SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 número2Construção e validação de uma escala de representações sociais do consumo de álcool e drogas em adolescentesPráticas parentais, escola e consumo de substâncias em jovens índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia, Saúde & Doenças

versão impressa ISSN 1645-0086

Psic., Saúde & Doenças v.7 n.2 Lisboa  2006

 

Comportamentos sexuais, conhecimentos e atitudes face ao VIH/Sida em adolescentes migrantes

Tania Gaspar* 1, Margarida Gaspar de Matos 1/2, Aldina Gonçalves 2/3, Mafalda Ferreira 1, & Filipa Linhares 1

1 Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa

2 Centro de Malária e outras Doenças Tropicais / Universidade Nova de Lisboa

3 Instituto de Higiene e Medicina Tropical / Universidade Nova de Lisboa

 

 

Resumo: O presente trabalho visa compreender e caracterizar os factores ligados aos risco e factores ligados à protecção e aos cenários que envolvem o adolescente no âmbito dos comportamentos sexuais, conhecimentos e atitudes face ao VIH/sida nos adolescentes migrantes, através da perspectiva dos jovens, pais e dos técnicos de intervenção. Foi utilizada uma metodologia mista, utilizando métodos quantitativos e qualitativos. Numa primeira abordagem quantitativa foi utilizado uma adaptação do questionário do estudo nacional HBSC (Currie et al., 2000; Matos et al., 2003), aplicado a uma amostra de 1037 adolescentes, com média de idade de 15.5 anos, residentes em zona carenciadas e com elevado número de população migrante oriunda dos PALOP. Posteriormente foi utilizada uma abordagem qualitativa, (grupos focais ou grupos de discussão centrados no tema), comportamentos sexuais e conhecimentos e atitudes face ao VIH/sida nos adolescentes migrantes, relacionando-o com os “cenários” do adolescente e com outros comportamentos associados, e também na intervenção comunitária que é realizada neste âmbito. Através do discurso de jovens africanos, dos pais e dos técnicos de intervenção que trabalham com eles, pretendeu-se clarificar a questão dos comportamentos sexuais de risco e de conhecimentos e atitudes face ao VIH/Sida nos adolescentes migrantes que vivem em Portugal. Foi efectuada uma análise de conteúdo, e para cada categoria e cada sub-categoria foram apresentados exemplos ilustrativos do discurso dos participantes. A presente investigação fornece informação relevante, no âmbito da intervenção, visando abranger a cultura, os factores socioeconómicos, as competências sociais e pessoais, a ocupação de tempos livres, o empowerment dos adolescentes e da comunidade envolvida, o trabalho em parceria e as boas práticas.

Palavras chave: Adolescência, Comportamentos sexuais, Conhecimentos e atitudes face ao VIH/Sida, Factores ligados à protecção, “Grupo focal”, Multiculturalidade.

 

Sexual behaviour, knowledge and attitudes about HIV/AIDS in migrant adolescents

Abstract: The present study pretend to characterized and highlight the risk factors and protective factors on sexual behaviour, knowledge and attitudes about HIV in migrant adolescents. A mixed methodology including quantitative and qualitative methods was used. In quantitative study, was used data from a specific study included in the Portuguese study HBSC-Health Behaviour in School-Aged Children, a World Health Organization collaborative study (Currie et al., 2000; Matos et al., 2003). The survey carried out in 2004, used the research protocol of the cross-national survey based on a self completed questionnaire. A global sample of 1037 adolescents (M=15.5 years old) participated in the survey. The method that was chosen for the qualitative research was the focus group, the aim is to get closer to the migrant adolescents, professionals that work with them, and parents, their opinions, attitudes, discourse and understanding regarding sexual behaviour, knowledge and attitudes about HIV, the influence from personal and social characteristics on that behavior and identify which are their risk factors and protective factors. The qualitative analyses supported the assumption that the existence of a migrant status and social economic status is associated with adolescent sexual behaviour, knowledge and attitudes about HIV, positive health and with adolescent relations with personal and social characteristics (family, peers, school and community support) mediates the association between a migrant status and positive health. Implications of the results and directions for further research and community interventions are discussed.

Key words: Adolescence, Focus group, Knowledge and attitudes about HIV, Multiculturalism, Sexual behaviour.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Referências

Baum, A., & Posluszny, D. (1999). Health psychology: mapping biobehavioral contributions to health and illness. Retirado em 20 de Janeiro de 2000 da World Wide Web: psych.annualreviews.org.

        [ Links ]

Carlson, C., Uppal, S., & Prosser, E. (2000). Ethnic differences en processes contributing to the self-esteem of early adolescent girls. Journal of Early Adolescence, 20(1), 44-67.

Centers for Disease Control and Prevention (2000). CDC Fact Book 2000/2001. Department of Health and Human Services. Retirado 10 de Dezembro de 2003 da Word Wide Web: www.cdc.gov/maso/

Currie, C., Hurrelmann, K., Settertobulte, W., Smith, R., & Todd, J. (2000). Health and health behaviour among young people. HEPCA series: World Health Organisation.

Currie, C., Samdal, O., Boyce, W., & Smith, R. (2001). HBSC, a WHO cross national study: research protocol for the 2001/2002 survey. Copenhagen: WHO.

DiClemente, R., Hansen, W., & Ponton, L. (Eds.). (1996). Handbook of adolescent health risk behavior. New York: Plenum Press.

DiClemente, R., Wingood, G., Crosby, R., Cobb, B. Harrinton, K., & Davies, S. (2001). Parent-adolescent communication and sexual risk behaviours among African Adolescents females. Journal of Pediatrics, 139(3), 407-412.

Frasquilho, M. (1996). Comportamentos-problema em adolescentes: Factores protectores e educação para a saúde: O caso da toxicodependência. Lisboa: Laborterapia.

Gaspar, T., & Matos, M. (2005). A saúde dos adolescentes: Diferenças ligadas ao género. In M. Matos (Eds.), Comunicação, gestão de conflitos e saúde na escola. Lisboa, Faculdade de Motricidade Humana.

Gaspar, T., Matos, M., Gonçalves, A., & Ramos, V. (no prelo). Desvantagem sócio-económica, etnicidade e consumo de álcool na adolescência. Análise Psicológica.

Hamburt, A. (1999). Preparing for life: The critical transition of adolescence. In R. Muuss & H. Porton (Eds.), Adolescent Behaviour (pp. 4-10). USA: McGraw-Hill College.

Kahssay, H.M., & Oakley, P. (Eds.). (1999). Community involvement in health development: A review of the concept and practice. Public Health Action, no. 5. Geneva: World Health Organization.

Lambert, M., Hublet, A., Verduyckt, P., Maes, L., & Broucke, V. (2002). Report of the project ‘Gender differences in smoking in young people’. The European Commission, Europe against Cancer. Belgium: FIHP.

Matos, M. (2005). Comunicação gestão de conflitos e saúde na escola. Lisboa: Edições FMH.

Matos, M., Gaspar, T., & Gonçalves, A. (2004). Adolescentes estrangeiros em Portugal: Factores ligados ao risco e à protecção. Psicologia, Doenças & Saúde, 5(1), 75-85.

Matos, M., Gonçalves, A., & Gaspar, T. (2005). Aventura social, etnicidade e risco/ /Prevenção primária do VIH em adolescentes de comunidades migrantes. IHMT/UNL – FMU/UTL – HBSC/OMS.

Matos, M.; Gaspar, T.; Vitória, P., & Clemente, M. (2003). Adolescentes e o tabaco: Rapazes e raparigas. Lisboa: FMH, CPT e Ministério da Saúde.

Matos, M., & equipa do Projecto Aventura Social & Saúde (2003). A saúde dos adolescentes Portugueses (quatro anos depois). Lisboa: FMH.

Matos, M., Gaspar, T., & Aventura Social (2003). Differences in lifestyles between Portuguese adolescents and adolescents that “come from elsewhere” do we have healthy alternatives promoting social inclusion? In Ces adolescents qui viennent d’ailleurs, Fondation de France, International Association of Adolescent Health, Institut Curie: Paris.

Matos, M., & Sardinha, L. (1999). Estilos de Vida activos e qualidade de vida. In L. Sardinha, M. Matos, & I. Loureiro (Eds.), Promoção da saúde: Modelos e práticas de intervenção nos âmbitos da actividade física, nutrição e tabagismo (pp. 163-182). Lisboa: FMH.

Pereira, M. (1993). Com quem falam os adolescentes sobre sexualidade? Ilações como base nos resultados de um questionário. Análise Psicológica, 3, 415-424.

Roberts, R., Phinney, J., Masse, L., Chen, Y., Roberts, C., & Romero, A. (1999). The structure of ethnic identity of young adolescents from diverse ethnocultural groups. Journal of Early Adolescence, 19(39), 301-322.

Whitaker, D., & Miller, K. (2000). Parent-adolescent discussions about sex and condoms: Impact on peer influences of sexual risk behaviour. Journal of Adolescent Research, 15(2), 251-273.

 

 

* Contactar para E-mail: Taniagaspar@fmh.utl.pt

Recebido em 26 de Março de 2006 / aceite em 4 de Outubro de 2006