SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 número1Uma análise qualitativa da convivência da mulher com sua endometrioseAuto-imagem, auto-estima e auto-realização: qualidade de vida na universidade índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia, Saúde & Doenças

versão impressa ISSN 1645-0086

Psic., Saúde & Doenças v.7 n.1 Lisboa  2006

 

Consumo de álcool, tabaco e droga em adolescentes: experiências e julgamentos de risco

Maria da Graça Vinagre*1, & Maria Luísa Lima2

1Escola Superior de Enfermagem de Calouste Gulbenkian de Lisboa

2Departamento de Psicologia Social e das Organizações, ISCTE, Lisboa

 

 

Resumo: A elevada prevalência de consumo de substâncias psicoactivas nos adolescentes e a alteração nos padrões de consumo constituem uma ameaça à sua saúde, bem-estar e qualidade de vida. Pretende-se assim contribuir para a compreensão do problema, através do estudo de algumas variáveis implicadas neste processo. Este estudo, inserido numa investigação mais vasta sobre o tema, tem como objectivos analisar o papel da experiência de consumo dos adolescentes nos julgamentos de risco, e verificar a influência do sexo e idade conjuntamente com as práticas de consumo nos julgamentos de risco. Participaram 585 estudantes dos 10º, 11º e 12º anos de escolas secundárias públicas de Lisboa, através do preenchimento de um questionário que permite caracterizar a sua experiência de consumo assim como a estimativa de risco face a situações/ /cenários construídos para o efeito. Os resultados revelaram que os adolescentes que não consomem percepcionam-se como mais susceptíveis às consequências negativas destes consumos quando comparados com os que têm essa experiência; e quanto maior o seu envolvimento nos consumos menor a estimativa de risco, à excepção do tabaco que parece ser, para a maioria, a substância mais ameaçadora, apesar de muitos continuarem a fumar. Na generalidade, são as raparigas, os adolescentes mais novos e os que possuem menos experiência que apresentam maior percepção de risco. Estes resultados apontam para alguns aspectos relevantes, a equacionar no planeamento e implementação de estratégias de prevenção e educação para o risco, no âmbito dos comportamentos de consumo nos jovens.

Palavras chave: Adolescentes, Consumo de substâncias, Experiência, Julgamento de risco.

 

Alcohol, cigarette and drug use of adolescents: experiences and risk judgments

Abstract: The elevated prevalence of substance use in adolescents associated to the change of consumer patterns are an important threat for their health, well-being and quality of life. This study attempts to contribute to a better understanding of this problem, studying some of the variables involved in this process. The current work, developed in the context of a larger study, was aimed to analyse the role of adolescents’ consumption experiences in risk judgments, and examine the influence of gender and age jointly with their practices of substance use in risk judgments. Five hundred and eighty-five students (10th to 12th grades) of high schools in Lisbon completed a questionnaire that made it possible to characterize their experiences of consumption, as well as the risk estimate faced in some constructed situations. The results showed that adolescents without experience of consumption estimated their chance of experiencing a negative outcome resulting from that behaviour as more likely than adolescents with such experience. Moreover, the higher the level of their involvement in substance use the perception of risk was actually lower. Smoking was the exception and that seemed to be, for the majority, the most health threatening substance. In spite of this, many of them will continue or would smoke. Generally, there are the girls, the younger adolescents and those that have less experience that showed a higher perception of risk. These results have emphasized some implications in developing prevention programmes and risk education linked to adolescents’ substance use.

Key words: Adolescents, Experiences, Risk judgment, Substance use.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Referências

Antunes, C., & Feijão, F. (2001). European School Survey Project on Alcohol and other Drugs – ESPAD 99: Síntese dos principais resultados apresentados na conferência de Imprensa. Lisboa: Instituto Português da Droga e da Toxicodependência – Presidência do Conselho de Ministros.

Biehl, M.A., & Halpern-Felsher, B. (2001). Adolescents’ and adults’ understanding of probability expressions. Journal of Adolescent Health, 28, 30-35.

Feijão, F., & Lavado, E. (2003). Assimetrias geográficas e jovens consumidores de drogas. Portugal 2001. Toxicodependências, 9(1), 73-84.

Feijão, F., & Lavado, E. (2004a). Inquérito nacional em meio escolar – 2001 – Ensino Secundário: Consumo de drogas e outras substâncias psicoactivas. Lisboa: Instituto da Droga e da Toxicodependência.

Feijão, F., & Lavado, E. (2004b). Resultados Preliminares do ESPAD/2003 – Portugal. Comunicação apresentada no Encontro Comemorativo do Dia Internacional de Luta contra a Droga e a Toxicodependência, 26 de Junho, Estoril.

Halpern-Felsher, B., Millstein, S.G., Ellen, J.M., Adler, N.E., Tschann, J.M., & Biehl, M. (2001). The role of behavioural experience in judging risks. Health Psychology, 20(2), 120-126.

Instituto da Droga e da Toxicodependência (2004). Relatório Anual 2003: A situação do país em matéria de drogas e toxicodependências. Vol. I – Informação estatística. Lisboa: IDT.

Instituto da Droga e da Toxicodependência (2005). Relatório Anual 2004: A situação do país em matéria de drogas e toxicodependências. Vol. I – Informação estatística. Lisboa: IDT.

Matos, M.G., & Equipa do projecto Aventura Social e Saúde (2003). A saúde dos adolescentes portugueses (Quatro anos depois). Lisboa: Edições FMH.

Millstein, S.G., & Halpern-Felsher, B.L. (2002a). Perceptions of risk and vulnerability. Journal of adolescent health, 31(1), 10-27.

Millstein, S.G., & Halpern-Felsher, B.L. (2002b). Judgments about risk and perceived invulnerability in adolescents and young adults. Journal of Research on adolescence, 12(4), 399-422.

Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência – OEDT (2005). Relatório Anual 2005: A evolução do fenómeno da droga na Europa. Lisboa, Portugal.

Slovic, P. (2003). Affect, analysis, adolescence, and risk. In D. Romer (Ed.), Reducing adolescent risk: Toward an integrated approach (pp. 44-48). Thousand Oaks – Califórnia: Sage Publications.

 

 

* Contactar para E-mail: gvinagre@sapo.pt

Recebido em 15 de Novembro de 2005 / Aceite em 3 de Janeiro de 2006