SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 suppl.3“Contraceção e mitos” resultados de um estudo de investigação que envolveu adolescentesHemangioma capilar tratado com Propanolol: a propósito de um caso clínico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754

Nascer e Crescer vol.23  supl.3 Porto nov. 2014

 

POSTERS

 

PM-30

Quem vai à consulta de atendimento jovem?

 

 

Ana Rodrigues SilvaI; Gracinda OliveiraII; Marisol Castelo-BrancoI; Amélia CunhaI; Maria Conceição MilheiroI

IUCSP Norton de Matos
IIHospital Pediátrico do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

 

 

Introdução: O absentismo dos jovens às consultas de vigilância de saúde é amplamente conhecido. De forma a obviar esse problema, algumas Unidades de Saúde criaram uma consulta aberta aos jovens, sem necessidade de marcação. O nosso objectivo foi avaliar e caracterizar a população que recorre a esta consulta.

Metodologia: Estudo transversal e descritivo das primeiras Consultas de Atendimento Jovem a adolescentes com <18 anos, numa Unidade de Cuidados de Saúde Primários durante 3 anos. Foram avaliadas variáveis demográficas e psicossociais (através da análise das respostas ao questionário HEADSSS).

Resultados: No período analisado inscreveram-se pela primeira vez 137 jovens na consulta de atendimento jovem, dos quais 35 apresentavam idade <18 anos (média: 18; [14-18] anos). Eram do sexo feminino em 74%.

Os três principais motivos de primeira consulta foram: início de contracepção (43%), alterações menstruais (20%) e queixas musculo-esqueléticas (11%). Aproximadamente metade (48%) teve consultas subsequentes. Foram encontrados outros diagnósticos em 20%.

Na avaliação psico-social foi constatado que os adolescentes dormiam em média 7h por noite e que 28% praticava desporto. Verificou-se ainda que 28% apresentava consumos (maioritariamente tabaco) e que 74% já tinha iniciado actividade sexual. A idade média para o início da actividade sexual foi 15,5 anos e o número médio de parceiros foi 1,7 [1-5].

Conclusões: Os nossos resultados estão de acordo com os dados conhecidos para a população portuguesa. A maioria dos jovens procura o atendimento jovem para o início de contracepção, em consultas pontuais. A Consulta de Atendimento Jovem, sendo em horário alargado e aberta a qualquer jovem que pretenda inscrever-se, constitui um momento oportunista de avaliação, neste caso através do questionário HEADSSS. Devem ser direccionados esforços na formação dos cuidados de saúde primários e dos próprios jovens, para a não substituição da consulta de vigilância por uma consulta com objectivos dispares e para antecipação dos principais motivos de procura da mesma. Tendo em conta este último ponto é também crucial a manutenção e reforço da educação para a saúde reprodutiva junto da população-alvo.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons