SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 suppl.3Síndrome de Ehlers-DanlosSuplementação com vitamina D após o 1º ano de vida na idade pediátrica: qual a evidência índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754

Nascer e Crescer vol.23  supl.3 Porto nov. 2014

 

POSTERS

 

PM-26

Kids & Pets – a realidade da população pediátrica do CHEDV

 

 

Sílvia SantosI; Benedita Bianchi de AguiarII; Lúcia GomesII; Miguel CostaII

IUSF Nordeste
IIServiço de Pediatria, Centro Hospitalar Entre Douro e Vouga

 

 

Introdução: Quantas famílias com filhos que convivem com animais domésticos, frequentemente, recorrem ao aconselhamento com o pediatra? Sendo um assunto controverso existem algumas evidências sobre os benefícios fisiológicos e psicológicos dos animais de estimação, nomeadamente na prevenção da obesidade infantil.

Objetivos: Caracterizar a população pediátrica com animais domésticos. Estabelecer uma relação entre a posse de animais de domésticos e gênero, idade, IMC, história de ataque/acidente com animais domésticos, zoonoses e prática de exercício.

Métodos: Estudo transversal descritivo com componente analítica. Dados colhidos através de questionário distribuído a uma amostra de conveniência e posteriormente analisados usando o programa Excel®.

Resultados: Dos 303 inquiridos, 64% possuem animais domésticos. 47% dos inquiridos com animais domésticos levam o seu animal a passear. Das crianças e adolescentes com animais domésticos 59% têm peso normal, 39% obesidade e 2% excesso de peso. 53% dos que têm obesidade admitem passear o seu animal de estimação, enquanto apenas 43% dos que têm peso normal o fazem. Dos 303 inquiridos, apenas 12% revelaram já ter sofrido um ataque ou acidente por um animal. Não se registaram histórias de zoonoses.

Conclusões: Não existem diferenças estatisticamente significativas para as variáveis analisadas entre o grupo com e o grupo sem animais domésticos. Os autores acreditam que outros fatores não avaliados, como o status socioeconómico e etnia, possam ter influência nos comportamentos das crianças; consideram também que seria necessária uma amostra maior para que se possam aplicar as conclusões à população geral.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons