SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 suppl.3O telescópio monocular na consulta de baixa visão pediátrica: um desafio multidisciplinarPapel da RetCam no rastreio da retinopatia da prematuridade numa unidade de cuidados neonatais índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754

Nascer e Crescer vol.23  supl.3 Porto nov. 2014

 

COMUNICAÇÕES ORAIS

 

CO-17

A raridade em MGF: a propósito de um caso clínico

 

 

Célia MaiaI; Raquel Aires PereiraI; Rosália PáscoaI

IUSF Ponte Velha, ACES Grande Porto I

 

 

Introdução: A Medicina Geral e Familiar é, segundo a Declaração da WONCA (2011), o primeiro e essencial recurso para a resolução dos problemas do utente. De fato, existem sinais e/ou sintomas característicos de determinadas patologias que o Médico de Família deve conhecer e para os quais deve estar atento. Assim, é fundamental alertar para a manifestação inicial de determinadas doenças, mesmo que raras.

A Miastenia Gravis (MG) é uma doença rara, de caráter auto-imune, cuja base fisiopatológica se traduz por uma diminuição dos recetores de acetilcolina na junção neuromuscular. Carateriza-se por uma distribuição bimodal com um pico inicial na 2ª e 3ª décadas (predomínio feminino) e um pico tardio na 6ª e 8ª década (predomínio masculino). Clinicamente carateriza-se por fraqueza muscular flutuante que, dependendo dos grupos musculares atingidos, pode levar a diferentes apresentações clínicas, sendo que a mais comum assenta num quadro de diplopía, ptose palpebral e astenia.

O presente artigo relata um caso cl ínico de uma apresentação invulgar de Miastenia Gravis. Pretende, predominantemente, salientar o papel do MF na suspeição/diagnóstico de pato logias menos comuns, bem como focar a sua importância na orientação adequada dos utentes.

Caso Clínico: Adolescente de 15 anos, sexo masculino, a frequentar o 8º ano. Recorreu à Consulta Aberta da sua Médica de Família por parestesias nos lábios, disfagia, disartria, hipersialorreia e mastigação fatigável, com evolução de seis meses, de predomínio vespertino e com noção de agravamento progressivo. Foi referenciado ao Serviço de Urgência de Neuropediatria do Centro Hospitalar São João, tendo sido internado com suspeita de Miastenia Gravis. Durante o internamento confirmou-se a suspeita inicial, tendo o mesmo decorrido sem intercorrências e com melhoria clínica significativa.

Discussão: Os Cuidados de Saúde Primários são os pilares do sistema de saúde. Apesar de uma das funções do Médico de Família ser dominar áreas que assumam uma maior prevalência e incidência na comunidade, é fundamental que o mesmo seja detentor de alguns conceitos mais específicos e raros, mais característicos dos Cuidados de Saúde Secundários. A Miastenia Gravis é, efetivamente, uma doença rara pelo que o Médico de Família deve estar alerta para as suas manifestações clínicas.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons