SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 número1Equação de green-ampt para a infiltração da água no solo aproximações numéricas para explicitação do volume infiltradoEfeito da data de sementeira na produtividade de trigo mole (Triticum Aestivum L.) em condições mediterrânicas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista de Ciências Agrárias

versão impressa ISSN 0871-018X

Rev. de Ciências Agrárias v.31 n.1 Lisboa jan. 2008

 

Produtores de tomate para indústria: suas organizações e práticas para a promoção da qualidade e do ambiente1

Processed tomato producers: their organisations and measures to promote quality and environment

Alexandra Pinto2, António Fragata2, Vitor Martins2

 

RESUMO

O Regulamento (CE) N.º 2200/96, que enquadra as organizações (OP) e os agrupamentos de produtores (AP) de tomate de indústria, orienta as suas acções em torno de grandes objectivos, entre os quais se contam a “melhoria da qualidade dos produtos” e a “promoção de práticas de cultivo, técnicas de produção e de gestão de resíduos respeitadoras do ambiente”.

Assim, desde meados da década de noventa, a produção de tomate para transformação recebe apoios para satisfazer as exigências da Organização Comum de Mercado em termos de qualidade, de segurança e de rastreabilidade da matéria-prima contratada com a indústria.

A fim de melhor compreender como as estruturas organizativas dos produtores de tomate para indústria procuram responder a estes desafios, realizou-se um inquérito às OP e aos AP.

No universo das OP e AP, os resultados encontrados revelam, por um lado, que a rastreabilidade está largamente adoptada e, por outro lado, que o aumento do grau Brix e o seu controlo estão longe de estar generalizados e que as práticas respeitadoras do ambiente têm baixas taxas de adopção. Os resultados, no entanto, revelam também a existência de uma fracção importante de OP que se rege por regras exigentes e inovadoras.

Palavras-chave: produtores de tomate, organizações de produtores, programas operacionais, promoção da qualidade e do ambiente.

 

 

ABSTRACT

The Council Regulation (EC) Nº 2200/96 for processed tomato producer organisations (PO) and producer groups (PG), oriented their actions according to main objectives, like “improvement of product quality” and “promoting the use of cultivation practices, production techniques and environmentally sound waste-management practices in particular to protect the quality of water, soil and landscape and preserve and/or encourage biodiversity”.

So, since the nineties, the processed tomato production has received subsidies to satisfy the exigencies of the Common Organization of the Market in terms of quality, safety and traceability of the production contracted with the industry.

An enquiry to the PO and the PG was carried out with the goal to understand how the organized structures of processed tomato producers answer this challenge.

The results show: a) the traceability is largely adopted; b) the increase of tomato‘s Brix degree and its control are not generalized; c) the extent of adherence to environmental practices is small. However, the results show that an important part of PO adhered to exigent and innovating rules.

Key-words: tomato producers, producer organisations, operational programmes, environmental and quality measures.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CCE (2001) - Relatório da Comissão ao Conselho sobre o estado de implementação do Regulamento (CE) nº 2200/96 que estabelece a organização comum de mercado das frutas e produtos hortícolas. CEE, Bruxelas.

CCE (2004) - Rapport de la Comission au Conseil et au Parlement Européen sur la simplification de l’organisation commune des marchés dans le secteur des fruits et légumes. COM (2004) 549 final, Bruxelles.

CE (1996) - Regulamento (CE) nº 2200/96. Jornal Oficial nº L297 de 21/11/1996, pp.0001-0028. CE (2003) - Regulamento (CE) nº 1432/2003. Jornal Oficial nº L203 de 12/08/2003, pp.0018-0034.

GPPAA (2004) - Histórico das OP’s de Tomate Industria. (Não publicado).

INE (2003) - Estatísticas Agro-Industriais 1999-2001. INE, Lisboa. INGA (2003) -Evolução da ajuda paga às OP 19992002. (Não publicado).

Pinto, A. & Fragata, A. (2002) - Tomate e produtos transformados: traços da situação e das tendências recentes do sector. Agronomia Lusitana 50 (3/4): 197-210.         [ Links ]

Tomato News (2000) - Le SIAL 2000: Révélateur des tendances de l’innovation. Tomato News 12 (11).

Tomato News (2002) - Nouveaux produits. Tomato News 14 (9).

Tomato News (2003) - Portugal: trade statistics. Tomato News October.

Tomato News (2004) - 2004 Season: AMITOM and enlarged Europe. Tomato News 16 (7/8).

 

1 Este texto é uma versão da comunicação apresentada ao II Congresso de Estudos Rurais “Periferias e Espaços Rurais”, Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, 29 Setembro a 3 de Outubro 2004 e foi financiado pelo Programa de Apoio à Reforma dos Laboratórios do Estado (PARLE), Projecto B “Valorização da qualidade e promoção da segurança alimentar e da preservação do ambiente na produção hortofrutícola”.

2 Departamento de Estatística Experimental Economia e Sociologia Agrárias, Estação Agronómica Nacional, 2784-505 OEIRAS Portugal

 

Recepção/Reception:2005.01.19

Aceitação/Acception: 2007.05.09

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons