SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 suppl.3Gonalgia: diagnóstico diferencial em oncologia índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754

Nascer e Crescer vol.23  supl.3 Porto nov. 2014

 

COMUNICAÇÕES ORAIS

 

CO-1

Doença de Kawasaki – casuística de 10 anos

 

 

Catarina MaiaI; Ana Raquel MoreiraI; Tânia LopesI; Clara VieiraI; Sónia CarvalhoI; Cecília MartinsI

IServiço de Pediatria, Centro Hospitalar do Médio Ave E.P.E.

 

 

Introdução: A doença de Kawasaki (DK) é a cardiopatia adquirida na idade pediátrica mais frequente nos países desenvolvidos. O seu tratamento consiste na administração de imunoglobulina e ácido acetilsalicílico, sendo o prognóstico dependente do atingimento cardiovascular (CV). Este estudo teve como objetivos analisar as características epidemiológicas, clínicas, laboratoriais e ecocardiográficas dos casos de DK internados num hospital distrital.

Metodologia: Estudo retrospetivo descritivo, baseado na análise dos processos clínicos dos doentes internados entre 2004 e 2014, com o diagnóstico de DK.

Resultados: Identificaram-se 7 casos de DK, 4 do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 6 meses e os 6 anos. Constatou-se um pico de diagnósticos nos últimos 2 anos. O período de febre previamente ao diagnóstico variou entre 4 e 16 dias. Seis pacientes apresentavam critérios para DK clássica e uma latente de 7 meses cumpria critérios de DK incompleta. As alterações analíticas mais frequentes foram: anemia, leucocitose, trombocitose, PCR e VS aumentadas. Todos realizaram terapêutica com imunoglobulina e ácido acetilsalicílico. A evolução foi favorável na maioria das crianças, verificando-se um caso refratário ao tratamento inicial, com aparecimento de sintomas neurológicos e necessidade de terapêutica com metilprednisolona endovenosa. O ecocardiograma foi normal em todos os pacientes. O tempo de internamento variou entre 4 e 19 dias. Durante o período de seguimento não se identificaram complicações CV.

Conclusão: O diagnóstico de DK baseia-se em critérios bem definidos, sendo essencial o seu reconhecimento precoce. O tratamento adequado na fase aguda permite uma redução do risco de complicações cardíacas. Neste estudo o prognóstico foi bom em todas as crianças, uma vez que em nenhum caso se verificou a formação de aneurismas coronários.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons