SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.3 número1O consentimento informado na investigação em psicologia da saúde é necessário?Cancro infantil e comportamento parental índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia, Saúde & Doenças

versão impressa ISSN 1645-0086

Psic., Saúde & Doenças v.3 n.1 Lisboa  2002

 

Brincar no hospital: câncer infantil e avaliação doenfrentamento da hospitalização

Alessandra Brunoro Motta * & Sônia Regina Fiorim Enumo

Programa de Pós-Graduação em Psicologia: Universidade Federal do Espírito Santo – Brasil.

 

Resumo: A hospitalização pode trazer prejuízos ao desenvolvimento da criança com câncer. Para lidar com essa situação, o brincar tem funcionado como estratégia de enfrentamento. Analisando a importância do brincar no hospital, esta pesquisa avaliou as estratégias de enfrentamento da hospitalização, a partir de relatos de 28 crianças, meninas e meninos (6 a 12 anos), inscritas no Serviço de Oncologia de um hospital público de Vitória, ES, Brasil. Propôs-se um instrumento de avaliação do enfrentamento da hospitalização: AEH (Avaliação das Estratégias de Enfrentamento da Hospitalização), com 41 pranchas ilustradas, divididas nos Conjuntos: A – Enfrentamento da Hospitalização e B – Brincar no Hospital. Os resultados indicaram respostas de enfrentamento mais positivas (brincar, ler gibi, conversar, rezar) do que negativas (esconder-se, sentir culpa, chantagear). Brincar correspondeu a 78,6% das respostas relacionadas ao que a criança hospitalizada gostaria de fazer, justificado pela função lúdica. O instrumento mostrou-se adequado à compreensão e atendimento psicológico da hospitalização.

Palavras chave: Câncer infantil, Estratégias de enfrentamento da hospitalização e brincar no hospital.

 

Playing at the hospital: child cancer and assessment instrument ofcoping with hospitalization

Abstract: Hospitalization may harm the development of the child with cancer. In order to deal with this situation, playing has worked as a coping strategy. Analizing the importance of playing in the hospital, this research has evaluated the coping strategies in hospitalization based upon 28 children who testified. These children ranged from 6 to 12 years old and they were signed up at the Oncology Ward of a public hospital in Vitória, ES. An instrument of assessment of coping with hospitalization was proposed: Assessment Instrument of Coping with Hospitalization, with 41 illustrative sketch boards split in sets: A – Coping with Hospitalization and B – Playing in the Hospital. The results indicated coping responses which were a lot more positive (playing, reading comics, praying) than negative ones (hiding, feeling guilty, emotional blackmailing). Playing was 78,6% of the answers related to what the hospitalized child would like to do, justified by its role as a learning tool. The instrument proved to be appropriate to the comprehension and psychological care during hospitalization.

Key words: Child cancer; Coping strategies in hospitalization and playing at the hospital.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

Referências

Antoniazzi, A.S., Dell’aglio, D.D., & Bandeira, D.R. (1998). O Conceito de Coping: Uma revisão teórica. Estudos de Psicologia, 3 (2), 273-294.

Assumpção, F., Kuczynski, E., Sprovieri, M.H., & Aranha, E.M.G. (2000). Escala de Avaliação de Qualidade de Vida: Validade e confiabilidade de uma Escala para Qualidade de Vida em crianças de 4 a 12 anos. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 58 (1), 119-127.

Barbosa, J.A., Fernandes, M.Z., & Serafim, E.S. (1991). Atuação do Psicólogo no Centro de Oncologia Infantil: Relato de uma experiência. Jornal de Pediatria, 67, 344-347.

Bertazzi, R.G.M., & Pandini, A.L.R. (1992). Reações psicológicas evocadas em crianças com câncer submetidas a radioterapia. Revista de Psicologia Hospitalar, 2 (2), 21-27.

Brasil/INCA. (2000). Particularidades do Câncer Infantil. Brasília, DF: Instituto Nacional do Câncer-INCA.

Cerqueira, A.T.A.R. (2000). O Conceito e Metodologia de Coping: Existe consenso e necessidade?. In R.R. Kerbauy (Org.), Sobre Comportamento e Cognição: Psicologia Comportamental e Cognitiva – Conceitos, pesquisa e aplicação, a ênfase no ensinar, na inovação e no questionamento clínico (Vol. 5, pp. 279-289). Santo André/SP: Arbytes Editora.

Chen, E., Zeltzer, L.K., Craske, M.G., & Katz, E.R. (2000). Children’s Memories for Paintful Cancer Treatment Procedures: Implications for distress. Child Development, 71 (4), 933-947.

Costa Jr., A.L. (1999). Psico-Oncologia e Manejo de Procedimentos Invasivos em Oncologia Pediátrica: Uma revisão de literatura. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12 (1), 107-118.

Fávero, M.H., & Salim, C. M. R. (1995). A relação entre os conceitos de saúde, doença e morte: Utilização do desenho na coleta de dados. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 11 (3), 181-191.

Françani, G.M., Zilioli, D., Silva, P.R.F., Sant’ana, R.P.M., & Lima, R.A.G. (1998). Prescrição do Dia: Infusão de alegria. Utilizando a Arte como Instrumento na Assistência à Criança Hospitalizada. Rev. Latino-Americana de Enfermagem, 6 (5), 27-33.

Garcia, I. (1996). Crianças Submetidas a procedimentos invasivos e/ou dolorosos: Intervenções psicossociais. Pediatria Moderna, 32 (6), 656-658.

Lazarus, R., & Folkman, S. (1984). Stress, Appraisal, and Coping. New York: Springer Publishing Company.

Lindquist, I. (1993). A Criança no Hospital: Terapia pelo Brinquedo (R.Z. Altman). São Paulo, SP: Scritta. (Original publicado em 1970).

Lipp, M.E.N. (1991). Como Enfrentar o Stress Infantil. São Paulo, SP: Ícone.

Lipp, M.E.N., & Lucarelli, M.D.M. (1998). Manual da Escala de Stress Infantil – ESI, São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Löhr, S.S. (1992). Uma análise de entrevistas com acompanhantes e de observação de crianças com leucemia numa tentativa de sua compreensão psicológica. Dissertação de Mestrado não publicada, Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Löhr, S.S. (1998). Crianças com câncer: Discutindo a intervenção psicológica. Tese de Doutorado não publicada, Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Löhr, S., & Silvares, E.F.M. (1998). Escala de Avaliação do comportamento da criança. In Löhr, S.S. (Ed.), Crianças com câncer: Discutindo a intervenção psicológica (pp. 136-138). Tese de Doutorado não publicada, Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Manne, S.L., Bakeman, R., Jacobsen, P., & Redd, W.H. (1993). Children’s coping during invasive medical procedures. Behavior Therapy, 24, 143-158.

Masetti, M. (1997). Soluções de palhaços: Transformações na realidade hospitalar. São Paulo: Palas Athena.

Méndez, F.X., Ortigosa, J.M., & Pedroche, S. (1996). Preparación a la hospitalización infantil (I): Afrontamiento del estrés. Psicologia Conductual, 4 (2), 193-209.

Savóia, M.G., Santana, P.R., & Mejias, N.P. (1996). Adaptação do Inventário de Estratégias de Coping de Folkman e Lazarus para o Português. Psicologia USP, 7 (1/2), 183-201.

Skinner, B.F. (1978). Ciência e Comportamento Humano (J.C. Todorov & R. Azzi). 4a Ed., São Paulo: Martins Fontes (Original publicado em 1965).

Spielberg, C.D. (1983). Manual do Inventário de Ansiedade Traço-Estado – IDATE-C (A.M.B. Biaggio & L. Natalício). Rio de Janeiro, RJ: CEPA (Original publicado em 1970).

Valle, E.R.M. (1997). Câncer Infantil: Compreender e agir. São Paulo: Editorial Psy.

Valle, E.R.M., & Françoso, L.P.C. (1992). Depoimento de crianças com câncer no curso de seu tratamento quimioterápico. Revista de Psicologia Hospitalar do HC, 2 (1), 27-34.

Van Dongen-Melman, J.E.W.M., & Sanders-Woudstra, J.A.R. (1986). Psychosocial Aspects of Childhood Cancer: A review of the literature. Journall of Child Psychology and Psychiatry., 27 (2), 145-180.

 

 

* Contactar para E-mail: abmotta.vix@zaz.com.br