SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número1Efeitos da Modernidade na Saúde: Adaptação e Validação da Modern Health Worries Scale para a População Portuguesa índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia, Saúde & Doenças

versão impressa ISSN 1645-0086

Psic., Saúde & Doenças v.6 n.1 Lisboa jul. 2005

 

A Depressão Pós-Parto em Vozes que Interpretam

Modesto Leite Rolim Neto*1, Vera Maria da Rocha1, & Leocassio Barbosa da Silva2

1Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN, Natal, Brasil

2Diretor da Carpe Diem Consulting, Cajazeiras, Paraíba, Brasil

 

RESUMO: O objectivo é conhecer as dificuldades e práticas vivenciadas pelas portadoras da depressão pós-parto, enquanto distúrbio do humor, no vínculo mãe-filho e suas repercussões nos significados estabelecidos à experiência de ser mãe.

Foram entrevistadas 41 pacientes, com média de idade variando entre 20 a 49 anos, do total de 106 atendidas na Unidade de Atenção Básica Auta Alves Ferreira, na cidade de Aparecida, localizada no interior da Paraíba. Foram escolhidas uma amostra de 21 mulheres, por apresentarem um perfil de inclusão, propício ao mapeamento da depressão pós-parto. As pacientes elegíveis deviam ser encaminhadas pelas 02 (duas) equipes de PSF (uma da zona urbana e outra da zona rural), com hipótese diagnóstica de transtorno psíquico do puerpério; estarem no acompanhamento psicológico e assinarem o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Um diário de campo subsidiou os registros das informações. O inventário de Beck para depressão complementou a inclusão e o acompanhamento das pacientes. Os dados foram analisados estatisticamente.

Confirmamos os achados das mais recentes pesquisas que o abandono infantil no período pós-parto ocorre em situações onde se somam múltiplos e graves fatores, tais como a miséria (86,7%), pouca escolaridade (67%), falta de rede de apoio (36,5%), relações familiares da mãe comprometidas (12%) e ausência de envolvimento do pai (91,5%).

O sentimento de dor e sofrimento psíquicos, oriundos da depressão pós-parto, é o mais enfocado pelas mulheres (87%) porque é ele que desencadeia o maior número de desconfortos, dada a sua difícil dominação.

Palavras chave: Depressão pós-parto, Sofrimento psíquico, Vínculo mãe-filho.

 

Postpartum Depression and its Repercussions in the Meanings

ABSTRACT: The aim is to understand the difficulties and experienced of individuals suffering from postpartum depression, related to mood disturbances, the mother-child bond and its repercussions in the meanings established for the experience of being a mother.

Forty-one patients were interviewed, with ages ranging from 20 to 49 years, from a total of 106 attended at the Auta Alves Ferreira Primary Care Unit, in the city of Aparecida, in the interior of the state of Paraíba, Brazil. A sample of 21 women was selected, presenting an inclusion profile, propitious to mapping postpartum depression. The eligible patients were referred by two PSF (Health Family) teams (one each from the urban and rural zones), aimed at diagnosing the psychic disturbance of the perperium. They were accompanied by a psychologist and all signed an informed consent form. A field diary supported the information recorded. Beck's Depression Inventory complemented the inclusion and follow-up of the patients. The data were analyzed statistically.

We confirmed the findings of the most recent studies that infant abandonment in the postpartum period occurs in situations where multiple and serious factors add up, such as misery (86.7%), little schooling (67%), lack of a support network (36.5%), estrangement of the mother's family relations (12%) and lack of paternal involvement (91.5%).

The feeling of psyching pain and suffering, resulting from postpartum depression, is the most emphasized by women (87%) because it triggers the greatest discomfort, due to the difficulty in overcoming it.

Key words: Mother-child bond, Postpartum depression, Psychic suffering.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS

Abell, P. (1987). The syntax of social life: The theory and method of comparative narratives. Oxford: Oxford University Press.         [ Links ]

Abell, P. (1993). Some aspects of narrative method. The Journal of Mathematical Sociology,18,93-134.

Bernstein, B. (1990). The structuring of pedagogic discourse. Londres: Routledge.

Cacilhas, A.A. (1993). Considerações sobre a comunicação e o vínculo mãe-bebê e correlações com o trabalho psicoterápico. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 15(3), 227-233.

DSM-IV. (1995). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre: Artes Médicas.

Falceto, O.G., Quinalha, A.F., Tetelbom, M., Maltz, F., Campos, M.T., & Sanchez, P. (1994). Abandono infantil no pós-parto imediato: estudo de casos. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 16(1), 80-88.

Gozzano, J.O.A., Politi, P., Abib, S.C.V., & Oliveira, S.M.P.B. (1989). Estado de depressão e ansiedade em puérperas. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 38(2), 59-61.

Jacques, M.G., & Wanderley, C. (2002.). Saúde mental e trabalho: Leituras. Petrópolis: Vozes.

Jamison, K.R. (1996). Uma mente inquieta: memórias de loucura e instabilidade de humor. São Paulo: Martins Fontes.

Jamison, K.R. (2002). Quando a noite cai: entendendo o suicídio. Rio de Janeiro: Gryphos.

Jovchelovitch, S., & Bauer, M.W. (2002). Entrevista narrativa. In M.W.Bauer & G. Gaskell (Eds.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático (pp. 90-113). Petrópolis, RJ: Vozes.

Mayring, P.H. (1983). Qualitative inhaltsanalyse: Grundlagen und Techniken. Basel: Beltz.

Mcneil, T.F. (1986). A prospective study of post partum episodes. Acta Psychiatrica Scandinavica, 74, 205-216.

Meltzeres, K.R. (1985). Puerperal mental illness, clinical features and classification: A study of 142 mothers-and-baby admissions. British Journal Psychiatry, 147, 647-654.

Minayo M.C.S. (1994). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec/ABRASCO.

Peres, U.T. (2003). Depressão e melancolia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores.

Ribeiro, C.S. (2002). Depressão Pós-parto e Relação Mãe e Filho. PsiqWeb[online] disponível em: http://gballone.sites.uol.com.br/colab/carmem.html].

Ricouer, P. (1994). Tempo e narrativa. Campinas: Papirus.

Santos, B.S. (1988). Uma cartografia simbólica das representações sociais. Revista Crítica de Ciências Sociais, 24, 139-172.

Seger, C.P. (1960). A controled study of postpartum mental illness. Journal of Mental Science, 106, 214-230.

Spencer, J. (1993). The usefulness of qualitative methods in rehabilitation: Issues of meaning of context and of change. Archives Physical Medicine and Rehabilitation, 74, 119-126.

 

*Contactar para E-mail: modestoleiterolim@bol.com.br