SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 número2Contribuição para uma validação conservadora da escala reduzida de ajustamento mental ao cancro (Mini-MAC)Aspectos da motivação para o trabalho voluntário com doentes oncológicos: um estudo colaborativo entre Brasil e Portugal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia, Saúde & Doenças

versão impressa ISSN 1645-0086

Psic., Saúde & Doenças v.4 n.2 Lisboa nov. 2003

 

Ouvindo Loucos: Construindo Possibilidades de Viver com Autonomia

Maria Inês Badaró Moreira1& Ângela Nobre de Andrade2

1 Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Vale do Rio Doce, Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil

2 Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo, Brasil

 

RESUMO: Análise sobre a autonomia dos portadores de transtorno mental grave, sob o olhar do próprio usuário. Pesquisa de cunho qualitativo, com análise de dados de prontuários médicos e entrevistas. Participaram deste estudo seis usuários de um centro de atenção em saúde mental no Estado de Minas Gerais/Brasil. A partir da análise de conteúdo das fontes, observou-se que têm habilidades sociais compatíveis com sua manutenção na comunidade, estabelecem bom nível de comunicação e entendimento de sua condição de vida. Percebe-se que os usuários inseridos nesse serviço são capazes de estabelecer trocas com a comunidade em geral e realizam atividades sociais que sugere conquista de autonomia. Contudo ainda estão vivendo em mundos restritos, com estreitos espaços de trocas, o que dificulta o estabelecimento dos contratos sociais, que poderia gerar mais autonomia. Conclui-se que o alto nível de miserabilidade e a pouca integração entre os profissionais e a comunidade têm influenciado negativamente nesta conquista.

Palavras chave: Autonomia, Cuidados comunitários, Saúde mental, Serviços abertos.

 

Listening to the Insane: Building Possibilities of Living with Autonomy

ABSTRACT: Analysis about the autonomy of serious mental disturbance carries under the subjects own. Quality research with analysis of data from medical reports and interviews. Six subjects of a Mental Health Attention Center of Minas Gerais/Brazil participated in the study. From the analysis of the content of the sources it was observed that they have compatible social abilities with their maintenance in the community, they establish a good level of communication and understanding of their life condition. It is perceived that the subjects engaged in these services are able to establish meaningful changes with the community in general and accomplish social activities considered autonomous production. However, they are still living in restrict worlds, with narrow changing spaces which make it difficult to establish social contracts that could create more autonomy. It is concluded that the large misery and the little integration among psychology apparatus and the community are negative influence for this conquest.

Key words: Autonomy, Mental health, Outdoors services, Care community.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS

 

Aguiar, W.M.J. (2001). A pesquisa em psicologia sócio-histórica: Contribuições para o debate metodológico. In AM.B. Bock, M.G.M. Gonçalves, & O. Furtado (Orgs.), Psicologia sócio-histórica: Uma perspectiva crítica em psicologia (pp. 129-140). São Paulo: Cortez.         [ Links ]

Alves-Mazzoti, A.J. (1998). O método nas ciências sociais. In F. Gewandsznajder & A.J. Alves-Mazzoti (Orgs.), O método nas ciências naturais e sociais - Pesquisa quantitativa e qualitativa (pp. 129-147). São Paulo: Pioneira.

Andrade, A.N. (2001). Clinice Laborde: O Exercício de práticas não excludentes. In Novo, H., Souza, L., & Andrade, A.N. (Orgs.) Ética, Cidadania e Participação. Debates no campo da psicologia (pp. 81-97). Vitória: Edufes: CCHN Publicações.

Bandeira, M. (1993). Reinserção de doentes mentais na comunidade: Fatores determinantes das re-hospitalizações. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 42(9), 491-498.

Banderia, M., et al. (1994). Desinstitucionalização: Importância da infra-estrutura comunitária de saúde mental. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 43(12), 659-666.

Bardin, L. (1995). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Brasil. Ministério da Saúde (1999). Por uma Política de Saúde Mental. Área Técnica de Saúde Mental. Departamento de Políticas Estratégicas, Secretaria de Políticas de Saúde. Brasília.

Brasil (2001). Congresso Nacional. Lei 10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadores de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União de 09 de Abril.

Carvalho, A., & Amarante, P. D. (1996). Avaliação de qualidade dos novos serviços de saúde mental: Em busca de novos parâmetros. Saúde em Debate, 52, 74-82.

Corrigan, P.W. & Watson, A.C. (2002). Understanding the impact of stigma on people with mental illness. World Psychiatry 1(1), 16-20.

Doron, R., & Parot, F. (2000). Dicionário de Psicologia (pp. 102-103). São Paulo: Editora Ática.

Fagundes, P. (1998). Desinstitucionalização da assistência psiquiátrica - Algumas questões cruciais. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 47(4), 163-168.

Ferreira, A.B.H. (1999). Novo Dicionário Aurélio Século XXI (3ª ed., pp. 163). Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

Goffman, E. (1974). Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Editora Perspectiva.

Kinoshita, R.T. (2001). Contratualidade e Reabilitação Psicossocial. In A. Pitta (Org.), Reabilitação Psicossocial no Brasil (2ª ed., pp. 55-59). Hucitec: São Paulo.

Leal, E.M. (2001). Clínica e subjetividade contemporânea: A questão da autonomia na reforma psiquiatria brasileira. In A.C. Figueiredo & M.T. Cavalcanti (Org.). A reforma psiquiátrica e os desafios da desinstitucionalização - Contribuições à II conferência Nacional de Saúde Mental (pp. 69-83). Rio de Janeiro: IPUB/CUCA.

Lobosque, A.M. (2001). Experiências da Loucura. Rio de Janeiro: Garamond.

Ludke, M., & André, M.E.D.A. (1986). Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Machado, A.L. (2001). Espaços de representação da loucura: Religião e psiquiatria. Campinas, SP: Papirus.

Minayo, M.C.S. (1999). O Desafio do conhecimento - Pesquisa Qualitativa (6aed.). São Paulo: Hucitec.

Oliver, F.C., & Nicácio, F. (1999). Da instituição asilar ao território: Caminhos para produção de sentido nas intervenções em saúde. Revista de Terapia Ocupacional da USP, 10(2/3), 60-68.

Rotelli, F. (1990). (Org.). Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec.

Villares, C.C. (2000). Adaptação transcultural de intervenções psicossociais na esquizofrenia. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22(1), 53-55.