportamento alimentar (Drewnowski, Yee, Kurter, & Krahn, 1994, Kurth, Krahn, Nairn, & Drewnowski, 1995, Mintz & Betz, 1988, Yager & O'Dea, 2008), são também comuns neste grupo.

Neste contexto, a adaptação de um instrumento de avaliação do bem-estar psicológico em estudantes universitários assume pertinência. Assim, o presente trabalho pretende dar a conhecer o trabalho de adaptação de um instrumento de avaliação do bem-estar psicológico, a Échelle de Mesure de Manifestations du Bien-Être Psychologique (EMMBEP; Massé et al., 1998), numa amostra de estudantes universitários, para contexto nacional.

 

MÉTODO

Participantes

Participaram 487 estudantes universitários, 96 do género masculino (19.71%) e 391 do sexo feminino (80.29%), com idades compreendidas entre os 18 e os 34 anos (M = 22.15; DP = 3.04), provenientes de diversas instituições de ensino superior: Universidade de Aveiro (31.30%), Universidade de Coimbra (23.30%), Universidade Lusíada do Porto (20.80%), Instituto Politécnico da Guarda (7.40%) e Instituto Politécnico de Castelo Branco (17.10%) e de diversos cursos.

Material

A Échelle de Mesure des Manifestations du Bien-Être Psychologique (ÉMMBEP; Massé et al., 1998) que, na versão portuguesa, denominaremos de Escala de Medida de Manifestação de Bem-Estar Psicológico (EMMBEP) (Anexo 1) é uma escala de resposta tipo likert de 5 pontos, que vai desde 1 (Nunca) a 5 (Quase sempre), constituída por um total de 25 itens, dividida em seis sub-escalas: auto-estima (4 itens), equilíbrio (4 itens), envolvimento social (4 itens), sociabilidade (4 itens), controlo de si e dos acontecimentos (4 itens) e felicidade (5 itens).

Quanto mais elevado for o total obtido – dado pela soma das pontuações de todos os itens – maior será o bem-estar psicológico percebido.

Os estudos psicométricos efectuados na versão original (Massé et al., 1998) revelaram níveis adequados de consistência interna para a nota global (a = .93), e para as seis sub-escalas consideradas, com valores de alpha de Cronbach entre .71 (envolvimento social) e .85 (felicidade).

Procedimento

Depois de concedida autorização pelos autores do questionário, procedemos à sua tradução e adaptação, de acordo com a metodologia que se descreve de seguida: a) tradução do questionário para o idioma Português; b) retroversão para a língua Inglesa por um tradutor independente; c) comparação das duas versões do questionário, discussão e correcção das eventuais diferenças existentes entre elas; e d) aplicação da versão final de consenso à população alvo - estudo piloto (n = 16). Após o preenchimento da escala, os indivíduos foram questionados sobre: compreensão e pertinência das questões, facilidade e tempo de preenchimento. Todos os respondentes referiram boa compreensão e aceitação das questões apresentadas. O tempo médio de realização foi de 5 minutos.

A EMMBEP foi posteriormente submetida a uma aplicação mais alargada, com vista à análise da sua aplicabilidade à população Portuguesa, cujos resultados servem de objecto de estudo do presente trabalho.

Para recolha da amostra, foi utilizado um método de amostragem por conveniência. A escala foi administrada em contexto de sala de aula, depois de fornecidas as instruções de preenchimento e obtenção do consentimento informado.

 

RESULTADOS

No que diz respeito aos resultados, referimo-nos primeiramente à análise da distribuição dos itens da escala. Em seguida, apresentamos os resultados referentes à dimensionalidade e consistência interna e concluímos com alguns contributos da análise factorial confirmatória.

Análise da distribuição dos itens

Os resultados da análise de distribuição das respostas aos 25 itens que integram a EMMBEP apresentam-se no Quadro 1. Os resultados da análise descritiva reportam-se à variabilidade e às medidas de tendência central dos itens (valores mínimos e máximos, 1.º e 3.º quartis, valores de moda e mediana).

 

Quadro 1 - Análise da distribuição das respostas aos itens da EMMBEP

 

Os resultados da análise descritiva evidenciam uma distribuição bastante adequada dos itens em estudo, com os valores mínimos e máximos a oscilarem entre 1 e 5 (os valores extremados da distribuição) em todos os itens (excepto no item 6). Os valores da moda e da mediana oscilaram entre 3 e 4 na quase totalidade dos itens. Apenas 3 dos 23 itens apresentaram valores máximos extremos (itens 6, 12 e 13). Os valores para o 1.º quartil oscilaram entre 3 e 4 e os valores para o 3.º quartil oscilaram entre 4 e 5 (os itens 6, 9, 12, 13, 14, 15 e 16 apresentam o valor máximo). Os resultados sugerem assim uma maior concentração das respostas dos sujeitos da amostra junto dos valores mais elevados da distribuição.

Dimensionalidade e consistência interna

Para o estudo da validade interna recorremos ao modelo da análise factorial exploratória (método de Análise em Componentes Principais – ACP), com rotação oblíqua e especificação de factores (cf. Quadro 2).

 

Quadro 2 - Resultado da análise factorial da EMMBEP

 

Com base nos critérios contemplados na apreciação das soluções factoriais, a solução seleccionada corresponde a uma estrutura de seis factores distintos, responsáveis por 65.62% da variância total. A estrutura final define-se por seis factores que traduzem: felicidade (Factor I), sociabilidade (Factor II), controlo de si e dos acontecimentos (Factor III), envolvimento social (Factor IV), auto-estima (Factor V) e equilíbrio (Factor VI).

O Factor I (felicidade), responsável por 17.03% da variância total, é constituído por 8 itens, que se relacionam com o sentimento de felicidade (exemplo de item: “Senti-me bem, em paz comigo próprio”).

O Factor II (sociabilidade), responsável por 11.60% da variância total, é constituído por 4 itens, que dizem respeito a aspectos de sociabilidade (exemplo de item: “Relacionei-me facilmente com as pessoas à minha volta”).

O Factor III (controlo de si e dos acontecimentos), responsável por 11.28% da variância total, é constituído por 3 itens, que se relacionam com sensação de controlo de si e dos acontecimentos (exemplo de item: “Fui capaz de enfrentar situações difíceis de uma forma positiva.”).

O Factor IV (envolvimento social), responsável por 8.83% da variância total, é constituído por 3 itens e diz respeito a aspectos de envolvimento e motivação (exemplo de item: ”Tive objectivos e ambições”).

O Factor V (auto-estima), responsável por 8.52% da variância total, é constituído por 4 itens e está relacionado com a auto-estima (exemplo de item: “Senti que os outros gostavam de mim e me apreciavam”).

O Factor VI (equilíbrio), responsável por 8.362% da variância total, é constituído por 3 itens e relaciona-se com a sensação de equilíbrio (exemplo de item:”A minha vida foi bem equilibrada, entre as minhas actividades familiares, pessoais e académicas”).

Em seguida, procedemos à comparação dos itens das soluções factoriais de Massé et al. (1998) e por nós encontrada. Embora a estrutura factorial obtida na versão portuguesa não tenha replicado, na totalidade, a estrutura factorial original, é de salientar a elevada concordância e similaridade verificada, quer relativamente à estrutura subjacente do instrumento, quer quanto à inclusão da maioria dos itens nos factores obtidos. Efectivamente, as diferenças existentes resumem-se ao facto de os itens 5, 12 e 20 se incluírem, no nosso estudo, no factor felicidade, enquanto no estudo original se distribuíam pelos factores equilíbrio, envolvimento social e controlo de si e dos acontecimentos, respectivamente. De qualquer forma e dada a descrição dos itens (item 5: “Senti-me emocionalmente equilibrado”, item 12: “Senti-me bem a divertir-me, a fazer desporto e a participar em todas as minhas actividades e passatempos preferidos” e item 20: “Estive bastante calmo”), a sua inclusão no factor felicidade pareceu-nos apropriada.

Definidos os factores e os itens que os integram, apresentamos, de seguida, os resultados da análise de consistência interna (correlações item-total corrigido, alpha de Cronbach e validade convergente - discriminante do item). No Quadro 3 apresentamos os resultados item a item em termos de coeficiente de correlação do item com o total da subescala (coeficiente corrigido) e o contributo do item para o alpha da sub-escala.

 

Quadro 3 - Análise da consistência dos itens da EMMBEP

 

Através da análise do Quadro 3, podemos constatar que as correlações item-total corrigido variaram entre .36 (item 6) e .78 (item 22), havendo portanto homogeneidade dos itens constituintes da escala. Relativamente à contribuição de cada item para o valor de alpha de Cronbach, é possível referir que, em relação aos factores felicidade, sociabilidade, controlo de si e dos acontecimentos e auto-estima, os itens contribuíram de forma mais ou menos igual para o valor de alpha de Cronbach, já que as diminuições dos valores foram relativamente comparáveis à medida que os itens foram individualmente removidos da escala. No que diz respeito aos factores envolvimento social e equilíbrio, há que salientar que a remoção dos itens 11 e 6 implica um aumento significativo no valor de alpha de Cronbach. Apesar disso, optou-se por manter os itens na escala, por serem relevantes do ponto de vista teórico e dado o número reduzido de itens constituintes das subescalas a que pertencem.

Os valores de alpha de Cronbach encontrados para os factores e para a nota global da escala são na sua maioria muito adequados, uma vez que variam entre .67 (envolvimento social) e .89 (felicidade).

Apresentamos em seguida os dados relativos à validade convergente - discriminante dos itens da EMMBEP. Os resultados são apresentados no Quadro 4.

 

Quadro 4 - Validade convergente-discriminante dos itens da EMMBEP

 

A observação do Quadro 4 mostra que, na maioria dos itens, o índice de discriminação é superior a 20 pontos entre a magnitude da correlação com a escala a que pertence e a magnitude do valor da correlação com as outras escalas. De salientar que, no caso dos itens 1, 2, 3 e 4, com especial ênfase para o item 1 (“Senti-me confiante”), o poder discriminativo deste em relação à escala a que pertence – auto-estima – e à felicidade é muito baixo.

No que se refere às correlações entre a nota da escala total e as notas das sub-escalas que compõem a EMMBEP, verifica-se que, de entre todas as sub-escalas, é a felicidade que se destaca como sendo aquela que melhor explica o bem-estar psicológico (r2 = .85), sendo seguida pela sociabilidade (r2 = .61), controlo (r2 = .59) e auto-estima (r2 = .58). Com menor poder explicativo, encontramos o envolvimento (r2 = .42) e o equilíbrio (r2 = .40).

Contributos da análise factorial confirmatória

De acordo com Massé et al. (1998), a EMMBEP foi construída como uma escala de seis factores, pelo que utilizámos a metodologia de equações estruturais num modelo confirmatório de ordem 1 com 25 variáveis observadas e 6 variáveis latentes ou factores (felicidade, sociabilidade, controlo de si e dos acontecimentos, envolvimento social, auto-estima e equilíbrio).

Foram calculados os coeficientes estandardizados dos itens referentes aos vários factores verificando-se que todos eles são significativos (p < .001), evidenciando-se a estrutura de seis factores. Apenas um item (item 6) apresenta valor inferior a .50 (cf. Quadro 5).

 

Quadro 5 - Coeficientes de regressão e % da variabilidade explicada dos itens da EMMBEP

 

No que diz respeito à felicidade, todos os itens são indicadores fortes deste factor. O item 12 é o que apresenta o valor mais baixo (26.52%) e o item 22 é o que apresenta o valor mais elevado (68.56%) de variabilidade explicada. Relativamente à sociabilidade, este factor reflecte-se em todos os itens de forma evidente, explicando desde 43.03% do item 15 a 66.59% do item 13. O mesmo se verifica com o controlo de si e dos acontecimentos, que explica desde 60.68% do item 19 a 72.93% do item 17. Em relação ao envolvimento social, verificamos que este também se reflecte em todos os itens. O item 11 é que apresenta o valor mais baixo (27.88%) e o item 10 é o que apresenta o valor mais elevado (51.55%). Relativamente à auto-estima, verificamos também que todos os itens são indicadores fortes deste factor, sendo que o item 2 apresenta o valor mais baixo (43.82%) e o item 1 apresenta o valor mais elevado (68.72%) de variabilidade explicada. Finalmente, em relação ao equilíbrio, constatamos que o item 6 não é um indicador forte do factor, apresentando um coeficiente de regressão de .49. O factor reflecte-se, no entanto, de forma evidente nos itens 7 e 8, que apresentam 47.47% e 73.27% de variabilidade explicada, respectivamente.

Utilizámos como indicadores de consistência interna (com base na metodologia das equações estruturais) o alpha de Cronbach, a fiabilidade composta (F.C.) e a variância extraída (V.Ext) (cf. Quadro 6). Todos os valores estão próximos ou acima dos desejáveis (α  > . 60, F.C. > . 70 e V.Ext. > . 50). Os valores mais baixos verificam-se ao nível da variância extraída dos factores envolvimento social e equilíbrio.

 

Quadro 6 - Indicadores de consistência interna (com base na metodologia das equações estruturais) da EMMBEP

 

No sentido de aumentar a compreensibilidade acerca da validade discriminante dos factores (Fornell & Larcker, 1981), procedemos à comparação das variâncias extraídas de cada factor com o quadrado do correspondente coeficiente de correlação (r2) entre os factores (cf. Quadro 7). Verificámos que as variâncias extraídas superam o valor de r2 no que diz respeito à sociabilidade, ao controlo de si e dos acontecimentos, ao envolvimento social, à auto-estima e ao equilíbrio. Desta forma, podemos afirmar que existe validade discriminante, isto é, cada um destes constructos está a avaliar conceitos distintos. Em relação à felicidade essa distinção não é tão evidente, especialmente, com os factores controlo de si e dos acontecimentos e auto-estima.

 

Quadro 7 - Correlações quadráticas entre os factores da EMMBEP

 

Os índices de ajustamento do modelo de 6 factores indicam globalmente um ajustamento aceitável do modelo (Chi-square = 810.57; RMSEA = .07, CFI = .91, GFI = .87, NFI =.87).

 

DISCUSSÃO

 

Com a análise da distribuição dos itens, o estudo da dimensionalidade e consistência interna e os contributos da análise factorial confirmatória, tivemos como objectivo analisar as características psicométricas da EMMBEP, instrumento desenvolvido com a finalidade da operacionalização do constructo de bem-estar psicológico.

 A este propósito, salientamos que o instrumento analisado possui características psicométricas adequadas em termos de validade e fidelidade. De forma concordante com a versão original, obtivemos uma estrutura de seis factores: felicidade, sociabilidade, controlo de si e dos acontecimentos, envolvimento social, auto-estima e equilíbrio, responsáveis por 65.62% da variância total. A análise factorial confirmatória efectuada confere apoio a esta estrutura de seis factores do instrumento, sendo que este modelo demonstra um ajustamento aceitável aos dados. No que se refere à consistência interna, verificámos que os valores encontrados para os diversos indicadores analisados (alpha de Cronbach, fiabilidade composta e variância extraída) estão próximos ou acima dos desejáveis. Os factores envolvimento social e equilíbrio são os que exibem os valores de consistência interna mais reduzidos, ainda que aceitáveis.

A EMMBEP apresenta-se assim como um instrumento adequado para avaliar o bem-estar psicológico em estudantes universitários. Todavia, é de referir que os estudos psicométricos apresentados foram realizados junto de apenas uma amostra, impondo-se nova aplicação junto de outra amostra, de acordo com as recomendações de Almeida e Freire (2007). Adicionalmente, recomenda-se a realização de estudos futuros em que se avalie a fidelidade teste-reteste da EMMBEP, bem como a validade convergente com outras medidas.

 

REFERÊNCIAS

Almeida, L. S., & Freire, T. (1997). Metodologia da investigação em psicologia e educação. Coimbra: APPORT.         [ Links ]

Brown, J. L., & Vanable, P. A. (2005). Alcohol use, partner type, and risky sexual behavior among college students: Findings from an event-level study. Journal of American College Health, 53, 2940-2953.         [ Links ]

Clements, R. (1999). Prevalence of alcohol-use disorders and alcohol-related problems in a college student sample. Journal of American College Health, 48, 111-117.         [ Links ]

Compton, W. C. (2001). Toward a tripartite factor structure of mental health: Subjective well-being, personal growth, and religiosity. The Journal of Psychology, 135(5), 486-500.         [ Links ]

Deci, E. L., & Ryan, R. M. (1985). Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum Press.         [ Links ]

Diener, E. (1994). Assessing subjective well-being: Progress and opportunities. Social Indicators Research, 31, 103-157.         [ Links ]

Diener, E., & Lucas, R. E. (2000). Subjective emotional well-being. In M. Lewis & J. M. Haviland (Eds.), Handbook of emotions (pp. 325-337). New York: Guilford.         [ Links ]

Drewnowski, A., Yee, D. K., Kurth, C. L., & Krahn, D. D. (1994) Eating Pathology and DSM-III-R Bulimia Nervosa: A continuum of behavior. American Journal of Psychiatry, 151, 1217-1219.         [ Links ]

Eisenberg, D., Gollust, S. E., Golberstein, E., & Hefner, J. (2007) Prevalence and correlates of depression, anxiety and suicidality among university students. American Journal of Orthopsychiatry, 77, 534-542.         [ Links ]

Erikson, E. (1963). Childhood and society (2nd ed.). New York: Norton.         [ Links ]

Erikson, E. (1982). The life cycle completed. New York: Norton.         [ Links ]

Fernandes, H. F., Vasconcelos-Raposo, J., & Teixeira, C. M. (2010). Preliminary analysis of the psychometric properties of Ryff’s Scales of Psychological Well-Being in Portuguese Adolescents. The Spanish Journal of Psychology, 13(2) 1032 -1043.         [ Links ]

Ferreira, J. A., & Simões, A. (1999). Escalas de bem-estar psicológico (EBEP). In M. R. Simões, M. M. Gonçalves, & L. S. Almeida (Eds.), Testes e provas psicológicas em Portugal. (Vol. 2, pp. 111-121). Braga: APPORT/SHO.         [ Links ]

Fornell, C., & Larcker, D. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research, 18, 39-50.         [ Links ]

Jahoda, M. (1958). Current concepts of positive mental health. New York: Basic Books.         [ Links ]

Kahneman, D., Diener, E., & Schwarz, N. (Eds.) (1999). Well-being: The foundations of hedonic psychology. New York: Russell Sage.         [ Links ]

Keyes, C. (2002). The mental health continuum: From languishing to flourishing in life. Journal of Health and Social Research, 43(2), 207-222.         [ Links ]

Keyes, C. (2003). Promoting a life worth living: Human development from the vantage points of mental illness and mental health. In R. M. Lerner, D. Wertlieb, & F. Jacobs (Eds.), Handbook of applied developmental science: Promoting positive child, adolescent, and family development through research, policies, and programs, (Vol. 4, pp. 257-274). Thousand Oaks: Sage Publications.         [ Links ]

Keyes, C. (2004). The nexus of cardiovascular disease and depression revisited: The complete mental health perspective and the moderating role of age and gender. Aging & Mental Health, 8(3), 266-274.         [ Links ]

Keyes, C. (2005). Mental illness and/or mental health? Investigating axioms of the complete state model health. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 73(3), 539- 548.         [ Links ]

Keyes, C., Shmotkin, D. e Ryff, C. (2002). Optimizing well-being: the empirical encounter of two traditions. Journal of Personality and Social Psychology, 82, 1007-1022.         [ Links ]

Kurth, C. L., Krahn, D. D., Nairn, K., & Drewnowski, A. (1995). The severity of dieting and bingeing behaviors in college women: Interview validation of survey data. Journal of Psychiatric Research, 29, 211-225.         [ Links ]

Lent, R. W. (2004) Toward a unifying theoretical and practical perspective on well-being and psychosocial adjustment. Journal of Counseling Psychology, 51(4), 482-509.         [ Links ]

Maslow, A. H. (1954). Motivation and personality. New York: Harper & Row.         [ Links ]

Maslow, A. H. (1962). Toward a psychology of being. Princeton, NJ: Van Nostrand.         [ Links ]

Massé, R., Poulin, C., Dassa, C., Lambert, J., Bélair, S., & Battaglini, A. (1998). Élaboration et validation d’un outil de mesure du bien-être psychologique: L’É.M.M.B.E.P. Revue Canadienne de Santé Publique, 89(5), 352-357.         [ Links ]

Mintz, L., & Betz, N. (1988) Prevalence and correlates of eating disordered behaviors among undergraduate women. Journal of Counseling Psychology, 35, 463-471.         [ Links ]

Novo, R. F. (2003). Para além da eudaimonia: O bem - estar psicológico em mulheres na idade adulta avançada. Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e a Tecnologia/ Ministério da Ciência e do Ensino Superior. Coimbra: Dinalivro.         [ Links ]

Novo, R. F., Duarte-Silva, E., & Peralta, E. (1997). O bem-estar psicológico em adultos: Estudo das características psicométricas da versão portuguesa das escalas de C. Ryff. In M. Gonçalves, I. Ribeiro, S. Araújo, C. Machado, L.S. Almeida, & M. Simões (Eds.), Avaliação psicológica: Formas e contextos (vol. V, pp. 313-324). Braga: APPORT/SHO.         [ Links ]

Pereira, A. (1997). Helping students cope: Peer counselling in higher education. Tese de doutoramento não publicada, University of Hull, Hull.         [ Links ]

Pereira, A., & Williams, D. I. (2001). Stress and coping in helpers on a student “nightline” service. Counselling Psychology Quartely, 14(1), 43-47.         [ Links ]

Robins, R. W., Trzesniewski, K. H., Tracy, J. L., Gosling, S. D., & Potter, J. (2002) Global self-esteem across the life span. Psychology and Aging, 17, 423-434.         [ Links ]

Roche, A. M., & Watt, K. (1999) Drinking and university students: From celebration to inebriation. Drug and Alcohol Review, 18, 389-399.         [ Links ]

Rogers, C. R. (1951). Client-centered therapy: Its current practice, implications, and theory. Boston: Houghton Mifflin.         [ Links ]

Ryan, R. M., & Deci, E. L. (2001). On happiness and human potentials: A review of research on hedonic and eudaimonic well being. Annual Review of Psychology, 52, 141-166.         [ Links ]

Ryff, C. D. (1989a). Beyond Ponce de Leon and life satisfaction: New directions in quest of successful ageing. International Journal of Behavioral Development, 12(1), 35-55.         [ Links ]

Ryff, C. D. (1989b). Happiness is everything, or is it? Explorations on the meaning of psychological well-being. Journal of Personality and Social Psychology, 57(6), 1069-1081.         [ Links ]

Ryff, C. D. (1989c). In the eye of the beholder: Views of psychological well-being among middle-aged and older adults. Psychology and Aging, 4(2), 195-210.         [ Links ]

Ryff, C. D. (1991). Possible selves in adulthood and old age: A tale of shifting horizons. Psychology and Aging, 6(2), 286-295.         [ Links ]

Ryff, C. D. (1995). Psychological well-being in adult life. Current Directions in Psychological Science, 4(4), 99-104.         [ Links ]

Ryff, C. D., & Keyes, C. (1995). The structure of psychological well-being revisited. Journal of Personality and Social Psychology, 69, 719-727.         [ Links ]

Ryff, C. D., & Singer, B. (1996). Psychological well-being: Meaning, measurement, and implications for psychotherapy research. Psychotherapy and Psychosomatics, 65, 14-23.         [ Links ]

Ryff, C. D., & Singer, B. (1998). The role of the purpose in life and personal growth in positive human health. In P.S. Fry & P.T.P. Wong (Eds.), The human quest for meaning: A handbook of psychology research and clinical applications (pp. 213-215). Mahwah, NJ.         [ Links ]

Seligman, M. (2002). Authentic happiness. New York: Free Press.         [ Links ]

Seligman, M., & Csikszentmihalyi, M. (2000). Positive psychology: An introduction. American psychologist, 55, 5-14.         [ Links ]

Seligman, M., Steen, T. A., Park, N. & Peterson, C. (2005). Positive psychology progress: Empirical validation of interventions. American Psychologist, 60, 410-421.         [ Links ]

Vaillant, G. E. (1977). Adaptation to life. Boston: Little, Brown.         [ Links ]

Waterman, A. S (1993). Two conceptions of happiness: Contrasts of personal expressiveness (eudaimonia) and hedonic enjoyment. Journal of Personality and Social Psychology, 64(4), 678-691.         [ Links ]

Webb, E., Ashton, C. H., Kelly, P., & Kamali, F. (1996) Alcohol and drug use in UK university students. The Lancet, 348, 922-925.         [ Links ]

Yager, Z., & O'Dea, J. (2008) Body image, dieting and disordered eating and exercise practices among teacher trainees: Implications for school-based health education and obesity prevention programs. Health Education Research, 24(3), 472-482.         [ Links ]

 

Recebido em 5 de Abril de 2010/ Aceite em 12 de Fevereiro de 2011

 

Anexo 1