SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 suppl.3Referenciação à pediatria pelo sistema Alert: o que nos pedem os cuidados de saúde primáriosDoença celíaca: mais um diagnóstico tardio… índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754

Nascer e Crescer vol.23  supl.3 Porto nov. 2014

 

POSTERS

 

PM-22

Eritema perineal recorrente induzido por toxinas: caso clínico

 

 

Cristiana MartinsI; Sara Dias LeiteI; Aida Silva SáI; Pedro AndradeII; Márcia QuaresmaI

IServiço de Pediatria, Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro
IIServiço de Dermatologia, Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro

 

 

Introdução / Descrição de caso: O eritema perineal recorrente induzido por toxinas (RTPE) foi descrito pela primeira vez em 1996. É uma doença rara mediada por superantigénios (polipéptidos virulentos produzidos por microrganismos infeciosos, em especial estafilococos e esptreptococos, capazes de se ligarem diretamente ao complexo major de histocompatibilidade II e induzirem a proliferação não específica de células T) e caracteriza-se por um eritema perineal quase sempre precedido de um episódio febril ou faringite sem alteração do estado geral, com caracter recidivante, sem periodicidade particular. Apresenta-se o caso clínico de um menino de 3 anos com episódios recorrentes de amigdalite aguda e eritema perineal. O eritema surge cerca de 24-36 horas após o início de febre, sendo a cultura de estreptococo grupo A positiva em alguns dos episódios. A evolução do quadro foi sempre favorável após instituição de antibioterapia. Fora destes episódios mantem áreas de hiperpigmentação pós-inflamatória residual. Atualmente é seguido na consulta de Dermatologia e Otorrinolaringologia, aguardando amigdalectomia.

Comentários / Conclusões: O RTPE é uma entidade rara, cujo diagnóstico é fundamentalmente clínico, apesar de ser fundamental a determinação da exotoxina.

Embora o tratamento com antibiótico seja eficaz, dada a recorrência, a amigdalectomia é o tratamento gold-standard.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons