SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número2Construção, Adaptação e Validação da Escala de Auto­‑Eficácia Académica (EAEA)Validação intercultural do Emotional Skills and Competence Questionnaire (ESCQ) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia

versão impressa ISSN 0874-2049

Psicologia v.20 n.2 Lisboa  2006

 

Motivação, Sucesso e Transição para o Ensino Superior

 

Ângela Sá Azevedo1

Luísa Faria2

 

Resumo: A transição do ensino secundário para o ensino superior apresenta­‑se ao jovem, simultaneamente, como um desafio e uma ameaça, considerando quer as restritas condições de acesso ao ensino superior, quer as diferentes exigências e descontinuidades existentes entre estes dois ciclos de ensino.

Surge, então, uma questão nuclear: Será que os alunos mais motivados (com um auto­‑conceito e uma auto­‑estima positivos, bem como atribuições internas, está­veis e controláveis para os seus resultados) são os que se adaptam melhor ao ensino superior e apresentam maior sucesso académico?

No sentido de responder a esta questão, foram, por nós, realizados vários estudos, dos quais vamos apresentar, neste trabalho, os resultados mais representativos, a saber: os correlacionais, com uma amostra de 649 alunos do 12.º ano (avaliação da relação entre motivação e sucesso académico), e os de teste­‑reteste, com uma amostra de 62 alunos do ensino superior, sendo de realçar que encontramos corre­lações positivas e significativas, especialmente entre o auto­‑conceito académico e o sucesso académico, tendo­‑se, ainda, constatado mudanças intra­‑individuais do auto­‑conceito, num sentido mais positivo.

Palavras­‑chave: transição, motivação, adaptação.

 

 

Motivation, Success, and Transition to University

Abstract: The transition from high school to university is simultaneously a challenge and a threat due either to the access constraints to higher education, and also to the gap between the two education cycles.

One should ask a central question: Will the highly motivated students (those with positive self­‑concept, positive self­‑esteem, and stable and controllable internal attributions to their performance) be more fitted to university? Will they achieve higher academic scores?

In order to answer these questions several studies were made using a sample of 649 high school students (for the evaluation of the relation between motivation and success) and 62 undergraduate students (for a test­‑retest study). The more relevant and significant findings are discussed in this paper, such as the significant correlations between academic self­‑concept and academic success and the positive intra­‑subject change in self­‑concept.

Keywords: transition, motivation, adaptation.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Referências

Antunes, C. (1994). O apoio social e o conceito de si próprio na adolescência. Tese de Mestrado. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universi­dade do Porto. Porto: Edição do autor.        [ Links ]

Azevedo, A., & Faria, L. (2001). Impacto das condições pessoais e contextuais na transição do ensino secundário para o ensino superior. Revista da UFP, 6, 257­‑269.

Azevedo, A., & Faria, L. (2003). Questionário de atribuições e dimensões causais: qualidades psicométricas no contexto escolar português. Revista Galego­‑Portuguesa de Psicoloxía e Education,8 (Vol. 10), Ano 7, 1138­‑1663.

Baumeister, R. F., & Tice, D. M. (1985). Self­‑esteem and responses to success and failure: Subsequent performance and intrinsic motivation. Journal of Persona­-l­ity,53, 450­‑467.

Baumeister, R. F., Tice, D. M., & Hutton, D. G. (1989). Self­‑representation, moti­vation and personality differences in self­‑esteem. Journal of Personality,57, 547­‑579.

Belo, S., Faria, L., & Almeida, L. (1998). Adaptação ao ensino superior: importân­cia do auto­‑conceito dos estudantes. In L. Almeida, R. Gomes, P. Albuquerque, & S. Caires (Eds.), Actas do IV Congresso Galaico­‑Português de Psicopeda­gogia (pp. 60­‑68). Braga: Universidade do Minho.

Bronfenbrenner, U. (1979). The ecology of human development. Cambridge: Harvard University Press.

Bronfenbrenner, U. (1981). L’ecologie expérimentale de l’éducation.In Beaudot(Org.), Sociologie de l´école – pour une analyse de l´établissement Scolaire. Paris: Bordas.

Brown, J. D., Collins, R. L., & Schmidt, G. W. (1988). Self­‑esteem and direct versus indirect forms of self­‑enhancement. Journal of Personality and Social Psycho­logy, 55, 445­‑453.

Burns, R. B. (1982). Self­‑concept development and education. London: Dorset Press.

Byrne, B. M. (1986). Self­‑concept/academic achievement relations: An investigation of dimensionality, stability and causality. Canadian Journal of Behavioral Science, 18, 173­‑186.

Byrne, B. M., & Shavelson, R. (1986). On the structure of adolescent self­‑concept. Journal of Educational Psychology, 78, 474­‑481.

Correia, M. L. (1991). Auto­‑percepção e auto­‑estima em crianças com competência no 1.º ciclo do ensino obrigatório. Psicologia, VIII (1), 45­‑55.

Cubero, R., & Moreno, M. C. (1992). Relaciones sociales: família, escuela, compa­ñeros, años escolares. In J. Palácios, A. Marclose & C. Coll (Eds.), Desarrollo psicológico y educación, I – Psicologia evolutiva (4.ª ed., pp. 285­‑296). Madrid: Alianza Editorial.

Dias, M. G. F. (1996). Tarefas desenvolvimentais e bem­‑estar de jovens. Tese de Doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universi­dade do Porto. Porto: Edição do autor.

Dias, M. G. F., & Fontaine, A. M. (2001). Tarefas desenvolvimentais e bem­‑estar de jovens universitários (caps. 4, 6 e 7). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Duarte, A. M., & Faria, L. (submetido a publicação). O auto­‑conceito em estudantes universitários de Desporto e Educação Física da Universidade do Porto.

Faria, L. (1995). Desenvolvimento diferencial das concepções pessoais de inteligên­cia durante a adolescência. Dissertação apresentada para provas de doutora­mento em Psicologia na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. Porto: Edição do autor.

Faria, L. (1998a). Concepções pessoais de inteligência, atribuições e rendimento escolar. Psicologia, XII (1), 101­‑113.

Faria, L. (1998b). Desenvolvimento diferencial das concepções pessoais de inteli­gência durante a adolescência. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian e Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica.

Faria, L. (1999). Contextos sociais de desenvolvimento das atribuições causais: O papel do nível sócio­‑económico e da raça. Análise Psicológica,2 (XVII), 265­‑273.

Faria, L., & Fontaine, A. M. (1990). Avaliação do conceito de si próprio de adoles­centes: Adaptação do SDQ I de Marsh à população portuguesa. Cadernos de Consulta Psicológica, 6, 97­‑106.

Faria, L., & Fontaine, A. M. (1992). Estudo de adaptação do Self­‑Description Ques­tionnaire III(SDQ III) a estudantes universitários portugueses. Psychologica,8, 41­‑49.

Fleming, J. S., & Courtner, B. E. (1984). The dimensionality of self­‑esteem: Hierar­chical facet model revised measurement scales. Journal of Personality and Social Psychology, 46, 404­‑421.

Fontaine, A. M. (1986). Motivation pour la réussite scolaire. Dissertação apresenta­da para provas de doutoramento em Psicologia na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. Porto: Edição do autor.

Fontaine, A. M. (1990). Motivação e realização escolar. In B. P. Campos (Coord.), Psicologia do desenvolvimento e educação de jovens (pp. 93­‑132). Lisboa: Universidade Aberta.

Fontaine, A. M. (1991). Desenvolvimento do conceito de si próprio e realização escolar na adolescência. Psychologica, 5, 13­‑31.

González­‑Pienda, J. A. (2003). El rendimento escolar: uma análise de las variables que lo condicionan. Revista Galego­‑Portuguesa de Psicoloxía e Educación,7 (9), 247­‑258.

Gurney, P. W. (1986). Self­‑esteem in the classroom: Theoretical perspectives and assessment issues. School Psychology International, 7, 199­‑209.

Harter, S. (1983). Developmental perspectives on the self­‑system. In E. M. Hetherington (Ed.), Handbook of child psychology: Socialization, personality, and social development (pp. 275­‑383). New York: Wiley.

Harter, S. (1985). Manual for the Self­‑Perception Profile for Children. (Revision of Perceived Competence Scale for Children). Denver: University of Denver.

Haynes, N. M., Hamilton­‑Lee, M., & Comer, J. P. (1988). Differences in self­‑concept among high, average and low achieving high­‑school sophoromes. Journal of Social Psychology,128, 259­‑260.

Marsh, H. W. (1984). Relations among dimensions of self­‑attribution, dimensions of self­‑concept and academic achievement. Journal of Educational Psychology,76, 1291­‑1308.

Marsh, H. W. (1986). Global self­‑esteem: Its relation to specific facets of self­‑concept and their importance. Journal of Personality and Social Psychology,51, 1224­‑1236.

Marsh, H. W. (1988a). Causal effects of academic self­‑concept on academic achievement: A reanalysis of Newman (1984). Journal of Experimental Education,56, 100­‑104.

Marsh, H. W. (1988b). The content specificity of math and English anxieties: The high school and beyond study. Anxiety Research,1, 137­‑149.

Marsh, H. W. (1989). Sex differences in the development of verbal and mathematics constructs: The high school and beyond study. American Educational Research Journal,26, 191­‑225.

Marsh, H. W. (1990). Causal ordering of academic self­‑concept and academic achievement: A multi­‑wave, longitudinal panel analysis. Journal of Educa­tional Psychology,82 (4), 646­‑656.

Marsh, H. W., Byrne, B. M., & Shavelson, R. J. (1988). A multifaceted academic self­‑concept: its hierarchical structure and its relation to academic achievement. Journal of Educational Psychology,80, 366­‑380.

Marsh, H. W., & Jackson, S. Q. (1984). Multidimensional self­‑concepts, masculinity and femininity as a function of women’s involvement in athletics. Sydney: University of Sydney.

Marsh, H. W., & O’Niell, R. (1984). Self­‑Description Questionnaire III (SDQ III): The construct validity of multidimensional self­‑concept ratings by late­‑adolescents. Journal of Educational Measurement, 21, 153­‑174.

Marsh, H. W., Parker, J., & Barnes, J. (1985). Multidimensional adolescent self­‑concepts: Their relationship to age, sex and academic measures. American Educational Research Council,22, 422­‑444.

Marsh, H. W., & Yeung, A. S. (1987). Causal effects of self­‑concept on academic achievement: structural equation models of longitudinal data. Journal of Educa­tional Psychology,89 (1), 41­‑54.

Peixoto, F. (1998). Auto­‑conceito (s), auto­‑estima e resultados escolares: a influên­cia da repetência no(s) auto­‑conceito(s) e na auto­‑estima de adolescentes. In M. A. Martins (Ed.), Actas do IX Colóquio de Psicologia e Educação (pp. 51­‑69). Lisboa: ISPA.

Peixoto, F., & Almeida, L. S. (1999). Escala de auto­‑conceito e auto­‑estima. In A. P. Soares, S. Araújo & S. Caires (Orgs.), Avaliação Psicológica: Formas e Contextos. (Vol. VI, pp. 633­‑640). Braga: APPORT.

Pereira, F. (1991). Auto­‑conceito e resultados escolares na adolescência. Análise Psicológica,2 (IX), 145­‑150.

Relvas, J., Vaz Serra, A., Saraiva, C., & Coelho, I. (1984). Resultados da aplicação da Escala IPC de Levenson a estudantes universitários. Psiquiatria Clínica, 5 (3), 119­‑124.

Rosenberg, M. (1965). Society and the adolescent self­‑image. Princeton: Princeton University Press.

Rosenberg, M. (1979). Conceiving the self. Florida: Krieger Publishing Company.

Rosenberg, M. (1985). Self­‑concept and psychological well­‑being in adolescence. In R. L. Leahy (Ed.), The development of the self. New York: Academic Press.

Senos, J., & Diniz, T. (1998). Auto­‑estima, resultados escolares e indisciplina. Estudo exploratório numa amostra de adolescentes. Análise Psicológica,2, 267­‑276.

Shavelson, R. J., Hubner, J. J., & Stanton, J. C. (1976). Self­‑concept: validation of construct interpretations. Review of Educational Research, 46, 407­‑441.

Skaalvik, E. M., & Hagtvet, K. A. (1990). Academic achievement and self­‑concept: an analysis of causal predominance in a developmental perspective. Journal of Personality and Social Psychology, 58, 292­‑307.

Takahashi, S. (2004). The role of “attribution for success and failure” in second language reading by Japanese university students. Humanities and Social Sciences, 64 (7­‑A), 24­‑28.

Vaz Serra, A. (1986). O inventário clínico de Auto­‑Conceito. Psiquiatria Clínica, 7 (2), 67­‑84.

Vaz Serra, A. (1988). Atribuição e auto­‑conceito. Psychologica, 1, 127­‑141.

Vaz Serra, A. (1999). O stress na vida de todos os dias. Coimbra: Gráfica de Coim­bra Lda.

Vaz Serra, A., Firmino, H., & Ramalheira, C. (1988). Estratégias de coping e auto­‑conceito. Psiquiatria Clínica, 9 (4), 317­‑322.

Veiga, F. H. (1989). Escala de autoconceito: Adaptação portuguesa do “Piers­‑Harris Children´s Self­‑Concept scale”. Psicologia, VII (3),275­‑284.

Veiga, F. H. (1990). Autoconceito e disrupção escolar dos jovens: Conceptualiza­ção, avaliação e diferenciação. Tese de Doutoramento. Universidade de Lis­boa. Departamento de Educação da Faculdade de Ciências. Lisboa: Edição de autor.

Weiner, B. (1979). A theory of motivation for some classroom experiences. Journal of Educational Psychology,71, 3­‑25.

Weiner, B. (1980). A cognitive (attribution)­‑emotion­‑action model of motivated behavior: An analysis of judgment of help­‑giving. Journal of Personality and Social Psychology, 39, 186­‑200.

Weiner, B. (1985). An attributional theory of achievement motivation and emotion. Psychological Review, 92, 548­‑573.

Weiner, B. (1986a). An attributional theory of achievement motivation and emotion. New York: Springer­‑Verlag.

Weiner, B. (1986b). Attribution, emotion, and action. In R. M. Sorrentino & E. T. Higgins (Eds.), Handbook of motivation and cognition (pp. 281­‑312). New York: The Guilford Press.

Weiner, B. (1990). History of motivational research in education. Journal of Educa­tional Psychology, 82,616­‑622.

Weiner, B. (1992). Human motivation. Metaphors, theories and research. London: SAGE.

Weiner, B. (1994). Integrating social and personal theories of achievement striving. Review of Educational Research,64, 557­‑573.

Weiner, B., Frieze, I. H., Kukla, A., Reed, L., Rest, S., & Rosenbaum, R. M. (1971). Perceiving the causes of success and failure. Morristown, N.J.: General Learning Press.

Wells, E. L., & Marwell, G. (1976). Self­‑esteem its conceptualisation and measure­ment. London: Sage Publications.

Wylie, R. C. (1974). The self­‑concept: A review of methodological considerations and measuring instruments (2.ª Ed.). Lincoln: University of Nebraska Press.

 

 

1 Doutoranda em Psicologia na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP). aazevedosts@mail.telepac.pt

2 Professora Associada com Agregação da FPCEUP. lfaria@fpce.up.pt

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Rua Dr. Manuel Pereira da Silva, s/n – 4200­‑392 Porto.