SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 suppl.3Fibronolíticos no tratamento de derrames pleurais parapneumónicosUma doença rara com apresentação comum índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754

Nascer e Crescer vol.23  supl.3 Porto nov. 2014

 

COMUNICAÇÕES ORAIS

 

CO-9

Infeção neonatal precoce: uma realidade

 

 

Ekaterina PopikI; Alexandra AlmeidaI

IServiço de Cuidados Intensivos Neonatais e Pediátricos, Departamento de Infância e Adolescência, Centro Materno Infantil do Norte, Centro Hospitalar do Porto

 

 

Introdução (e objetivos): Apesar da melhoria dos cuidados perinatais e do cuidado colocado na prevenção, a infeção bacteriana neonatal precoce (manifestada nas primeiras 72 horas de vida) é ainda uma importante causa de morbimortalidade neonatal.

Estudar as infecções neonatais precoces (INP) nos recém-nascidos (RN) nascidos na Maternidade Júlio Dinis (MJD) entre 01/01/13 e 30/06/14. Analisar riscos infeciosos maternos predisponentes. Avaliar agentes etiológicos, sua sensibilidade aos antibióticos e adequação da terapêutica antibiótica pós-natal.

Metodologia: Estudo retrospetivo dos processos clínicos dos RN que tiveram diagn óstico de sépsis, meningite ou pneumonia no per íodo referido.

Resultados: Diagnosticou-se INP em 97 RN internados na MJD. Destes, excluíram-se 3 por ausência de dados necessários para o estudo e 3 por terem nascido noutras instituições. A incidência de INP foi de 2.1%, sendo 21% em RN com idade gestacional (IG) <37 semanas. Diagnosticou-se sépsis em 89% dos casos (incidência de 19‰ NV), pneumonia em 11%, detetando-se 1 caso de meningite. Em relação ao risco infecioso materno, detetou-se corioamnionite em 21%, trabalho de parto pretermo espontâneo em 13%, risco para infeção por SGB em 7% e outros riscos em 25%. Verificou-se rotura prolongada de membranas em 35% dos RN e 57% das mães fizeram pelo menos uma dose de antibiótico antes do nascimento. Realizou-se histologia da placenta em 58%, sendo esta compatível com infeção em 77%. Cerca de 1/3 dos RN manteve-se assintomático, tratado por alterações analíticas detetadas em contexto de risco. Obteve-se isolamento de agente em 13%, todos casos de sépsis (incidência 2.8‰ RN), sendo o agente mais frequente E. coli (7 casos, todos sens íveis à gentamicina e 4 à ampicilina), seguido por SGB (4 casos, todos sens íveis à penicilina). Todos os RN tiveram como tratamento inicial ampicilina e gentamicina. Verificou-se óbito em 5.5% dos RN (25% com agente identificado), todos com IG <30 semanas, sendo isolada E.coli em 3 dos 5 RN.

Conclusão: A incidência de sépsis encontrada foi muito elevada, mesmo tendo em conta apenas as s épsis com agente identificado (3 vezes o valor da literatura). No entanto, a sua mortalidade é sobreponível ao que se verifica na literatura. Como previsto, com a profilaxia para o SGB, a E.coli passou a ser o agente mais prevalente. Provavelmente estaremos a sobrevalorizar diagn ósticos de sépsis. Por outro lado, o facto de grande parte das m ães fazerem antibioterapia prenatal, dificulta o isolamento de agente.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons