SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número1Gestão de marcas e arranjos produtivos: A marca “Vinho do Porto”Estudo sobre a validação do “Modelo de Comportamento Organizacional” de Meyer e Allen para o contexto português índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Compartilhar


Comportamento Organizacional e Gestão

versão impressa ISSN 0872-9662

Comport. Organ. Gest. v.14 n.1 Lisboa abr. 2008

 

Dinâmicas de poder nas organizações: A contribuição da governamentalidade

 

Rafael Alcadipani

Uninove e EAESP-FGV

 

Resumo. Michel Foucault é um dos principais pensadores Ocidentais dos últimos cinquenta anos. Muito embora suas obras sejam utilizadas no campo de Estudos Organizacionais, o foco dos teóricos no campo tende a ser a questão do poder disciplinar em operação nas organizações. Dessa forma, o presente artigo tem por objetivo apresentar a noção de governametalidade nas obras de Michel Foucault e discutir as possíveis contribuições dessa noção para a compreensão das dinâmicas de poder em contexto organizacional. Para tanto, o artigo primeiro discutirá a noção de governamentalidade. Em seguida, debaterá os diferentes tipos de governamentalidade presente nas obras de Michel Foucault, para depois apresentar como essa noção poderia ser empregada para analisar relações de poder em contexto organizacional.

Palavras-chave: Teoria das Organizações, Michel Foucault, governamentalidade, poder.

 

 

Abstract. Michel Foucault is one of the key Western thinkers of the last 50 years. Even though his ideas have been used to discuss issues of power in Organizational Analysis, most of works drawing in his perspective have been addressed to discuss issues related to disciplinary power in organizational context. In this context, this paper aims to present Foucault’s work on governamentality and discuss its possible contribution to analyze power dynamics in organizational context. In order to do that, the paper will first discuss the notion of governamentality in Foucault’s work. Then, it will debate the different governamentalities addressed by the author to give some suggestions of how this notion can be deployed to analyze power relations in organizations.

Keywords: Organizational Theory, Michel Foucault, Governamentality, Power.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Referências bibliográficas

Burchell, G., Gordon, C., & Miller, P. (1991). The Foucault Effect: Studies in Governamentality. Chicago: The University of Chicago Press.         [ Links ]

Burrell, G. (1988). Modernism, post-modernism and organization analysis – 2: The contribution of Michel Foucault. Organization Studies, 9 (2), 423-459.

Carter, C., Mckinlay, A., & Rowlinson, M. (2002). Introduction. Organization, 9 (4), 235-267.

Casey, C. (1999). Come, join our family: discipline and integration in corporate organizational culture. Human Relations, 52 (2), 125-178.

Fonseca, M. (2001). Foucault e o direito. Unpublished doctoral dissertation, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Fonseca, M. (1995). Michel Foucault e a constituição do sujeito. São Paulo: Educ.

Foucault, M. (1979a). Verdade e poder. In R. Machado (Ed.), Microfísica do poder (1.ª ed., pp. 1-14) Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1979b). Soberania e disciplina. In R. Machado (Ed.), Microfísica do poder (1.ª ed., pp. 179-193). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1979c). Nietzsche, a genealogia e a história. In R. Machado (Ed.), Microfísica do poder (1.ª ed., pp. 15-38) Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1979d). Genealogia e poder. In R. Machado (Ed.), Microfísica do poder (1.ª ed., pp. 167-178). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1979e). O olho do poder. In R. Machado (Ed.), Microfísica do poder (1.ª ed., pp. 209-228). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1979f). Não ao sexo rei. In R. Machado (Ed.), Microfísica do poder (1.ª ed., pp. 229-242). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1979g). Sobre a história da sexualidade. In R. Machado (Ed.), Microfísica do poder (1.ª ed., pp. 243-276). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. A. (1979h). Governamentalidade. In R. Machado (Ed.), Microfísica do poder (1.ª ed, pp. 277295). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1984). História da sexualidade: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes. Foucault, M. (1988). História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1990a). Omnes et singulatim: hacia una crítica de la razón política. In M. Morey, & M. Foucault (Eds.), Tecnologías del yo y otros escritos. Barcelona: Paidós Ibérica.

Foucault, M. (1990b). Tecnología del yo. In M. Morey, & M. Foucault (Eds.), Tecnologías del yo y otros escritos. Barcelona: Paidós Ibérica.

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In P. Rabinow, H. Dreyfus, & M. Foucault (Eds.), Uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (1996). A ordem do discurso. São Paulo: Loyola.

Foucault, M. (1999a). A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU Editora.

Foucault, M. (1999b). Las mallas del poder. In M. Foucault (Ed.), Ética y hermenéutica. Barcelona: Paidós.

Foucault, M. (1999c). El cuidado de la verdad. In M. Foucault (Ed.), Estética, ética y hermenéutica. Barcelona: Paidós.

Foucault, M. (1999d). Nacimiento de la biopolítica. In M. Foucault (Ed.), Estética, ética e hermenéutica. Barcelona: Paidós.

Foucault, M. (1999e). Sexualidad y soledad. In M. Foucault (Ed.), Estética, ética y hermenéutica. Barcelona: Paidós.

Foucault, M. (1999f). Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (1999g). Política da verdade: Paul Rabinow entrevista Michel Foucault. In P. Rabinow (Ed.), Antropologia da razão. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Fournier, V., & Grey, C. (2000). At the critical moment: conditions and prospects for critical management studies. Human Relations, 53 (1), 423-445.

Fulop, L., & Linstead, S. (1999). Management: A Critical Text. London: Macmillan Press.

Gordon, C. (1991). Governamentality. In G. Burchell, C. Gordon, & P. Miller (Eds.), The Foucault Effect: Studies in Governamentality. Chicago: The University of Chicago Press.

Hardt, M., & Negri, A. (2001). Império. Rio de Janeiro: Record.

Hardy, C., & Leiba-O’Sullivan, S. (1998). The power behind empowerment: implications for research and practice. Human Relations, 51 (4), 298-312.

Machado, R. (1979). Por uma arqueologia do poder. In R. Machado (Ed.), Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

Mckinlay, A., & Sttarkey, K. (1998). Foucault, Management and Organization Theory. London: Sage.

Munro, I. (2000). Non-disciplinary power and the network society. Organization, 7 (4), 328-358.

Ortega, F. (1999). Amizade e estética da existência em Foucault. Rio de Janeiro: Graal.

Prestes Motta, F., & Alcadipani, R. (2003, september). Michael Foucault, poder e a teoria das organizações.

Paper presented at the Annual meeting of Anpad, Atibaia, SP. Knights, D. (2002). Writing organizational analysis into Foucault. Organization, 9 (4), 678-723.

Knights, D., & Vurdubakis, T. (1994). Foucault, power, resistance and all that. In J. Jermier, D. Knights, & W. Nord (Eds.), Resistance and power in organization. London: Routledge.

Rabinow, P. (1999). Antropologia da razão. Rio de Janeiro: Relume Dumará. Rabinow, P., & Dreyfus, H. (1995). Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e a hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Segnini, L. (1986). Bradesco: a liturgia do poder. São Paulo: Educ.

Willmott, H. (1993). Strength is ignorance, slavery is freedom: managing culture in modern organizations. Journal of Management Studies, 30 (4), 199-239.