SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número1-2Desgaste de materiales compuestos Al-Li/SiCPropriedades mecânicas de revestimentos nanolaminados e nanoestructurados de ZrO2/Al2O3 para aplicações de desgaste a alta temperatura índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Compartilhar


Ciência & Tecnologia dos Materiais

versão impressa ISSN 0870-8312

C.Tecn. Mat. v.18 n.1-2 Lisboa jan. 2006

 

Simulação de desgaste abrasivo via eventos múltiplos

 

W. M. da Silva e J. D. B. de Mello

Universidade Federal de Uberlândia, UFU, Faculdade de Engenharia Mecânica, Laboratório de Tribologia e Materiais, Av. João Naves de Ávila, 2160, Campus Santa Mônica, Bloco 1R, CEP: 38400-902, Uberlândia - MG, Brasil.

ltm-demello@ufu.br

 

 

RESUMO: A otimização de processos abrasivos é alvo constante de estudos científicos, seja no sentido de minimizar a perda de massa de um sistema tribológico sujeito à presença de abrasivos, seja no sentido de melhorar a qualidade superficial em processo de fabricação, que utilizam abrasivos para remover material. Recentemente, os sistemas de desgaste abrasivo têm sido classificados em função da dinâmica das partículas atuantes: (a) deslizamento das partículas sobre a superfície produzindo sulcamento e/ou riscamento; (b) rolamento dos abrasivos entre as superfícies, levando a formação de indentações múltiplas. O predomínio de uma destas dinâmicas é função das características do sistema, destacando-se a carga por abrasivo, geometria da partícula abrasiva e relação de dureza entre as superfícies. O presente trabalho propõe uma metodologia que relaciona os principais parâmetros dos ensaios laboratoriais de desgaste abrasivo através de uma simulação instrumentada. O equipamento utilizado nesta simulação é um esclerômetro retilíneo que reproduz a atuação de um grão abrasivo sobre a superfície de uma amostra. A partir das informações contidas na superfície desgastada original realiza-se uma seqüência de indentações e riscos/sulcos em posições aleatórias dentro de uma área pré-determinada obtendo uma nova superfície. É possível dimensionar a quantidade, intensidade e direção (no caso de riscos/sulcos) dos eventos. Usando interferometria laser e MEV constatou-se a semelhança entre a topografia e os mecanismos de desgaste da superfície produzida na simulação e a superfície original. Observou-se, também, que a simulação é sensível ao direcionamento dos eventos e mecanismos de desgaste.

Palavras chave: Desgaste Abrasivo, mecanismo de desgaste, simulação, eventos múltiplos.

 

 

ABSTRACT: The optimisation of the abrasive process is the constant aim of scientific studies, either to minimize the mass lost of any tribological system submitted to abrasive presence, or to improve the superficial quality in the machining and/or finishing processes which use abrasives to remove materials. Recently, the wear system has been classified in two different groups, according to its particle dynamic: (a) sliding of the acting particles on the sample surface producing the mechanism of microcutting and/or microploughing or microcracking; (b) the rolling of the abrasives between the surfaces leading to multiple indentation formation. Predominance of one or the other dynamic is due to system features, especially the force by particle, abrasive particle geometry and hardness ratio between the surfaces. The present work proposes a methodology that shows the principal parameters of laboratory abrasive wear tests by instrumented simulation. The equipment used in this simulation is a rectilinear esclerometer that reproduces the act of one abrasive particle on a sample surface. By an original wear surface analysis, a sequence of indentations and scratchs/grooves in random positions inside a pre-defined area can be obtained. It is possible to dimension the quantity, intensity and direction (in case of scratch) of the events. A surface similar to the original can be obtained by simulation. The wear mechanism and topography of this new surface can be described using laser interferometry and SEM. It can also be observed that the simulation is sensible to the direction of events and wear.

Keywords: abrasive wear, wear mechanisms, simulation, multiply events.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1] Williams, J. A. and Hyncica, A. M., “Mecanisms of abrasive wear in lubricated contacts”, Wear, volume 152, pp 57-74, 1992.        [ Links ]

[2] Williams, J. A. and Hyncica, A. M., “Abrasive wear in lubricated contacts”, J. Phys. D: Appl. Phys., volume 25, pp A81-A90, 1992.

[3] Fang, L., Kong, X. L., Su, J. Y. and Zhou, Q. D., “Movement patterns of abrasive particle in three-body abrasion”, Wear, volume 162 - 164, pp 782 – 789, 1993.

[4] Verspui, M. A., With, G. de, Van Der Varst, P. G. Th., Buijs, M., “Bed tickness and particle size distribution in three-body abrasion”, Wear, volume 188, pp 102 – 107, 1995.

[5] Buijs, M. and Korpel-van Houten, K., “A model for lapping of glass”, Journal of Materials Science, volume 28, pp 3014 – 3020, 1993.

[6] Buijs, M. and Korpel-van Houten, K., “Three-body abrasion of brittle materials as studied by lapping”, Wear, volume 166, pp 237 – 245, 1993.

[7] Verspui, M. A., With, G., “Three-body abrasion: Influence of applied load on bed thickness and particle size distribution in abrasive processes”, Journal of the European Ceramic Society, volume 17, pp 473 – 477, 1997.

[8] Adachi, K., Hutchings, I. M., “Wear mode mapping for the micro-scale abrasion test”, Wear, volume: 255, pp 23 – 29, 2003.

[9] Trezona, R. I., Allsopp, D. N. and Hutchings, I. M., “Transition between two–body and three-body abrasive wear: influence of test conditions in the microscale abrasive wear test.”, Wear, volume 225 – 229, pp 205 – 214, 1999.

[10] Kelly, D. A. and Hutchings, I. M., “A new method for measurement of particle abrasivity”, Wear, volume 250, pp 76-80, 2001.

[11] Da Silva, W. M., “Efeito da Pressão de Compactação e Tamanho do Pó de Ferro na Microabrasão do Ferro Sinterizado Oxidado a Vapor”, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2003, 98p.

[12] Da Silva, W. M., Binder, R. e de Mello, J. D. B., “Abrasive Wear of Steam Treated Sintered Iron”, Wear, volume 258, pp 166-177, 2005.

[13] Pintaúde, G., “Análise dos regimes moderados e severo de desgaste abrasivo utilizando ensaios instrumentados de dureza”, Tese de Doutorado, Departamento de Engenharia Mecânica, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 200p, 2002.