SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número5Internamento devido a PAC por Streptococcus pneumoniae - Avaliação de factores de mortalidadeAvaliação da densidade mineral óssea em doentes com fibrose quística índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Pneumologia

versão impressa ISSN 0873-2159

Rev Port Pneumol v.14 n.5 Lisboa out. 2008

 

 Prevalência de hábitos tabágicos e sua repercussão numa população de asmáticos

 

Bárbara Seabra 1

Miguel Guimarães 2

Aurora Carvalho 2

Raquel Duarte 2

 

 

Resumo

Introdução – A prevalência de hábitos tabágicos em Portugal e na Europa ronda os 19,2 e 33%, respectivamente.

Não existem, porém, dados precisos quanto à prevalência de hábitos tabágicos na popoulação asmática.

Objectivos – Determinar a prevalência de hábitos tabágicos e sua repercussão numa amostra populacional asmática.

Material e métodos – Cento e dez doentes asmáticos observados em consultas consecutivas de asma foram classificados como não fumadores, ex-fumadores ou fumadores, de acordo com os seus hábitos tabágicos. Subsequentemente, baseados numa avaliação clínica e funcional, foram incluídos num de quatro grupos: asma persistente severa (APS), persistente moderada (APM), persistente ligeira (APL) e intermitente (AI).

Resultados – Entre os 110 doentes (65% do sexo feminino), com idades compreendidas entre os 18 e 78, 8% eram fumadores, 9% ex-fumadores e 83% não fumadores.

Distribuição entre os asmáticos:

– Fumadores – 0% APS, 56% APM, 33% APL, 11%AI;

– Ex-fumadores – 10% APS, 30% APM, 50% APL, 10%AI;

– Não fumadores – 7%APS, 27%APM, 36%APL, 30%AI;

A avaliação funcional foi globalmente pior em doentes com exposição (actual ou prévia) a tabaco.

Conclusão – A prevalência de hábitos tabágicos nesta amostra populacional foi de 8%, consideravelmente inferior à sua prevalência na população portuguesa (19,2%). A análise e comparação do grau de severidade de asma e da sua avaliação funcional revelou resultados piores na população de fumadores e ex-fumadores.

Estes reforçam o papel da exposição ao tabaco como factor de agravamento da asma e, consequentemente, do seu prognóstico. Estudos posteriores podem revelar-se importantes na comprovação dos bem conhecidos riscos dos hábitos tabágicos, contribuindo para alertar a população asmática neste sentido.

Palavras-chave: Asma, tabaco, GINA, VEMS.

 

 

The smoking rate and its repercussions on an asthmatic population sample

Abstract

Setting – The smoking rate in Portugal is 19.2% and 33% in Europe. There is no precise data on the smoking rate of the asthmatic population.

Aim – To determine the smoking rate and its repercussions on an asthmatic population sample.

Design – One hundred and ten asthmatic patients observed in asthma consultations were classified as non-smokers, former-smokers or smokers. Subsequently, based on functional and clinical criteria, they were classified as having Severe Persistent (SPA),

Moderate Persistent (MoPA), Mild Persistent (MiPA) and Intermittent (IA) Asthma.

Results – 8% of 110 patients (65% female) aged 18 to 78 years were smokers, 9% former-smokers, 83% non-smokers.

Among the asthmatics:

– smokers: 0% SPA, 56% MoPA, 33% MiPA, 11% IA;

– former smokers: 10% SPA, 30%MoPA, 50% MiPA, 10% IA;

– non-smokers: 7% SPA, 27% MoPA, 36% MiPA, 30% IA.

Patients with exposure to smoking had worse functional evaluation than those without exposure.

Conclusion – In this population sample the rate of current smoking habits (8% of current smokers) was considerably low than in Portugal (19.2%). Analysis and comparison of asthma severity and functional evaluation detected worse results in both current and former smokers. These reinforce the role of tobacco exposure in asthma aggravation and worsening of its prognosis. Further studies may be important to prove and alert the asthmatic population, in particular, to the well-known risks of smoking.

Key-words: Asthma, smoking, GINA, FEV1.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Bibliography

1. The European Report on Tobacco Control Policy – 1997-2001 – WHO – Regional Office for Europe.

2. Insitituto Nacional de Estatística, 1998/9.

3. Jindal SK, Gupta D and Singh A. Indices of morbidity and control of asthma in adult patients exposed to environmental tobacco smoke. Chest 1994; 106: 746 -9.        [ Links ]

4. Boulet LP, Lemière C, Archambault F, Carrier G, Descary MC, Deschesnes F. Smoking and asthma: Clinical and radiologic features, lung function, and airway. Chest 2006; 129:661-8.

5. Wijnhoven HAH, Kriegsman DMW, Hesselink AE et al. Determinants of different dimensions of disease severity in asthma and COPD: Pulmonary functionand health-related quality of life”. Chest 2001; 119:1034-42.

6. Global Initiative for Asthma – Global strategy for asthma management and prevention.

 

 

1 Interna Complementar de Pneumologia, Departamento de Pneumologia, Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia / Resident, specialist training in Pulmonology,Pulmonology Unit, Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia.

2 Assistente Hospitalar de Pneumologia, Departamento de Pneumologia, Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia / Pulmonology Consultant, Pulmonology Unit, Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia.

Directora de Serviço / Unit Director: Dra. Bárbara Parente

Correspondência / Correspondence:

Bárbara Seabra R. Prof. Mota Pinto 248, 8.º Dto.,

4100-356 Porto, Portugal

E-mail – i.live@iname.com

Fax: 227865100

 

Recebido para publicação/received for publication: 07.05.29

Aceite para publicação/accepted for publication: 08.04.30