SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número1Parotidite bacteriana bilateral no recém-nascidoAtraso pubertário: um diagnóstico tardio índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754versão On-line ISSN 2183-9417

Nascer e Crescer vol.26 no.1 Porto mar. 2017

 

CASE REPORTS | CASOS CLÍNICOS

 

Fistula broncopleural na pneumonia adquirida na comunidade

 

Bronchopleural fistula in community-acquired pneumonia

 

 

Inês FerreiraI; João NascimentoI; Margarida GuedesI; Lurdes MoraisI; Ana RamosI

I Department of Pediatrics, Centro Materno Infantil do Norte, Centro Hospitalar do Porto. 4099-001 Porto, Portugal. inescasfer@gmail.com; nascimentojoao10744@gmail.com; margguedes@gmail.com; lurdescmorais@gmail.com; anaramoshmp@gmail.com

Correspondence to

 

 


RESUMO

A fístula broncopleural, embora rara em idade pediátrica, é uma das possíveis complicações da pneumonia adquirida na comunidade.

Criança do sexo masculino com dois anos de idade, previamente saudável, com vacinação anti-pneumocócica completa, internado no quinto dia de doença com pneumonia adquirida na comunidade, complicada com empiema. Colocado dreno torácico em D7 e realizada terapêutica fibrinolítica intra-pleural. Em D10 foi removido o dreno por suspeita de fístula broncopleural. A tomografia computadorizada de tórax foi compatível com pneumonia necrotizante complicada com fistula broncopleural. Submetido a tratamento conservador com antibioterapia de largo espetro durante seis semanas, com evolução favorável. Atualmente, com dois anos de seguimento tem-se mantido assintomático.

Os autores salientam que, mesmo em crianças previamente saudáveis, a pneumonia adquirida na comunidade pode complicar com pneumonia necrotizante e fístula broncopleural.

Palavras-chave: Pneumonia adquirida da comunidade; pneumonia necrotizante; fistula broncopleural


ABSTRACT

Bronchopleural fistula, although rare in infant and child, is one of the possible complications of community-acquired pneumonia.

A two-years-old boy, previously healthy, with complete anti-pneumococcal vaccination, was hospitalized on the fifth day of illness with a community-acquired pneumonia complicated with empyema. A chest tube was placed in D7 with intra-pleural fibrinolytic administration. In D10 the chest drain was removed after suspicion of a brochopleural fistula. Chest tomography was consistent with necrotizing pneumonia complicated with bronchopleural fistula. Conservative treatment with broad spectrum antibiotic therapy was decided for six weeks, with a favorable outcome. At two years of follow-up he remained asymptomatic.

The authors point out that, even in previously healthy children, community-acquired pneumonia may complicate with necrotizing pneumonia and bronchopleural fistula.

Keywords: Community-acquired pneumonia; necrotizing pneumonia; bronchopleural fistula


 

 

INTRODUÇÃO

A fístula broncopleural (FBP) consiste numa comunicação aberrante entre a árvore brônquica e o espaço pleural, através da qual o ar inspirado entra no espaço pleural, por um período de tempo superior a 24 horas.1,2

Em idade pediátrica, a FBP surge mais frequentemente na sequência de uma pneumonia necrotizante, com ou sem empiema, causada por microrganismos anaeróbios, piogénicos, Mycobacterium tuberculosis, ou fungos, sendo o Streptococcus pneumoniae o mais frequente3. Durante o processo infecioso da pneumonia necrotizante, a necrose e a formação de abcessos pode-se estender até à pleura, com formação de FBP.4

Na idade adulta, a FBP está mais frequentemente associada a procedimentos cirúrgicos pulmonares. A incidência de FBP varia de 4,5% a 20% após pneumectomia e 0,5% após lobectomia, dependendo de diversos fatores de risco relacionados com o procedimento cirúrgico e com co-morbilidades do doente.5 A FBP pode ainda estar associada a neoplasia pulmonar, traumatismo torácico penetrante, ou ocorrer como complicação de biópsia pulmonar, toracocentese ou radioterapia.2,5,6

A FBP é uma situação rara, especialmente em idade pediátrica, com elevada morbilidade. O seu tratamento deve ser individualizado, implicando uma abordagem cirúrgica numa elevada percentagem de doentes5. No entanto, uma atitude conservadora pode ter sucesso, tal como no caso que apresentamos.

 

CASO CLÍNICO

Criança do sexo masculino, com dois anos e oito meses, previamente saudável, com quatro doses de vacina conjugada anti-pneumocócica (três doses de vacina 7-valente e uma dose 13-valente aos 18 meses de idade).

Internado numa unidade hospitalar privada no quinto dia de doença por febre, tosse, dificuldade respiratória de agravamento progressivo e recusa alimentar parcial. À admissão, apresentava-se com razoável estado geral, taquipneia, satura-

ção periférica de oxigénio de 88-90% (com FiO2 21%), adejo nasal, tiragem global e diminuição do murmúrio vesicular em todo o hemitórax direito. O estudo analítico aí realizado revelou hemoglobina de 10,9 g/dL, 16500 leucócitos/µL (11800/µL neutrófilos) e proteína C reativa < 0.5 mg/L. Radiografia de tórax com hipotransparência do hemitórax direito, confirmando-se ecograficamente um derrame pleural de médio volume. Iniciou antibioterapia endovenosa com ampicilina e claritromicina.

Transferido para o Centro Materno-Infantil do Norte no dia seguinte, por agravamento da dificuldade respiratória. Repetiu ecografia torácica, que revelou um derrame pleural de grande volume, sem sinais de loculação ou empiema. Foi submetido a toracocentese (volume de líquido pleural não quantificado) e o exame citoquímico do líquido pleural (LP) foi compatível com transudado (pH 7 e 1000 leucócitos/µL), com relação proteínas totais LP/soro de 0,1 g/L e DHL inferior ao limite de deteção.

Por persistência dos sinais de dificuldade respiratória e da febre, ao sétimo dia repetiu estudo analítico, que demonstrou um agravamento dos parâmetros inflamatórios (leucóci-tos 22900/µL com 69% de neutrófilos, proteína C reativa 326 mg/L). Foi colocado dreno torácico, com saída de LP purulento e exame citoquímico compatível com empiema (pH 7,0; relação proteínas no líquido pleural / séricas 0,64; relação DHL líquido pleural / sérica 9,06; células 19155/µL com 89% de polimorfonucleares).

Por drenagem incompleta do espaço pleural, foi administrada terapêutica fibrinolítica intra-pleural (alteplase 0.1 mg/Kg/dia, 3 dias consecutivos), com uma drenagem total de 644ml. Ao décimo primeiro dia, detetado enfisema subcutâneo da parede lateral do hemitórax direito (Figura 1) e saída de líquido sero-hemático arejado pelo dreno torácico. Por suspeita de FBP foi removido o dreno torácico e efetuado encerramento cutâneo da solução de continuidade. Por persistência da febre e dos parâmetros inflamatórios elevados, foi alterada a antibioterapia para ceftriaxone e clindamicina.

 

 

A Tomografia computorizada (TC) torácica revelou um pneumotórax de médio a grande volume, aparentemente loculado na vertente postero-superior do pulmão direito, associada a uma formação cavitada multiloculada do lobo superior direito compatível com processo necrotizante. Verificou-se ainda consolidação para-cardíaca do lobo superior e inferior direitos, com broncograma aéreo e uma solução de continuidade entre árvore brônquica, espaço pleural e tecidos moles da parede torácica, sugerindo FBP central. Foi ainda possível documentar a presença de enfisema subcutâneo, derrame pleural loculado na cisura oblíqua direita de médio volume e pequena lâmina de derrame pleural no fundo de saco costofrénico homolateral (Figura 2 e 3).

 

 

 

 

O doente evoluiu favoravelmente, com resolução da saída de ar pela parede torácica, melhoria do enfisema subcutâneo, apirexia sustentada desde D21 de doença, independência da oxigenoterapia suplementar desde D22 e normalização dos parâmetros inflamatórios. Teve alta em D50 de doença, completando um total de 6 semanas de antibioterapia.

Nos exames culturais (hemocultura, bacteriológico, micológico e micobacteriológico do LP) não foi isolado nenhum agente e o estudo imunológico (doseamento de imunoglobulinas e pesquisa de anticorpos específicos) foi normal. Não foi efetuada pesquisa de agente por Polymerase Chain Reaction (PCR).

Repetiu TC torácica em D38 de doença que confirmou a melhoria do processo necrotizante e a resolução do enfisema subcutâneo e da FBP. Identificou-se um espessamento sequelar da pleural marginal póstero-lateral do pulmão direito e uma consolidação parenquimatosa do segmento posterior do lobo superior direito e duas lesões cavitadas, uma de 9 mm de maior diâmetro de conteúdo aéreo e outra de 26 mm com conteúdo líquido e aéreo (Figura 4).

 

 

Aos dois anos de seguimento, mantem-se assintomático, sem intercorrências infeciosas, com exame objetivo normal e sem alterações na radiografia torácica. O estudo de função respiratória ainda não foi realizado por falta de colaboração do doente.

 

DISCUSSÃO

A FBP, como complicação de infeção pleuroparenquimatosa, pode desenvolver-se em qualquer fase do curso da doença.5 O risco de FBP é mais elevado em doentes com pneumonia necrotizante, por extensão do processo de necrose pulmonar através da pleura.7

A incidência de FBP em idade pediátrica não está bem documentada na literatura. Sabe-se apenas que a pneumonia necrotizante, apesar de rara, tem-se tornado mais frequente, representado cerca de 5 a 10% das pneumonias adquiridas na comunidade.8

A drenagem da cavidade pleural pode condicionar uma loculação de líquido pleural que aumenta o risco de fistulização, estando este risco associado à duração da drenagem.9,10 No entanto, não está documentado na literatura que a utilização de fibrinolíticos no tratamento do empiema, mesmo quando associado a pneumonia necrotizante, possa contribuir para a formação de fístula.4

A terapêutica da FBP continua a ser um desafio, variando desde terapêuticas conservadores até procedimentos cirúrgicos agressivos, não existindo normas de orientação ou consensos bem estabelecidos.6 Nas FBP secundárias a infeções pleuroparenquimatosas, a primeira abordagem deverá ser sempre conservadora, incluindo drenagem do espaço pleural, antibioterapia de largo espetro com cobertura para os agentes bacterianos mais frequentes, suplementação nutricional e ventilação adequadas.5,9

Apesar de muitas FBP se resolverem com tratamento conservador, a necessidade de intervenção cirúrgica pode chegar aos 66%.7,10 A decisão de tratar uma fístula broncopleural cirurgicamente baseia-se em critérios clínicos, que incluem a taxa de recorrência de pneumotórax, sépsis, fuga de ar persistente e a ausência de resposta à terapêutica conservadora, o que não se verificou neste doente. 7,11

Para além das opções cirúrgicas convencionais, as técnicas por broncoscopia (com recurso a colas, balões e selantes) têm ganho popularidade na reparação de fístulas de pequenas dimensões (< 8 mm) ou para fazerem a ponte para a reparação cirúrgica de doente debilitados com fistulas grandes.2,5,6

No caso apresentado, é discutível a antibioterapia empírica inicial, já que de acordo com as Norma da Direção de Geral de Saúde a pneumonia adquirida na comunidade deve ser abordada com ampicilina.13 A realização de toracocentese em D5 poderia igualmente ter sido útil.

Apesar da criança manter febre e necessidade de oxigenoterapia suplementar, manteve-se sempre hemodinamicamente estável, confortável e sem sinais clínicos de sépsis, pelo que se foi prolongando a atitude expectante na abordagem da FBP, com boa evolução clínica. Dado o tempo de evolução e gravidade do quadro clínico, optou-se por manter antibioterapia endovenosa prolongada.

O Streptococcus pneumoniae e o Staphylococcus aureu são os agentes etiológicos mais frequentemente envolvidos nas pneumonias necrotizantes em idade pediátrica.4,12,13 No entanto, neste doente não foi possível identificar nenhum agente, como está descrito para 50% de casos.8 A pesquisa de agente por PCR no LP poderia ter sido útil na identificação etiológica.

A febre prolongada está igualmente descrita na literatura, assumindo-se que não está necessariamente relacionada com a falta de efetividade na irradicação do microrganismo, mas associada à presença de produtos inflamatórios pirogénicos e destruição celular, decorrentes do processo de necrose pulmonar.12

Em conclusão, a FBP deve ser reconhecida como complicação da pneumonia adquirida na comunidade em idade pediátrica, habitualmente associada à pneumonia necrotizante e empiema.4,5,7 A FBP é difícil de tratar e implica habitualmente um internamento prolongado e uma taxa de mortalidade que pode atingir os 50%.14 A raridade desta complicação em idade pediátrica e o escasso número de casos publicados implicam que a abordagem dos doentes com FBP deva ser individualizada para cada doente. Salienta-se o facto de que a terapêutica conservadora, com antibioterapia durante quatro a seis semanas, em determinados doentes, constitui uma atitude adequada e de sucesso na abordagem da FBP em idade pediátrica.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1.             Hasan RA, Al-Neyadi S, Abuhasna S, Black CP. High- frequency oscillatory ventilation in an infant with necrotizing pneumonia and bronchopleural fistula. Respir Care. 2011; 56:351-4.         [ Links ]

2.             Shekar K, Foot C, Fraser J, Ziegenfuss M, Hopkins P, Windsor M.. Bronchopleural fistula: an update for intensivists. J Crit Care 2010; 25:47-55.         [ Links ]

3.             Sawicki GS, Lu FL, Valim C, Cleveland RH, Colin AA. Necrotising pneumonia is an increasingly detected complication of pneumonia in children. Eur Respir J 2008; 31:1285–91.         [ Links ]

4.             McKee A, Ives A, Balfour-Lynn I. Increased incidence of bronchopulmonary fistulas complicating pediatric pneumonia. Pediatric pulmonology 2011; 7:717-28.         [ Links ]

5.             Sarkar P1, Chandak T, Shah R, Talwar A. Diagnosis and management bronchopleural fistula. Indian J Chest Dis Allied Sci 2010; 52:97-104.         [ Links ]

6.             Lois M, Noppen M. Bronchopleural fistulas: an overview of the problem with special focus on endoscopic management. Chest 2005; 128:3955-65.         [ Links ]

7.             Hsieh YC, Wang C-W, Lai S-H, et al. Necrotizing pneumococcal pneumonia with bronchopleural fistula among children in Taiwan. Pediatr Infect Dis J 2011; 30:740-4.         [ Links ]

8.             Lemaitre C, Angoulvant F, Gabor F, Makhoul J, Bonacorsi S, Naudin J, et al. Necrotizing pneumonia in children: report of 41 cases between 2006 and 2011 in a French tertiary care center. Pediatr Infect Dis J 2013; 32:1146–9.         [ Links ]

9.             Krenke K, Sanocki M, Urbankowska E, Kraj G, Krawiec M, Urbankowski T, et al. Necrotizing Pneumonia and Its Complications in Children. Adv Exp Med Biol. 2015; 857:9- 17.         [ Links ]

10.          Hacimustafaoglu M, Celebi S, Sarimehmet H, Gurpinar   A, Ercan I. Necrotizing pneumonia in children. Acta Paediatr 2004; 93:1172-7.         [ Links ]

11.          Ricci ZJ, Haramati LB, Rosenbaum AT, Liebling MS. Role of computed tomography in guiding the management  of peripheral bronchopleural fistula. J Thorac Imaging 2002; 17:214 –8.         [ Links ]

12.          Krenke K, Sanocki M, Urbankowska E, Kraj G, Krawiec M, Urbankowski T, et al. Necrotizing Pneumonia and Its Complications in Children. Adv Exp Med Biol 2015; 857:9-17.         [ Links ]

13.          Norma da Direção Geral de Saúde 019/2012. Diagnóstico e Tratamento da Pneumonia Adquirida na Comunidade em Idade Pediátrica.         [ Links ]

14.          Pandian TK, Aho JM, Ubl DS, Moir   CR,   Ishitani MB, Habermann EB. The rising incidence of pediatric empyema with fistula. Pediatr Surg Int 2016;32:215-20.         [ Links ]

 

 

CORRESPONDENCE TO
Inês Ferreira
Department of Pediatrics
Centro Materno Infantil do Norte
Centro Hospitalar do Porto
Largo Prof. Abel Salazar, 4099-001 Porto
Email: inescasfer@gmail.com

Received for publication: 23.05.2016 Accepted in revised form: 22.08.2016

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons