SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número3Caracterização territorial do desemprego registado em Portugal: aplicação da análise de clusters índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Economia Global e Gestão

versão impressa ISSN 0873-7444

Economia Global e Gestão v.15 n.3 Lisboa dez. 2010

 

«Desenvolvimento humano» em 2010, segundo a ONU

 

Mário Murteira

Director, mlsm@iscte.pt

www.mariomurteira.com

 

Foi recentemente publicado o Relatório do Desenvolvimento Humano Mundial de 2010, elaborado anualmente pela ONU, desde 1990. O relatório, além de extensa informação estatística sobre os países do sistema mundial, inclui interessantes e inovadoras análises sobre o próprio conceito de «desenvolvimento humano» (DH). Este é esboçado há cerca de vinte anos por Amartya Sen, autor indiano titulado pelo Prémio Nobel e particularmente interessado na temática da pobreza e no sentido do «desenvolvimento» para além da perspectiva económica do chamado mainstream, hoje em crise como a própria economia mundial.

Este relatório introduz também novos indicadores para medida do DH, incluindo o próprio «Índice de Desenvolvimento Humano» (IDH), compreendido entre 0 e 1, e que permite, além do mais, ordenar os países segundo o seu DH. Uma das conclusões deste relatório é que não há correlação entre o «crescimento económico» de cada país, na acepção corrente, e os avanços em matéria de educação e saúde. Isto é: ser mais ou menos «avançado» em termos de educação e saúde, não parece estar condicionado pelo estrito crescimento da economia.

Um bom exemplo disso é Angola, de rápido crescimento da economia mas muito atrasado em termos de DH. Portugal aparece em 40.º lugar na classificação mundial segundo o IDH, enquanto a nossa vizinha Espanha se situa no 20.º lugar. O optimista dirá que a classificação «não é má», considerando os 169 países na classificação, o pessimista, dirá que estamos entre os últimos dos primeiros. É indiscutível que estamos onde «merecemos» estar. Cada um poderá julgar o mérito (ou demérito) desta classificação.