SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número6Dominância e bonança: mapeando e integrando a psicobiologia e a ecologia dos determinantes da razão sexual primária humanaA tale of two countries: safe motherhood in Portugal and Nigeria índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Arquivos de Medicina

versão On-line ISSN 2183-2447

Arq Med vol.28 no.6 Porto dez. 2014

 

PUBLICAÇÃO BREVE

Effective perinatal intensive care in europe (epice) – Descrição do Projeto e primeiros resultados em Portugal

Effective perinatal intensive care in europe (epice) – project description and first results in Portugal

Henrique Barros1, Carina Rodrigues1, Raquel Costa2, Inês Baía1, Teresa Rodrigues3, Maria do Céu Machado4, Luís Graça4, Rui Carrapato5, Adelina Sá Couto6, Aldina Lopes7, Alexandra Almeida8, Alexandrina Portela6, Alice Vilas Boas9, Almerinda Pereira10, Ana Aroso11, Ana Berdeja12, Ana Bettencourt13, Ana Campos13, Ana Castilho Santos14, Ana Isabel Machado13, Ana Maria Andrade9, Ana Melo Bento15, Ana Neto16, Ana Pita17, Ana Rute Ferreira18, Angelina Tavares19, Anselmo Costa20, Antónia Nazaré21, António Braga8, António Fonseca15, António Lanhoso5, António Vilarinho19, Ariana Gomes22, Beatriz Sousa23, Carla Marinho22, Carla Sá10, Carlos Moniz24, Cármen Carvalho8, Catarina Dâmaso25, Célia Araújo5, Clara Paz Dias9, Cláudia Araújo24, Conceição Casanova11, Conceição Cunha26, Conceição Faria Murinello27, Conceição Telhado16, Cristina Didelet18, Cristina Leite20, Cristina Martins7, Cristina Trindade21, Daniela Almeida8, Domingos Jardim da Pena10, Dulce Oliveira8, Eduarda Reis27, Eduardo Fernandes13, Ester Casal20, Eurico Gaspar26, Fátima Fonseca5, Fátima Romão20, Fernanda Matos21, Fernando Cirurgião28, Filomena Nunes27, Gabriela Pereira26, Glória Carvalhosa16, Graça Henriques12, Gustavo Rodrigues15, Helena Almeida29, Helena Oliveira11, Helena Sousa25, Hercília Guimarães30, Ilídio Quelhas22, Isabel Canelas31, Isabel Carolino Silva14, Isabel Knoch32, Isabel Martins6, Jacinto Torres19, Joana Saldanha24, Joana Sampaio6, João Mendes15, Joaquim Marinho23, Joaquina Baltazar33, Jorge Ribeiro29, Jorge Silva34, José Amorim23, José Furtado9, José Guimarães28, José Luís Fonseca9, José Miguel Nogueira7, José Oliveira35, José Pombeiro8, José Teixeira7, Juan Calviño26, Judite Marques33, Lucília Araújo10, Luís Caturra31, Mª do Carmo Serra16, Mª Paula Arteaga12, Margarida Cabral20, Margarida Pontes11, Margarida Seabra35, Maria Lurdes Pinho18, Mª José Carneiro28, Mário Furtado32, Mário Paiva25, Marisa Cabanas26, Marta Aguiar28, Marta Barbosa19, Micaela Serelha17, Nuno Montenegro3, Olímpia do Carmo22, Óscar Vaz33, Osvaldo Soares26, Paula Costa24, Paula Pinheiro23, Paula Soares8, Pedro Enes22, Pedro Rocha24, Pedro Silva15, Pedro Tiago6, Raquel Maciel8, Ricardo Mira17, Rosa Rodrigues8, Rosalina Barroso21, Rosalinda Rodrigues27, Rubina Mendonça31, Rui Costa25, Rui Pinto19, Sara Noéme Prado27, Susana Gama de Sousa35, Teresa Oliveira8, Teresa Teles5, Teresa Tomé13, Teresa Ventura17, Valdemar Martins32, Vítor Neves31, Zélia Nunes26, Jennifer Zeitlin36

 

1 Departamento De Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva E Saúde Pública Da Faculdade De Medicina Da Universidade Do Porto & Epiunit -Instituto De Saúde Pública Da Universidade Do Porto

2 Universidade Europeia | Laureate International Universities & Epiunit -Instituto De Saúde Pública Da Universidade Do Porto

3 Centro Hospitalar De São João, Epe -Hospital De S. João & Faculdade De Medicina Da Universidade Do Porto & Epiunit -Instituto De Saúde Pública Da Universidade Do Porto

4 Centro Hospitalar Lisboa Norte, Epe -Hospital Santa Maria & Faculdade De Medicina Da Universidade De Lisboa

5 Centro Hospitalar Entre Douro E Vouga, Epe -Hospital S. Sebastião

6 Unidade Local De Saúde De Matosinhos, Epe -Hospital Pedro Hispano

7 Hospital De Santarém, Epe

8 Centro Hospitalar Do Porto, Epe - Maternidade Júlio Dinis

9 Centro Hospitalar Alto Ave, Epe - Unidade De Guimarães

10 Hospital De Braga

11 Centro Hospitalar Póvoa De Varzim /Vila Do Conde, Epe -Unidade Da Póvoa De Varzim

12 Hospital Da Luz

13 Centro Hospitalar Lisboa Central, Epe -Maternidade Alfredo Da Costa

14 Centro Hospitalar Do Oeste, Epe - Unidade De Torres Vedras

15 Hospital Dos Lusíadas

16 Hospital Cuf Descobertas

17 Centro Hospitalar Lisboa Central, Epe -Hospital D. Estefânia

18 Centro Hospitalar Barreiro/ Montijo, Epe -Hospital N. Sra. Do Rosário

19 Centro Hospitalar V.N.Gaia/ Espinho, Epe -Unidade II

20 Hospital Garcia De Orta, Epe

21 Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, Epe

22 Centro Hospitalar Tâmega E Sousa, Epe -Hospital Padre Américo

23 Unidade Local De Saúde Do Alto Minho, Epe -Hospital De Santa Luzia

24 Centro Hospitalar Lisboa Norte, Epe -Hospital Santa Maria

25 Hospital De Vila Franca De Xira

26 Centro Hospitalar Trás-Osmontes E Alto Douro, Epe -Hospital S. Pedro

27 Hospital De Cascais -Dr. José De Almeida

28 Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, Epe -Hospital S. Francisco Xavier

29 Centro Hospitalar Do Oeste, Epe - Unidade De Caldas Da Rainha

30 Centro Hospitalar De São João, Epe -Hospital De S. João & Faculdade De Medicina Da Universidade Do Porto

31 Centro Hospitalar De Setúbal, Epe -Hospital S. Bernardo

32 Centro Hospitalar Médio Tejo, Epe -Hospital Dr. Manoel Constâncio

33 Unidade Local De Saúde Do Nordeste, Epe -Unidade De Bragança

34 Centro Hospitalar De São João, Epe -Hospital De S. João

35 Centro Hospitalar Médio Ave, Epe - Unidade De Famalicão

36 Inserm, Obstetrical, Perinatal And Pediatric Epidemiology Research Team, Center For Epidemiology And Biostatistics, Paris, França

 

Correspondência

 

RESUMO

A melhoria da qualidade dos cuidados pré-natais e dos cuidados intensivos neonatais resultaram, nas últimas décadas, numa continuada diminuição da morbilidade e da mortalidade perinatais e infantis, particularmente de recém-nascidos muito pré-termo. No entanto, há uma grande variabilidade entre unidades de saúde na decisão sobre procedimentos e intervenções, quer a nível nacional quer internacional, que se pode refletir em desigualdades nos resultados em saúde e que importa identificar e compreender. Este artigo tem como objetivos descrever: (1) o projeto europeu “Effective Perinatal Intensive Care in Europe” (EPICE); (2) o estudo piloto desenvolvido na Região Norte de Portugal para testar o protocolo e o instrumento de recolha de dados do estudo de coorte; (3) o recrutamento e amostra final da coorte EPICE-Portugal. O projeto EPICE desenvolve-se em 19 regiões de 11 Estados Membros da União Europeia e tem como objetivo investigar como o conhecimento científico é efetivamente aplicado no acompanhamento de recém-nascidos muito pré-termo, usando metodologias quantitativas e qualitativas. Em Portugal, o estudo integra todas as unidades públicas de obstetrícia e neonatologia da região Norte e de Lisboa e Vale do Tejo (LVT), bem como três unidades privadas de LVT. Os procedimentos do estudo (recrutamento e questionários) foram testados em quatro unidades hospitalares da região Norte de Portugal, através da recolha de informação do processo clínico de 21 nados-vivos, entre maio e dezembro de 2010, sobre a gravidez e os cuidados pré-natais, o parto, os cuidados neonatais e a alta hospitalar, usando um formulário estruturado. O estudo piloto permitiu testar o instrumento de recolha de dados e verificar que, em geral, a informação registada nos processos era suficiente para assegurar a implementação do projeto EPICE em Portugal. O recrutamento da coorte EPICE-Portugal decorreu entre 1 de junho de 2011 e 31 de maio de 2012, tendo sido identificados 724 nados-vivos muito pré-termo, bem como 95 interrupções médicas da gravidez e 155 mortes fetais com idade gestacional entre as 22+0 e as 31+6 semanas de gestação. Dos 724 nados-vivos, 607 tiveram alta hospitalar, tendo sido obtidos 544 (89,6%) consentimentos para as avaliações de seguimento.

Palavras-chave: projeto epice, cuidados perinatais, recém-nascidos muito pré-termo

 

ABSTRACT

In the last decades, the improvement of antenatal and neonatal care led to a continued decrease in perinatal and infant morbidity and mortality, particularly for very preterm infants. However, there is a great variability in medical procedures and interventions across health units, both at national and international levels, which can result in avoidable inequalities in health outcomes. This study intends to describe (1) the European project “Effective Perinatal Intensive Care in Europe” (EPICE), designed to identify and understand such variation; (2) the pilot study conducted in the Northern Region of Portugal to test the protocol and the questionnaire for data collection and (3) the recruitment and final sample of the EPICE-Portugal cohort. The EPICE project includes 19 regions from 11 EU Member states and aims to explore how scientific knowledge is effectively applied to monitor very preterm infants, using both quantitative and qualitative methodologies. In Portugal, this study involves all the public maternity and neonatal intensive care units from Northern and Lisbon and Tagus Valley (LVT) regions, along with 3 private units from LVT. The study procedures (recruitment and questionnaires) were tested in 4 hospitals in the Northern region of Portugal, by collecting information from the clinical records of 21 live births, born between May and December 2010. Data on pregnancy and prenatal care, childbirth, neonatal care and discharge was collected using a structured questionnaire. The pilot study tested data collection instruments and showed that, in general, the information documented in clinical records was enough to answer the questionnaire items, guaranteeing the feasibility of the EPICE project in Portugal. The EPICE-Portugal recruitment occurred between 1st june 2011 and 31st May 2012, identifying 724 very preterm live-births, as well as 95 terminations of pregnancy and 155 fetal deaths, from 22+0 to 31+6 weeks of gestation. The 724 live births resulted in 607 babies discharge alive, and written informed consent for the follow-up evaluations was obtained for 544 (89.6%) infants.

Key-words: epice project, perinatal care, infant, premature

 

Resumo

A melhoria da qualidade dos cuidados pré-natais e dos cuidados intensivos neonatais resultaram, nas últimas décadas, numa continuada diminuição da morbilidade e da mortalidade perinatais e infantis, particularmente de recém-nascidos muito prétermo.1-4 Anualmente, estes recém-nascidos com menos de 32 semanas de idade gestacional correspondem a 1% do total de nascimentos em Portugal.5 Cerca de 60% das mortes perinatais ocorrem nestas idades gestacionais, às quais se associam também as mais graves situações de morbilidade neonatal,6 nomeadamente hemorragia intraventricular (HIV), leucomalácia periventricular (LPV), enterocolite ne-crosante (EN), displasia broncopulmonar (DBP), patência do canal arterial (PCA) ou sépsis.5-9 O acesso a cuidados de saúde de elevada qualidade é essencial para diminuir a letalidade e a morbilidade destes recém-nascidos muito pré-termo, que requerem cuidados especializados, planeados e executados com grande competência e com sólida base científica. No entanto, existem diferenças geográficas nas opções clínicas relativas a recém-nascidos muito pré-termo, que revelam insuficiente fundamentação científica para decidir e que podem resultar em desigualdades e iniquidades ultrapassáveis.10-13

O projeto“Models of OrganiSing Access to Intensive Care for very preterm births in Europe” (MOSAIC), baseado numa amostra europeia de recém-nascidos muito pré-termo, de base populacional e recrutada em 2003,14 mostrou diferenças significativas entre os países participantes na mortalidade15 e morbilidade de causas neurológica e respiratória.8-9 foram também encontradas disparidades na organização dos cuidados pré-natais e de apoio neonatal,10;16 bem como na utilização de procedimentos clínicos, nomeadamente o recurso a corticosteroides antes do parto, a realização de cesariana e a aplicação de diferentes mecanismos de suporte respiratório (ventilação mecânica, surfatante).8;11-13;17 Os resultados deste estudo evidenciaram a diversidade de intervenções perante situações clínicas aparentemente semelhantes, muitas vezes implementadas sem prova científica, ou garantindo igualdade no acesso aos melhores cuidados de saúde.

Posteriormente, foi desenhado o projeto Effective Perinatal Intensive Care in Europe (EPICE), que tem como finalidade contribuir para promover, na europa, a sobrevivência e a saúde de recém-nascidos muito pré-termo, assegurando que o melhor conhecimento científico é efetivamente aplicado na prática clínica, identificando áreas prioritárias de ação para promover a saúde e melhorar os cuidados prestados a grávidasde alto risco e a recém-nascidos muito pré-termo.

Este artigo descreve os objetivos e a metodologia do projeto EPICE, o estudo piloto realizado na região Norte do país para testar localmente o proto-colo e o questionário, e o recrutamento da coorte EPICE-Portugal.

 

Projeto epice

Este projeto internacional iniciou-se em 2011 em 19 regiões de 11 Estados Membros da União Europeia. Estas regiões abrangem mais de 750000 partos por ano, 550 unidades de obstetrícia, 250 unidades de neonatologia e cerca de 10000 nascimentos muito pré-termo. Em Portugal, integram o estudo 13 unidades de obstetrícia e neonatologia da Região Norte e 17 da Região de Lisboa e Vale do Tejo. Em 2010, ocorreram nestas duas regiões 65762 nascimentos, dos quais 681 antes das 32 semanas de gestação.18

O projeto EPICE tem como objetivos: (a) gerar conhecimento sobre a forma como a evidência científica se traduz na prestação de cuidados de saúde em unidades de obstetrícia e de neonatologia; (b) identificar os fatores que promovem a adoção de práticas baseadas em evidência científica; (c) desenvolver estratégias que favoreçam alterações na prestação de cuidados de saúde perinatal, com a participação de clínicos, investigadores e decisores políticos.

Para a concretização destes objetivos foram desenhados quatro estudos, recorrendo a metodologias quantitativas e qualitativas e com delineamentos transversal e longitudinal. Todas as intervenções clínicas consideradas para estudo foram selecionadas tendo por base os seguintes critérios: (a) relevância -se as intervenções têm um impacto significativo nos resultados em saúde e se são implementadas nas diferentes unidades -; (b) qualidade da evidência -se existe evidência bem definida para o uso de determinadas intervenções -; (c) nível de confiança e comparabilidade dos indicadores -se é possível obter medidas estandardizadas em todas as unidades participantes -; (d) variabilidade inter-regional e inter-unidades na prevalência das intervenções médicas.

Em Portugal, o estudo foi aprovado pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (autorização 7426/2011) e pelas comissões de ética de todos os hospitais envolvidos. foi ainda obtido consentimento informado escrito de todos os participantes para a avaliação de seguimento.

Estudo 1: recrutamento De uma Coorte europeia De recém-nascidos muito pré-termo

Faz a identificação, convite à participação e recolha de informação clínica sobre todos os recém-nascidos muito pré-termo (entre as 22+0 e as 31+6 semanas de gestação) das regiões em estudo. Adicionalmente, e para descrever a frequência dos resultados perinatais das gestações terminadas antes das 32 semanas, recolhem-se informações sobre interrupções médicas da gravidez e mortes fetais.

A coorte, a nível europeu, tem uma avaliação prevista aos 24 meses de idade corrigida mas, em Portugal, as crianças participantes são mais frequentemente avaliadas, sendo inquiridas aos 12 meses de idade corrigida e aos 36 meses de idade. O acompanhamento da coorte permitirá relacionar as práticas clínicas e, em geral, as políticas de intervenção, com os resultados em saúde medidos nomeadamente através de indicadores de crescimento e de desenvolvimento.

Estudo 2: caracterização das unidades De obstetrícia e neonatologia

Descreve e compara formas de organização, procedimentos e intervenções clínicas dirigidos a recém-nascidos muito pré-termo. A informação é obtida através de inquérito aos diretores de serviço ou um seu representante em cada unidade participante. são também recolhidos e analisados os protocolos em vigor em cada unidade para as seguintes intervenções clínicas: administração de corticosteroides, antes do parto e após o nascimento, transferências in utero, utilização de surfatante e suspensão ou abstenção de tratamento.

Em Portugal integram este estudo 17 unidades (9 da região Norte e 8 da região de Lisboa e Vale do Tejo), tendo em conta os critérios de elegibilidade estabelecidos (unidades com 10 ou mais admissões de recém-nascidos muito pré-termo, nas primeiras 48 horas pós-parto). No entanto, para todas as unidades é obtida informação sobre as características gerais do seu movimento assistencial.

Estudo 3: estudo qualitativo em unidades De neonatologia

Considerando dois agregados de unidades -um integrado em atividades académicas e o outro apenas com componente assistencial, selecionam-sealeatoriamente duas unidades de neonatologia em cada país participante (uma de cada grupo) e nessas unidades são convidados quatro profissionais de saúde para participar em entrevistas semiestruturadas. As entrevistas exploram as experiências, comportamentos e atitudes dos diferentes profissionais de saúde em relação ao desenvolvimento, implementação e uso de orientações clínicas e protocolos, para compreender melhor os obstáculos e os facilitadores da adoção de práticas baseadas em evidência científica, tanto a nível local como comparando as diferentes regiões europeias.

Estudo 4: estudo De caso Com base em protocolos e linhas De orientação

Compreende a identificação de estruturas governamentais, agências e organismos públicos, e sociedades científicas na área de obstetrícia e neonatologia que definem orientações e políticas de atuação no cuidado a recém-nascidos muito pré-termo em cada uma das regiões participantes, bem como os documentos por elas produzidos. Em Portugal foram identificadas 23 regulamentações ou recomendações ou linhas orientadoras, provenientes de 8 estruturas governamentais, 3 agências e organismos públicos e 2 sociedades científicas.

 

Estudo Piloto

Em Portugal, no mês de março de 2011, foi realizado um estudo piloto centrado no estudo 1 – recrutamento e recolha de informação conducente à criação de uma coorte de recém-nascidos muito pré-termo. Participaram as seguintes unidades de obstetrícia e neonatologia da região Norte de Portugal: Centro Hospitalar do Alto Ave (Guimarães); Centro Hospitalar Entre Douro e Vouga (Santa Maria da feira); Centro Hospitalar de São João (Porto) e Unidade Local de Saúde de Matosinhos (Matosinhos). Colaboraram também, em casos de transferências hospitalares, os serviços de Neonatologia do Centro Hospitalar Póvoa de Varzim/Vila do Conde (Póvoa de Varzim) e do Centro Hospitalar Tâmega e sousa (Penafiel). A informação dos processos clínicos foi recolhida pelos clínicos responsáveis da unidade, como se previa no estudo. O preenchimento dos questionários teve a duração aproximada de 30 minutos.

Amostra

Foram incluídos 21 nados-vivos com idade gestacional entre as 22+0 e as 31+6 semanas, nascidos entre maio e dezembro de 2010.

Instrumento para a recolha de dados

A informação clínica foi obtida através de um instrumento de recolha de dados estruturado, desenvolvido com base no que fora utilizado no projeto MOSAIC, e desenhado por uma equipa multidisciplinar composta por obstetras, neonatalogistas e epidemiologistas dos países envolvidos no estudo. O inquérito era constituído por 144 itens, agrupados em7 grupos – (1) Dados gerais, (2) Cuidados pré-natais, (3) Parto, (4) Cuidados neonatais, (5) Hospitalizações, (6) Alta final/Óbito e (7) Processo de decisão.

Na Tabela 1 apresenta-se o conteúdo do questionário utilizado no estudo piloto e a sua versão final em resultado das indicações obtidas durante a fase piloto.

Informação resultante do estudo piloto

De uma forma geral, em Portugal, a informação registada nos processos clínicos permitia responder à maior parte dos itens do questionário.

Após a recolha de dados decorrente dos estudos piloto conduzidos nas diferentes regiões europeias que integram o projeto, alguns itens que constituíam o questionário EPICE foram alterados por consenso.

Para os dados recolhidos no estudo piloto, em Portugal, foi realizada uma análise descritiva através do programa STATA (versão 9.0). Na Tabela 2 apresentam-se as características da amostra e os dados em falta.

Verificaram-se omissões em alguns processos clínicos quanto às datas e horas de múltiplas ocorrências, na informação relativa à execução e resultados da gasimetria do sangue do cordão umbilical em sala de partos, ou quanto ao tipo de alimentação utilizada na primeira refeição enteral e no momento da alta. Nem todos estes aspetos se puderam ultrapassar na fase de recolha por rotina de informação para o estudo.

 

Recrutamento E amostra final Da coorte

Em Portugal, o recrutamento da coorte EPICE decorreu entre 1 de junho de 2011 e 31 de maio de 2012. Foram identificados 724 recém-nascidos elegíveis,bem como 95 interrupções médicas da gravidez e 155 mortes fetais, com menos de 32 semanas de idade gestacional. Na Tabela 3 apresenta-se o número de casos identificados em cada uma das unidades hospitalares que integram o projeto EPICE em Portugal, de acordo com a unidade onde ocorreu o parto. Não foi ainda possível determinar, com segurança, qual a proporção dos eventos realmente ocorridos que foi identificada durante o estudo. No entanto, nomeadamente tendo em conta a informação de registos nacionais, prevemos uma identificação praticamente total na maioria das unidades.

Dos 724 nados-vivos, 607 tiveram alta hospitalar (ocorreram 117 óbitos) das UCINS da região Norte e da região de Lisboa e Vale do Tejo. Foi obtido consentimento para as avaliações de seguimento referente a 544 (89,6%) participantes. Verificam-se diferenças estatisticamente significativas quanto à região onde ocorreu o parto e ao país de nascimento da mãe quando se comparam as características das crianças de acordo com a obtenção de consentimento para o seguimento (Tabela 4).

Para além da avaliação contemplada em todas as regiões europeias aos 24 meses de idade corrigida [em Portugal obtiveram-se 405 (74,4%) questionários] as crianças Portuguesas foram também avaliadas aos 12 meses de idade corrigida [456 (83,8%) questionários realizados] e continua a avaliação aos 36 meses de idade. Estes dados contribuirão para analisar a sobrevivência das crianças e os seus resultados de saúde a curto e a médio prazo, com base em informações reportadas pelos pais ou cuidadores principais.

 

Conclusão

O protocolo de recolha de dados foi testado e o instrumento de recolha de informação foi avaliado em Portugal, possibilitando verificar que, à semelhança do que aconteceu em outros países, algumas questões não estavam disponíveis de forma sistemática nos processos clínicos. O estudo piloto permitiu ainda o estabelecimento do contacto direto com as equipas médicas das unidades de saúde, bem como compreender e antecipar potenciais dificuldades no processo de recolha de dados. Desta forma, o processo de recrutamento da coorte decorreu de forma muito satisfatória, confirmando experiências anteriores.19

Foi possível constituir a primeira coorte de recém nascidos muito pré-termo em Portugal, que fornece uma estrutura de investigação de grande qualidade às comunidades científica e clínica portuguesa e permitirá retratar a realidade da extrema prematuridade no nosso país.

 

Agradecimentos

Os autores agradecem a todas as famílias que aceitaram integrar a coorte em Portugal a sua disponibilidade e entusiasmo. O projeto EPICE (HEALTH-F3-2010-259882) é financiado pelo fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), no âmbito do 7º Programa-Quadro, DG-RESEARCH, da Comissão Europeia.

 

Referências

1. Neto M. Perinatal care in Portugal: effects of 15 years of a regionalized system. Acta Paediatr 2006;95(11):1349-52.         [ Links ]

2. Costantine M, Weiner S. Effects of antenatal exposure to magnesium sulfate on neuroprotection and mortality in preterm infants: a meta-analysis. Obstet Gynecol 2009;114(2 Pt 1):354-364.         [ Links ]

3. Malloy M. Impact of cesarean section on neonatal mortality rates among very preterm infants in the United States, 2000-2003. Pediatrics 2008;122(2):285-292.         [ Links ]

4. Rautava L, Lehtonen L, Peltola M, et al. The effect of birth in secondary- or tertiary-level hospitals in Finland on mortality in very preterm infants: a birth-register study. Pediatrics 2007;119(1):e257-263.         [ Links ]

5. EURO-PERISTAT Project with SCPE and EUROCAT. European Perinatal Health Report. The health and care of pregnant women and babies in Europe in 2010. May 2013. Available http://www.europeristat.com.         [ Links ]

6. Graça L. Parto pré-termo. In: Graça L, ed. Medicina materno-fetal. 4ª ed. Lisboa: Lidel;2010. p. 426-445.         [ Links ]

7. Field D, Draper E, Fenton A, Papiernik E, Zeitlin J, Blondel B, Cuttini M, Maier R, Weber T, Carrapato M, Kollée L, Gadzin J, Van Reempts P; MOSAIC research group. Rates of very preterm birth in Europe and neonatal mortality rates. Arch Dis Child Fetal Neonatal 2009;94(4):F253-6.         [ Links ]

8. Gortner L, Misselwitz B, Milligan D, et al. Rates of Bronchopulmonary Dysplasia in Very Preterm Neonates in Europe: Results from the MOSAIC Cohort. Neonatology 2011;99(2):112-117.         [ Links ]

9. Zeitlin J, Draper E, Kollee L, et al. Differences in rates and short-term outcome of live births before 32 weeks of gestation in Europe in 2003: results from the MOSAIC cohort. Pediatrics 2008;121(4):e936-944.         [ Links ]

10. Blondel B, Papiernik E, Delmas D, Künzel W, Weber T, Maier R, Kollée L, Zeitlin J; Mosaic Research group. Organisation of obstetric services for very preterm births in Europe: results from the MOSAIC project. BJOG 2009;116(10):1364-72.         [ Links ]

11. Kollee LA, Cuttini M, Delmas D, et al. Obstetric interventions for babies born before 28 weeks of gestation in Europe: results of the MOSAIC study. BJOG 2009;116(11):1481-1491.         [ Links ]

12. Van Reempts P, Gortner L, Milligan D, et al. Characteristics of neonatal units that care for very preterm infants in Europe: results from the MOSAIC study. Pediatrics 2007;120(4): e815-825.         [ Links ]

13. Zeitlin J, Di Lallo D, Blondel B, et al. Variability in caesarean section rates for very preterm births at 28-31 weeks of gestation in 10 European regions: results of the MOSAIC project. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol 2010;149(2): 147-152        [ Links ]

14. Zeitlin J, Papiernik E, Bréart G, Draper E, Kollée L; MOSAIC Research Group. Presentation of the European project models of organising access to intensive care for very preterm births in Europe (MOSAIC) using European diversity to explore models for the care of very preterm babies. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol 2005;118(2): 272-4.         [ Links ]

15. Draper E, Zeitlin J, Fenton A, Weber T, Gerrits J, Martens G, Misselwitz B, Breart G; MOSAIC research group. Investigating the variations in survival rates for very preterm infants in 10 European regions: the MOSAIC birth cohort. Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed 2009;94(3):F158-63.         [ Links ]

16. Pilkington H, Blondel B, Papiernik E, Cuttini M, Charreire H, Maier R, Petrou S, Combier E, Künzel W, Bréart G, Zeitlin J; MOSAIC group. Distribution of maternity units and spatial access to specialised care for women delivering before 32 weeks of gestation in Europe. Health Place 2010;16(3):531-8.         [ Links ]

17. Papiernik E, Zeitlin J, Delmas D, et al. Termination of pregnancy among very preterm births and its impact on very preterm mortality: results from ten European population-based cohorts in the MOSAIC study. BJOG 2008;115(3):361-368.         [ Links ]

18. Instituto Nacional de Estatística. Disponível em http://www.ine.pt. Acedido em 4 de julho, 2014.         [ Links ]

19. Larsen P, Kamper-Jorgensen M, Adamson A, Barros H, Bonde J, et al. Pregnancy and birth cohort resources in europe: a large opportunity for aetiological child health research. Paediatr Perinat Epidemiol 2013;27(4):393-414.         [ Links ]

 

Correspondencia:

Henrique Barros

Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública, Centro de Investigação Médica, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Al. Prof. Hernâni Monteiro, 4200-319 Porto. E-mail: hbarros@med.up.pt

 

Data de recepção / reception date: 28/11/2014

Data de aprovação / approval date: 01/12/2014

 

Lista de Abreviaturas -AC – anomalia Congénita. AINES – anti-inflamatórios não-esteroides. CPAP – pressão positiva Contínua nas vias aéreas. DBP – displasia broncopulmonar. EN -enterocolite necrosante. EPICE – effective perinatal intensive Care in europe. IG – idade gestacional HIV – Hemorragia intraventricular. INSURE – tratamento com surfatante seguido de extubação imediata (30’). LPV – leucomalácia periventricular. MOSAIC -models of organising access to intensive Care For very preterm births in europe. PCA – patência Do Canal arterial. RP – retinopatia da prematuridade . Ucin – unidade De cuidados intensivos neonatais

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons