SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.serIII número10Calidad de vida en pacientes con úlceras venosas crónicasIntervenciones para la educación sexual en los adolescentes: una revisión sistemática de la literatura índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO

Compartir


Revista de Enfermagem Referência

versión impresa ISSN 0874-0283

Rev. Enf. Ref. vol.serIII no.10 Coimbra jul. 2013

http://dx.doi.org/10.12707/RIII12100 

Situacao vacinal da hepatite B de estudantes da area da saude

Hepatitis B vaccination status of of healthcare students

Situacion de vacunacion contra la hepatitis B de estudiantes del area de salud

 

Valeria Conceicao de Oliveira*; Eliete Albano de Azevedo Guimaraes**; Poliane Moreira Costa***; Cecilia Canquerini Lambert****; Paula M. G. Morais*****; Tarcisio Laerte Gontijo******

* Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Professora da Universidade Federal de Sao Joao Del Rei. Divinopolis, Minas Gerais, Brasil [valeriaoliveira@ufsj.edu.br].

**Enfermeira. Doutora. Professora da Universidade Federal de Sao Joao Del Rei. Divinopolis, Minas Gerais, Brasil [elietealbano@ufsj.edu.br].

***Estudante do Curso de Enfermagem da Universidade Federal de Sao Joao Del Rei. Bolseira do projeto PIIC/FAPEMIG/UFSJ [pollyanne_90@hotmail.com].

**** Estudante do Curso de Enfermagem da Universidade Federal de Sao Joao Del Rei. Voluntario do projeto PIIC/FAPEMIG/UFSJ [cecilia_canquerini@hotmail.com].

*****Estudante do Curso de Enfermagem da Universidade Federal de Sao Joao Del Rei. Voluntario do projeto PIIC/FAPEMIG/UFSJ [paulagmorais@hotmail.com].

****** Enfermeiro. Doutor em Ciencias da Saude. Professor da Universidade Federal de Sao Joao Del Rei [enftarcisio@yahoo.com.br].

 

Resumo

A hepatite B e um importante fator de risco para estudantes da area da saude, pois estes mantem um contacto permanente com pacientes por meio de atividades praticas em estabelecimentos de saude. Este estudo objetivou verificar a situacao vacinal dos estudantes da saude e descrever o conhecimento destes sobre a forma de contagio da hepatite B. Trata-se de um inquerito vacinal realizado na Universidade Federal de Sao Joao Del Rei (UFSJ). Foram aplicados 392 questionarios e avaliada a situacao vacinal. Os dados foram processados no EPI-INFO 6.0. A analise apontou que 51,2% dos estudantes tinham o esquema completo da hepatite B. Entre os entrevistados, 53,1% relataram que tiveram contacto com material perfurocortante, sendo que 4,1% deles sofreram acidentes em suas praticas; 91,3% demonstraram ter o conhecimento do contagio atraves de materiais perfurocortantes; e 6,6% afirmaram desconhecer as formas de transmissao da doenca. Os graduandos de saude da UFSJ nao estao adequadamente imunizados contra esse agravo e mais de metade deles tiveram contacto com perfurocortantes, o que expoe a vulnerabilidade dos estudantes na pratica de ensino.

Palavras-chave: hepatite B; estudantes de ciencias da saude; vacinacao.

 

Abstract

Hepatitis B is an important risk factor for healthcare students, because they are in permanent contact with patients through practical activities in healthcare facilities. The aim of this study was to verify the immunization status of healthcare students and describe their knowledge of the spread of hepatitis B. An immunization survey was conducted at the Federal University of Sao Joao Del Rei (UFSJ) in 2010. 392 questionnaires were administered to assess vaccination status. The data were processed using EpiData 3.1 and Epi Info 6.0. Analysis of vaccination status showed that 51.2% of students had had a complete course of hepatitis B vaccination. Among the respondents, 53.1% reported having had contact with perforating or cutting equipment, and 4.1% had suffered injuries during clinical practice, 91.3% demonstrated knowledge of contagion through cutting and piercing materials, while 6.6% reported not knowing the modes of transmission of the disease. Healthcare students of UFSJ are not adequately immunized against hepatitis B, and more than half have had contact with cutting or perforating equipment that exposes them to vulnerability during their education.

Keywords: hepatitis B; students, healthcare occupations; vaccination.

 

Resumen

La hepatitis B es un factor de riesgo importante para los estudiantes en el area de la salud, ya que mantienen un contacto permanente con los pacientes a traves de actividades practicas en los centros de salud. Este estudio tuvo como objetivo verificar el estado de vacunacion de los estudiantes y describir el conocimiento que estos tienen sobre la forma de contagio de la hepatitis B. Se trata de una encuesta de vacunacion llevado a cabo en la Universidad Federal de Sao Joao del Rei (UFSJ). Se aplicaron 392 cuestionarios y se evaluo el estado de vacunacion. Los datos se procesaron mediante el EPI-INFO 6.0. El analisis revelo que el 51,2% de los estudiantes tuvieron un curso completo de la hepatitis B. Entre los encuestados, el 53,1% informo haber tenido contacto con materiales cortopunzantes y el 4,1% de ellos sufrio lesiones en sus practicas, el 91,3% demostro tener conocimiento de la infeccion a traves de materiales cortopunzantes y el 6,6% admitieron no saber las formas de transmision de la enfermedad. Los estudiantes del area de la salud de la UFSJ no estan adecuadamente inmunizados contra esta enfermedad y mas de la mitad de ellos tenian contacto con objetos cortopunzantes, lo cual demuestra la vulnerabilidad de los estudiantes durante la practica de ensenanza-aprendizaje.

Palabras clave: hepatitis B; estudiantes del area de la salud; vacinacion.

 

Introducao

A infecao pelo virus da hepatite B e um importante problema de saude publica e estima-se que cerca de 600.000 pessoas morrem a cada ano,em decorrencia da hepatite cronica, cirrose e carcinoma hepatocelular (World Health Organization, 2012; Moraes, Luna e Grimaldi, 2010). No Brasil, entre 2000 e 2009 foram registadas 5.441 mortes por hepatite B, levando a uma taxa bruta de mortalidade de 0,3 obitos por 100 mil habitantes (Tauil et al., 2012). O virus da hepatite B e um importante fator de risco para os trabalhadores de saude. Incluem-se neste grupo os estudantes de cursos da saude, pois desde os primeiros periodos mantem contacto com pacientes por meio de aprendizagem pratica com aulas em unidades basicas de saude, ambulatorios e hospitais, onde o cuidado ocorre (Arent, Cunha e Freitas, 2009).

A imunizacao atraves de tres doses da vacina contra esse agravo e a medida de prevencao da doenca mais eficiente. Esta disponivel no servico publico de saude e e iniciada a partir do nascimento; tambem e indicada para proteger pessoas com maior risco de adquirir a infecao, entre elas, os estudantes da area da saude. A vacina contra hepatite B foi comercializada a partir de 1982, tendo sido recomendada desde entao aos profissionais de saude.

Faz-se necessario salientar a importancia de iniciar a imunizacao contra a hepatite B sete meses antes do contacto do estudante com situacoes de risco, considerando, o esquema vacinal de tres doses, com intervalo de administracao da primeira para a terceira dose de 180 dias (Brasil. Ministerio da Saude. Secretaria de vigilancia em Saude, 2009).

Na Universidade Federal de Sao Joao Del Rei, Campus Dona Lindu (UFSJ), os cursos de enfermagem, medicina e farmacia contam com a insercao dos estudantes, em Unidades de Saude, desde o primeiro ano academico, onde mantem o contacto com pessoas com as mais diversas doencas evitaveis por imunizantes. Alem disso, os estudantes tambem desenvolvem atividades de ensino, pesquisa e extensao junto a comunidade. A partir do segundo ano de curso, os graduandos de medicina e enfermagem mantem o contacto tambem com pacientes hospitalizados e em situacoes de risco, o que aumenta a exposicao a infecoes, sobretudo as que estao ligadas aos acidentes com perfurocortantes como e o caso da hepatite B.

As atividades academicas desenvolvidas pelos estudantes de graduacao da area da saude sao similares aquelas que sao realizadas pelos profissionais de saude. Assim e evidente a necessidade de imunizacao como estabelece a Norma Regulamentadora - NR 32 (2008), que tem por finalidade a implementacao de medidas de protecao a saude dos trabalhadores dos servicos de saude, incluindo a vacinacao. Neste sentido e importante a verificacao da situacao vacinal dos discentes para o diagnostico de saude em relacao a imunizacao e o planeamento de acoes direcionadas para a regularizacao do status vacinal.

Vale destacar que no terceiro periodo do curso de enfermagem da UFSJ e ministrado conteudo sobre a vacinacao e como atividade de aprendizagem realiza-se uma campanha vacinal para os estudantes dos cursos de saude. A Secretaria Municipal de Saude de Divinopolis e parceira nesta intervencao, disponibilizando as seguintes vacinas: Dupla Adulto; Triplice ou Dupla viral; Febre Amarela; e Hepatite B. No ano de 2010 aproveitamos esta atividade de aprendizagem para realizar esta investigacao.

Desta forma, o objetivo deste estudo foi verificar a situacao vacinal de hepatite B dos estudantes de enfermagem, farmacia e medicina da Universidade Federal de Sao Joao Del Rei, campus Divinopolis, em 2010, e descrever o conhecimento destes sobre a forma de contagio da doenca.

 

Enquadramento/ Fundamentacao teorica

O virus da hepatite B tem grande importancia pelo seu potencial de causar infecao cronica (5 a 10% dos individuos adultos infetados) e, sobretudo, pelo alto risco de transmissao, que varia de 6 a 30%, nos acidentes com perfurocortantes que envolvem sangue sabidamente contaminado (Brasil. Ministerio da Saude. Secretaria de Vigilancia em Saude, 2009).

Os estudantes da area de saude tambem constituem um grupo de risco para a infecao pelo virus da hepatite B, pois desde os primeiros periodos que mantem contacto com pacientes por meio de aprendizagem pratica com aulas em ambiente hospitalar e nas unidades ambulatoriais onde o cuidado e prestado (Arent, Cunha e Freitas, 2009). Eles desenvolvem parte das suas atividades academicas em situacoes semelhantes a pratica profissional, o que tambem os coloca em risco de exposicao a material biologico (Gir et al., 2008).

Os acidentes com material biologico entre profissionais e um facto real. Num levantamento realizado para analisar os acidentes com perfurocortantes, 25,3% dos acidentados apresentavam esquema vacinal contra hepatite B incompleto e 15,1% dos casos de exposicoes ocupacionais envolveram estudantes (Gir et al., 2008).

Porem, observa-se que a cobertura vacinal entre os trabalhadores da saude ainda e baixa, verificando-se que, mesmo apos o ingresso no mercado de trabalho, esses profissionais continuam sem a necessaria protecao. Essa constatacao pode ser atribuida a falta de conhecimento por parte dos profissionais de saude, assim como a pouca importancia que e dada a esta protecao especifica (Araujo, Paz e Griep, 2006).

Um estudo realizado para determinar a prevalencia dos marcadores da hepatite B em profissionais de saude, detetou que do total de funcionarios vacinados, 87,8% completaram o esquema de vacinacao e os outros 12,2% receberam apenas uma ou duas doses da vacina. Eles acreditam que a nao realizacao do esquema completo e um facto que ocorre frequentemente na vacinacao contra a hepatite B, seja por esquecimento ou pela ideia de que uma unica dose ja confere imunidade (Moreira e Lima, 2007).

Os estudantes brasileiros do curso de graduacao em Medicina iniciam estagios extracurriculares precocemente e desordenadamente, as vezes sem conhecimento das normas de biosseguranca e sem a verificacao da sua situacao vacinal, correndo risco de infecao por doencas imunopreveniveis (Moreira e Lima, 2007). Um estudo com alunos de odontologia encontrou 75,9% de academicos vacinados (Cavalcanti et al., 2009).

A transmissao do virus da hepatite B antes da introducao da vacina constituia um grave problema de saude publica. Entretanto, o numero de profissionais de saude infetados diminuiu nos ultimos 20 anos, o que tem sido atribuido a vacinacao e a utilizacao das medidas de precaucao padrao. Assim, considera-se que e minima a possibilidade de um profissional vacinado adquirir o virus da hepatite B (Paiva, 2008).

 

Metodologia

Trata-se de um inquerito vacinal realizado com estudantes de saude da Universidade Federal de Sao Joao Del Rei, campus Divinopolis, Minas Gerais/Brasil, em 2010. Foram convidados a participar no estudo todos os graduandos regularmente matriculados nos cursos de Enfermagem, Farmacia e Medicina, totalizando 510 estudantes. Foram selecionados para este estudo os alunos que estavam no momento da coleta de dados e que aceitaram participar na pesquisa. Os criterios de exclusao foram os estudantes que nao quiseram participar na pesquisa e os que nao estavam presentes no momento da colheita de dados. Assim, participaram na investigacao 392 (76,9%) alunos.

Durante a intervencao aplicou-se o questionario estruturado e autoaplicado que continha questoes relativas a: sexo; idade; curso; ano em que ingressou na universidade; situacao vacinal contra a hepatite B; se o estudante recebeu orientacoes da Instituicao de Ensino Superior sobre a imunizacao contra a hepatite B; local onde recebeu a imunizacao; contacto com o material perfurocortante; se ja teve algum acidente com o material perfurocortante; e quais as formas de contagio do virus da hepatite B que o academico conhece. Foi realizado um estudo piloto com 32 academicos dos tres cursos para testar e validar o questionario aplicado.

Foram utilizados os programas EPIDATA 3.1 para a tabulacao dos dados e o EPI INFO 6.0 para a analise descritiva.

Este estudo obedece aos principios eticos da Resolucao n? 196/96 do Conselho Nacional de Saude e foi aprovado pelo Comite de Etica da Fundacao Educacional de Divinopolis/FUNEDI. Todos os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

 

Resultados

Do total dos 392 participantes, 144 (36,7%) sao estudantes do curso de medicina, 129 (32,9%) de enfermagem e 119 (30,4%) de farmacia. Os resultados apontaram que a maioria dos participantes era do sexo feminino, possuiam menos de 25 anos de idade e tomaram tres ou mais doses de vacina contra a hepatite B, conforme recomenda o Ministerio da Saude - MS (Brasil. Ministerio da Saude. Secretaria de Vigilancia em Saude, 2009) (Tabela 1).

Vale destacar o grande numero de alunos que nao tomaram as tres doses recomendadas (15,6%) e nao souberam informar acerca do seu estado vacinal (29,7%). Em relacao ao local onde receberam a imunizacao, 82,1% dos entrevistados foi nas unidades publicas de saude, 7,3% receberam a vacina na propria Universidade, 4,2% em clinicas particulares e 6,4% em outros locais.

Outro resultado de destaque esta no fato de 53,1% dos estudantes relatarem manusear os materiais perfurocortantes nas suas atividade didaticas e 4,1% relataram ja ter sofrido algum tipo de acidente com esses materiais.

Em relacao ao conhecimento sobre as formas de contagio do virus da hepatite B, 91,3% dos estudantes reconheceram os acidentes com materiais perfurocortantes. Por outro lado, 26,3% nao reconheceram a via sexual como forma de infecao e 16,1% disseram ser a via oral-fecal fonte de infecao. Apenas 6,6% afirmaram desconhecer as formas de transmissao da doenca.

 

Discussao

Verificamos que 93,8% dos estudantes tem menos de 24 anos, o que caracteriza uma populacao jovem. E sabido que a logica racional na prevencao de doencas e pouco motivadora para a juventude, que vive em plena saude e que a ideia de risco nao esta na perspetiva jovem (Cunha-Oliveira et al., 2009). Neste estudo, o considerado numero de estudantes (45,3%) nao imunizados contra a hepatite B pode estar relacionado com as caracteristicas desta fase juvenil. A introducao da vacina contra a hepatite B no calendario nacional do Brasil iniciou-se no ano de 1996 para criancas menores de 2 anos, e somente a partir de 2001 houve a ampliacao do uso desta vacina para os menores de 20 anos de idade. Desta maneira, os entrevistados do estudo no momento da ampliacao do calendario nacional da hepatite B eram maiores de 10 anos, o que de certa forma dificulta a ida aos centros de saude para vacinacao.

Os estudantes de saude sao considerados um grupo de risco para a hepatite B, pelo que e um fator preocupante o numero de estudantes nao imunizados ou com numero de doses insuficientes ou incertas por os colocar em maior risco de contrairem a hepatite B, uma vez que para a soroconversao e necessario a administracao de tres doses da vacina. Estudos semelhantes identificaram prevalencias que variam de 24,7% a 86% de esquemas vacinais incompletos em estudantes e profissionais da area de saude (Garcia e Fachinni, 2008; Silva et al., 2011; Garcia, Blank e Blank, 2007; Ribeiro, 2002).

Espera-se que os profissionais de saude tenham um conhecimento maior sobre as doencas imunopreveniveis e a sua vacinacao. Porem, um estudo realizado para avaliar a cobertura vacinal de alunos do Curso de Especializacao em Saude da Familia, identificou que 31,6% dos enfermeiros, 90,9% dos dentistas e 69,2% dos medicos nao tinham informacao sobre quais as vacinas que o Programa Nacional de Imunizacao preconiza para os profissionais de saude, o que representa uma grande lacuna no conhecimento (Araujo, Paz e Griep, 2006).

Desta maneira, e da responsabilidade da Instituicao de Ensino Superior (IES) assegurar que os estudantes sejam imunizados e informados das vantagens, bem como dos riscos a que estao expostos por falta ou recusa em imunizar-se (Moreira e Lima, 2007).

Tambem e imperativo conhecer o agendamento das doses subsequentes da vacina e a importancia em completar o esquema vacinal para que o individuo nao incorra no esquecimento e se descuide da sua propria protecao, uma vez que o intervalo entre a segunda e a terceira dose e longo (Souza et al., 2008).

Considera-se que os profissionais e os estudantes de saude estao sob risco significativo de contrairem ou transmitirem a doenca pela natureza do seu trabalho. As suas atividades ocupacionais aumentam a sua exposicao ao material biologico, como o sangue, tecidos ou fluidos corporais potencialmente infectantes, e aos materiais perfurocortantes (Garcia, Blank e Blank, 2007).

O manuseio do material perfurocortante por estudantes da graduacao da area da saude e frequente na atividade academica, o que os expoe ao risco acidental devido a inexperiencia clinica e a falta de destreza manual (Oliveira e Goncalves, 2009). Pode-se notar que mais de metade dos estudantes investigados tiveram contacto com perfurocortantes e que uma parte destes ja teve um acidente, o que e um dado relevante porque esses individuos podem nao estar imunologicamente protegidos contra o virus da hepatite B. Uma vez que estes discentes desenvolvem grande parte das suas atividades academicas em estabelecimentos de saude e que na maioria das vezes nao tem conhecimentos sobre biosseguranca, tornam-se mais vulneraveis aos riscos de infecoes causadas por acidentes nos estagios.

Um estudo para identificar e analisar as exposicoes ao material biologico potencialmente contaminado, ocorridas entre os estudantes dos cursos de graduacao da area da saude do municipio de Ribeirao Preto-SP, verificou uma percentagem de 15,1% de casos de exposicoes ocupacionais envolvendo estes estudantes (Gir et al., 2008). E necessario intensificar a orientacao sobre as medidas de biosseguranca, incluindo aspectos relacionados a imunizacao, especialmente a vacina contra a hepatite B (Gir et al., 2008).

Noutro estudo realizado com estudantes de medicina com o objetivo de avaliar o risco ocupacional de exposicao ao HIV, 68 (50%) dos estudantes relataram ja ter sofrido algum tipo de exposicao ao sangue (Junior et al., 1999). As taxas de exposicao a riscos ocupacionais tambem sao altas entre os trabalhadores. Um estudo realizado com trabalhadores de enfermagem identificou que 17,3% ja sofreram acidentes, sendo que na maioria o sangue e a agulha sao o principal agente causador durante o descarte de material (Oliveira, Kluthcoviskt e Kluthcoviskt, 2008). Devido a isso, a utilizacao da vacina e de significativa importancia, uma vez que a vacina utilizada no Brasil confere imunidade acima de 95% (Moraes, Luna e Grimaldi, 2010).

Investigou-se tambem o conhecimento dos graduandos sobre as formas de contagio da hepatite B. Observou-se que a maioria dos participantes relataram a via hematologica como a principal via de transmissao do HBV. Contudo, poucos sao os que demonstraram conhecimento sobre a transmissao vertical, fator a que devemos dar importancia, pois trata-se de graduandos que futuramente participarao de forma ativa na saude da populacao. Os dados reforcam a importancia de aumentar a orientacao dos discentes a respeito das formas de transmissao do virus e das suas respectivas consequencias no organismo.

E importante ressaltar que todos os academicos com situacao vacinal irregular foram orientados para regularizar o esquema das vacinas no inicio das atividades academicas, visto que a insercao destes alunos nas unidades de saude acontece no primeiro periodo do curso.

Por ultimo, cabe destacar que por se tratar de um questionario autorrespondido pode-se especular que os resultados superestimam a aderencia as medidas de protecao individual, ja que os sujeitos tendem a reportar comportamentos aceitaveis mesmo quando nao os adotam. Porem, ainda assim, os resultados fornecem um panorama geral sobre a cobertura vacinal e possiveis medidas a serem adotadas.

 

Conclusao

Constatou-se que uma parte significativa dos estudantes de saude nao esta adequadamente imunizada contra a hepatite B, o que evidencia a necessidade de implementar campanhas que reforcem o conhecimento sobre a doenca e melhorem a cobertura vacinal entre os alunos.

Ainda quanto as formas de transmissao da hepatite B, verificou-se que os estudantes necessitam de aumentar os seus conhecimentos, considerando que alem da sua propria protecao, eles tambem sao agentes multiplicadores da informacao a comunidade.

Diante do exposto, cabe as instituicoes de ensino da area da saude irem alem da formacao tecnico-cientifica dos graduandos, devendo-se comprometerem com as mudancas de comportamento dos futuros profissionais. Neste sentido, faz-se necessario o investimento em acoes educativas, uma vez que no local estudado os academicos estao inseridos desde o primeiro periodo da graduacao, em estagios, e, desta forma, estao em contato constante com as formas de transmissao da hepatite B.

 

Referencias bibliograficas

ARAUJO, Telma M. E. ; PAZ, Elizabete P. A. ; GRIEP, Rosane H. (2006) - Cobertura vacinal dos profissionais de um curso de especializacao em Saude da Familia do Piaui. Revista de Enfermagem da Escola Anna Nery. Vol. 10, n? 1, p. 95-100.

ARENT, Patricia M. ; CUNHA, Luissaulo. ; FREITAS, Paulo F. (2009) - Situacao vacinal dos estudantes de medicina da Universidade do Sul de Santa Catarina no periodo previo ao internato. Revista Ciencias Medicas. Vol. 18, n? 1, p. 13-30.

BRASIL. Ministerio da Saude. Secretaria de Vigilancia em Saude (2009) - Guia de vigilancia epidemiologica. Brasilia: MS.

CAVALCANTI, Fabiana M. [et al.] (2009) - Hepatite B: conhecimento e vacinacao entre os academicos da Faculdade de Odontologia de Caruaru-PE. Odontologia Clinica-Cientifica. Vol. 8, n? 1, p. 59-65.

CUNHA-OLIVEIRA, Aliete [et al.] (2009) - A aquisicao do preservativo e o seu (nao) uso pelos estudantes universitarios. Revista de Enfermagem Referencia. Serie 2, n? 11, p. 7-22.

GARCIA, Leila P. ; BLANK, Vera L. G. ; BLANK, Nelson (2007) - Aderencia a medidas de protecao individual contra a hepatite B entre cirurgioes-dentistas e auxiliares de consultorio dentario. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 10, n? 4, p. 525-536.

GARCIA, Leila P. ; FACCHINI, Luiz A. (2008) - Vacinacao contra a hepatite B entre trabalhadores da atencao basica a saude. Cadernos de Saude Publica. Vol. 24, n? 5, p. 1130-1140.

GIR, Elucir [et al.] (2008) - Accidents with biological material and immunization against hepatitis B among students from the health area. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Vol. 16, n? 3, p. 401-416.

JUNIOR, Antonio Carlos C. T. [et al.] (1999) - Conhecimento, atitudes e comportamentos frente ao risco ocupacional de exposicao ao HIV entre estudantes de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Vol. 32, n? 5, p. 509-515.

MORAES, Jose C. ; LUNA, Expedito J. A. ; GRIMALDI, Rosaria A. (2010) - Imunogenicidade da vacina brasileira contra hepatite B em adultos. Revista de Saude Publica. Vol. 44, n? 2, p. 353-359.

MOREIRA, Marcia C. B. ; LIMA, Gerson Z. (2007) - Evolucao dos conhecimentos sobre doencas imunopreveniveis de alunos no curso de Medicina da Universidade Estadual de Londrina. Semina Ciencia Biologica da Saude. Vol. 28, n? 1, p. 15-22.

NORMA REGULAMENTADORA 32 - NR 32 - Seguranca e saude no trabalho em servicos de saude (2008) [Em linha]. Brasilia: Ministerio do Trabalho e Emprego. [Consult. 19 set. 2011]. Disponivel em WWW:http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr32.htm.

OLIVEIRA, Adriana C. ; GONCALVES, Jacqueline A. (2009) - Incidencia de acidentes com material perfurocortante entre alunos de graduacao em ciencias da saude. Ciencia, Cuidado e Saude. Vol. 8, n? 3, p. 385-392.

OLIVEIRA, Beatriz A. C. ; KLUTHCOVSKY, Ana Claudia G. C. ; KLUTHCOVSKY, Fabio A. (2008) - Estudo sobre a ocorrencia de acidentes de trabalho com material biologico em profissionais de enfermagem de um hospital. Cogitare Enfermagem. Vol. 13, n? 2, p. 194-205.

PAIVA, Enilza M. M. (2008) - Soroprevalencia da infeccao pelo virus da hepatite B e avaliacao da imunidade vacinal em cirurgioes-dentistas de Goiania-GO. Goiania: Programa de Pos Graduacao em Ciencias da Saude, Convenio Rede Centro-Oeste - UNB/UFG/UFMS. Tese de doutoramento.

RIBEIRO, J. G. L. (2002) - Necessidade de adocao de uma politica especifica de imunizacao para academicos de medicina: a situacao da Faculdade de Ciencias Medicas de Minas Gerais. Belo Horizonte : FCMMG. Dissertacao de mestrado.

SILVA, Flavia J. C. P [et al.] (2011) - Estado vacinal e conhecimento dos profissionais de saude sobre hepatite B em um hospital publico do nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Saude Ocupacional. Vol. 36, n? 124, p. 258-264.

SOUZA, Adenicia C. S [et al.] (2008) - Adesao a vacina contra hepatite B entre recem-formados da area de saude do municipio de Goiania. Ciencia, Cuidado e Saude. Vol. 7, n? 3, p. 363-369.

TAUIL, Marcia C. [et al.] (2012) - Mortalidade por hepatite viral B no Brasil, 2000-2009. Cadernos de Saude Publica. Vol. 28, n? 3, p. 472-478.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (2012) - Hepatitis B [Em linha]. [Consult. 28 mai. 2012]. Disponivel em WWW:http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs204/en.

 

Recebido para publicacao em: 27.07.12

Aceite para publicacao em: 16.04.13

 

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons