SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número4Corpo estranho na via aérea: …como um avião passou despercebidoCaso radiológico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754

Nascer e Crescer vol.25 no.4 Porto dez. 2016

 

QUAL O SEU DIAGNÓSTICO? | WHAT IS YOUR DIAGNOSIS?

 

Caso dermatológico

 

Dermatology case

 

 

Fernando MotaI; Susana MachadoI,II,III; Yolanda MahiaIV; Manuela SeloresI,II,III

I S. de Dermatologia do Centro Hospitalar do Porto. 4099-001 Porto, Portugal. fernandojrmota@gmail.com; susanamlmachado@gmail.com; mselores@gmail.com
II Unidade de Investigação em Dermatologia do Centro Hospitalar do Porto. 4099-001 Porto, Portugal. susanamlmachado@gmail.com; mselores@gmail.com
III Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto. 4050-313 Porto, Portugal. susanamlmachado@gmail.commselores@gmail.com
IV Laboratório de Anatomia Patológica Macedo Dias. 4200 Porto, Portugal. yolanda.mahia@labco.eu

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

O pilomatricoma é uma neoplasia cutânea benigna relativamente pouco frequente, provavelmente derivada de células matriciais do folículo piloso. Surgem na maioria dos casos durante a infância ou adolescência, mas pode ocorrer em adultos, e apresenta-se frequentemente como pápulas ou nódulos assintomáticos isolados, localizados à cabeça, pescoço ou extremidades superiores. Na histopatologia observa-se uma estrutura cística com pequenas células basofílicas periféricas e células eosinofílicas queratinizadas centrais, localizada à derme profunda e tecido celular subcutâneo. A excisão cirúrgica é geralmente recomendada para os pilomatricomas, para prevenir o seu crescimento ou comprometimento estético.

Palavras-chave: nódulo cutâneo; pilomatricoma; tumor de Malherbe


ABSTRACT

Pilomatricoma is a relatively uncommon benign skin neoplasm, probably derived from matrical cells of the hair follicle. They most commonly appear in childhood or adolescence, but may also occur in adults and frequently present as isolated asymptomatic papules or nodules that occur on the head, neck, or upper extremities. The histopathologic findings of pilomatricomas are distinctive. A well-demarcated cyst-like structure containing peripheral small, basophilic cells and central eosinophilic keratinized cells is located in the lower dermis and may extend into the subcutaneous fat. Surgical excision is generally recommended for pilomatricomas, to prevent growth or cosmetic disfigurement.

Keywords: cutaneous nodule; pilomatricoma; epithelioma of Malherbe


 

 

Criança de 17 meses, sexo masculino, previamente saudável, sem história familiar de doenças cutâneas. Foi observada em consulta de Dermatologia Pediátrica por nódulo com cerca de 2 cm de diâmetro, superfície vascularizada e tom violáceo, de consistência dura, que evoluiu durante quatro meses, localizado na região malar direita (Figura 1). O restante exame físico não revelou alterações. Foi realizada ecografia que revelou nódulo, de morfologia oval, com ecoestrutura ligeiramente hiperecogénica e heterogénea, marcada vascularização interna, sem calcificação aparente. Posteriormente foi efetuada biópsia cutânea para confirmação diagnóstica. Finalmente foi submetido a exérese total da lesão.

Os dois procedimentos foram realizados sob anestesia local.

Qual o seu diagnóstico?

 

DIAGNÓSTICO

Pilomatricoma (tumor calcificante de Malherbe)

A biópsia cutânea confirmou o diagnóstico clínico (Figura 2).

 

DISCUSSÃO

O pilomatricoma (pilomatrixoma, tumor calcificante de Malherbe) é uma neoplasia cutânea benigna relativamente pouco frequente, que surge na maioria dos casos durante a infância ou adolescência, mas pode ocorrer em adultos.

Clinicamente apresentam-se como pápulas ou nódulos assintomáticos com coloração semelhante à pele normal, mas que ocasionalmente podem ter um tom azulado ou avermelhado, de consistência habitualmente dura. Na maioria dos casos são lesões solitárias, mas foram descritos casos de lesões múltiplas que surgem em contexto familiar e podem estar associados a distrofia miotónica e outras doenças genéticas.1-3

É uma neoplasia derivada de células matriciais do folículo piloso, tendo sido identificada em alguns casos uma mutação no gene da beta-catenina, uma proteína envolvida na diferenciação e proliferação celular. O potencial de malignização é muito baixo.4

Histologicamente observa-se uma estrutura cística com pequenas células basofílicas periféricas e células eosinofílicas queratinizadas centrais, localizada à derme profunda e tecido celular subcutâneo. Depósitos de cálcio estão presentes na maioria dos casos e células gigantes multinucleadas são frequentemente encontradas.5

A ecografia é um exame auxiliar de diagnóstico que pode ser útil em casos de dúvida diagnóstica.

A excisão cirúrgica é geralmente recomendada nos pilomatricomas, para prevenir o seu crescimento ou comprometimento estético.

Relativamente ao caso descrito a realização da biópsia incisional previamente à exérese total, deveu-se à necessidade de diagnóstico diferencial, pois poderia corresponder a outras lesões, nomeadamente hemangioma, cujo tratamento poderia ser médico (propranolol oral, por ex.) e não cirúrgico; poderia corresponder a outro diagnóstico, cuja abordagem poderia passar ou não pela excisão total ou outro tipo de tratamento. Também após o diagnóstico, os pais, informados da quase sempre benignidade desta patologia, poderiam ter optado apenas pela vigilância e não pela exérese total da lesão, para obviar a uma cicatriz maior. Tal decisão só é possível após confirmação histológica do diagnóstico pelo que foi decidido realizar a biópsia incisional da lesão e só posteriormente ao diagnóstico optar pela excisão total.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1.             Mentzel T. Cutaneous mesenchymal tumours: an update. Pathology. 2014; 46:149-59.         [ Links ]

2.             Luzar B, Calonje E. Cutaneous fibrohistiocytic tumours an update. Histopathology. 2010; 56:148-65.         [ Links ]

3.             Gündüz K, Ecel M, Erden E. Multiple pilomatrixomas affecting the eyelid and face. J Pediatr Ophthalmol Strabismus 2008; 45:122-4.         [ Links ]

4.             Kose D, Ciftci I, Harmankaya I, Ugras S, Caliskan U, Koksal Y. Pilomatrixoma in childhood. J Can Res Ther 2014; 10:54951.         [ Links ]

5.             Solanki P, Ramzy I, Durr N, Henkes D. Pilomatrixoma. Cytologic features with differential diagnostic considerations. Arch Pathol Lab Med 1987; 111:294-7.         [ Links ]

 

ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA
Fernando Mota
Serviço de Dermatologia
Centro Hospitalar do Porto
Rua Central, 180, Branzelo
4515-498 Melres
Email: fernandojrmota@gmail.com

Recebido a 12.08.2015 | Aceite a 29.02.2016

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons