SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 número1Contacto, conhecimento e conflito: Dinâmicas culturais e sociais num movimento evangélico cigano na Península Ibérica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Etnográfica

versão impressa ISSN 0873-6561

Etnográfica v.11 n.1 Lisboa maio 2007

 

Determination and chaos according to Mozambican divination

Paulo Granjo*

Although it is often assumed that the southern African systems of misfortune interpretation are deterministic, the notion of deterministic chaos seems to be more accurate to understand underlying principles of the Mozambican divination with tinhlolo. That system is based on a deterministic structure, it seeks to explain and to regulate the uncertainty, but its outcome is chaotic due to the complexity of the factors involved, unknowable in their totality and characterised by agency. To understand it as a domestication of aleatory system legitimates new comparison fields worldwide (including with the probabilistic notion of "risk"), and refocuses the study of Ngoma-like phenomena, from their reproduction mechanisms as affliction cults to their underlying logics and world visions.

Keywords: divination, tinhlolo, deterministic chaos, risk, uncertainty, Mozambique.

 

Determinação e caos segundo a adivinhação moçambicana

Apesar de ser frequentemente assumido que os sistemas de interpretação do azar são determinísticos, pensamos que a noção de "caos determinístico" será mais adequada para compreender os princípios subjacentes ao sistema moçambicano de adivinhação através do tinhlolo. Este sistema assenta numa estrutura determinística, procura explicar e regular a incerteza, mas o seu resultado é caótico dada a complexidade dos factores envolvidos, desconhecidos na sua totalidade e caracterizados pela sua agência. Compreender o tinhlolo  como um sistema de "domesticação do aleatório" legitima e amplifica o campo de comparação com outros contextos a nível mundial (incluindo a noção probabilística do "risco") e ressitua o estudo dos fenómenos do tipo Ngoma, dos seus mecanismos de reprodução enquanto cultos de aflição para as suas lógicas subjacentes e visões do mundo.

Palavras-chave: adivinhação, tinhlolo, caos determinístico, risco, incerteza, Moçambique.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

References

Clarence-Smith, G., 1990 [1985], O Terceiro Império Português (1825-1975). Lisbon, Teorema.        [ Links ]

Earthy, E. D., 1933, Valenge Women. London, Oxford University Press.

Eglash, R., 2005, An Ethnomathematics Comparison of African and Native American Divination Systems, http://www.ccd.rpi.edu/Eglash/papers/eglash_div_paper.doc

Evans-Pritchard, E. E., 1978 [1937], Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande. Rio de Janeiro, Zahar.

Florêncio, F., 2005, Ao Encontro dos Mambos – Autoridades Tradicionais vaNdau e Estado em Moçambique. Lisbon, ICS.

Geffray, C., 1991, A Causa das Armas em Moçambique: Antropologia da Guerra Contemporânea em Moçambique. Porto, Afrontamento.

Gramsci, A., 1971, Selections from the Prison Notebooks. London, Lawrence Wishart.

Granjo, P., 2004, “Trabalhamos sobre um Barril de Pólvora” - Homens e Perigo na Refinaria de Sines. Lisbon, ICS.

—, 2005a, Lobolo em Maputo – um Velho Idioma para Novas Vivências Conjugais. Porto, Campo das Letras.

—, 2005b, “It’s just the starting engine: the status of spirits and objects in south Mozambican divination”, http://www.anthroglobe.info

—, 2006, “Back home. Post-war cleansing rituals in Mozambique”, in B. Nicolini (ed.), Magical Practices, Witchcraft, and Warfare in the African Continent (XIX-XX Century). Lampeter, Mellen Press.

Green, E. C., 1999, Indigenous Theories of Contagious Disease. Walnut Creek, Altamira.

Honwana, A., 2002, Espíritos Vivos, Tradições Modernas: Possessão de Espíritos e Reintegração Social Pós-guerra no Sul de Moçambique. Maputo, Promédia.

Janzen, J. M., 1992, Ngoma: Discourses of Healing in Central and Southern Africa. Berkeley, University of California Press.

Junod, H., 1897, L’Art Divinatoire. Neuchatel, SGN.

—, 1996 [1912], Usos e Costumes dos Bantu. Maputo, AHM, vol. 2.

Leach, E., 1961, Rethinking Anthropology. London, Athlone.

Liesegang, G., 1986, Vassalagem ou Tratado de Amizade? História do Acto de Vassalagem de Ngungunyane nas Relações Externas de Gaza. Maputo, Arquivo Histórico de Moçambique.

MURDOCK, G., 1945, “The common denominator of cultures”, in R. Linton (ed.), The Science of Man in the World Crisis. New York, Columbia University Press: 123-142.

PEEK, Ph. (ed.), 1991, African Divination Systems – Ways of Knowing. Indianapolis, Indiana University Press.

Neves, D. F., 1987 [1878], Das Terras do Império Vátua às Praças da República Boer. Lisbon, Dom Quixote.

Pélissier, R., 1994, História de Moçambique: Formação e Oposição 1854-1918. Lisbon, Estampa.

Polanah, L., 1987, O Nhamussoro e Outras Funções Mágico-religiosas. Coimbra, Instituto de Antropologia da Universidade de Coimbra.

Silva, S., 2004, Vidas em Jogo – Cestas de Adivinhação e Refugiados Angolanos na Zâmbia. ­Lisbon, ICS.

Turner, V., 1968, The Drums of Affliction: a Study of Religious Process among the Ndembu of Zambia. London, Oxford University Press.

Vilhena, M. C., 1996, Gungunhana no Seu Reino. Lisbon, Colibri.

Webster, D., 1976, Agnation, Alternative Structures, and the Individual in Chopi Society, PhD dissertation submitted to Rhodes University, Grahamstown.

West, H., 2004, “Working the borders to beneficial effect: The not-so-indigenous knowledge of the not-so-traditional healers in northern Mozambique”. Paper to the Social Anthropology Seminar of the London University College.

 

*Instituto de Ciências Sociais – Universidade de Lisboa

paulo.granjo@ics.ul.pt

 

 

 

 

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons