SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número4Bronquiolite constritiva ocupacional (?) em doente com exame físico, radiológico e funcional normalO papel da neutropenia no prognóstico do doente oncológico com pneumonia adquirida na comunidade índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Pneumologia

versão impressa ISSN 0873-2159

Rev Port Pneumol v.15 n.4 Lisboa ago. 2009

 

Coordenador: Renato Sotto-Mayor

Autor:  J Rosal Gonçalves

 

Anestesia em broncofibroscopia – Estudo randomizado comparando o uso tópico da lidocaína ou em associação com o propofol, o alfentanil ou o midazolam*

Anesthesia in flexible bronchoscopy – Randomized clinical trial comparing the use of topical lidocaine alone or in association with propofol, alfentnil or midazolam*

 

André Germano Leite

Rogério Gastal Xavier

José Silva Moreira

Francisco Wisintainer

 

 

Resumo

A broncofibroscopia (BFB) é efectuada geralmente sob anestesia local, com ou sem sedação.

O objectivo deste estudo é escolher o protocolo anestésico utilizado durante a BFB que tenha menos complicações e seja mais bem tolerado.

Este estudo prospectivo randomizado analisou 80 doentes que foram submetidos a BFB.

Os doentes foram randomizados e divididos em quatro grupos de 20 doentes cada, de acordo com a combinação anestésica utilizada: 200 mg de lidocaína tópica1; 200 mg de lidocaína tópica e propofol, 2 mg/kg2; 200 mg de lidocaína tópica e alfentanil 20 mcg/kg3; ou 200 mg de lidocaína tópica e midazolan 0,005 mg/kg4.

Durante o exame foram avaliados diversos scores de acordo com diferentes variáveis e, posteriormente, avaliados os scores mais baixos e o respectivo índice de complicações.

Os resultados foram avaliados estatisticamente e a análise revelou que a combinação2 200 mg de lidocaína tópica e propofol, 2 mg/kg, teve uma eficácia superior às outras associações.

 

 

Comentário

A BFB é uma técnica de rotina em pneumologia. O procedimento induz diversos graus de estimulação, particularmente a tosse, o que dificulta a sua realização e por vezes a repetição do mesmo, contudo as respostas fisiopatológicas mais frequentes são a taquicardia, a subida da tensão arterial e a dessaturação da hemoglobina.

A BFB é uma técnica que a maior parte das vezes é realizada sob anestesia local com ou sem sedação utilizando anestésicos de curta duração, é um exame de baixo risco, sendo a maior parte das complicações relacionadas co a anestesia local – lidocaína.

O estudo destes autores tem como objectivo escolher um protocolo anestésico que facilite a realização da BFB com maior conforto e menos complicações para o doente. Compararam quatro protocolos: 200 mg de lidocaína tópica e propofol, 2 mg/kg2; 200 mg de lidocaína tópica e alfentanil 20 mcg/kg3; ou 200 mg de lidocaína tópica e midazolan 0,005 mg/kg4.

Durante a realização da BFB foram analisados vários scores: o tempo de duração do exame, a necessidade de alteração do protocolo, a dose de lidocaína usada e as complicações que ocorrem durante o exame, como as arritmias, a hipoxemia, a tosse, a agitação psicomotora, a depressão respiratória, o broncoespasmo, a hipertensão arterial e o nível de consciência.

Da análise estatística individual dos diversos scores não houve diferenças significativas entre os vários grupos. Quando se compararam os protocolos uns com os outros, o protocolo com melhor score e menos complicações é o protocolo2.

A nossa experiência permite-nos afirmar que a anestesia tópica com lidocaína bem efectuada é suficiente para a realização da BFB com segurança e com baixo risco para o doente, contudo quando realizada com sedação é mais cómoda para o doente e facilita-nos particularmente a realização das técnicas complementares.

Perante esta análise, devemos ponderar a alteração da nossa estratégia de rotina mas não devemos excluir a possibilidade de se poder continuar a utilizar a anestesia local como um método seguro e dentro da boaprática dos pneumologistas.

 

Mensagem

1. A broncofibroscopia é uma técnica perfeitamente segura quando realizada sob anestesia local, desde que correctamente realizada;

2. A utilização de anestésicos de curta duração associados à anestesia tópica com lidocaina são eficazes, permitindo a realização da técnica com maior conforto para o doente;

3. O protocolo anestésico com sedação mais eficaz parece ser a associação da lidocaína tópica com o propofol ev;

4. A opção do método de anestesia, anestesia tópica e/ou com sedação ev, a realizar durante a BFB, deve ser de acordo com a experiência individual e a boa prática na pneumologia.

 

Bibliografia

1. Pue CA, Pach ER. Complications of fiberoptic bronchoscopy at a university hospital. Chest 1995; 107:430-432.        [ Links ]

2. Colt HG, Morris JF. Fiberoptic bronchoscopy without premedication: a retrospective study. Chest 1990; 98:1327-1330.

3. Negrin MP, Martin JJB, Fernadez AO. Subjective tolerance to flexible bronchoscopy. J Bronchol 2001; 8:166-169.

4. Clarkson K, Power CK, O'Connell F. A comparative evaluation of propofol and midazolam as sedative agents in fiberoptic bronchoscopy. Chest 1993; 104:1029-1031.

5. Crawford M, Pollock J, Andersson K. Comparison of midazolan with propofol foe sedation in outpatient bronchoscopy. Br J Anaesth 1993; 70:419-422.

 

2009-03-09

* J Bronchology 2008; 15:223-239