SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 suppl.3Eritema perineal recorrente induzido por toxinas: caso clínicoApoplexia hipofisária durante a gravidez: a propósito de um caso clínico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754

Nascer e Crescer vol.23  supl.3 Porto nov. 2014

 

POSTERS

 

PM-23

Doença celíaca – mais um diagnóstico tardio…

 

 

Nádia CorreiaI; Eduarda RochaII; Benedita AguiarIII; Cristina RochaIII; Lúcia GomesIII; Miguel CostaIII

IUSF Famílias, ACES Feira/Arouca
IIUSF Egas Moniz, ACES Feira/Arouca
IIICentro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga

 

 

Introdução: A incidência da doença celíaca em Portugal é cerca de 1 a 3%, mas está largamente subdiagnosticada. As manifestações clínicas atípicas surgem geralmente em crianças mais velhas, correspondendo muitas vezes a manifestações extra-intestinais ou intestinais inespecíficas, o que pode levar a um atraso no diagnóstico. Sendo o tratamento a dieta isenta de glúten, quanto mais cedo esta for instituída mais rapidamente há resolução dos sintomas.

Caso clínico: Criança do sexo feminino, enviada pelo Médico Assistente à consulta de Pediatria/Patologia Digestiva do Centro Hospitalar Entre o Douro e Vouga, aos 11 anos de idade, por alterações inespecíficas gastrointestinais (cólicas, obstipação, vómitos) com diversas terapêuticas e dietas de exclusão efectuadas, sem melhoria. Antecedentes pessoais relevantes: enxaqueca desde os 3 anos de idade, seguida em consulta de Pediatria/Neurologia desde os 9 anos (relação com ingestão de massa?); rinite alérgica (alergia aos ácaros, gato e gramíneas); Antecedentes familiares: primo em primeiro grau com doença celíaca. O exame objetivo era irrelevante, com peso no P90 (estava no P95) e estatura no P95. Dos exames efectuados salientamos: IgA normal; IgA antigliadina negativa; IgG anti-gliadina positiva; Ac. antitransglutaminase IgA positivo; hemograma normal com cinética do fero normal; EDA – alterações inespecíficas da mucosa duodenal; biópsia intestinal: atrofia vilositária quase total ou total da mucosa entérica, com hiperplasia críptica, compatível com doença celíaca. Iniciou dieta isenta de glúten, com recuperação do peso, desaparecimento das queixas digestivas e das enxaquecas.

Discussão: O tratamento precoce da doença cel íaca está relacionado com o desaparecimento dos sintomas e com a preven ção de complicações. O diagnóstico tardio desta criança deveu-se à inespecificidade dos sintomas apresentados, apesar da história familiar positiva. Na literatura existem alguns estudos que abordam a associa ção entre Enxaqueca e Doença Celíaca – há maior prevalência de Enxaqueca nos doentes com Doença Celíaca e vice-versa, havendo melhoria das cefaleias com a dieta sem glúten nestes indivíduos. Com este caso, os autores pretendem alertar para as formas atípicas da Doença Celíaca, principalmente em crianças mais velhas e com boa evolução estaturo-ponderal.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons