SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número6Carga da doença atribuível ao tabagismo em PortugalCorrelação dos achados clínicos com os parâmetros funcionais em idosos portadores de asma índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Pneumologia

versão impressa ISSN 0873-2159

Rev Port Pneumol v.15 n.6 Lisboa nov. 2009

 

Consumo de tabaco na população portuguesa retratado pelo Inquérito Nacional de Saúde (2005/2006)

 

Ausenda Machado 1

Rita Nicolau 2

Carlos Matias Dias 3

 

Resumo

O presente estudo visa contribuir para o conhecimento da epidemiologia da exposição ao tabaco na população portuguesa, através da análise de dados do Inquérito Nacional de Saúde realizado entre 2005 e 2006.

Neste trabalho, a população portuguesa é caracterizada quanto à prevalência de fumadores, ex-fumadores e não fumadores e quanto à exposição e atitudes face ao fumo do tabaco. Algumas destas características são desagregadas por variáveis sociodemográficas, como o sexo, a idade e a região de residência. As frequências apresentadas expressam valores estimados para a população residente em Portugal no ano de 2005. Através de regressão logística binária construíram-se perfis dos fumadores.

Os resultados revelaram que 20,9% da população com 15 e mais anos de idade, residente em Portugal (incluindo as regiões autónomas), era fumadora data da entrevista (sexo masculino: 30,9%; sexo feminino: 11,8%) e que 18,7% fumava diariamente. Mais de metade dos homens fumava, ou já tinha fumado (56,9%), ao contrário das mulheres que, na grande maioria, nunca tinha fumado (81,3%).

Após remoção do efeito ocasionado pela diferente estrutura etária, as prevalências mais elevadas de homens que fumavam diariamente foram observadas nos Açores (31,0%) e no Alentejo (29,9%). Já entre as mulheres, a prevalência mais elevada de consumo diário de tabaco ocorreu na região de Lisboa e Vale do Tejo (15,4%), seguida do Algarve (12,8%).

Em média, os homens fumavam mais cigarros por dia (20 cigarros) do que as mulheres (13 cigarros). A população açoriana evidenciou os consumos médios diários mais elevados (homens: 23 cigarros; mulheres: 16 cigarros).

Palavras-chave: Hábitos tabágicos, Inquérito Nacional de Saúde, Portugal, 2005/2006.

 

Tobacco consumption by the portuguese population. Data from the 2005-2006 National Health Survey

Abstract

This study aims to contribute to the epidemiological portrayal of tobacco consumption in Portugal 2005- 2006, using data from the National Health Survey. In this analysis the Portuguese population is characterised according to smoking patterns, exposure to smoke and attitudes to smoking in general. Data is presented by gender, age groups, regions of residence and other social characteristics. Frequencies results are estimated values for the Portuguese population in 2005. Logistic binary regression models are used to study regular smoking-related characteristics. Results show that 20.9% of the Portuguese population (including Madeira and the Azores) aged 15 or more were smokers (male: 30.9%; female: 11.8%), and that 18.7% smoked regularly. More than one half of men were smokers or ex-smokers (56.9%) whereas the great majority of women had never smoked (81.3%).

After removing the effect of the different age structures among regions, the highest rate of males who smoked regularly was observed in the Azores region (31.0%), followed by the Alentejo region (29.9%). The highest rate of women who smoked regularly occurred in the Lisbon and Tagus Valley region (15.4%), followed by the Algarve region (12.8%).

Daily average cigarette consumption was higher among male (20 cigarettes) than female smokers (13 cigarettes). The Azores population presented the highest daily average consumption (male: 23 cigarettes; female: 16 cigarettes).

Key-words: Smoking, National Survey of Health, Portugal, 2005/2006.

 

Introdução

O consumo de tabaco é um factor de risco importante para diversas doenças, em especial para as dos aparelhos respiratório e cardiovascular, assim como para diversos tipos de neoplasias1. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que o consumo de tabaco tenha sido responsável por 100 milhões de mortes a nível global durante o século xx, prevendo que este número atinja um bilião no século xxi, caso se mantenha a tendência actual de evolução do consumo2. Actualmente, o consumo de tabaco será responsável pela morte de 5,4 milhões de pessoas por ano em todo o mundo, ou seja, uma em cada dez mortes ocorridas na idade adulta será atribuível ao consumo de tabaco2.

Apesar de Portugal ter uma das mais baixas prevalências de fumadores entre os países europeus, o Inquérito Nacional de Saúde revela uma tendência crescente da prevalência de mulheres fumadoras, em especial nas idades jovens 3,4,5.

A caracterização da população portuguesa face à utilização e à exposição ao tabaco é importante para o diagnóstico da situação, o planeamento das intervenções e a monitorização deste problema de saúde pública.

Os inquéritos nacionais de saúde por entrevista, em especial se realizados periodicamente, são utilizados em muitos países para conhecer a prevalência de fumadores, ex-fumadores e nunca fumadores na população geral, bem como para monitorizar a evolução destes indicadores e de outras dimensões do consumo de tabaco5.

Os instrumentos para este estudo encontram-se estabilizados e são recomendados pela OMS e pelo organismo estatístico europeu para utilização nos inquéritos nacionais6. O Inquérito Nacional de Saúde, realizado em Portugal desde 1987 por iniciativa do Ministério da Saúde, utiliza um conjunto de perguntas que inclui a maior parte daquelas recomendações, sendo, por isso, de utilidade para o conhecimento da evolução do consumo de tabaco na população portuguesa e da análise comparativa com outros países7.

Com o presente estudo pretende-se caracterizar:

1. A prevalência de fumadores, ex-fumadores e não fumadores (nunca fumadores) na população com 15 e mais anos de idade residente em Portugal, nos anos de 2005/2006, desagregada por algumas variáveis sociodemográficas;

2. O perfil sociodemográfico do fumador diário;

3. A exposição passiva ao fumo do tabaco na população residente em Portugal;

4. Os comportamentos face ao consumo de tabaco dos fumadores e dos não fumadores residentes em Portugal.

 

Material e métodos

O presente trabalho analisa os dados sobre consumo de tabaco obtidos através do Quarto Inquérito Nacional de Saúde (4.º INS) realizado entre 2005 e 2006. O Inquérito Nacional de Saúde é um estudo epidemiológico observacional e transversal, realizado com base numa amostra representativa da população portuguesa ao nível das regiões NUTS II. Recolhe dados individuais, através da aplicação de um questionário estruturado, por entrevista directa no domicílio5. O 4.º INS foi realizado pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) em parceria com o Instituto Nacional de Estatística (INE), com a colaboração da Direcção -Geral de Saúde (DGS)8. Das várias áreas de inquirição cobertas pelo 4.º INS, o presente estudo aborda duas: a área n.º 11, relativa ao consumo de tabaco, e a área n.º 1, relativa às características sociodemográficas dos entrevistados.

As principais variáveis estudadas foram as seguintes:

1. Hábitos tabágicos: desagregados por sexo, por grupos etários e por região de residência (NUTS II);

2. Consumo de tabaco: quantidade fumada, por sexo e por região de residência; idade de início, redução e iniciativa de cessação de consumo;

3. Perfil do fumador: factores que influenciam a possibilidade de fumar diariamente;

4. Comportamentos: dos fumadores na presença de não fumadores e dos não fumadores na presença de fumadores; exposição passiva.

 

Amostra

No 4.º INS, a amostra populacional utilizada foi planeada de modo a ser estatisticamente representativa da população residente em Portugal, ao nível das sete regiões NUTS II correspondentes à nomenclatura de unidades territoriais para fins estatísticos (Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo – LVT –, Alentejo, Algarve, Região Autónoma dos Açores e Região Autónoma da Madeira). A delimitação adoptada para as sete regiões NUTS II correspondeu à delimitação em vigor em 1989, de modo a permitir a comparabilidade com os dados obtidos através do 3.º INS, realizado entre 1998 e 1999.

Através de um delineamento de amostragem complexo, que incluiu estratificação e selecção sistemática de conglomerados, a amostra do 4.º INS foi obtida a partir de critérios metodológicos já descritos7,8.

A amostra utilizada era composta por um total de 35 229 indivíduos (respondentes à secção 11 do 4.º INS, com 15 e mais anos de idade). A sua caracterização foi efectuada no âmbito de um estudo mais detalhado9.

 

Tratamento dos dados e análise estatística

Para efeitos de análise estatística, procedeu-se ao tratamento ou à reorganização de algumas variáveis, como a idade, a escolaridade e a ocupação dos inquiridos.

Na caracterização dos hábitos tabágicos da população, os respondentes foram agrupados em três categorias:

• Fumadores: Indivíduos com 15 e mais anos que fumavam à data do inquérito. Estes indivíduos subdividem-se em dois grupos: os que fumavam diariamente (fumadores diários) e os fumadores ocasionais;

• Não fumadores: Indivíduos com 15 e mais anos que declararam nunca ter fumado até à data do inquérito, genericamente designados em texto por nunca fumadores;

• Ex -fumadores: Indivíduos com 15 e mais anos que à data do inquérito já não eram fumadores, mas que declararam ter sido fumadores no passado. À semelhança dos fumadores, os ex -fumadores também foram agrupados em dois grupos: os ex-fumadores diários e os ex–fumadores ocasionais.

O tratamento e a análise estatística foram desenvolvidos com recurso ao programa de análise estatística SPSS 15.010 e à folha de cálculo Microsoft Excel 200211.

A análise estatística incidiu sobre aspectos descritivos dos dados, baseando-se principalmente no cálculo de estimativas de frequências absolutas e relativas (percentuais) das respostas analisadas ou de cruzamentos de duas ou mais variáveis.

As frequências obtidas resultaram de um processo de ponderação, de modo a expressar valores estimados para a população residente em Portugal no ano de 2005. Para o cálculo daquelas estimativas, aplicou-se a cada respondente um ponderador multiplicativo que procura balancear as estimativas da população média de Portugal para 2005 e a sua distribuição por sexo, grupos etários e regiões, com o número de indivíduos que responderam a cada secção do inquérito7.

Assim, as percentagens e prevalências calculadas traduzem proporções estimadas para a população portuguesa com 15 e mais anos em 2005.

Para identificar os factores associados “a ser fumador” recorreu-se ao ajustamento de modelos de regressão logística binária12.

Esta análise disponibiliza razões de possibilidades (odd ratios– OR) que podem ser encaradas como uma estimativa do risco relativo de um indivíduo pertencente a uma determinada categoria de um factor (e.g. sexo, grupo etário), ser fumador quando comparado com um indivíduo da categoria de referência do mesmo factor. Os OR obtidos pelo modelo de regressão logística encontram-se ajustados para os efeitos de confundimento dos restantes factores introduzidos no modelo. A análise de regressão logística possibilitou a identificação de algumas das características (ou factores) com uma associação mais forte ao consumo de tabaco. De entre os modelos de regressão testados, seleccionaram-se aqueles cuja significância associada ao teste de Hosmer e Lemeshow fosse superior a 0,0512.

Uma vez que o consumo de tabaco não é independente da idade nem do sexo dos indivíduos, as análises foram desenvolvidas em separado para cada sexo. Dado que a comparação de prevalências entre indivíduos de determinado sexo, residentes nas diferentes regiões do País, apenas é válida após eliminação do efeito das diferentes estruturas etárias, optou-se, para algumas das prevalências estimadas, pela padronização das taxas de prevalência para a idade através da aplicação do denominado “método directo”, utilizando como padrão a população europeia de 199813. A padronização pela idade foi principalmente utilizada na avaliação dos hábitos tabágicos desagregados por variáveis sociodemográficas, também elas dependentes da idade dos indivíduos (como o nível de escolaridade, por exemplo).

 

Resultados

Hábitos tabágicos

No período 2005/2006 estimou-se que a maioria da população portuguesa (63,0%) nunca tinha fumado. Entre os indivíduos fumadores (20,9%), predominavam os que fumavam diariamente, que correspondiam a 18,7% dos residentes em Portugal. Os ex-fumadores tinham uma representatividade de 16,1% na população portuguesa.

A análise dos hábitos tabágicos dos indivíduos desagregada por sexo e grupo etário é apresentada no Quadro I. Neste quadro, os fumadores e ex-fumadores encontram-se subdivididos em diários e ocasionais. Da sua leitura, verifica-se que, entre a população portuguesa do sexo masculino, grande parte nunca havia fumado (43,1%), aproximadamente 31,0% eram fumadores (diários e ocasionais) e 26,0% ex -fumadores (diários e ocasionais). No sexo feminino, a prevalência dos que nunca fumaram (81,3%) foi sensivelmente o dobro da prevalência correspondente no sexo masculino e a proporção de mulheres que fumavam (diariamente e ocasionalmente) foi menos de metade (11,8%) da dos homens fumadores. Por outro lado, as ex -fumadoras representavam apenas 6,9% da população feminina.

 

Quadro I – Prevalências ponderadas (%) de fumadores, de não fumadores e de ex -fumadores por sexo e por grupos etários

 

Em ambos os sexos, as proporções mais elevadas de fumadores diários verificaram-se nos grupos etários dos 25 aos 34 anos e dos 35 aos 44 anos. A partir dos 44 anos observou-se um declínio da proporção de fumadores com a idade, tanto nos homens como nas mulheres.

Entre os homens, o grupo etário dos 35 aos 44 anos tinha uma prevalência de fumadores diários (41,4%) superior à de não fumadores (33,6%). Já entre as mulheres, a prevalência de fumadoras diárias era sempre inferior à de não fumadoras, aumentando com a idade até ao grupo dos 35 a 44 anos, onde atingia o valor máximo de 19,1%.

De acordo com o Quadro II, após remoção do efeito ocasionado pela diferente estrutura etária, a prevalência mais elevada de homens que fumavam diariamente foi observada na Região Autónoma dos Açores (31,0%), seguida do Alentejo (29,9%). Estas foram, aliás, as duas únicas regiões onde a prevalência de fumadores diários, padronizada para a idade, excedeu a prevalência de não fumadores, entre os homens. Já entre as mulheres, a prevalência mais elevada de consumo diário de tabaco ocorreu na região de Lisboa e Vale do Tejo (15,4%), seguida do Algarve (12,8%).

 

Quadro II – Prevalência ponderada e padronizada pela idade (%) de fumadores, não fumadores e ex -fumadores por região de residência, segundo o sexo

 

Factores que influenciam a possibilidade de ser fumador

A desigual distribuição por sexo da prevalência de fumadores sugere uma análise do perfil do fumador diário diferenciada para homens e mulheres.

Os factores identificados como determinantes da possibilidade de ser fumador, em ambos os sexos (Quadro III) foram: a idade, a região de residência, o nível de instrução, o estado civil e a situação perante o emprego/ocupação.

 

Quadro III – Estimativas da razão de possibilidades (OR) de “ser fumador” obtidas por análise de regressão logística

 

No que diz respeito à idade, a análise de regressão logística evidenciou que os indivíduos do sexo masculino com idades compreendidas entre os 15 e os 54 anos apresentavam um risco de serem fumadores diários cerca de cinco vezes maior do que os indivíduos mais idosos (75 e mais anos). Analogamente, as mulheres com idades compreendidas entre os 15 e os 54 anos também denotaram um risco acrescido de serem fumadoras, comparativamente às mulheres com 75 e mais anos. Por comparação com as mulheres mais idosas, a razão de possibilidade de serem fumadoras foi 37,5 vezes maior no grupo etário dos 15 aos 34 anos e cerca de 39 vezes superior no grupo etário dos 35 aos 54 anos.

Relativamente à região de residência, estimou-se que o risco dos homens residentes na Região Autónoma dos Açores serem fumadores era 60% superior ao risco correspondente dos moradores na região Norte, os quais, por sua vez, denotaram um risco de serem fumadores 39% inferior ao dos residentes na região do Alentejo.

De acordo com o Quadro III, e de uma forma geral, pode afirmar-se que os indivíduos do sexo masculino com 10 e mais anos de escolaridade completa evidenciaram menor risco de serem fumadores (com um risco cerca de 24% inferior) do que os indivíduos com menor nível de instrução (menos de 5 anos de escolaridade completos). Pelo contrário, no sexo feminino, o risco de uma mulher com 10 e mais anos de escolaridade completa ser fumadora era superior ao dobro do risco correspondente de uma mulher com menos de 5 anos de escolaridade completos.

Quanto ao estado civil, estimou-se que o risco dos indivíduos divorciados do sexo masculino serem fumadores foi 77% superior ao dos homens viúvos. No sexo feminino, as divorciadas também evidenciaram um risco acrescido de serem fumadoras. O risco estimado para as divorciadas foi superior ao do dobro do calculado para as mulheres viúvas.

Por fim, e no que diz respeito à situação perante o emprego, os resultados obtidos indicam que a população masculina desempregada foi a que evidenciou maior risco de fumar diariamente.

O risco estimado para os homens desempregados excedeu o dobro do risco correspondente da população cuja ocupação principal foi qualificada sob “outra situação” (reformados, domésticas(os), indivíduos permanentemente incapacitados, indivíduos a desenvolver estágios não remunerados e indivíduos com outras ocupações não especificadas). No sexo feminino, as desempregadas também denotaram uma possibilidade acrescida de serem fumadoras, por comparação com as mulheres cuja ocupação principal foi qualificada sob “outra situação” (risco 73% maior).

 

Características do consumo de tabaco

A quase totalidade (mais de 99%) dos fumadores regulares de ambos os sexos fumaram diariamente nas duas semanas anteriores à entrevista, sendo o cigarro a forma de consumo mais utilizada.

Em média, os homens fumavam mais cigarros por dia (20 cigarros) do que as mulheres (13 cigarros). Este indicador destacou-se na Região Autónoma dos Açores (Fig. 1), que evidenciou os consumos médios diários mais elevados (sexo masculino: 23 cigarros; sexo feminino: 16 cigarros). Na totalidade da população, a idade média de início de consumo de tabaco foi de 17 anos no sexo masculino e de 18 no sexo feminino, mas na Região Autónoma dos Açores (Fig. 2) os homens começaram, em média, a fumar mais cedo (aos 15 anos).

 

Fig. 1 – Número médio (ponderado) de cigarros consumidos por dia pelos fumadores diários de cada sexo, por regiões de residência

 

 

Fig. 2 – Idade média (ponderada) de início de consumo de tabaco pelos fumadores diários, por regiões de residência

 

Exposição passiva

A Fig. 3 expressa o tempo semanal dispendido em espaços fechados na presença de fumadores, por sexo. Na totalidade da população, a maior parte dos homens (60,5%) e das mulheres (76,8%) referiu ter estado pouco ou nenhum tempo da semana exposto ao fumo do tabaco em espaços fechados. Já a fracção da população masculina que conviveu com o fumo alheio durante a maior parte do tempo, ou durante a totalidade do tempo, foi ligeiramente superior (6,2%) do que a fracção feminina correspondente (4,2%).

 

Fig. 3 – Tempo semanal dispendido em espaços fechados na presença de fumadores, por sexo (% ponderadas)

 

Comportamentos face ao consumo de tabaco

A proporção dos fumadores que reduziu o consumo de tabaco, relativamente ao que consumia nos dois anos anteriores à entrevista, foi maior nas mulheres (17,1%) do que nos homens (14,8%).

À data do 4.º INS, cerca de metade dos fumadores diários (48,8%) já tinha tentado deixar de fumar (sexo feminino: 50,1%; sexo masculino: 45,2%).

Quanto ao comportamento dos fumadores na presença de não fumadores, os resultados apresentados na Fig. 4 indicaram que muitos (43,8% dos homens e 36,4% das mulheres) nunca evitam fumar na presença de não fumadores. Por outro lado, os fumadores que evitam sempre ou que evitam muitas vezes fumar na presença de não fumadores representaram 27,1% dos homens e 36,5% das mulheres.

 

Fig. 4 – Resposta dos fumadores à questão “Evita fumar na presença de não fumadores?”, por sexo (% ponderadas)

 

Verificou-se, ainda, que mais de metade dos não fumadores (68,8% dos homens e 67,8% das mulheres) referiram nunca pedir aos fumadores para evitar fumar na sua presença (Fig. 5). Apurou-se, também, que apenas 10,9% dos homens e 11,6% das mulheres que não fumavam pediam sempre, ou muito frequentemente, aos fumadores para evitarem fumar na sua presença.

 

Fig. 5 – Resposta dos não fumadores à questão “Chama a atenção ou pede aos fumadores que evitem fumar na sua presença?”, por sexo (% ponderadas)

 

Discussão e conclusões

O INS realizado em 2005/2006 incluiu, pela primeira vez, a população das regiões autónomas do Açores e da Madeira, permitindo conhecer os seus hábitos tabágicos, entre outras características de saúde. Enquanto na Região Autónoma da Madeira as percentagens de fumadores (diários e ocasionais) foram semelhantes às observadas no continente (aproximadamente 27% nos homens e 10,4% nas mulheres), na Região Autónoma dos Açores estas proporções eram mais elevadas (32,6% nos homens e 12,3% nas mulheres).

A Região Autónoma dos Açores destacou-se das restantes regiões do País, não só pela maior prevalência de fumadores, mas também pelo maior número médio de cigarros consumidos por dia (23 cigarros/dia no sexo masculino; 16 cigarros/dia no sexo feminino, e, ainda, pelo facto de se tratar da região onde os indivíduos do sexo masculino iniciaram mais precocemente o hábito de fumar (aos 15 anos).

Tal como o 4.º INS, os INS precedentes também destacaram a região do Alentejo devido às percentagens mais elevadas de fumadores do sexo masculino entre a população do continente. O facto das mais elevadas prevalências de fumadores diários do sexo masculino terem sido observadas nos Açores e no Alentejo estará provavelmente associado às elevadas taxas de mortalidade por neoplasias malignas verificadas naquelas regiões14,15.

É de especial relevo o facto de que, em 2005/2006, a proporção mais elevada de fumadores diários se concentrava entre os 35 e os 44 anos (sexo masculino: 41,4%; sexo feminino: 19,1%), tendo a segunda maior prevalência sido observada entre os 25 e os 34 anos (sexo masculino: 34,5%; sexo feminino: 16,0%).

Os resultados obtidos no 4.º INS confirmam a relativamente baixa prevalência de fumadores na população portuguesa, já observada por outros inquéritos. De facto, os dados do Eurobarómetro revelaram que 27,0% de portugueses fumava cigarros em 2005, comparativamente com 29,0% em 2002. Apenas em alguns países europeus foram observados valores mais baixos de prevalência nos mesmos inquéritos16.

A observação de que o risco relativo de ser fumador do sexo masculino era mais elevado entre os indivíduos com menor nível de escolaridade, ao contrário do verificado no sexo feminino, confirma análises efectuadas com dados dos INS anteriores5.

Em ambos os sexos, os indivíduos divorciados revelaram um risco acrescido de serem fumadores, comparativamente aos viúvos e restantes estados civis.

No que diz respeito à situação perante o emprego, verificou-se que os indivíduos desempregados denotavam uma possibilidade acrescida de serem fumadores (sexo masculino: OR=2,23; sexo feminino: OR=1,73), facto que tem sido associado à tensão psicológica a que estão sujeitas as pessoas nesta situação. Esta relação havia já sido observada na população de Portugal continental, através de uma análise dos dados amostrais dos INS anteriores3.

Os resultados relativos ao comportamento dos fumadores na presença de não fumadores revelaram que muitos fumadores (43,8% dos homens e 36,4% das mulheres) nunca evitam fumar na presença de pessoas que não fumem.

A constatação de que apenas 10,9% dos homens e 11,6% das mulheres, que não fumavam, pediam sempre, ou muito frequentemente, aos fumadores para evitarem fumar na sua presença sugere que, apesar da aparente má aceitação do fumo na sociedade actual, os comportamentos e as atitudes declarados pela população não reflectem, ainda, aquela situação.

Na análise agora publicada, restringida aos dados do 4.º INS relativos à população de 15 e mais anos de idade, a prevalência de fumadores (diários e ocasionais) estimada na população foi de 20,9%. Esta prevalência não é, em rigor, comparável com as até agora divulgadas8, que descrevem o consumo de tabaco na população de 10 e mais anos de idade residente no continente. No entanto, o respectivo valor encontra-se próximo das mesmas (20,6% em 1998/1999; 19,6% em 2005/2006). De acordo com a fonte referenciada, na sequência da tendência dos inquéritos anteriores, no 4.º INS o sexo masculino revelou uma prevalência mais elevada de fumadores diários do que o sexo feminino, embora com valores menores do que os obtidos nos inquéritos anteriores, que apenas viabilizam a comparação de estimativas relativas a Portugal Continental (32,0% em 1998/1999 e 28,7% em 2005/2006). Este facto, conjuntamente com a observação do aumento da prevalência de consumo de tabaco (diário e ocasional) no sexo feminino (10,1% em 1998/1999 e 11,2% em 2005/2006), confirma a posição de Portugal na terceira fase da epidemia tabágica, com reflexos já detalhados na evolução da mortalidade nos últimos anos e cuja magnitude aumentará previsivelmente nas próximas décadas entre as mulheres1,17,18.

Os resultados agora publicados podem ser importantes para a análise da evolução da epidemia tabágica em Portugal, nomeadamente por serem os primeiros que reflectem estimativas populacionais, obtidas através da ponderação de dados amostrais, e não apenas estimativas amostrais, como foi o caso dos INS anteriores.

Estes indicadores reflectem o estado do consumo de tabaco na população residente em Portugal nos anos 2005 e 2006, cerca de um ano antes da entrada em vigor da Lei n.º 37/2007 de 14 de Agosto que aprova as normas para a protecção dos cidadãos da exposição involuntária ao fumo do tabaco19. O estudo patrocinado pela Direcção -Geral de Saúde e coordenado pelo grupo Infotabac, realizado cerca de um ano após a publicação da referida lei, revela alguns indicadores de consumo de tabaco que atestam a tendência de diminuição da prevalência de fumadores do sexo masculino e a tendência crescente de mulheres fumadoras20.

 

 

Bibliografia/Bibliography

1. Lopez AD, Mathers CD, Ezzati M, Jamison DT, Murray CJ. Global and regional burden of disease and risk factors, 2001: systematic analysis of population health data. Lancet 2006; 367,1747 -1757.

2. World Health Organisation. Tobacco key facts, WHO, Geneva, 2009. Disponível em: http://www.who.int/topics/tobacco/facts/en/index.html [acedido em Janeiro de 2009].

3. Matias Dias C, Martins P, Graça MJ. Consumo de tabaco na população de Portugal Continental: Comparação dos dados dos Inquéritos Nacionais de Saúde 1987/1996/1999. Observações 13, 2001.

4. Rabiais S, Matias Dias C. Consumo de tabaco nas regiões de Portugal Continental: Comparação dos dados dos Inquéritos Nacionais de Saúde 1987/1996/1999. Observações 29, 2005.

5. Matias Dias C, Graça MJ. O Inquérito Nacional de Saúde em Portugal, História, métodos e alguns resultados. Instituto Nacional de Saúde. Lisboa, 2001.

6. World Health Organization – Health Interview Surveys: Towards international harmonization of methods and instruments. World Health Organization Regional publications European Series n.º 58. Copenhagen, 1996.

7. Instituto Nacional de Saúde/Instituto Nacional de Estatística: Quarto Inquérito Nacional de Saúde à população portuguesa: nota metodológica. INSA/INE, 2008.

8. Instituto Nacional de Saúde/Instituto Nacional de Estatística. 4.º Inquérito Nacional de Saúde 2005/2006: Destaque. INSA/INS, Lisboa, 2007. Disponível em: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/ComInf/Im prensa/ComNotas/ComunicadosNotas/INS-2005-2006_Principais%20Indicadores.pdf [acedido em Março de 2009].

9. Machado A, Nicolau R, Matias Dias C. Consumo de tabaco na população portuguesa: Análise dos dados do 4.º Inquérito Nacional de Saúde 2005/2006. Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. Abril, 2009. Disponível em: http://www.insa.pt

10. SPSS 15.0 for Windows. Release 15.0 (6 Sep 2006). SPSS Inc.

11. EXCEL. Microsoft © Excel 2002. Microsoft Corporation 1985 -2001.

12. Hosmer DW, Lemeshow S. Applied logistic regression. Wiley, New York. 1989

13. Office for National Statistics – United Kingdom. “Age distribution of the European standard population 1998”. Disponível em: http://www.statistics.gov.uk/StatBase/expodata/files/2393311471.csv [acedido em Fevereiro de 2008].

14. Nicolau R, Machado A, Falcão JM, Nunes B. Análise da mortalidade e dos internamentos hospitalares por concelhos de Portugal Continental (2000-2004). Lisboa, Fundação Merck Sharp & Dohme; 2008.

15. Motta LC, Falcão JM. 2.º atlas da mortalidade por cancro, em Portugal 1990 -1992. Lisboa: Departamento de Estudos e Planeamento da Saúde; Lisboa, 1997.

16. European Commission, Special Eurobarometer n°239 (2): Attitudes of Europeans towards tobacco. Disponível em: http://ec.europa.eu/health/ph_information/documents/ebs_239_en.pdf [acedido em Outubro de 2008].

17. Lopez AD, Collishaw NE, Piha T. A descriptive model of the cigarette epidemic in developed countries. Tobacco Control 1994; 3, 242-247.

18. Nogueira P, Paixão E, Rodrigues E. Sazonalidade e periodicidade da mortalidade portuguesa. 1980 a 2001. Lisboa, Fundação Merck Sharp & Dohme, 2007.

19. Portugal. Assembleia da República. Lei n.º 37/2007 de 14 de Agosto. Diário da República, 1.ª Série, n.º 156, 14 de Agosto de 2007.

20. Cardoso C, Plantier T. Acompanhamento estatístico e epidemiológico do consumo de tabaco em Portugal. Episcience. Lisboa, 2008.        [ Links ]

 

1 Colaboradora equiparada a técnica superior/Senior technician equivalent

2 Investigadora auxiliar/Assistant researcher

3 Médico de saúde pública/Physician, Public Health

Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

Av. Padre Cruz 1649 -016 Lisboa – Portugal

Coordenador do Departamento de Epidemiologia/Epidemiology coordinator: Dr. José Marinho Falcão

e-mail: ausenda.machado@insa.min-saude.pt

 

Recebido para publicação/received for publication: 09.04.20

Aceite para publicação/accepted for publication: 09.05.15