SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número1Aspectos Psicossociais da Medicina Preditiva: Revisão da Literatura sobre Testes de Riscos GenéticosEscala Toulousiana de Coping (ETC): Estudo de Adaptação à População Portuguesa índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia, Saúde & Doenças

versão impressa ISSN 1645-0086

Psic., Saúde & Doenças v.6 n.1 Lisboa jul. 2005

 

A Relação entre Tabagismo e Características Socio-Demográficas em Universitários

Regina de Cássia Rondina*1, Ricardo Gorayeb2, Clóvis Botelho3, Ageo Mário Cândido da Silva4

 

1Faculdade de Ciências da Saúde (FASU/ACEG) de Garça, São Paulo, Brasil

2Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil

3Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e da Universidade de Cuiabá (UNIC), Brasil

4Universidade de Cuiabá (UNIC), Brasil

 

RESUMO: A relação entre característico sócio-demográfico e consumo de tabaco pode subsidiar a elaboração de programas de natureza preventiva contra iniciação e/ou dependência nicotínica. O objetivo do estudo é investigar a associação entre características sócio-demográficas e tabagismo em uma amostra de universitários. Foram sorteados aleatoriamente, 1245 acadêmicos matriculados na UFMT em 2001.

Aplicou-se um questionário para levantamento do perfil sócio-demográfico e padrão de consumo de tabaco da população. Utilizou-se o Teste de Fagerström (1978), para avaliação do grau de dependência dos fumantes. Os estudantes foram agrupados em três categorias: "fumantes" (F), "ex-fumantes" (EF), e "não-fumantes" (NF). Efetuou-se duas análises de regressão logística, respectivamente, tomando-se as categorias F x NF e F x EF como variáveis "dependentes". Universitários fumantes, foram classificados como "dependentes" ou "não-dependentes", segundo a pontuação no teste de Fagerström. Efetuou-se uma regressão linear múltipla, para investigar a associação entre as pontuações no teste e fatores sócio-demográficos. Foi encontrada uma prevalência de 6,67% de fumantes, 6,58% ex-fumantes e 86,73% não fumantes.

Na primeira análise de regressão logística múltipla, apenas o fator idade permaneceu associado à categoria Fumantes. Na segunda análise, apenas os fatores idade, área do curso e idade de início do consumo, permanecem associados à categoria ex-fumantes. Universitários fumantes tendem a se concentrar nas faixas etárias mais altas. Acadêmicos de cursos da área de biológicas/saúde têm mais probabilidade de interromper o consumo, em comparação aos de humanas.

Palavras chave: Características sócio-demográficas, Tabagismo.

 

Relationship between Socio-Demographic Characteristics and the Consumption of Tobacco in University Students

ABSTRACT: The relationship between socio-demographic characteristics and the consumption of tobacco may subsidize the elaboration of programs of a preventive nature against the beginning of the smoking habit and/or dependence. The aims of the study is to investigate the association between socio-demographic characteristics and smoking within a sample of university students, 1245 students enrolled at UFMT in 2001 were chosen at random.

A questionnaire was applied to verify the population's socio-demographic profile and tobacco consumption pattern. The Fagerström test (1978) was used to asses the degree of dependence of the smokers. The students were grouped in three categories: "smokers" (F), "former-smokers" (EF), and "non-smokers" (NF).Two logistic regression analyses were executed, respectively considering the categories F x NF and F x EF as "dependent" variables. "Smoking" students were classified as "dependent" or "non-dependent", according to the Fagerström test score. Multiple linear regression was executed to investigate the association between the test scores and socio-demographic factors. A 6,7% prevalence of smokers was detected, 6,58% of former-smokers and 86,73% of non-smokers.

In the first multiple logistic regression analysis, only the age factor remained associated with the Smoker category. In the second analysis, only the factors age, course area and age the student began smoking remain associated with the former-smoker category. Smoking university students tend to concentrate within the higher age group. Students in courses of the biology/health area have a greater possibility of interrupting the consumption, in comparison to those of humanities.

Key words: Smoking, Socio-demographic characteristics.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS

Aray, Y., Hosokawa, T., Fukao, A., Izumi, Y., & Hisamichi, S. (1997). Smoking behavior and personality: a population-based study in Japan. Addiction, 92, 1023-33.         [ Links ]

Cancec, I.E., Medina, L.E., & Miranda, E.C. (1994). Tabaquismo en una población de estudiantes universitários. Cuadernos Medicos-Sociales, 35, 34-37.

Cavalcante, J. (2002). O impacto mundial do tabagismo. Fortaleza, Realce.

Cinciripini, P.M., Hecht, S.S., Henningfield, J.E., Manley, M.W., & Kramer, BS. (1997). Tobacco addiction: Implications for treatment and cancer prevention. Journal of the National Cancer Institute, 89, 1852-1867.

Deitos, F.T., & Santos, R.P. (1998). Prevalência do consumo de tabaco, álcool e drogas ilícitas em estudantes de uma cidade de médio porte no sul do Brasil. Informação Psiquiátrica, 17, 11-16.

Ezzali, M., & Lopes, A.D. (2003). Estimates of global mortality attributable to smoking in 2000. Lancet, 362, 847-52.

Fagerström, K.O. (1978). Measuring degree of physical dependence to tobacco smoking with reference to individualization of treatment. Addictive Behaviors, 3, 235-241.

Gilbert, D.G., & Gilbert, B.O. (1995). Personality, psychopathology and nicotine response as mediators of the genetics of smoking. Behavior Genetics, 25, 133-47.

Griep, R.H. (1996). Tabagismo entre trabalhadores de um banco estatal. Dissertação de Mestrado - Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro.

Horta, B.L., Calheiros, P., Pinheiro, R.T., Tomasi, E., & Amaral, KC. (2001). Tabagismo em adolescentes de área urbana na região sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, 35(2)159-164.

Jorm, A.F., Rodgers, B., Jacomb, P.A., Christensen, H., Henderson, S., & Korten, A.E. (1999). Smoking and mental health: Results from a community survey. The Medical Journal of Austrália, 170, 74-77.

Menezes, A., Palma, E., Holthausen, R., Oliveira, R., Oliveira, P.S., Devens, E., Steinhaus, L., Horta, B., & Victora, C.G. (2001). Evolução temporal do tabagismo em estudantes de medicina, 1986, 1991, 1996. Revista de Saúde Pública, 35(2), 165-169.

Ministério da saúde, Instituto Nacional do Câncer, Coordenação Nacional de Controle do Tabagismo e Prevenção Primária do Câncer (Contapp) (1996). Falando Sobre Tabagismo (2ª ed.). Rio de Janeiro (RJ).

Ministério da saúde, Secretaria Nacional de Assistência à Saúde, Instituto Nacional do Câncer. Coordenação Nacional de Controle do Tabagismo e Prevenção Primária do Câncer (Contapp) (1997). Ajudando seu paciente a parar de fumar. Rio de Janeiro, INCA.

Ministério da saúde, Instituto Nacional do Câncer-INCA. Coordenação de Prevenção e Vigilância (Conprev) (2001). Abordagem e tratamento do fumante - Consenso 2001. Rio de Janeiro, INCA.

Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Instituto Nacional de Câncer - INCA. (2002). Estimativas da Incidência e Mortalidade por Câncer. Rio de Janeiro.

Muza, G.M., Bettiol. H., Muccillo, G., & Barbieri, M.A. (1997). Consumo de substâncias psicoativas por adolescentes escolares de Ribeirão Preto, SP (Brasil). I - Prevalência de consumo por sexo, idade e tipo de substância. Revista de Saúde Pública, 31, 21-29.

Pinho, A., & Heemann, J. (1996). Verificação da pressão arterial e incidência de tabagismo numa amostragem de 7748 indivíduos na cidade de Pelotas. Revista da UCPEL, 6, 117-123.

Pomerleau, O.F. (1997). Nicotine dependence. In C.T. Bolliger & K.-O. Fagerstrom (Eds.), Progress in Respiration Research: The Tobacco Epidemic. (vol. 28, pp. 122-131). Basel: S. Karger.

Ribeiro, S.A., Jardim, J.R., Laranjeira, R.R., Alves, A., Kesselring, F., Fleissig, L., Almeida, M., Matsuda, M., & Hamamoto, R.S. (1999). Prevalência de tabagismo na Universidade Federal de São Paulo, 1996 - dados preliminares de um programa institucional. Revista da Associação Medica Brasileira, 45 (1) 39-44.

Rondina, R.C., Botelho, C., & Moratelli, H. (2001). Tabagismo e características da personalidade em estudantes universitários. Revista de Psiquiatria Clínica, 28, 52-59.

Simões, M.J. (1982). Tabagismo entre acadêmicos de Araraquara - SP. Revista de Ciências Farmacêuticas, 4, 59-67.

Soares, M.J., Rolim, F., Leite, E., Lobão, A., Lima, F., & Costa, M.D. (1995). Padrões de consumo de substâncias psicoativas lícitas entre estudantes universitários do campus l - Universidade Federal da Paraiba, Centro de Ciências da Saúde, 14(2), 33-37.

Thornton, A., Peter, L., & Fry, J. (1994). Differences between smokers, ex-smokers, passive smokers and non-smokers. Journal of Clinical Epidemiology, 47, 1143-1162.

Tucker, J.S., Friedman, H.S., Keasey, C., Schwartz, J.E., Wingard, D., Criqui, M., & Martin, L. (1995). Childhood Psychosocial Predictors of Adulthood Smoking, Alcohol Consumption, and Physical Activity. Journal of Applied Social Psychology, 25(21), 1884-1899.

 

*Contactar para E-mail: rcassiar@terra.com.br