SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.8 número2Experiências adversas, comportamentos de risco, queixas de saúde e preocupações modernas de saúde em universitários: Uma comparação entre diferentes licenciaturasAtitudes face ao tabagismo: Hábitos tabágicos e o papel dos profissionais de saúde índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia, Saúde & Doenças

versão impressa ISSN 1645-0086

Psic., Saúde & Doenças v.8 n.2 Lisboa nov. 2007

 

O conceito de cuidador analisado numa perspectiva autopoiética: do caos à autopoiése

Magda A. Oliveira*1,2, Cristina Queirós2, & Marina Prista Guerra2

1 Instituto Português de Oncologia, Porto

2 Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto

 

RESUMO: Partindo do acto de cuidar como algo intrinsecamente humano e crescente na sociedade actual, estuda-se a relação entre o cuidador e a pessoa alvo dos seus cuidados. Pretende-se que o conceito de “cuidador”, estudado já desde as décadas de 60/70, seja dissecado e posteriormente re-interpretado segundo a Teoria do Sujeito Auto-poiético de Cândido Agra (1990, 2001). Adopta-se uma perspectiva que contempla as dinâmicas geradas entre os doentes e os seus cuidadores (formais e informais), sugerindo diferentes posturas face à doença e suas manifestações, bem como um clima relacional gerado pelo produto da interacção concordante ou dissonante entre cuidador e doente. Verifica-se que mesmo em situações potencialmente desestruturantes é possível intervir de modo a que esta relação de inter-ajuda, dependência e compromisso estabelecida entre as duas pessoa s, seja autopoiética e biopsicossocialmente ajustada, conduzindo a um maior bem-estar do cuidador e do doente alvo dos seus cuidados.

Palavras chave: Autopoiése, Cuidador, Relação cuidador-doente.

 

The caregivers concept analysed in an autopoietic perspective: From the chaos to the autopoiesis

ABSTRACT: Having as starting point the act of care as something intrinsically human and growing in the present society, the relationship between the caregivers and those who are the target of the cares has been studied. We intend that the concept of ”caregiver”, studied since the sixties and seventies, be dissected and lately reinterpreted according to the “Autopoietic Subject Theory” of Cândido Agra (1990, 2001). For that purpose, it was adopted a perspective that contempl ates the dynamics generated between patients and caregivers (formals and in formals), suggesting different attitudes to face the disease and its manifestations, as well as different relational environments that emerge from the product of the concorda nt or dissonant’ caregiver-patient interactions. It was observed that even in situations that are potentially disruptive it was possible to intervene, so that caring, dependence and compromise relationships established between the two persons could be autopoietic and biopsychosocially adjusted, leading to a higher well-being of the caregiver and the patient.

Key words: Autopoiesis, Caregiver, Caregiver-patient relationship.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS

Agra, C. (1986a). Para uma Epistemopsicologia. Revista de Psicologia e de Ciências da Educação, 1, 17-27.         [ Links ]

Agra, C. (1986b). Projecto da Psicologia Transdisciplinar do comportamento desviante e auto-organizado. Análise Psicológica, IV(3/4), 311-318.

Agra, C. (1986c). Adolescência, comportamento desviante e auto-organizado: Modelo da Psicologia Epistemanalítica. Cadernos de Consulta Psicológica, 2, 81-87.

Agra, C. (1986d). Science, maladie mentale et dispositifs de l’enfance, du paradigme biologique au paradigme systemique. Lisboa: INIC.

Agra, C. (1990). Sujet autopoiétique et transgression. In P. Mardaga (Ed.), Acteur social et délinquance – Une grille de lecture du systeme de justice pénale (pp. 415-426). Liége: Pierre Mardaga.

Agra, C. (1991). La recherche anthropologique sur la toxicomanie au Portugal. Retrovirus, IV(9), 33-34.

Agra, C. (1993). Dizer a droga, ouvir as drogas. Porto: Radicário.

Agra, C. (1995a). Da rapsódia à sinfonia: Sentido para a composição de um sistema de pensamento na área das drogas. Toxicodependências, 1(1), 26-32.

Agra, C. (1995b). Da rapsódia à sinfonia: Epistema. Toxicodependências, 1(3), 47-58.

Agra, C. (1997). Droga e Crime, a experiência portuguesa: Programa de estudos e resultados (vol. 1). Lisboa: Gabinete de Planeamento e de Coordenação do Combate à Droga.

Agra, C. (1998). Entre droga e crime: Actores, espaços, trajectórias. Lisboa: Editorial Notícias.

Agra, C. (2001). Genealogia da afecção, exercício de psicopoiése. In M. Dupis et al. (Eds.), Dor e Sofrimento, uma perspectiva interdisciplinar (pp. 159-182). Porto: Campo das Letras.

Goode, K., Haley, W., Roth, D., & Ford, R. (1998). Predicting longitudinal changes in caregiver physical and mental health: A stress process model. Health Psychology, 17(2), 190-198.

Guerra, M. (1998). Sida: Implicações psicológicas. Lisboa: Fim de Século Edições.

Guerra, M.P., & Agra, C. (1997). A prova da existência: A adaptação psicológica de toxicodependentes seropositivos ao vírus HIV em liberdade e em meio prisional. In C. Manita, J. Negreiros, C. Agra, & M.P. Guerra (Eds.), Planos existenciais, droga e crime (vol. 9, parte B, pp. 123-152). Lisboa: Gabinete de Planeamento e de Coordenação do Combate à Droga.

Leite, M.M. (2006). Impacto da demência de Alzheimer no cônjuge prestador de cuidados. Tese de Doutoramento apresentada à F.P.C.E.U.P. Porto: F.P.C.E.U.P.

Manita, C., Negreiro, J., & Agra, C. (1997). Planos de vida, droga e crime. In C. Manita, J. Negreiros, C. Agra, & M.P. Guerra (Eds.), Planos existenciais, droga e crime (vol 9, parte A, pp. 11-122). Lisboa: Gabinete de Planeamento e de Coordenação do Combate à Droga.

Newson, J., & Schulz (1998). Caregiving from the recipient’s perspective: Negative reaction s to being helped. Health Psychology, 17(2), 172-181.

Oliveira, M. (2006). A sistémica do cuidar: Caos ou autopoiése? Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Epistemologia e Metodologia de Investigação, Mestrado em Psicologia da Saúde. Porto: F.P.C.E.U.P. (policopiado).

Queirós, C. (1997a). Emoções e cognições em consumidores de droga e delinquentes (vol. 7). Lisboa: Gabinete de Planeamento e de Coordenação do Combate à Droga.

Queirós, C. (1997b). Emoções e comportamento desviante, um estudo na perspectiva da personalidade como sistema auto-organizador. Tese de Doutoramento em Psicologia. Porto: F.P.C.E.U.P.

Santos, A.T. (2004). Acidente Vascular Cerebral: Qualidade de vida e bem-estar dos doentes e familiares cuidadores. Tese de doutoramento em Psicologia. Porto: F.P.C.E.U.P.

Schulz, R., & Quittner, A. (1998). Caregiving for children and adults with chronic condition s: Introduction to the special issue. Health Psychology, 17(2), 107-111.

Shewchuk, R., Richards, J., & Elliott, T. (1998). Dynamic processes in health outcomes among caregivers of patients with spinal cord injuries. Health Psychology, 17(2), 125-129.

Wight, R., & LeBlanc, A. (1998). AIDS caregiving and health among midlife and older women. Health Psychology, 17(2), 130-137.

Williamson, G., Walters, A., & Shaffer, D.R. (2002). Caregivers models of self and others, coping, and depression: Predictors of depression in children with chronic pain. Health Psychology, 21(4), 405-410.

 

* Contactar para E-mail: magdaaoliveira@sapo.pt

 

Recebido em 11 de Janeiro de 2007 / aceite em 18 de Setembro de 2007